Glossário: Termos com a letra C

arrow_forwardMais sobre

CAC-40

Índice que exprime a variação média diária de uma carteira de ações negociadas na Bolsa de Valores de Paris. O CAC 40 é formado por uma carteira teórica de 40 ações, escolhidas pela participação no mercado e pela liquidez de cada ação, de forma a representar o comportamento do mercado francês.

Cadeia de Valor

Conjunto das diversas etapas de produção, que começa com a matéria-prima, inclui o fornecimento de equipamentos, o aparato tecnológico e institucional e se encerra com a distribuição e comercialização do produto final.

Cadeia Produtiva

Conjunto de diversos segmentos de produção e serviços (indústria de insumos, produtores, indústrias processadoras, distribuidores etc) que se inter-relacionam e interagem no ambiente institucional no qual se inserem.

Caderneta de Poupança

Uma das aplicações mais conhecidas no mercado brasileiro, a caderneta de poupança é o sinônimo de segurança para muitos investidores, pois conta com a garantia do Fundo Garantidor de Crédito (FGC). Através dele o investidor que aplica na poupança tem garantia de recebimento dos valores aplicados, mesmo em caso de quebra do banco, até o limite de R$ 60 mil por CPF/CNPJ.
Uma das maiores críticas com relação à poupança reside na sua baixa rentabilidade comparativa. Os depósitos de poupança são isentos da cobrança do imposto de renda para pessoa física, tendo remuneração composta pela TR (correção monetária) + 0,5% (juros) ao mês, com aniversário a cada 30 dias.

Caducidade

Termo usado para determinar a perda de um direito devido ao fato de que não foi exercido em um determinado período de tempo determinado seja pela lei, ou pela vontade das partes envolvidas.

Call – Opção de compra

Termo que vem do inglês e é usado no mercado de opções e significa opção de compra. Quando um investidor compra uma opção de compra, ele paga um prêmio para adquirir o direito de comprar um determinado ativo financeiro por um preço previamente determinado durante o prazo de vigência ou no vencimento da opção.

Call Center

Termo que vem do inglês e denomina a central de atendimento aos clientes onde as chamadas são processadas ou recebidas. O call center tem como objetivo ajudar a promover o esforço de vendas, oferecer atendimento ao consumidor, suporte técnico e qualquer outra atividade administrativa especializada.

Câmbio (ou taxa de câmbio)

Define toda a operação em que existe troca de moeda nacional por moeda estrangeira, ou vice-versa. Ao viajar, um turista troca moeda nacional, por moeda estrangeira num banco. Ao retornar, se ainda sobrou moeda estrangeira, é possível trocá-la no banco por moeda nacional. No jornal é possível encontrar várias taxa de câmbio para uma mesma moeda. Em todos os casos existe sempre uma cotação de compra e outra de venda, a diferença entre as duas taxas é chamada spread que é o que determina o ganho da instituição financeira na operação. Isto porque a taxa de venda é aquela usada pelo banco para determinar a cotação pela qual irá vender dólares para os investidores, enquanto a taxa de compra é aquela que paga pelos dólares que os investidores lhe vendem. Como era de se esperar, a taxa de compra é menor que a taxa de venda, quanto maior esta diferença maior o spread e o ganho do banco.

Câmbio Flutuante

Política cambial de um país em que a moeda local varia de acordo com a oferta e a procura de moeda conversível (normalmente dólar), sendo que essa procura pode flutuar de acordo com vários fatores dentre os quais a situação político-econômica do país, situação do mercado internacional etc.

Câmbio Paralelo

Operação de conversão de Reais por uma moeda estrangeira no mercado paralelo. O termo dólar paralelo, por exemplo, é usado para definir a cotação de compra ou venda da moeda norte-americana fora dos canais de conversão autorizados pelo Banco Central. Em diversas ocasiões é executado através da troca física de moedas, contrastando com o dólar cabo, onde a transação é eletrônica. Todos os negócios realizados no mercado paralelo, bem como a posse de moeda estrangeira sem origem justificada, são ilegais e sujeitam o cidadão, ou a empresa, às penas da lei.

Canal de Tendência

Termo utilizado em análise técnica (ou grafista) para definir, no gráfico de ações, quando se pode traçar uma reta aproximadamente paralela à linha de tendência por dois máximos (no caso de alta), ou dois mínimos (no caso de baixa). Em geral o canal de tendência sugere um movimento futuro provável da ação no caso de alta ou baixa.

Candlestick, Gráfico tipo

Termo usado para definir um tipo de gráfico utilizado em análise técnica, que mostra simultaneamente as cotações de abertura e de fechamento, máximas e mínimas de uma ação. Através dos desenhos formados ao longo do tempo, os analistas técnicos são capazes de identificar padrões que não apareceriam em outros gráficos, como os de linha ou de barras.

Capacidade de Produção

Volume de bens e/ou serviços que uma empresa pode produzir durante um período de trabalho pré-determinado, muitas vezes medido por dia, meses ou anos.

Capacidade Instalada

A capacidade instalada de uma empresa reflete o seu potencial total de produção, com base nos recursos de que dispõe, o que inclui equipamentos, mão de obra, conhecimentos, estoque etc. De maneira simplificada, quando se fala que uma empresa está operando com 90% de sua capacidade, isto significa que a empresa está produzindo 90% da sua capacidade instalada, ou seja, 90% do seu potencial total de produção.

Capacidade Ociosa

Diferença entre o volume efetivo de produção e o que seria possível produzir com a capacidade instalada. Deste modo, a capacidade ociosa representa o quanto esta empresa poderia produzir a mais para atingir sua capacidade de produção.

Capacity Utilization

O Federal Reserve, que corresponde ao banco central dos Estados Unidos, divulga mensalmente relatório contendo informações sobre a capacidade industrial utilizada nos EUA. O índice, que mede a atividade das indústrias de transformação, mineração, energia elétrica e gás, é calculado como resultado do índice de produção dividido pelo índice de capacidade, que corresponde à produção máxima sustentável.

Além de importante indicador do nível de atividade econômica, o índice é também usado para determinar a tendência da inflação. Isso porque, se uma indústria estiver operando em plena capacidade, no curto prazo seria difícil elevar a produção. Desse modo, se a demanda for maior do que a oferta, o produtor pode elevar suas margens de lucro, impulsionando a inflação.

Capex

É a abreviação de “capital expenditure”, ou os investimentos realizados em bens de capital que visam a continuidade ou a ampliação das operações de uma empresa.

Capital

É a soma de todos os recursos, bens e valores, mobilizados para a constituição de uma empresa.

Capital a Integralizar

Parcela da subscrição de capital que o acionista de uma empresa ainda deverá pagar, isto é, que ainda não foi colocada na empresa.

