Notícias Corporativas

OFERECIDO POR
Estilo de Vida

Opção pela cremação em caso de morte cresce

Segundo dados do Sindicato dos Cemitérios e Crematórios Particulares do Brasil (Sincep), entre 8% a 9% dos mortos no país são cremados. O Crematório Vila Alpina registra elevação do número de incinerações.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Segundo dados do Sindicato dos Cemitérios e Crematórios Particulares do Brasil (Sincep), entre 8% a 9% dos mortos no país são cremados. Seja por orientação religiosa, influência dos filmes terror ou relatos sobrenaturais, falar em cremação pós-morte é um desafio e tanto para as famílias. Como os tradicionais velórios e enterros em cemitérios estão enraizados na cultura brasileira, o processo de cremação causa pavor em muita gente.

Ao longo os anos, a procura pelo serviço tem aumentado consideravelmente. O Crematório Municipal Dr. Jayme Augusto Lopes, popularmente conhecido por “Crematório Vila Alpina”, localizado no Jardim Avelino, Zona Leste, registrou elevação no número de procedimentos. Em 2015, foram realizadas 9.170 cremações de corpos e 1.557 cremações de ossos resultantes de exumações. Em 2016, 9.493 corpos foram exumados e em  2017, 10.250 corpos. A média mensal chega a 900 cremações.

De acordo com informações da Prefeitura de São Paulo, a cremação é o processo que incinera de forma rápida e higiênica, por meio de equipamentos de alta tecnologia projetados exclusivamente para este fim, o corpo do falecido, juntamente com a urna. Em São Paulo a prática ocorre desde 1974, quando foi inaugurado

PUBLICIDADE

Desde março de 2016, o Serviço Funerário do Município de São Paulo (SFMSP) passou a oferecer aos munícipes seus serviços 24h, durante os sete dias da semana. A prioridade do local é dar atenção àqueles que, em uma situação delicada, já passaram por todo o processo do velório e já fizeram todos os trâmites para a realização das homenagens.

O crematório municipal obedece a Lei Municipal nº 7017/67, bem como e às normas do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). Não emite gases poluentes e está devidamente licenciado pela Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (CETESB).

Procura

Muito popular no mundo e ainda em processo de crescimento no Brasil, o mercado que oferece o serviço de cremação é visto com curiosidade, mas devido à redução do espaço em cemitérios, aliado aos altos preços dos túmulos, o setor observa uma mudança de comportamento do consumidor. Segundo Cláudio de Luna, empresário da empresa Luna Funerária e Cemitério Assist & Sales, localizada na Avenida Paulista, a sociedade caminha para uma maior aceitação da modalidade, uma vez que é uma solução para grandes centros. “É um processo rápido e higiênico que incinera, por meio de equipamentos de alta tecnologia o corpo do falecido, juntamente com a urna. Um meio eficaz e que contribui com a redução da necessidade de ampliação de espaço físico para implantação de novos cemitérios públicos”, explica.

Quanto ao medo que algumas pessoas relatam sobre a possibilidade de sentir dor ou, até mesmo, sofrer da chamada “catalepsia patológica”, doença que enrijece o corpo como se o mesmo estivesse em óbito, Luna explica que o processo conta com um protocolo rígido. “Primeiramente os corpos são armazenamentos em Câmara Fria por, no mínimo, 24 horas. Após esse período, o corpo e a urna funerária são incinerados a uma temperatura de 850 a 1200°C em um dos fornos crematórios. Cada corpo é incinerado individualmente, não havendo contato com os restos mortais de terceiros”, detalha esclarecendo ainda que, antes das etapas mencionadas, é obrigatória a assinatura de dois médicos na declaração de óbito para a realização da cremação.

Desse processo resultará as cinzas, que passará pelo processo de resfriamento e moagem e será devidamente entregue aos familiares em data previamente agendada. A urna é totalmente consumida pelo calor. A Luna Funerária realiza vários serviços como esse, incluindo clínica de preparação, cremação PET, planos funerários, sepultamento em outros Estados, diamantes feitos com cinzas e transporte aéreo funerário.

PUBLICIDADE

Declaração de Vontade

Antes de tudo, para a cremação, existe um documento chamado “Declaração de Vontade” que, em vida, você pode preencher e registrar em cartório para deixar claro a sua vontade, ou, caso essa declaração não tenha sido feita, a cremação também poderá ser realizada mediante a autorização de um parente de primeiro grau, na ordem sucessória (cônjuge, ascendentes, descendentes e irmãos maiores de 18 anos), com 2 (duas) testemunhas.

Outro mercado que produz produtos para esse segmento são as chamadas urnas para cinzas. Existem vários modelos baseados na consciência ecológica, como urnas biodegradáveis construídas com matérias-primas naturais, como folhas, areia, sementes e até tintas ecológicas.

Serviço

Crematório Municipal Dr. Jayme Augusto Lopes (Crematório Vila Alpina). Av. Francisco Falconi, 473 – Vila Alpina – São Paulo
Para mais informações sobre cremação, basta ligar nos telefones abaixo:

Telefone: (11) 2532-8314

WhatsApp (11) 99676-8256

Website: https://lunafuneraria.com.br