Bolsa

Ibovespa recupera os 104 mil pontos com balanços e dados dos EUA após forte queda da véspera; dólar cai mais de 1%

Em agenda de poucos indicadores internos, investidores olham para dados positivos do mercado de trabalho dos EUA

Por  Mitchel Diniz -

SÃO PAULO – Ainda com chances de acumular algum ganho na semana, que foi mais curta por causa do feriado da última terça-feira, o Ibovespa segue em alta nos negócios de hoje. Na máxima do dia, o índice subiu mais de 2% buscando os 106 mil pontos. Na véspera, o índice teve a pior pontuação de fechamento há quase um ano. O clima está menos inóspito para os negócios, com poucos indicadores na agenda e dados bons vindos do exterior. Mas o investidor monitora com lupa o andamento da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que pretende adiar o pagamento de dívidas judiciais da União para abrir espaço no Orçamento público.

Dos Estados Unidos vieram os dados do mercado de trabalho. De acordo com o payroll, 531 mil vagas de emprego foram criadas no país em outubro e a taca de desemprego ficou em 4,6%. Os números vieram melhores que os previstos pelos economistas, que apostavam em 450 mil vagas e desemprego de 4,7%.

“Os dados foram fortes e olhando no detalhe o desemprego diminuiu onde precisava, entre as pessoas de menos escolaridade. O Fed (Banco Central dos EUA) se atenta muito mais a esse tipo de detalhe, quem está conseguindo emprego, se está sendo igual a melhora do mercado de trabalho. Isso vai ser muito importante para entender o que vai acontecer em 2022 sobre alta de juros e ritmo de tapering [retirada de estímulos]”, afirma Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos.

Ontem, o Ibovespa foi duramente impactado pelo andamento truncado da PEC dos Precatórios. Ainda que o texto base tenha sido aprovado em primeiro turno na Câmara, a votação foi apertada e agora está sendo questionada no Supremo Tribunal Federal (STF) por ter incluído votos de deputados que não estavam no plenário na ocasião.

Tudo isso faz com que o investidor se questione se a PEC, que abre espaço extra no Orçamento de 2022 será de fato aprovada ou se o governo vai precisar recorrer a alguma alternativa para financiar o novo Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família. Ao postergar o pagamento dos precatórios, a PEC permite que o valor do benefício seja ajustado sem extrapolar o Teto dos Gastos público. O  governo pretende pagar ao menos R$ 400 por família beneficiária do programa a partir deste ano ainda.

A temporada de balanços segue a todo vapor, com destaque para os resultados de Bradesco (BBDC4) e Embraer (EMBR3) (veja abaixo).

Contudo, os resultados das empresas no terceiro trimestre têm tido menos impacto na Bolsa do que os riscos fiscais e o mercado de ações no Brasil também tem operado descolado do exterior nas últimas semanas.

Às 13h (horário de Brasília), o Ibovespa operava em alta de 1,38% aos 104.836 pontos. O Ibovespa futuro com vencimento em dezembro de 2021 operava em alta de 1,51% aos 105.620 pontos.

O dólar comercial cai 1,26% a R$ 5,535 na compra e R$ 5,536 na venda. O dólar futuro para dezembro de 2021 recua 1,28% a R$ 5,560.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2023 cai sete pontos-base, a 12,06%; DI para janeiro de 2025 recua cinco pontos-base a 12,16%; e o DI para janeiro de 2027 tem queda de oito pontos-base, a 12,14%.

Em Nova York, os índices  ampliaram ganhos após os dados positivos do payroll. Ainda em destaque, após meses de negociação, a Câmara americana pode votar hoje o plano econômico de US$ 1,75 trilhão do presidente Joe Biden. O projeto de infraestrutura, já aprovado pelo Senado, será encaminhado diretamente para sanção presidencial .

Na semana, até agora, o Dow Jones acumula alta de 0,9%; o S&P ganha 1,6%; e o Nasdaq, 2,9%.

“Continua o movimento de alta, o rally de final de ano tem mais espaço para andar”, afirma Roberto Attuch, CEO da Ohmresearch.