Capital Aberto (companhia de)

Focando no mercado brasileiro, são empresas cujos valores mobiliários, como ações, por exemplo, estão registrados na CVM (Comissão de Valores Mobiliários), e que estão admitidos à negociação no mercado de títulos e valores mobiliários, de bolsa ou de balcão. A CVM pode classificar as companhias de capital aberto em categorias, conforme as espécies e classes dos valores mobiliários por ela emitidos, negociados nesses mercados. As companhias de capital aberto se sujeitam ao cumprimento de uma série de normas com relação a demonstrações financeiras, fatos relevantes, parecer de auditores etc.

Capital Autorizado

Termo que define o limite estatutário de competência de assembléia geral ou do conselho de administração para aumentar o capital social de uma empresa.

Capital Circulante

O capital circulante de uma empresa é definido como a diferença entre o ativo circulante e o passivo circulante desta empresa. A maioria das empresas precisa operar com um certo montante de capital circulante, mas a quantidade exata depende do setor em que a empresa atua. Empresas com fluxos de caixa muito previsíveis, como as distribuidoras de energia, por exemplo, podem operar com um capital circulante negativo, contudo a maioria das empresas precisa manter níveis positivos de capital circulante.

Capital Circulante Líquido

É a diferença entre o ativo circulante o passivo circulante que constam do balanço patrimonial de uma empresa em uma determinada data. Quando o ativo circulante é maior que o passivo circulante, tem-se um capital circulante líquido próprio. Quando o ativo circulante é menor que o passivo circulante, tem-se um capital circulante líquido negativo ou de terceiros.

Capital de Giro

Termo que se refere ao capital (próprio ou de terceiros) utilizado pela empresa para o financiamento da sua produção como, por exemplo, o dinheiro usado para pagar fornecedores. Os recursos de terceiros são, em geral, levantados junto a bancos comerciais através de operações como desconto de duplicata, por exemplo.

Capital de Risco

Termo usado para determinar a parcela do capital da empresa que está investida em atividades ou instrumentos nos quais existe a possibilidade de perdas ou ganhos superiores aos normalmente esperados nas atividades habituais da empresa.

Capital de Terceiros

Termo usado para definir a parcela do capital total investida na empresa que não pertence aos acionistas, sendo, em geral, equivalente à dívida da empresa.

Capital Fechado (companhia de)

Empresa que trabalha no regime de sociedade anônima e que tem suas ações nas mãos de poucos acionistas, sendo que esses títulos não são negociados em Bolsa de Valores.

Capital Garantido

Define uma modalidade de fundo de investimento, que tem como objetivo proteger o investimento inicial no caso de uma variação negativa do Ibovespa. Se a rentabilidade do Ibovespa for positiva, então a rentabilidade do fundo também será, mas em menor proporção, enquanto se a rentabilidade do Ibovespa for negativa, o investidor tem assegurado que receberá a mesma quantia inicialmente investida no vencimento da aplicação.

Capital Humano

Termo usado para designar o conjunto de conhecimento e informações acumulado pelos funcionários da organização, assim como os investimentos destinados à formação educacional destes profissionais.

Capital Integralizado

Termo que denomina a conta de capital de uma empresa, em que o valor das ações subscritas foi totalmente recebido.

Capital Intelectual

Soma dos ativos de uma empresa, que representa o total do seu conhecimento e pode garantir uma vantagem competitiva. Fazem parte do capital intelectual de uma empresa: conhecimento, habilidade e experiência dos seus funcionários, patentes, tecnologias desenvolvidas internamente, bancos de dados/informações etc.

Capital Segurado

Termo usado no mercado de seguros que define a importância em dinheiro fixada na apólice de seguros. Dessa maneira, o capital segurado de uma apólice equivale ao valor máximo estabelecido para o objeto do seguro. Esse montante pode ser fixo, nos casos em que a indenização é paga integralmente (ex.seguro de vida), ou proporcional nos casos em que é apurada com base nos prejuízos incorridos (ex. seguro de carros).

Capital Social

O capital social de uma empresa reflete a parcela de recursos financeiros colocada na empresa pelos seus acionistas. A soma do capital social integralizado de uma empresa, juntamente com as reservas de capital, as de reavaliação e de lucro, assim como o lucro ou prejuízo acumulados no período, forma o patrimônio líquido de uma empresa.

Capital Social Subscrito a Integralizar

Parcela de subscrição que o acionista deverá pagar, de acordo com determinação do órgão que autorizou o aumento de capital de uma sociedade

Capital Social Subscrito e Realizado

Montante de capital social acrescido da parcela de subscrição paga pelo acionista.

Capital Subscrito

Valor efetivamente subscrito, ou depositado, na empresa pelos seus acionistas.

Capitalista

Indivíduo que investe temporariamente em empresas emergentes com evidente potencial de crescimento, e que tem como objetivo obter uma rentabilidade acima das alternativas disponíveis no mercado financeiro. Em geral, estes indivíduos participam da gestão da empresa, durante o período de duração do investimento.

Capitalização Bursátil

A capitalização bursátil é um indicador usado para medir o valor de mercado de todos os ativos cotados em uma determinada bolsa de valores. É calculado somando-se o valor de mercado de cada ação, obtido como o resultado da multiplicação do número de ações pela cotação de fechamento no período desejado. No caso da Bovespa, a bolsa paulista divulga informações com periodicidade diária, semanal e mensal, tanto em reais como em dólares norte-americanos.

Captação

(1) Termo que reflete uma das principais atividades das instituições financeiras. Quando você deposita um dinheiro em uma caderneta de poupança, abre uma conta corrente, ou simplesmente compra um CDB, estas quantias são consideradas como valores captados pelo banco em questão. (2) Também pode ser usado para determinar a emissão de títulos no mercado de capitais, através da qual tanto instituições financeiras, empresas e governos conseguem obter recursos para financiar suas atividades. Por exemplo, quando uma empresa brasileira emite um título de dívida no mercado externo, do tipo eurobond, diz-se que a empresa fez uma “captação” no mercado externo.

Carência (ou período de)

(1) Termo usado para definir o período em que o participante/investidor não pode resgatar os recursos aplicados no seu plano ou fundo de investimento. (2) Termo usado nos seguros de vida e de saúde para determinar o período no qual a seguradora fica desobrigada de pagar indenizações ao segurado. A exceção fica por conta dos casos de morte acidental durante o período de carência, em que não sendo devida indenização, a seguradora deve restituir o valor dos prêmios pagos ao beneficiário indicado no seguro.

Carga Tributária

Termo usado para determinar o quanto se cobra de impostos sobre os rendimentos de um determinado segmento da economia, ou da economia como um todo. Assim, quando se fala que a carga tributária de um determinado setor é elevada, isto significa que são cobrados muitos impostos sobre este setor; em geral se analisa a carga tributária de um país em relação ao seu PIB (Produto Interno Bruto).

Carnê-Leão

O carnê-leão é um recolhimento mensal obrigatório de imposto de renda sobre rendimentos que você recebe de outra pessoa física (por exemplo gratificações) ou rendimentos que você tenha no exterior com o quais não mantenha nenhum tipo de vínculo empregatício.
Você é o responsável pelo recolhimento que deve ser feito mensalmente por meio de ficha DARF.
O pagamento do Carnê-Leão é devido quando o rendimento recebido, depois das deduções permitidas, for superior ao limite de isenção da Tabela Progressiva Mensal do Imposto de Renda (www.receita.fazenda.gov.br).

