Notícias Corporativas

OFERECIDO POR

Smartphones representam mais de 50% dos dispositivos digitais em uso no Brasil e trazem benefícios e economia aos usuário

Com o aumento da base de usuários de smartphone, sites e aplicativos inovam na busca de diferencial e serviços gratuitos para seus usuários. A seguir, os casos do Waze, NaVizinhança, Uber e Rappi.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Dentre os 420 milhões de dispositivos digitais em uso no Brasil em 2019*, os smartphones se destacam pelo crescimento expressivo na participação nos últimos 5 anos e já ultrapassam a fatia dos 50% dos dispositivos nesse mercado, totalizando a marca dos 230 milhões de celulares ativos no País. O número é impressionante: mais de um smartphone por habitante.

Mas o que isso influencia no dia a dia dos usuários?

Para quem é usuário ativo do smartphone, basta esquecê-lo em casa para ver a dependência criada com o aparelho. Serviços como agenda eletrônica, despertador, previsão do tempo, acesso ao e-mail e às redes sociais, provavelmente são bons exemplos de como a tecnologia impera dentro e fora de casa. 

PUBLICIDADE

Além disso, empresas digitais vêm cobrindo lacunas e disponibilizando serviços que trazem economia tanto de tempo quanto de dinheiro. A seguir, alguns exemplos de sites e aplicativos que tendem a fazer parte do dia a dia dos amantes de smartphone, caso ainda não façam.

Mapas: Waze (waze.com) 

Fez o GPS se tornar coisa do passado. Entre os benefícios, está a atualização constante dos mapas e disponibilização gratuita para os usuários.

Contratação de prestadores de serviços: NaVizinhança (navizinhanca.com)

Esse novo site está na fase de cadastramento dos prestadores de serviços em todo o Brasil. Faxineira, cozinheira, costureira, manicure, pedreiro, pintor, adestrador, professor particular, cuidador de idosos, entre outra vasta gama de profissionais, podem agora ter sua própria página e serem encontrados na internet sem custo. O cadastro também está liberado para o usuário que desejar utilizar o site para contratar serviços, e a promessa é que a cada dia mais profissionais estejam cadastrados na página para serem encontrados.

Meio de transporte: Uber (uber.com) 

PUBLICIDADE

Ir do ponto A para o ponto B por um preço mais atrativo, com rapidez para solicitar o serviço e com oferta extensa de carros disponíveis. Benefício adicional para o motorista, que antes não poderia atuar no ramo devido à necessidade de licenças para dirigir com passageiros.

Delivery: Rappi (rappi.com.br) 

Acabou o leite em pó do bebê? A cerveja do churrasco está no fim? Esqueceu de comprar o presente da festa de aniversário? Chama um Rappi. Uma consideração importante é a questão do plano “Prime” desse aplicativo. Uma vez paga a taxa de aproximadamente R$15,00 por mês pela anuidade do plano, o usuário pode comprar praticamente o que quiser sem custo de entrega.

E o que esses sites e aplicativos têm em comum?

Ao utilizá-los, os usuários usufruem dos serviços gratuitamente ou, quando há custo (como no caso do Rappi), a economia financeira esperada é significativa, além da economia de tempo.

Os exemplos citam empresas em diferentes ciclos de vida. Umas mais consolidadas, outras menos. Modelos de negócio atualmente revolucionários, mas que podem se tornarem obsoletos em poucos anos. Enquanto os usuários esperam o desfecho dessas e outras centenas de empresas digitais, os mesmos aproveitam as que os beneficiam e fazem o melhor uso possível delas. 

*Dados extraídos da 30ª Pesquisa Anual de Administração e Uso de Tecnologia da Informação nas Empresas, realizada pela Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP).

Website: http://www.navizinhanca.com