Glossário: Termos com a letra D

arrow_forwardMais sobre

D+0, +1, etc

Terminologia usada no mercado para definir data em que se realizou a operação e a data em que se realiza a liquidação e/ou conclusão da mesma operação. Por exemplo uma operação D+2 significa que a instituição financeira precisa de 2 dias para efetivar a operação.

D0, D1, etc

Terminologia usada na indústria de fundos de investimento, que serve para definir o dia em que é feita a conversão das cotas em reais, ou vice-versa. Por exemplo, uma aplicação em D0 significa que a conversão ocorre no próprio dia da solicitação. Um resgate em D1 significa que a conversão das cotas em reais ocorre no dia útil seguinte ao da solicitação do resgate.

Dano

Termo que denomina o prejuízo sofrido pelo segurado e indenizável de acordo com as condições previstas na apólice. As seguradoras trabalham com alguns tipos de danos, que são:
Dano corporal: tipo de dano caracterizado por lesões físicas causadas ao corpo da pessoa, sendo que não fazem parte desta definição os danos estéticos;
Dano material: tipo de dano causado exclusivamente às propriedades materiais de um determinado segurado.

DARF- Documento de Arrecadação da Receita Federal

O DARF é um documento que tem por finalidade recolher todos os impostos e contribuições recolhidos pela Secretaria da Receita Federal. Pode ser adquirido em qualquer papelaria ou através do site da Receita Federal (www.receita.fazenda.gov.br).

Data

É a data do dia da negociação denominada em termo de dias úteis para a BM&FBOVESPA.

Data “Ex”

Dia em que a ação começa a ser negociada na Bolsa de Valores sem direito a proventos, como dividendos ou juros sobre capital próprio. Em geral, as ações sofrem um ajuste para baixo nas cotações nesta data, refletindo o fato de que o investidor não tem mais direito aos proventos, que já foram creditados no pregão anterior.

Data de Concessão do Benefício

Termo usado no setor de previdência que reflete a data em que o contratante do plano de previdência começará a receber seus benefícios. Esta data em geral está determinada nos contratos dos planos de previdência e não precisa coincidir com a data de aposentadoria da pessoa.

Data de Cotização

É a data em que os recursos aplicados no fundo são convertidos em cotas, no caso de uma aplicação. No caso de resgate é a data em que as cotas do fundo são convertidas em reais.

Data de Exercício de Opção

Termo usado para determinar a data de registro em pregão da operação de compra ou de venda à vista das ações objeto da opção.

Data de Ingresso

Data que determina quando o participante entrou no plano e que é considerada a partir do pagamento da primeira contribuição.

Data de Inscrição

Refere-se a data de registro pela Entidade Aberta de Previdência Privada da proposta de inscrição do interessado em participar do plano de previdência, que em geral coincide com a data em que se comprova o pagamento da primeira contribuição.

Data de Saída

Data a partir do qual o participante começa a receber a aposentadoria referente ao plano de previdência que contratou.

Data de Vencimento de Opções

É o dia em que vence o direito de exercício de uma opção. Neste dia o preço da opção deve igualar a diferença entre o preço de exercício e o preço da ação no mercado a vista.

Database Marketing

Com base no banco de dados de clientes, produtos e serviços esta ferramenta de marketing permite a realização de pesquisas instantâneas sobre padrões do comportamento de compras, para orientar o desenvolvimento e a comercialização de produtos e serviços, além de possibilitar ações de Marketing Direto segmentado e personalizado.

DAX-30

Índice que exprime a variação média diária de uma carteira de ações listadas na Bolsa de Valores de Frankfurt. O DAX-30 é formado por uma carteira teórica de 30 ações, escolhidas pela participação das ações no mercado e pela liquidez.

Day Trade

Combinação de operações de compra e de venda realizadas por um investidor com o mesmo título em um mesmo dia. No Brasil as transações de compra e venda devem ser realizadas por uma sociedade corretora.