Carregamento (taxa de)

Termo usado para determinar a taxa que é cobrada pelas entidades abertas de previdência privada sobre as contribuições feitas pelo investidor ao plano de previdência. Essas taxas variam de acordo com o tipo de plano e são determinadas pela própria empresa, com o intuito de repor despesas administrativas, de corretagem e de colocação do plano de seguro. No caso dos seguros de vida com opção de previdência a taxa de carregamento está limitada a 10%

Cartão Adicional

Designação dada ao cartão vinculado a uma conta de um titular, que possui senha própria, mas que figura apenas como usuário, já que a responsabilidade contratual e jurídica pela utilização do cartão adicional é do titular.

Cartão Co-Branded

O cartão co-branded, ou de marca compartilhada, reflete uma parceria em vendas e marketing cujo objetivo é fidelizar o cliente. Esse tipo de cartão carrega o logotipo da empresa associada e a bandeira, trazendo vantagens específicas para seus associados como, por exemplo: milhas áreas e descontos progressivos nas compras.
Podemos citar como exemplo de cartão co-branded: Cartões de Cias Aéreas, indústria automobilística, redes de varejo etc.

Cartão de Afinidade

O cartão de afinidade reflete uma parceria entre a administradora do cartão de crédito com organizações não lucrativas. Trata-se de um cartão que possui um apelo que tem como objetivo identificar o cliente com a empresa, sendo que o mesmo opta por contribuir financeiramente, mesmo que indiretamente, com essas organizações.
Nesse tipo de cartão o cliente é informado quanto e como ele está contribuindo com a empresa. No final de 1999 existiam mais de 260 programas de cartões de afinidades, com 1,4 milhão de cartões emitidos. Dentre os cartões de afinidade podemos citar: Credicard Unicef, Real USP, Bradesco APAE, etc.

Cartão de Débito

Função inserida nos cartões eletrônicos de contas correntes, que permite a realização de compras com débito automático em conta corrente, utilizando a senha do seu cartão. O dinheiro sai da conta na hora, ou no primeiro dia útil seguinte.

Carteira Administrada

Termo usado para determinar um serviço mais personalizado oferecido para clientes de maior porte. Em geral, incluem investimentos em ações e renda fixa e também em mercados futuros.
A composição dos investimentos é revista diariamente com o cliente, que deve estabelecer seus objetivos em termos de segurança, liquidez e retorno. Em geral os principais clientes deste tipo de serviço são os chamados clientes institucionais, como os fundos de pensão.
Estes fundos levam desvantagem em relação aos fundos de investimento tradicionais, pois a CPMF é cobrada a cada transação. Exatamente por isto, a maioria das carteiras administradas hoje opera como fundos exclusivos com baixas taxas de administração, além de não terem de pagar CPMF por transação.

Carteira de Ações

Conjunto de ações de diferentes empresas, de propriedade de pessoas físicas ou jurídicas.

Carteira de Investimentos

Muitas vezes usado apenas como “carteira” este termo descreve um grupo de investimentos que o investidor possui, ou que compõe o fundo de investimento. Uma carteira de investimentos pode ser composta de vários instrumentos financeiros (ex. ações, títulos de renda fixa etc.)
No caso da indústria de fundos de investimentos, quando se usa o termo carteira se refere ao conjunto de aplicações financeiras nas quais o gestor aplica os recursos captados pelo fundo. É responsabilidade do gestor administrar esta carteira tentando sempre otimizar seu retorno para um dado risco aceito pelos investidores através da compra e venda de ativos financeiros.

CBLC

A CBLC, Companhia Brasileira de Liquidação e Custódia, é responsável pela liquidação de operações de todo o mercado brasileiro de ações, respondendo pela custódia, ou guarda, de 100% dos títulos do mercado acionário brasileiro. Além disso, a empresa pode prestar este serviço para outros ativos como certificados de privatização, debêntures, certificados de investimento, certificados audiovisuais e quotas de fundos imobiliários.
A CBLC foi criada como empresa independente a partir de uma reestruturação patrimonial ocorrida no início de 1998 na Bolsa de Valores de São Paulo – BOVESPA. Assim, a empresa concentra as atividades relacionadas à compensação, liquidação, custódia e controle de risco para o mercado financeiro.

CBO – Classificação Brasileira de Ocupação

O CBO é um sistema de classificação responsável pela codificação dos títulos e conteúdos dos cargos e ocupações do mercado de trabalho brasileiro.

C-Bond (Brazil Capitalization Bond)

Principal título de dívida externa do País, o C-Bond foi emitido como parte da renegociação da dívida brasileira em 1994 (Plano Brady), com vencimento em 2014. A maior parte destes títulos foi trocada pelos A-Bonds, em operação realizada em 2005. O nome Capitalization Bond (ou Bônus de Capitalização) vem do fato de que parte dos juros, nos primeiros seis anos era capitalizada.

CCF – Cadastro de Emitentes de Cheque sem Fundo

O CCF é um cadastro mantido pelo Banco Central com dados dos emitentes de cheques sem fundos. Esse cadastro é operacionalizado pelo Banco do Brasil a fim de prestar informações às pessoas que tenham sido lesadas por golpes de cheques sem fundos ou roubados. No caso de conta conjunta serão incluídos no CCF os nomes e os respectivos CPFs de todos os titulares da conta conjunta. Existem duas formas para se verificar se o seu nome está incluído no CCF, são elas:
comparecer a uma Central de Atendimento do Banco Central com um documento de identidade e informando o número de seu CPF;
consultar seu banco, que procederá com a pesquisa de forma gratuita.
O pedido de exclusão do CCF deverá ser feito diretamente à agência que efetuou a inclusão. Se esta agência pertencer a um banco em regime de liquidação extrajudicial, a exclusão deve ser solicitada à agência do Banco do Brasil mais próxima àquela. No caso da agência ter sido fechada, mas o banco ainda operar em outro local, deve-se procurar a sede deste banco e, assim, pagar a taxa e a tarifa correspondentes à exclusão.

CDB – Certificado de Depósito Bancário

São títulos representativos de depósitos a prazos fixos emitidos por bancos comerciais, bancos de investimento e bancos de desenvolvimento. A taxa paga nos CDBs pode ser pré-fixada, pós-fixada ou flutuante, essa última atrelada a um percentual da variação de um índice.

CDC – Código de Defesa do Consumidor

O CDC entrou em vigor no dia 11 de março de 1991 e serve para garantir os direitos dos consumidores frente à possibilidade de abusos praticados por empresas e instituições financeiras na prestação de seus serviços. O objetivo do CDC é proteger não somente os bens do consumidor, como também sua integridade física e moral. No primeiro caso estamos falando da proibição que o CDC impõe sobre as empresas de venderem produtos ou bens que causem danos na saúde física e moral do consumidor.