As ações da farmacêutica Pfizer disparam mais de 10% no pré-mercado após a empresa informar resultados promissores sobre seu medicamento oral para o tratamento da Covid-19. A companhia diz que a pílula, combinada com um medicamento para tratar HIV, pode reduzir em 89% o risco de hospitalização ou morte pela Covid em adultos do grupo de risco expostos ao vírus.

No mês passado, a Merck também anunciou bons resultados com seu medicamento oral contra a doença, o molnupiravir, o que deu impulso aos mercados na ocasião, com a expectativa de uma retomada mais consistente da economia. Esta semana, o tratamento oral foi aprovado pelo Reino Unido.

As bolsas europeias reduziram ganhos. O índice Stoxx 600, que reúne ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 países europeus, sobe 0,06%.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Os preços do petróleo voltam a subir forte. O barril do Brent, referência para a Petrobras (PETR3; PETR4), sobe 2,61% a US$ 82,68. O WTI sobe 3,13% a US$ 81,28 o barril. O minério de ferro negociado na bolsa chinesa de Dalian teve queda de 3,2%, a 560,5 iuanes, o equivalente a US$ 87,57.

As bolsas asiáticas tiveram desempenhos mistos, com destaque negativo para ações listadas em Hong Kong, principalmente a das incorporadoras. A incorporadora Kaisa Group anunciou que sua unidade financeira deixou de pagar por um produto de gestão de patrimônio. A empresa é a segunda maior no setor na China, atrás apenas do Evergrande Group, que está fortemente endividado.

Na China, mineradoras de carvão também tiveram baixa em meio a medidas intensivas no país para conter os preços e ampliar a produção. A agência estatal de planejamento publicou sete comunicados nos últimos dois dias mostrando a produção recente de carvão e seus esforços para conter os preços. A agência disse que a produção diária de carvão está próxima de uma máxima recorde este ano em meio a uma série de medidas.

Balanços do terceiro trimestre

Embraer (EMBR3)

A Embraer (EMBR3) reportou prejuízo líquido ajustado de R$ 179,7 milhões no terceiro trimestre de 2021 (3T21), ante prejuízo de R$ 797,5 milhões em igual período de 2020, uma queda de 77,47%.

A receita líquida somou R$ 5,010 bilhões no trimestre, alta de 22,5% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando lucrou R$ 4,0905 bilhões.

Bradesco (BBDC3;BBDC4)

O Bradesco (BBDC3; BBDC4) teve lucro líquido recorrente de R$ 6,767 bilhões no terceiro trimestre deste ano, um desempenho 34,5% maior na comparação com o mesmo período do ano passado e 7,1% acima do reportado no segundo trimestre deste ano.

O desempenho veio um pouco acima das projeção dos analistas consultados pela Refinitiv, que era de um lucro de R$ 6,469 bilhões no terceiro trimestre.

Já o lucro contábil foi de R$ 6,648 bilhões, o que representa um crescimento de 58,5% na base anual e alta de 11,3% frente o 2º trimestre.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Itaú BBA avaliou como positivo os resultados, pouco acima das projeções do banco, destacando que o crescimento da carteira de crédito foi forte, com spreads ligeiramente melhores e apenas uma deterioração moderada da qualidade. O banco mantém avaliação marketperform para ações do Bradesco, e preço-alvo de R$ 25.

O Credit Suisse comentou que os resultados foram ligeiramente positivos, considerando os resultados 6% acima do consenso, mantendo recomendação  outperform para ações do banco e preço-alvo de R$ 30,91.

O Morgan Stanley comentou que o banco reportou resultados fortes, com destaque para o “impressionante controle de custos”. Assim, o Morgan Stanley mantém avaliação outperform para ações do Bradesco, e preço-alvo de US$ 6,36 para o ADR da companhia negociado na Bolsa de Nova York.

Minerva (BEEF3)

A Minerva (BEEF3) registrou um lucro líquido de R$ 72,4 milhões no terceiro trimestre de 2021, número 24% maior do que os R$ 58,3 milhões registrados no mesmo período de 2020.

O avanço acompanha, em grande parte, a receita líquida da companhia alimentícia, que cresceu 43,4% na mesma base, saindo de R$ 5,1 bilhões para R$ 7,3 bilhões.

A Minerva ainda aprovou o pagamento de R$ 200 milhões em dividendos, sendo R$ 0,3488435008 por ação ordinária. Para receber a remuneração, o acionista deve ter adquirido a ação até o dia 10 de novembro de 2021.