Debêntures

As debêntures são títulos de renda fixa de longo prazo (ou seja, com prazo acima de um ano), que são emitidos por empresas e podem ou não ter como garantia algum tipo de ativo. Sua finalidade principal é financiar os projetos de investimento ou alongar dívidas da empresa. As debêntures podem ser emitidas com uma cláusula de conversibilidade, ou seja, se o título não for pago no final do período, poderá ser convertido em uma quantidade correspondente de ações da empresa. Embora a grande maioria das debêntures seja considerada como títulos de renda fixa, algumas podem ser consideradas como títulos de renda variável, desde que a remuneração oferecida seja com base na participação nos lucros da empresa emissora.

Debêntures Conversíveis em Ações

Debêntures que podem, por opção do investidor, ser convertidas em ações, em condições (preço, quantidade, data) pré-determinadas.

Dedução de IR

Desde 1996, a legislação do Imposto de Renda permite a dedução da base de cálculo do Imposto de Renda de Pessoas Físicas de até 12% da renda líquida do participante de planos de previdência privada (no caso de PGBLs – Plano Gerador de Benefícios Livres).
Quando do resgate dos recursos, antecipadamente ou ao final do plano, o contribuinte passa a recolher o IR de acordo com a tabela regressiva vigente na época.

Default

Termo que vem do inglês e significa insolvência. Ver insolvência.

Déficit Comercial

Termo que define quando o valor das importações de bens excede o valor das exportações de bens um determinado país.

Déficit Primário

Termo que determina gastos do Governo que excedem o valor da sua arrecadação, sem incluir os gastos com pagamento de juros da dívida pública.

Déficit Público

Termo que determina o quanto o Governo gasta acima do que arrecada em um determinado período de tempo. Neste caso são usados os valores nominais, ou seja, incluindo a variação da inflação no período. Em geral refere-se ao Governo Federal, mas pode ser usado para os governos estaduais.

Deflação

Termo que reflete a queda do nível geral dos preços, ou seja, é o oposto de inflação.

Democratização de Capital

Processo pelo qual a propriedade de uma empresa fechada se transfere, total ou parcialmente, para um grande número de pessoas que desejam dela participar e que não mantém, necessariamente, relações entre si, com o grupo controlador ou com a própria companhia.

Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos (DOAR)

Uma das demonstrações financeiras de uma empresa, o DOAR ilustra as fontes (origens) e a forma com que os recursos obtidos pela empresa no curso de suas atividades foram aplicados (investidos) em um determinado período de tempo.

Demonstrações Financeiras

Termo que define uma série de relatórios que categorizam e quantificam as principais contas de uma empresa. Dentre as demonstrações financeiras mais utilizadas estão o balanço patrimonial, a demonstração de resultado, a demonstração das origens e aplicações de recursos, e as alterações do patrimônio líquido, além das notas explicativas que acompanham as demonstrações acima.

Demonstrativo de Resultados

Demonstração financeira que detalha e quantifica as receitas e despesas de uma empresa. Em termos de unidades monetárias, o demonstrativo de resultados mostra o que a empresa recebe, o quanto gasta e o resultado de suas operações. O demonstrativo de resultados apresenta estas informações em um determinado intervalo de tempo, sendo que as empresas listadas são obrigadas a publicar demonstrativos trimestrais e anuais.

Denúncia vazia

Termo usado para definir o processo de retomada do imóvel pelo proprietário, podendo ser feita sem necessidade de justificativa quando termina o prazo de locação estipulado em contrato. Ela poderá ser feita independentemente de notificação ou aviso

Dependente (previdência)

E previdência denomina o cônjuge e/ou filhos do participante que, quando indicados por este, estejam cobertos pelo contrato de previdência. São as pessoas que também fazem parte da proposta, têm direito ao benefício mas não são responsáveis pela contratação do seguro.

Depósitos

Soma do dinheiro na forma de cheques ou “drafts” depositados em uma instituição financeira para crédito na conta de um determinado cliente. Em geral as instituições diferenciam entre depósitos a vista (que o cliente pode sacar quando quiser) e depósitos à prazo (que em geral requerem aviso prévio para serem sacados). As instituições brasileiras classificam depósitos em quatro categorias: à vista, de poupança, interfinanceiro e à prazo.