CDC – Crédito Direto ao Consumidor

Termo usado para determinar os empréstimos para pessoa física que em geral são levantados para a compra de um bem específico.
Exatamente por isto, como o próprio bem que está sendo financiado pode ser usado como garantia do empréstimo, esta é a modalidade de financiamento mais barata dentre as linhas de empréstimos a pessoa física.

CDI – Certificado de Depósito Interbancário

Aplicação de prazo de um dia útil. O deposito interbancário é uma modalidade de investimento que os bancos usam para aplicar os seus recursos excedentes ou para captar dinheiro de outros bancos com o objetivo de melhorar sua posição de liquidez. O CDI é usado como benchmark para se comparar a rentabilidade de fundos de investimento que aplicam primordialmente em títulos de renda fixa, como os fundos DI e todas as subcategorias de fundos de renda fixa.

CDP – Certificado de Dívida Pública

Título de responsabilidade do Tesouro Nacional emitido com a finalidade de se quitar a dívidas junto ao INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social), que é emitido de forma escritural na Cetip e cuja rentabilidade é pós-fixada e indexada à variação da TR.

CEI – Cadastro Específico do INSS

É o cadastramento para identificação do contribuinte junto ao Instituto Nacional da Seguridade Social (INSS). Por contribuinte, são consideradas todas as pessoas físicas ou jurídicas equiparadas como empresas pela legislação previdenciária, a qual determina que todas devem, obrigatoriamente, efetuar esta matrícula. O cadastro é feito simultaneamente com a inscrição no CNPJ ou diretamente no INSS em até 30 dias a contar da data de início das atividades da empresa, quando esta não precisar se inscrever no CNPJ.

Centro de Pesquisa e Desenvolvimento

Organização que abriga laboratórios para o desenvolvimento de atividades de pesquisa e desenvolvimento.

CEO

Sigla em inglês que significa “Chief Executive Officer” ou Diretor Executivo de uma empresa. O CEO de uma empresa é o executivo encarregado pela administração geral de suas atividades.

Certificação

Procedimento de verificação e produção de atestado formal, efetuado por especialistas, relativo à presença de requisitos mínimos estabelecidos quanto às qualificações de pessoal, processos, procedimentos, ou itens, de acordo com necessidades específicas aplicáveis à empresa.

Certificado Individual

Termo que denomina o documento emitido pelas seguradoras formalizando a aceitação, em plano coletivo, do proponente integrante do grupo segurado.

Cetip – Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos

Criada em 1986, a CETIP é uma das maiores empresas de custódia e de liquidação financeira da América Latina e se constitui em um mercado de balcão organizado para registro e negociação de valores mobiliários de renda fixa. Dentre os títulos privados podemos citar as Debêntures, CDB, Letras de Câmbio e CDI. Estes títulos são mantidos escrituralmente no Cetip e são financiados com recursos disponíveis. Também são custodiados na Cetip os títulos estaduais e municipais que ficaram fora das regras de rolagem. Dentre os títulos públicos incluem-se TDAs, CFT e CDPs.

CFO

Sigla em inglês que significa “Chief Financial Officer” ou Diretor Financeiro de uma empresa. O CFO de uma empresa é o executivo responsável, entre outras tarefas, pelo planejamento financeiro, arquivamento de dados financeiros, financiamentos de longo prazo, política de dividendos, investimentos de capital, gerenciamento de fluxo de caixa e alocação de recursos.

CFT – Certificado Financeiro do Tesouro

Título de responsabilidade do Tesouro Nacional que é emitido sob forma escritural no Selic, sua rentabilidade é pós-fixada, com exceção da CTF-F, e assim como as NTNs possui várias séries cada qual com seu índice de atualização próprio (IGP-M, câmbio, TR, etc).

Chamada de Bônus

Resgate de bônus pelo emitente, mediante pagamento antes do vencimento. Nesta operação, o emitente exerce o direito de comprar o papel junto ao investidor a um preço e uma data pré-determinados. Isso corresponde a dizer que ele possuía uma opção de compra, ou seja, uma call option. Este tipo de cláusula é relativamente comum em papéis da dívida externa privada brasileira, principalmente em Eurobônus emitidos por empresas do setor privado.

Chamada de Capital

Termo usado para determinar uma subscrição de ações novas, com ou sem ágio, para aumentar o capital de uma Empresa.

Ciclo de Vida do Produto

Do ponto de vista industrial, o termo reflete as etapas anteriores à chegada do produto à linha de produção (concepção, desenvolvimento, confecção de protótipos e teste) seguidas da utilização do produto pelos clientes, do descarte ou da reciclagem. Do ponto de vista mercadológico, o conceito expressa a permanência de um produto ou serviço no mercado, sendo que esta permanência está dividida em quatro fases: introdução, crescimento, maturidade e declínio.

CIO

Sigla em inglês que significa “Chief Information Officer” e denomina o executivo responsável pelo planejamento e estratégia por trás da tecnologia. Pode ser também “Chief Imagination Officer”, termo criado pela fabricante americana de computadores Gateway. É responsável por promover a criatividade entre o pessoal.

Circuit Breaker

Uma condição de negociação que é adotada em muitas bolsas de valores. Através do Circuit Breaker, o pregão é imediatamente interrompido toda vez que o índice representativo dos preços de um conjunto de ações tenha queda substancial. No caso da Bolsa de Valores de São Paulo, o circuit breaker é adotado quando o Ibovespa tem uma queda de dez por cento em relação ao fechamento do pregão anterior, levando a uma paralisação de 15 minutos das negociações. Caso a queda atinja 15%, a paralisação será de uma hora.

Circular de Oferta de Franquia (COF)

Documento elaborado pela empresa franqueadora, segundo as exigências legais que são entregues ao candidato a franqueado. O objetivo deste documento é o de informar o candidato a respeito dos aspectos mais relevantes da franquia em que está interessado.

Cisão

É o processo de transferência, por uma empresa, de parcelas de seu patrimônio a uma ou mais sociedades, existentes ou constituídas para esse fim, extinguindo-se a empresa cindida, se houver versão de todo o seu patrimônio.

Cliente

Termo usado para determinar a pessoa física ou jurídica que compra e/ou utiliza o produto ou serviço prestado pela empresa.

CLT – Consolidação das Leis do Trabalho

A CLT nada mais é do que a combinação de todas as normas constitucionais referentes ao mercado de trabalho, em uma só lei. Assim, a CLT rege as relações formais entre funcionários e empregadores no Brasil.

Clube de Empreendedores

Associação de empresários formada com intuito de trocar informações e conhecimentos, assim como interagir de forma a prestar serviços comuns, reduzir custos de consultoria e atividades interativas.

