Em negocios / noticias-corporativas

As empresas brasileiras estão prontas para a próxima onda digital?

Brasil é líder no uso de smartphone entre os emergentes, diz Pew Research. Mas as empresas brasileiras ainda têm um grande desafio pela frente.

Um relatório divulgado nesta ter-feira (5) pelo Pew Research Center coloca o Brasil como o líder no uso de smartphone entre os emergentes, mas esse é um número que ainda não pode ser tão comemorado, é o que diz o especialista em marketing digital, Natanael Oliveira. 

A pesquisa aponta o Brasil liderando os países em desenvolvimento. O Brasil alcança a África do Sul na adoção de smartphones, porém, lá o número de cidadãos que não têm celular ou smartphone é de apenas 6%. 

A pesquisa aponta que no Brasil, 60% dos adultos no país têm um smartphone, enquanto 33% têm um aparelho móvel não inteligente. Um outro dado importante mostra que 17% não têm acesso a qualquer tipo de tecnologia móvel. 

Apesar da liderança entre os países em desenvolvimento, os números dos países desenvolvidos mostram uma grande desigualdade. Enquanto uma média de 76% têm smartphones nos países ricos, o número cai para 45% nas economias em desenvolvimento. 

Vale ressaltar que boa parte desse percentual está entre pessoas jovens e escolarizadas. Um outro dado que mostra a desigualdade no desenvolvimento tecnológico envolve o uso da internet. 

Nos países desenvolvidos, o uso da internet chega a 90%, enquanto nos países em desenvolvimento ainda gira em torno de 60%. Seguindo os mesmos dados comparativos, o uso de redes sociais é de 67% (países desenvolvidos) e de 49% nos países em desenvolvimento. 

O especialista em Marketing Digital, Natanael Oliveira, apresenta o tema "Desigualdade Tecnológica" como um fenômeno que pode atrasar o avanço dos negócios digitais nos países em desenvolvimento. 

De acordo com Natanael, o "encantamento digital" é o que pode atrasar todo esse avanço nos países emergentes, entre eles, o Brasil. 

"Os países ricos estão mais acostumados com a tecnologia, com a internet e com o mundo digital. Isso dá uma maturidade um pouco maior no seu uso. Natanael usa como base os dados do relatório "2018 Global Digital", da We Are Social da Hootsuite, que aponta que o Brasileiro passa mais de 3 horas e meia por dia nas redes sociais. 

O relatório aponta que o Brasil está entre os três países do mundo no qual a população passa, em média, mais de 9 horas navegando na internet. O Brasil aparece como um dos dois únicos países onde o tempo diário gasto nas redes sociais supera 3 horas e meia. 

Natanael defende que esse é o ponto mais preocupante com o que ele chama de a próxima onda do digital. "O brasileiro ainda está se acostumando com esse mundo.

"Nossos pais estão se acostumando com as mídias sociais, WhatsApp, grupos, "correntes", memes, etc. 

Nos EUA, o SMS é algo absolutamente comum há muitos anos. Um outro fator que impacta esse momento são as referências para os jovens e adolescentes. Muitos querem a fama das mídias sociais, do YouTube, do Instagram, do Facebook. Se não iniciarmos um movimento da próxima geração olhando para a internet e a tecnologia com outro propósito, além do entretenimento, vamos ficar para trás."

Natanael faz um alerta: "De um lado, temos pessoas entre 60-80 anos descobrindo as mídias sociais, e dedicando horas e horas no WhatsApp, Instagram e Facebook. Do outro lado, temos jovens entre 12, 18, alguns na casa dos 30 anos, que sonham em virar celebridades nas mídias sociais. Onde fica o olhar para a inovação e a internet como plataforma? Onde fica o olhar para a internet como ambiente para inovação?

É claro que temos pessoas com esse olhar, além do entretenimento, mas esse número é muito pequeno."

Como as empresas brasileiras devem olhar para esse cenário? Oliveira defende que as empresas não devem apenas ficar reforçando esse "encantamento digital". E que os empresários precisam mudar boa parte da abordagem atual.

- Você pode dar exemplos de como as empresas estão reforçando o encantamento digital?

- Claro. Basta você prestar atenção nas propagandas na TV. Muitas empresas estão mais preocupadas em mostrar que agora são digitais e modernas. Você não precisa falar que a sua empresa é "digital". Você apenas é. 

- Você pode dar mais algum exemplo? 

- Observe algumas redes de supermercado. Eles fazem anúncios em portais de notícias para dizer que: "Agora você pode fazer pedidos pelo aplicativo." Quando eles já deveriam ter campanhas de vendas 100% online, com membros Vip, clube de descontos online e uma série de outras ações que já existem nos EUA. 

Natanael aponta que em alguns casos, os próprios empresários estão vivendo a fase do encantamento digital. 

"A primeira onda digital foi com a chegada da internet nas casas e empresas do Brasil. Mesmo que não em sua totalidade. Mas a segunda onda que está crescendo, é a consolidação da internet no bolso dos brasileiros. As companhias telefônicas criaram planos altamente agressivos para popularizar a internet. Essa foi a segunda onda. 

A próxima onda que será a mais forte de todas, irá acontecer (cedo ou tarde), quando tivermos internet "móvel" de qualidade. Hoje ainda precisamos esperar carregar, ainda lidamos com "a internet está ruim". Mas a tendência é que com o passar do tempo, iremos para um próximo nível. E essa é a grande onda que os empresários precisam ficar muito atentos." 

Se o Brasileiro usa muito a internet (mesmo sem muita qualidade), imagine o que vai acontecer? Porém, assim como aconteceu nos países desenvolvidos, o acesso à tecnologia e a internet, tendem a gerar maturidade no uso. 

Ou pelo menos, um uso mais "avançado", que não se limite apenas as mídias sociais. E é aqui que as empresas precisam ficar muito conectadas."

Qual a sua aposta? Pergunto para Natanael.

"Eu aposto na educação. As pessoas irão equilibrar o uso da internet. Menos entretenimento e mais educação. É por isso que o mundo do EAD é tão poderoso para as empresas. Mas antes disso, existe algo que precisamos prestar atenção."  

Qual o passo? Questiono novamente. 

O IBGE fez uma pesquisa que fala o seguinte: de 69 milhões de casas, só 2,8% não têm TV no Brasil. Basta olhar para os EUA. Uma integração perfeita da TV com a Internet. Empresas que usam a TV para se tornarem conhecidas na Internet. A ideia que a internet vai matar a TV, precisa ser revista urgentemente. Precisamos aprender como usar as duas mídias se quisermos aproveitar a próxima onda. 

 

Serviço: https://natanaeloliveira.com/novos-produtores

Website: https://natanaeloliveira.com/novos-produtores

 

Tudo sobre: 

Contato