Depreciação

Termo usado para definir um débito que tem como objetivo reduzir o valor contábil de um determinado ativo. Este lançamento busca representar contabilmente a perda de valor de algum ativo em decorrência do uso, da ação do tempo, da obsolescência tecnológica ou redução no preço de mercado. Por ser um lançamento contábil, a depreciação não tem efeito direto no caixa da empresa.

Derivativos

São instrumentos financeiros cujas características estão vinculadas a outros títulos, ou ativos, que lhe servem de referência. Como exemplo, podem ser mencionados: opções sobre ações, contratos futuros sobre o dólar comercial, sobre o índice Bovespa ou sobre a taxa DI.

Deságio

Termo que define a diferença entre o valor de mercado e o valor nominal de um título. Caso o valor de mercado ou valor pago seja menor que o valor nominal, a diferença é chamada deságio. Caso seja maior que o valor nominal, a diferença é chamada ágio.

Desdobramento

Aumento da quantidade de ações representativas do capital de uma empresa, de forma que isso não implique em qualquer mudança na participação patrimonial dos acionistas ou no valor de mercado agregado da empresa na ocasião do desdobramento. Um exemplo comum de grupamento ocorre quanto o valor nominal de uma ação aumenta para um valor elevado, o que pode levar a empresa a desdobrar uma ação em uma determinada quantidade de ações, de forma que o valor unitário seja reduzido. Deste modo, o aumento na quantidade de ações é compensado pela redução no valor por ação, não afetando o valor de mercado de empresa ou a participação de cada acionista.

Desempenho Relativo

Forma de analisar o retorno de um determinado ativo (ex. Ibovespa, CDI, câmbio) em relação ao retorno de um determinado indicador de referência, ou benchmark, ou mesmo outro ativo. Portanto, se um fundo de ação rendeu 5% no mês enquanto o Ibovespa, principal índice da bolsa paulista rendeu 2%, o retorno relativo do fundo de ação em relação ao Ibovespa seria de 2,94%. A fórmula de cálculo do desempenho relativo é: DR = {[(1+retorno ativo)/(1+retorno do benchmark)]-1}*100

Despesa de Capital

Termo usado para definir os gastos incorridos por uma empresa na compra de um ativo (tangível ou não), sendo que os benefícios a serem obtidos com este ativo só são esperados para um período superior a um ano. Fazem parte desta categoria de despesas os gastos com ativos fixos, com pesquisa e desenvolvimento, e até mesmo, em alguns casos específicos, os gastos com propaganda.

Despesa Financeira Bruta

Soma das despesas de juros referentes a todas as obrigações financeiras de uma empresa, sejam elas de curto ou longo prazo. Entre as obrigações financeiras de uma empresa podemos citar juros de debêntures, de empréstimos etc.

Despesa Financeira Líquida

Soma das despesas de juros referentes a todas as obrigações financeiras de uma empresa, sejam elas de curto ou longo prazo, descontando-se deste montante qualquer receita de juros que a empresa venha a ter com suas aplicações financeiras.

Despesas Operacionais

Soma de todas os custos e despesas incorridos pela empresa no curso de suas atividades. Entre as despesas operacionais mais comuns estão as despesas com pessoal, as despesas com vendas e as despesas administrativas. No Brasil, as despesas financeiras também estão incluídas entre as despesas operacionais, o que não ocorre na maioria dos demais países, onde elas estão abaixo da linha de resultado operacional.

Desvalorização

Perda de valor por parte de uma moeda frente a outra. Por exemplo, quando falamos que o real desvalorizou em relação ao dólar norte-americano isto significa que o real perdeu valor em relação ao dólar, de forma que são necessários mais reais para se comprar um dólar.

Diferença de Mensalidade

As importâncias recebidas pela administradoras, a menor ou a maior, em relação ao preço do bem ou conjunto de bens referenciado no Contrato de Adesão vigente na data de realização da respectiva Assembléia Geral Ordinária.

Direct Response

Forma de propaganda cujo objetivo é fazer o consumidor interagir com o marketing do anunciante. Através de campanhas interativas, com participação do público, é possível avaliar o sucesso ou fracasso da campanha publicitária.

Direito de Preferência

Ver direito de subscrição.