Clube de Investimento

Os Clubes de Investimento funcionam de maneira semelhante aos fundos de investimento, com a diferença que o número de participantes do clube é limitado a 50 pessoas e, em geral, são pessoas conhecidas ou membros de um grupo de afinidade. A administração dos recursos, que são aplicados em uma carteira diversificada de ações, fica a cargo de uma instituição financeira autorizada. Muitas vezes, os clubes oferecem taxas mais atrativas de administração que os fundos de investimento tradicionais. Na hora de investir pelo menos 51% da carteira dos clubes devem estar direcionados a investimentos em ações, bônus de subscrição ou debêntures conversíveis em ações. O número máximo de cotas por participante é 40% do total de cotas do CI.

CNBV

Sigla que responde por Comissão Nacional de Bolsas de Valores. A CNBV é uma associação sem fins lucrativos que representa os interesses das Bolsas do país junto a autoridades monetárias e reguladoras.

CND – Certidão Negativa de Débitos

Documento que comprova se uma empresa está ou não em situação regular junto ao INSS. O CND pode ser adquirido nos guichês de atendimento da Previdência ou no endereço eletrônico do Ministério da Previdência (www.previdenciasocial.gov.br). Para obter o CND, basta apenas ter em mãos o número do CNPJ ou CEI.

CNI

Sigla que denomina a Confederação Nacional das Indústrias. Fundada em 1942, a CNI reúne representantes das federações estaduais da indústria.

CNPJ – Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica

O CNPJ é um cadastro realizado e administrado pela Receita Federal, com o intuito de registrar as informações cadastrais de pessoas jurídicas. O CNPJ é equivalente ao CPF para pessoa física.

CNSP

Sigla que denomina o Conselho Nacional de Seguros Privados, órgão normativo do Sistema Nacional de Seguros Privados.

Cobertura de Juros Bruta

Indicador usado em análise financeira, que serve para medir a capacidade de uma empresa pagar suas despesas com juros sem comprometer o seu fluxo de caixa. Quanto maior for esse indicador, maior a capacidade da empresa de arcar com o pagamento de juros. O indicador é calculado como sendo a divisão do lucro antes dos juros e impostos pela despesa financeira bruta da empresa.

Cobertura de Juros Líquida

Indicador usado em análise financeira que mede a capacidade de uma empresa pagar suas despesas com juros sem comprometer o seu fluxo de caixa. A diferença com relação à cobertura de juros bruta é que no cálculo das despesas financeiras são descontadas as receitas de juros que a empresa venha a ter. Quanto maior for esse indicador, melhor a capacidade da empresa liquidar os seus juros. O indicador é calculado como sendo a divisão de lucro antes dos juros e impostos pelas despesas financeiras líquidas da empresa.

Cobertura de Risco

Termo usado na indústria de seguro se refere à garantia que o segurado possui de que receberá pagamento de indenização pela ocorrência de eventos aleatórios distintos da sobrevivência.

Cobertura por Sobrevivência

Termo usado na indústria de seguros que se refere à garantia que o segurado tem de que irá receber o pagamento de indenização pela sobrevivência do segurado durante o período de diferimento contratado.

Código (de uma ação)

É a identificação criada pelas Bolsas de Valores para identificar as ações listadas. Na Bovespa os códigos são compostos de quatro letras, identificando a empresa e um ou dois números identificando o tipo de ação (ex: Petrobras ON – PETR3, Vale PNA – VALE5).

COFINS – Contribuição para Financiamento da Seguridade Social

Trata-se da contribuição devida pelas empresas de direito privado em geral, exceto as microempresas e as empresas de pequeno porte submetidas ao regime do Simples, pois neste caso a contribuição já está embutida na alíquota unificada do imposto. A partir de fevereiro de 2004 a alíquota da Cofins subiu de 3% para 7,6% sobre o faturamento mensal da empresa, independentemente da atividade exercida e da classificação contábil adotada para a escrituração destas receitas. Contudo, o aumento só é válido para as empresas tributadas pelo lucro real

Colateral

Ativos financeiros ou outro tipo de ativos dados como garantia por um devedor para dar garantia a um determinado empréstimo.

Colocação Privada

Venda de ações, títulos de renda fixa ou outros ativos realizada diretamente junto a um investidor institucional como, por exemplo, uma seguradora. É também conhecido como emissão privada, ou pelo termo em inglês private placement

Comércio Eletrônico

Termo que define a compra e venda de informações, produtos e serviços através da rede mundial de computadores (ou internet).

Comissão (cartão de crédito)

Trata-se da comissão paga pelo estabelecimento comercial à empresa administradora de cartão pelo uso do cartão como forma de pagamento pelo cliente. O valor da comissão, em geral, varia de acordo com o poder de barganha do comerciante, mas tende a ser determinada com base em negociação entre as partes.

Comissão (seguros)

Forma de pagamento usada pelas seguradoras para remunerar o trabalho dos corretores de seguros.

Comissão de Valores Mobiliários (CVM)

Autarquia federal vinculada ao Ministério da Fazenda, criada em 1976 para fiscalizar e disciplinar as operações ou valores mobiliários e demais assuntos inerentes ao mercado de títulos. Desta forma, a CVM disciplina o funcionamento do mercado de valores mobiliários e a atuação das partes envolvidas, como as companhias abertas, os intermediários financeiros e os investidores, além de outros cuja atividade gira em torno desse universo principal. Dentre as responsabilidades das CVM estão o registro de companhias abertas; credenciamento de auditores independentes e administradores de carteiras de valores mobiliários; organização, funcionamento e operações das bolsas de valores; administração de carteiras e a custódia de valores mobiliários; suspensão ou cancelamento de registros, credenciamentos ou autorizações.

Commercial Paper

Termo em inglês que denomina uma categoria de títulos de dívida emitidos por empresas, no mercado local ou internacional, e cujos recursos são usados para financiar as atividades de curto prazo da empresa ou necessidades de capital de giro, como a compra de estoques, pagamento de fornecedores etc. O prazo mínimo destes títulos é de 30 dias e o máximo de 360 dias.

Commodities

Termo em inglês que significa mercadoria. Trata-se de produtos primários como café, soja, milho, trigo, petróleo, além de alguns produtos industriais semi-elaborados como celulose e açúcar. Uma commodity costuma ter características muito parecidas com a de outros produtores, permitindo que sejam cotadas nas Bolsas de Valores.
Os produtores de commodities são considerados “price takers”, ou seja, são tomadores de preços, não podendo individualmente afetar as cotações dos produtos produzidos. Desta forma, um produtor de soja no Brasil, por maior que seja e por mais que varie sua produção, muito dificilmente conseguirá determinar os preços mundiais da soja.

Companhia Holding

Termo usado em contabilidade para denotar a empresa que possui, como atividade principal, a participação acionária em uma ou mais empresas. A maior fonte de receita destas empresas são dividendos provenientes das empresas nas quais a companhia holding tem participações. É bastante comum a criação deste tipo de companhia por motivos fiscais.