Direito de Subscrição

É o direito preferencial oferecido pela empresa aos atuais acionistas para a aquisição de um novo lote de ações, em quantidade proporcional ao número de ações que já possuem. Os acionistas poderão exercer este direito ou transferi-lo a terceiros, através de venda desse direito em pregão. Também conhecido como direito de preferência.

Direito de Voto

O termo se refere ao direito que um acionista tem de dar deliberações, ou seja, de votar em uma assembléia geral da empresa na qual possui ações. Em geral, este direito está restrito aos acionistas ordinários, ou seja, os portadores de ações ON, mas em alguns casos as ações preferenciais também mantêm esta faculdade.

DIRF – Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte

A DIRF é o documento necessário para gerar a declaração de pessoas jurídicas e físicas que pagaram ou creditaram rendimentos em que tenha havido retenção do imposto de renda na fonte durante o ano.

Disclaimer

É uma ressalva ou um aviso legal que informa ao leitor de um documento as responsabilidades assumidas pelo autor do mesmo documento.

Discount Bond (1)

O Discount Bond (Bônus com Desconto) foi emitido como parte da renegociação da dívida brasileira em 1994 (Plano Brady) e tem vencimento em 2024. O bônus foi emitido em troca de dívida antiga, com desconto de 35% sobre o valor de face (daí seu nome), tem amortização única ao final do trigésimo ano e paga coupons de Libor (London Interbank Offered Rate) de seis meses, mais 0,8125% ao ano.
O Discount Bond tem garantia total de principal, com títulos do Tesouro norte americano servindo como colateral, e garantia parcial de juros.

Discount Bonds

São títulos de renda fixa cujo preço está abaixo do valor de resgate. Deep discount bonds são títulos que estão sendo cotados com um desconto de mais de 20% do seu valor de face. Em geral, o preço destes títulos sobe mais rápido quando as taxas de juros caem e cai mais rápido quando as taxas de juros sobem.
Um exemplo é o Discount Bond emitido como parte da renegociação da dívida brasileira em 1994 (Plano Brady) e tem vencimento em 2024.

Discount Rate

É a taxa de redesconto norte-americana. Bancos com dificuldades financeiras podem tomar emprestado recursos de curto prazo com o FED, utilizando a Discount Rate. Esta taxa é geralmente mais baixa do que a Federal Funds Rate, mas os recursos não são disponíveis para bancos “saudáveis”.

Disponibilidades

Conta de ativo no balanço patrimonial de uma empresa, que engloba a soma de todos os instrumentos e investimentos de liquidez quase imediata e risco mínimo que, por terem este perfil, podem ser considerados como papel moeda.

Dissolução

Situação em que uma sociedade é extinta e que pode ocorrer de uma das formas abaixo:
consenso unânime dos sócios ou, no caso de sociedade com prazo indeterminado, por deliberação da maioria absoluta dos sócios;
vencimento do prazo de duração da companhia, com exceção dos casos em que os sócios optarem por prorrogar a mesma por tempo indeterminado;
extinção, na forma da lei, de autorização para funcionar.

Diversificação de Risco

Terminologia utilizada quando o investidor (ou administrador do fundo de investimento) diversifica a forma como aplica os recursos de sua carteira de investimentos tendo como objetivo reduzir o risco da carteira como um todo.

Dívida de Curto Prazo

Soma de todas as obrigações financeiras (empréstimos, títulos de curto prazo ou com vencimento próximo etc.) de uma empresa cujo prazo de duração é inferior a um ano. No balanço patrimonial da empresa estas obrigações devem estar incluídas no passivo circulante da empresa.

Dívida de Longo Prazo

Soma de todas as obrigações financeiras (empréstimos, debêntures, etc.) de uma empresa cujo prazo de duração é superior a um ano. No balanço patrimonial da empresa, estas obrigações devem estar incluídas no passivo de longo prazo da empresa.

Dívida de Longo Prazo (%)

Um dos indicadores de estrutura de capital utilizados na análise financeira de uma empresa. Esse índice expressa a porcentagem da dívida total da empresa que é de longo prazo, ou seja, que tem prazo de vencimento superior a um ano. A soma desse índice com o índice de dívida de curto prazo deve ser sempre 100%.
A fórmula de cálculo do indicador é a seguinte:
%DLP = (Dívida de Longo Prazo*100)/Dívida Total

Dívida Líquida

Soma de todas as obrigações financeiras (empréstimos, debêntures, títulos de renda fixa etc.) de uma empresa, sejam elas de curto ou longo prazo. Deste montante devem ser deduzidas as disponibilidades da empresa, ou seja, a soma dos instrumentos que podem ser considerados como papel moeda.

Dívida Securitizada

Título de responsabilidade do Tesouro Nacional emitido em decorrência da assunção e renegociação das dívidas da União ou por ela assumidos por força de lei. Estes títulos foram emitidos de forma escritural na Cetip e sua rentabilidade é pós-fixada possuindo várias séries cada qual com um índice de atualização próprio (IGP-DI, Dólar, TR)

Dívida Total

Soma de todas as obrigações financeiras (empréstimos, debêntures, etc.) de uma empresa, sejam elas de curto ou longo prazo.

Dividend Payout

Termo que vem do inglês e significa taxa de distribuição de dividendo. Ver definição em taxa de distribuição de dividendo.

Dividend Yield

Termo em inglês que significa retorno de dividendo. Ver definição em retorno de dividendo.

Dividendo Cumulativo

Dividendo que, caso não seja pago durante o exercício, é automaticamente acumulado para o período seguinte.

Dividendo Pro-rata

Dividendo pago proporcionalmente ao período após a emissão das ações até o encerramento do exercício.

Dividendos

Pagamento efetuado pela empresa aos seus acionistas através da distribuição de parte do lucro líquido da empresa, subdividido de acordo com as diferentes classes de ação. O montante, a ser pago em dinheiro e de forma proporcional à quantidade de ações possuídas, deve ser decidido pelo Conselho Administrativo da empresa e, em geral, é pago anualmente, semestralmente ou trimestralmente.
Pela Lei das S.A., deverá ser distribuído um dividendo mínimo de 25% do lucro líquido apurado em cada exercício.

DJIA (Dow Jones Industrial Average)

Índice criado por Charles Dow em 1896 e utilizado para acompanhar o desempenho das ações da Bolsa de Valores de Nova York (NYSE). Seu cálculo é uma média simples das cotações das ações das trinta empresas industriais mais importantes dos EUA, todas listadas na NYSE. Como o índice não é calculado pela bolsa de Nova York, seus componentes são escolhidos pelos editores do jornal financeiro norte-americano The Wall Street Journal. Não existe nenhum critério pré-determinado, a não ser que os componentes sejam companhias norte-americanas que são líderes em seus segmentos de mercado.

DOC – Documento de Ordem de Crédito

Através da facilidade da transação financeira do DOC é possível efetuar transferências entre contas de bancos diferentes de um mesmo titular, ou não.

Dólar Cabo

É a cotação de compra ou venda da moeda norte-americana fora dos canais de conversão autorizados pelo Banco Central. A transação é realizada eletronicamente, através da transferência entre contas bancárias no Brasil e no exterior.

Dólar Comercial

Taxa de câmbio que é publicada pelo Banco Central e utilizada nas operações de balança comercial e de serviços do país (exportações, importações), no pagamento do serviço da dívida externa e na remessa de dividendos das empresas com sede no exterior.

Dólar Flutuante

Operação de conversão de Reais por dólar no mercado flutuante. O mercado flutuante também é conhecido como “turismo” e é usado como referência para compra de moeda estrangeira para viagem, tanto em espécie quanto em travellers.
O dólar turismo também é usado para contribuições a entidades associativas, doações, heranças, aposentadorias e pensões, manutenção de residentes e tratamento de saúde.

Dólar Paralelo

Também conhecido como câmbio negro ou dólar black, é a cotação de compra ou venda da moeda norte-americana fora dos canais de conversão autorizados pelo Banco Central. Em diversas ocasiões é executado através da troca física de moedas, contrastando com o dólar cabo, onde a transação é eletrônica.