Competitividade

Capacidade que uma empresa tem de definir e colocar em prática certas estratégias de concorrência que tornem possível a ampliação ou manutenção de sua participação no mercado, conferindo-lhe solidez. No curto prazo, a competitividade é influenciada pelo crescimento econômico, pelas políticas cambial, fiscal e monetária e se reflete nos preços dos produtos ou serviços prestados pela empresa. Já no longo prazo, a competitividade reflete a qualidade e confiabilidade dos produtos e a eficácia da política de inovação da empresa.

Compliance

Conjunto de ações para fazer cumprir as normas legais e regulamentares, as políticas ou as diretrizes estabelecidas para um negócio, bem como evitar quaisquer desvios.

Compra em Margem

Aquisição de ações à vista utilizando recursos obtidos através de um financiamento com uma sociedade corretora que opere na Bolsa. Estas operações são feitas no mercado a vista da bolsa, sendo que os termos de liquidação, custo e quitação do financiamento são acordados entre o investidor e a corretora.

Comprovante de Transação

Este documento é emitido quando é realizada uma transação com cartão, sendo que são emitidas duas vias uma para o portador (para comparação com o demonstrativo mensal da fatura) e outra, do estabelecimento comercial. No documento deve constar o número do cartão, o valor, a data, a hora, o código e o nome do estabelecimento.

Condomínio Empresarial

Conjunto de pequenas empresas localizadas em uma mesma região, organizadas de forma contratual, que se unem para viabilizar soluções econômicas e sociais e investimentos planejados.

Consorciado

É a pessoa física ou jurídica que participa do grupo e assume a obrigação de contribuir para o alcance das finalidades do grupo.

Consorciado Ativo

É o consorciado que não foi excluído do grupo.

Consorciado Contemplado

É o consorciado que adquiriu o direito de utilizar seu crédito, mediante contemplação por sorteio ou lance.

Consorciado Excluído

É o consorciado que deixa de participar do grupo, por desistência voluntária ou pelo não pagamento de suas obrigações financeiras, nos termos do Contrato de Adesão.

Consorciado não Contemplado

É o consorciado que ainda não adquiriu o direito de utilizar seu crédito, pois não foi sorteado em Assembléia Geral Ordinária ou não teve lance vencedor.

Consórcio

Trata-se de um sistema através do qual um grupo fechado de pessoas, físicas ou jurídicas, se une com o intuito de formar uma poupança que permita a compra de bens móveis duráveis, imóveis e serviço turístico, por meio de autofinanciamento.

Consórcio de Empresas

Associação de pequenas empresas organizadas de forma contratual, que se unem para viabilizar soluções econômicas, sociais e investimentos planejados.

Construction Spending

O Departamento de Comércio dos Estados Unidos divulga mensalmente o resultado da pesquisa responsável pela mensuração dos valores gastos na construção de imóveis novos, com base no tipo de construção, que pode ser residencial, não residencial, prédios públicos, de utilidade pública e gêneros do tipo, e no perfil do dono do imóvel, que pode ser privado ou público, federal, estadual ou municipal.

Consumer Confidence

A organização sem fins lucrativos Conference Board divulga mensalmente pesquisa avaliando a confiança dos consumidores norte-americanos em relação à situação presente da economia local, que representa 40% do índice, e ao futuro da economia local, que representa 60% do índice. O indicador permite avaliar a confiança das famílias, que são responsáveis, através dos gastos de consumo, por cerca de 60% do PIB (Produto Interno Bruto) dos EUA.

Consumer Credit

O Federal Reserve, banco central dos EUA, divulga mensalmente o índice Consumer Credit, que mede o volume total de crédito concedido aos consumidores norte-americanos.
Entretanto, esse índice não é muito acompanhado pelo mercado, pois os dados do índice são referentes ao mês retrasado.

Conta Investimento

A conta-investimento, introduzida no dia 1º de outubro de 2004, é uma nova modalidade de conta para aquelas pessoas que têm dinheiro aplicado, sendo que sua principal característica é isentar o investidor do pagamento da CPMF na movimentação de recursos entre contas de mesma titularidade. A conta tem a mesma titularidade da conta corrente do aplicador, sendo que para aqueles clientes que não possuem recursos aplicados, a conta-investimento será aberta tão logo ocorra a primeira aplicação. A implantação da conta-investimento obedecerá a um período de transição, que durará até 30 de setembro de 2006. Neste período de transição, tanto a primeira aplicação quanto a primeira renovação ainda estarão sujeitas à incidência da CPMF. A partir de 1º de outubro de 2006, por sua vez, ou seja, exatamente dois anos após a sua introdução, a conta-investimento passa a ter funcionamento pleno, com isenção total da CPMF.

Conta Margem

Forma de negociação em que o investidor obtém a) um financiamento no caso de COMPRA e b) empréstimo de papel no caso de VENDA. Os custos envolvidos na operação são determinados pelas partes envolvidas.

Contango

Situação na qual o preço do mercado futuro está acima do preço spot esperado para o futuro. O fenômeno inverso é denominado backwardation.

Contemplação

É a atribuição ao consorciado, através de sorteio ou lance, do direito de utilizar o crédito, observadas as disposições do Contrato de Adesão.

Contrato a Termo

Contrato que estabelece que um determinado ativo será comprado e vendido no futuro por um preço fixado no presente.

Contrato de adesão

Tipo de contrato que estabelece os termos e condições de uso dos cartões. É assim denominado porque os termos são estabelecidos pelo emissor do cartão, sendo que o consumidor não pode mudá-los. Assim, se discordar dos termos do contrato, o consumidor pode optar por não aderir a ele.

Contrato de Adesão

É o instrumento que, firmado pelo consorciado e pela administradora, por meio da assinatura da Proposta de Adesão, cria vínculo jurídico obrigacional entre as partes e, desta forma, o consorciado formaliza seu ingresso em um grupo, estando nele expressas as condições de operação de consórcio, bem como, de forma clara e explícita, os direitos e deveres das partes contratantes.

Contrato de Gaveta

São chamados contratos de gaveta os contratos de mutuários que vendem o seu imóvel, mas não transferem o contrato de financiamento para o nome do novo proprietário. Ou seja, embora o imóvel tenha sido vendido o contrato continua vinculado ao antigo dono.
A principal razão para que a maior parte dos novos proprietários optar por não transferir o contrato de financiamento deve-se ao fato de que neste caso seria feita uma nova análise de crédito da situação, o que elevaria o valor da prestação.

Contrato de Opção

Contrato através do qual o investidor recebe o direito de COMPRAR (opção de compra) ou VENDER (opção de venda) uma quantidade de um ativo a um preço pré-estabelecido durante o período de validade da opção.

Contribuição

Termo utilizado em planos de previdência privada, que define o valor aplicado no plano. As contribuições podem ser únicas, mensais ou esporádicas, é através delas que se financiam os benefícios que serão pagos no momento da aposentadoria.
Nos PGBLs e planos tradicionais o valor das contribuições, desde que não exceda 12% da renda bruta anual do investidor, pode ser deduzido do imposto de renda a pagar, para isto é preciso optar pelo formulário completo de declaração de imposto de renda.