Dólar Ptax800

A cotação Ptax da moeda norte-americana, apurada pelo Banco Central, é a taxa de câmbio média ponderada entre as cotações do dólar e o volume de operações envolvendo cada uma destas taxas a que foi negociado ao longo do dia.

Dólar Turismo

Ver dólar flutuante.

Dovish

Postura de um Banco Central mais favorável à redução dos juros ou à manutenção de taxas baixas.

Dow, Teoria de

Teoria resultante de uma série de artigos publicados por Charles Dow em The Wall Street Journal entre 1900 e 1902, considerada como a precursora dos modernos princípios da análise técnica. Os princípios da teoria são:
Tudo se reflete no preço.À medida que novas informações chegam e são disseminadas, os participantes do mercado concorrem para corrigir os preços de maneira adequada. O mercado é composto de três tendências.Em um dado instante, três forças atuam no mercado: Tendência Primária, Tendências Secundárias e Tendências Menores. A Tendência Primária, que pode ser baixista ou altista, usualmente dura mais de um ano, mas pode chegar a vários anos.As Tendências Secundárias são correções à Tendência Primária e podem durar de um a três meses. As Tendências Menores são de curto prazo, durando de um dia a três semanas, e podem ser desconsideradas. Tendências Primárias têm três fases. A primeira fase, que ocorre na retomada do crescimento econômico, é caracterizada por compras agressivas por parte de investidores informados. Na segunda fase, quando os lucros das empresas começam a aumentar, ocorre a acumulação de ações. Finalmente, na terceira fase o crescimento do mercado é de conhecimento geral e o público tem a impressão de que as ações nunca mais pararão de subir. Os investidores que compraram na primeira fase agora realizam os lucros. Os índices médios setoriais devem se confirmar mutuamente. Para que uma tendência seja confirmada, os índices de todos os setores (industrial, transportes, etc.). O volume confirma a tendência. Na Teoria de Dow o volume é utilizado de maneira secundária e se expande na direção da Tendência Primária. Uma tendência permanece até que ocorra um sinal definitivo de reversão.No caso de um mercado altista, uma reversão pode estar acontecendo quando as baixas começam a ter amplitudes progressivamente maiores. No caso de um mercado baixista, uma reversão pode acontecer quando as altas são progressivamente maiores.

Downside

É uma potencial de desvalorização de uma ação

Downsizing

Termo que vem do inglês e determina um procedimento de reestruturação empresarial, feito através da redução da força de trabalho ou do encerramento de negócios não relacionados com as atividades essenciais da empresa.

DPA – Dividendo por ação (ou lote de ação)

Termo usado em análise fundamentalista para o cálculo do indicador de dividend yield e em análise financeira para o cálculo do dividend payout. O DPA de uma ação reflete a soma de todos os dividendos e proventos pagos por uma empresa a seus acionistas de uma determinada classe de ações por um determinado período de tempo. Na seção de análise do site da InfoMoney estabelecemos este período como sendo os últimos 12 meses.

DPVAT

Sigla para o seguro obrigatório de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres (DPVAT), criado pela Lei n° 6.194/74 com a finalidade de amparar as vítimas de acidentes de trânsito em todo o território nacional, não importando de quem seja a culpa dos acidentes.

Dupla Indenização

Termo usado na indústria de seguros que denomina a cláusula adicional incluída nos seguros de vida que estipula o pagamento em dobro do capital ao segurado caso seu falecimento aconteça por acidente.

Durable Good Orders

Esse índice mede o volume de pedidos e entregas de bens duráveis nos EUA. É uma medida, portanto, do nível de atividade industrial na economia. Um número crescente de pedidos indica que o setor industrial está aquecido. O Durable Good Orders é calculado pelo Census Bureau, parte do Departamento de Comércio dos EUA.
Um indicador crescente pode sinalizar aquecimento do setor de bens duráveis, assim como uma queda do índice pode servir como indicativo de retração da economia local.

Duration

Termo em inglês que denomina uma medida de risco na qual se analisa o impacto da variação dos juros em um determinado ativo, ou carteira de investimentos. A título de ilustração, um ativo cuja duration é 2 tem seu valor aumentado em 2% no caso de uma queda de 1% nos juros.