Controle Acionário

Termo que determina o poder de decisão de um ou vários acionistas sobre uma determinada empresa, sendo que este controle é garantido pela posse do maior número de ações com direito a voto.

Controle de Qualidade

Estratégia administrativa que se desenvolve com a participação dos recursos humanos da empresa, e que tem como objetivo a satisfação do cliente, através da oferta de produtos ou serviços de qualidade superior.

Cooperação Universidade-Empresa

Forma de colaboração entre empresas e universidades, que contribui para a formação de profissionais, através do acesso a laboratórios, apoio à pesquisa, desenvolvimento tecnológico e à transferência de tecnologia.

Cooperativa

Empresa constituída por pessoas, geralmente com os mesmos interesses mercadológicos. O papel da cooperativa é o de substituir seus associados nas suas relações com o mercado, desempenhando, em benefício comum, determinada atividade econômica.

COPOM – Comitê de Política Monetária do Banco Central

O COPOM foi instituído em 20 de junho de 1996 com o objetivo de estabelecer as diretrizes da política monetária e definir a taxa básica de juros. O COPOM decide a meta da taxa SELIC, taxa básica da economia, que deve vigorar no período entre suas reuniões e, em alguns casos, o seu viés ou tendência. A taxa SELIC é a média ajustada dos financiamentos diários apurados no Sistema Especial de Liquidação de Custódia (SELIC) para títulos federais.

Copyright

Termo que vem do inglês e denomina o direito exclusivo de reproduzir por qualquer meio material, publicar ou vender obra literária, artística, técnica ou científica. O copyright é um direito desfrutado pelo autor ou seus descendentes, mas pode ser negociado ou cedido a um editor ou a qualquer outro beneficiário. Abrevia-se com o símbolo ©, ao qual se seguem o nome do beneficiário e a indicação do ano da primeira edição.

Core CPI

O Departamento de Trabalho dos Estados Unidos divulga mensalmente o Core CPI (Consumer Price Index), ou núcleo do índice de preços ao consumidor, calculado com base numa cesta pré-definida de bens e serviços, com exceção dos custos relativos à alimentação e energia.

Esse índice é bastante importante, pois é uma das principais referências para analisar o comportamento da inflação, visto que exclui possíveis distorções, em função de itens considerados mais voláteis.

Core PPI

O Departamento de Trabalho dos Estados Unidos divulga mensalmente índice de preço no atacado aos produtores, desconsiderando os preços de energia e alimentos, considerados voláteis e que, muitas vezes, acabam distorcendo a análise do índice. Esse índice é considerado muito importante pelo mercado, pois mostra a situação da inflação na economia dos EUA.

Corretagem

Taxa de remuneração de um intermediário financeiro na compra ou venda de títulos.

Corretor de Seguros

Profissional credenciado por meio de curso e exame de habilitação profissional (sendo esta habilitação autorizada pelos órgãos competentes) a promover a venda de contrato de seguros, assim também como sua administração.

Co-seguro

Operação em que mais de uma seguradora participa em uma mesma apólice, de forma que os riscos da mesma são distribuídos proporcionalmente às cotas de co-seguro distribuídas. Isso porque cada seguradora é responsável por uma parte do total segurado, e o prêmio é dividido nesta mesma proporção.

Cota

São parcelas iguais que dividem o valor do patrimônio líquido do Fundo de Investimento. O valor aplicado em um fundo de investimento é dividido por uma determinada quantidade de cotas que determina o valor da cota do fundo.
As cotas do fundo de investimento equivalem à cotação da ação de uma Empresa em particular. O Valor de Mercado de um Fundo é calculado como o Valor de Mercado de uma Empresa, ou seja, multiplicando-se o número total de cotas por valor da cota na data em questão.

Cotação (ou Preço)

Preço dos títulos, ações, moedas estrangeiras ou mercadorias. O termo é usado principalmente nas bolsas de valores ou de mercadorias.

CPF – Cadastro de Pessoa Física

O CPF, antigo CIC (Cartão de Identificação do Contribuinte), é um documento de identificação necessário para as pessoas físicas que estão sujeitas a várias situações do cotidiano, como abrir conta em banco, operar na bolsa de valores, obter registro em carteira profissional. Desta forma, o CPF é o seu principal documento de identificação depois do RG.

CPI

O Departamento de Trabalho dos Estados Unidos divulga mensalmente o CPI (Consumer Price Index), ou índice de preços ao consumidor, calculado com base numa cesta pré-definida de bens e serviços. Esse índice é bastante importante, pois é uma das principais referências para analisar o comportamento da inflação.

CPMF – Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira

A CPMF é uma contribuição paga pelas pessoas físicas e jurídicas sobre movimentações financeiras (exceto as empresas que estão isentas de acordo a legislação), com uma alíquota de 0,38% sobre a base de cálculo. Simplificando, se você emitir um cheque no valor de R$ 1.000,00 (mil reais), terá a CPMF debitada da sua conta no valor de R$ 3,80 (três reais e oitenta centavos), e assim por diante.

Credenciadoras

As credenciadoras (ou “aquirers”) são responsáveis pela filiação, gerenciamento e relacionamento com os estabelecimentos comerciais, no Brasil estão presentes a RedeCard, VisaNet e o Amex. Cada uma delas é responsável pelo relacionamento com os estabelecimentos que recebem cartões de bandeiras específicas, ou seja, cada bandeira tem apenas um “acquirer”. Assim, por exemplo, a VisaNet é responsável pelos estabelecimentos que trabalham com os cartões das bandeiras Visa.

Crédito

A palavra tem vários significados diferentes. Pode, por exemplo, significar “boa reputação” ou, também, quando se empresta um bem, serviço ou dinheiro para ser pago por alguém no futuro.

Crédito (consórcio)

É o valor correspondente ao preço do bem na data da Assembléia Geral Ordinária em que ocorre a contemplação, com os acréscimos previstos no Contrato de Adesão, colocado à disposição do consorciado contemplado para aquisição do bem ou conjunto de bens.

Crédito Duvidoso

Termo em geral usado na análise de balanço patrimonial de instituições financeiras e empresas, que denota a soma das operações de crédito, ou recebíveis no caso das empresas, que se encontram em atraso.

Crédito Rotativo

Em caso de não pagamento integral da fatura o saldo que não foi quitado será automaticamente financiado. A este financiamento se dá o nome de crédito rotativo, sendo que o valor do saldo é corrigido proporcionalmente até que ocorra o pagamento integral. Os juros cobrados no crédito rotativo são denominados juros rotativos e podem variar muito dependendo do perfil do titular do cartão e do banco emissor.

Crescimento Horizontal

Termo usado para denominar a combinação de empresas que atuam no mesmo ramo de negócios.

Crescimento Vertical

Termo usado para denominar a combinação de empresas com fornecedores de suas matérias primas ou compradores de seus produtos acabados ou serviços. Quando uma empresa controla todo o processo de produção, ela é considerada como sendo verticalmente integrada.

CRF – Certificado de Regularidade do FGTS

Documento que comprova se a situação de uma empresa junto ao Fundo de Garantia por Tempo de Serviço é ou não regular. Pode ser obtido junto às agências da Caixa Econômica Federal (CEF) ou no endereço eletrônico da instituição (www.caixa.gov.br). Para obter o certificado é necessário apenas ter em mãos o número do CNPJ ou CEI (Cadastro Específico do INSS).

CRM

Sigla que vem do inglês, referente ao termo “Customer Relationship Management”, que significa Gestão do Relacionamento com o Cliente. O conceito de CRM prevê a integração de todas as áreas de uma empresa, de forma a melhorar a administração da carteira de clientes, de modo a mantê-la mais fiel e lucrativa.

CRP – Controle de Recursos Produtivos

Envolve a coleta de dados e a análise dos fatos ocorridos em chão de fábrica através do controle da produtividade, em termos de quantidade produzida, defeitos e paradas de máquinas.

CSLL – Contribuição Social sobre o Lucro Líquido

Trata-se de um tributo federal pago pelas empresas, sendo que a alíquota, incidente sobre a base de cálculo (receita bruta auferida pela empresa), varia de acordo com a atividade da empresa.

CSP – Contribuição Sindical Patronal

Contribuição devida pelas empresas ao sindicato representativo de sua categoria. É calculada sobre o valor do capital social da empresa, de acordo com o tamanho do estabelecimento e o número de funcionários. A periodicidade desta contribuição é anual.

CTN – Certificado do Tesouro Nacional

Título de responsabilidade do Tesouro Nacional que é emitido diretamente para mutuários do crédito agrícola e tem como intuito garantir o principal na renovação destas dívidas junto aos bancos. O título é emitido somente de forma escritural na Cetip e é indexado à variação do IGP-M.

CTO

Sigla em inglês que significa Chief Technology Officer e denomina o executivo responsável pela gestão da tecnologia da empresa.

Cultura Organizacional

Normas, valores, práticas e símbolos que caracterizam e identificam uma empresa.

Cupom

Taxa determinada no momento da emissão de um título de renda fixa, pela qual um emissor se compromete a pagar juros em intervalos periódicos. As taxas podem ser fixas (10% ao ano, por exemplo) ou variáveis flutuantes (TR + 5%, por exemplo). O intervalo de pagamento também é determinado quando da emissão, sendo pagamento trimestral, semestral ou anual os mais usados. É importante notar a distinção entre cupom e rendimento, já que o cupom independe do preço de negociação do ativo, enquanto que o rendimento, ou yield, varia de forma inversa às alterações no preço do ativo.

Cupom Cambial

Em poucas palavras, o cupom cambial pode ser definido como a taxa de juro em dólares no Brasil, sendo calculado com a diferença entre a taxa básica de juro interna (a Selic) e a desvalorização da taxa de câmbio, ou seja do real frente ao dólar. Por exemplo, para uma taxa básica de juro projetada de 16% ao ano e uma variação cambial de 7% ao ano, o cupom cambial é de 9%, refletindo exatamente o diferencial entre a taxa de juro efetiva e a variação cambial. O mercado trabalha com duas definições de cupom cambial: o “cupom sujo”, no caso da variação do dólar levar em conta a taxa de câmbio Ptax do dia anterior, ou “cupom limpo” que leva em conta a taxa de câmbio no mercado spot, ou à vista.

Cupom não fiscal

É o documento entregue ao consorciado quando de sua contemplação, e onde está descrito o produto adquirido mediante pagamento via aviso de contemplação, bem como a constituição da garantia da alienação fiduciária do produto.

Current Account

O Bureau of Economic Analysis do Departamento de Comércio dos Estados Unidos divulga trimestralmente relatório sobre saldo de transações correntes, que inclui os dados referentes ao Balanço em Conta Corrente, incluindo a Balança Comercial e a Balança de Serviços.
Esse indicador é importante, pois retrata o fluxo de transações de bens e serviços da economia norte-americana com o restante do mundo, podendo afetar a cotação do dólar frente às demais moedas internacionais.

Current Yield

O termo Current Yield pode ser traduzido como rendimento corrente de um título de renda fixa, ou seja, o rendimento não levando em consideração o prazo do título em questão. É calculado dividindo a taxa de juros do cupom pelo preço do título. Por exemplo, se um título está sendo vendido a um preço de 100,00 com um cupom de 10,00% ele oferece um current yield de 10,00%. Caso esse título estivesse cotado a 80,00 o seu current yield seria de 12,50%.

Curto Prazo

Período inferior a um ano. Termo usado freqüentemente em referência ao período de duração ou prazo de vencimento de um investimento e/ou linha de crédito.

Custo de Aquisição (em Seguros)

Despesas efetuadas pelo segurador ou ressegurador, que estão diretamente ligadas ao fechamento do negócio, ou seja, à realização da venda. A maior parte destas despesas é composta pelas comissões de corretagem pagas aos corretores de seguro.

Custo de Capital

O custo de capital de uma empresa pode ser definido como a taxa de retorno que a empresa deve obter em seus investimentos para manter seu valor de mercado inalterado. Mantendo o risco constante, projetos com retornos acima do custo de capital devem aumentar o valor da empresa e vice-versa. Caso a empresa obtenha uma taxa de retorno acima do seu custo de capital, então é bastante provável que a empresa consiga captar novos recursos (através de financiamento ou emissão de novos títulos de dívida ou ações) a termos vantajosos. A fórmula de cálculo do custo de capital é a seguinte: Custo Capital = Rl+Beta*(Rm-Rf) Onde:
Rl = Taxa de retorno exigida de ativo de risco livre, geralmente medida como retorno de um título de governo de longo prazo;
Beta = Coeficiente beta da empresa;
Rm = taxa de retorno exigida do mercado;
(Rm-Rf) = Pode ser visto como prêmio pelo risco de mercado.

Custo Fixo

Custos que não variam de acordo com o volume de produção, e em geral são contratuais, como é o caso, por exemplo, dos gastos com aluguel.

Custo Ponderado de Capital

Medida de custo de capital, através da qual são atribuídos pesos aos custos de cada tipo de capital (de terceiros ou próprio), sendo que o peso utilizado é função da proporção de cada tipo de capital na estrutura de capital da empresa.

Custo Semi-Variável

Denominação dada aos custos que passam a variar a partir de uma faixa de volume de produção. Um exemplo deste tipo de custo é a comissão de vendedores, que podem ser fixas até uma faixa de volume e aumentarem para volumes mais elevados.

Custo Variável

Custos que variam diretamente com o volume de vendas da empresa. Os custos de produção são exemplos deste tipo de custo.

Custódia

Serviço de guarda de títulos e valores prestado aos investidores. Existem dois tipos de custódias:
Fungível: neste tipo os valores retirados podem ser diferentes dos valores depositados, embora sejam da mesma espécie, qualidade e quantidade;
Infungível: neste tipo de custódia os valores depositados são mantidos discriminadamente pelo depositante.