O Itaú BBA avalia os resultados como ligeiramente positivos, com destaque mais uma vez para o forte desempenho de receita da empresa Athena, enquanto as margens foram comprimidas em meio a ventos contrários no custo do gado no Brasil. O banco mantém avaliação outperform para ações, com preço-alvo de R$ 17.

JHSF (JHSF3)

A JHSF (JHSF3) divulgou seu balanço no terceiro trimestre de 2021 (3TRI21), registrando lucro líquido de R$ 213,8 milhões, alta de 23,1% na comparação com o terceiro trimestre de 2020, quando lucrou R$ 173,7 milhões.

O lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado ficou em R$ 265,6 milhões, o que representa 17,2% a mais do que os R$ 226,6 milhões apurados no 3TRI20.

O Itaú BBA destacou que os números foram razoáveis, conforme esperado.  O banco diz que a empresa excedeu as estimativas de receita em todas as divisões. O segmento de shoppings, varejo e digital foi o principal destaque, superando os níveis do 3T19 em 61%, enquanto a divisão de construção civil perdeu fôlego com os fortes componentes do trimestre anterior. O banco mantém avaliação outperform para as ações e preço-alvo de R$ 10,10.

BR Properties (BRPR3)

A BR Properties (BRPR3) registrou lucro líquido de R$ 38,3 milhões no 3T21, alta de 135% na comparação anual. O Ebitda ajustado somou R$ 58,3 milhões, queda de 0,8% em relação ao mesmo período de 2020.

O Bradesco BBI comentou que vê os resultados como indicativos de um período de transição. A leitura do banco está respaldada pela já anunciada venda de ativos, o que deve aliviar a pressão sobre o resultado financeiro da empresa já no quarto trimestre.

Segundo o banco, o CDI mais alto afetou o fluxo de caixa proveniente das operações (FFO, na sigla em inglês), mas a alavancagem se inclinou para cair significativamente após as vendas recentes de ativos. O banco mantém avaliação outperform para ações e preço-alvo de R$ 12,50.

Engie Brasil (EGIE3)

A Engie Brasil (EGIE3) registrou lucro líquido de R$ 639 milhões, alta de 30,4% na comparação anual.

O Ebitda ajustado somou R$ 1,698 bilhões, crescimento de 18,5% ante mesmo período de 2020.

O Credit Suisse comentou que os resultados vieram fracos como o esperado, decorrente de vendas de energia abaixo do esperado (provavelmente um resultado da estratégia de alocação) e grandes impactos do GSF, apesar da melhor contribuição da TAG. O banco mantém avaliação outperform para ações com preço-alvo de R$ 39,79.

Eneva (ENEV3)

A Eneva (ENEV3) reportou um lucro líquido de R$ 362,6 milhões no balanço do terceiro trimestre, um desempenho 553% ou 6,5 vezes acima do registrado um ano antes.

O resultado foi impactado por melhor desempenho operacional e financeiro.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) também reflete a boa performance: terminou em R$ 547,4 milhões, 97,5% a mais do que os R$ 277,2 milhões do 3º trimestre do ano passado.

BK Brasil (BKBR3)

A BK Brasil (BKBR3) registrou prejuízo líquido de R$ 37,9 milhões no 3T21, melhora de R$ 68 milhões em relação ao mesmo período de 2020.

O Ebitda somou R$ 76,6 milhões ante Ebitda negativo de R$ 16,9 milhões de um ano antes.

Tenda (TEND3)

A Tenda (TEND3) registrou um lucro líquido de R$ 6 milhões no terceiro trimestre de 2021, o que representou uma retração de 81% na comparação com o mesmo período do ano passado, quando somou R$ 33,8 milhões.

Dessa forma, a companhia viu seu lucro cair apesar de sua receita líquida ter avançado 10,2% na mesma base, chegando a R$ 721,2 milhões, uma vez que os custos e gastos também cresceram, limitando o desempenho.

O Bradesco BBI avalia que as margens foram mais atingidas do que aquelas de outras empresas do setor, à medida que levou um tempo relativamente longo para que a empresa rearranjasse sua política central, em meio a pressões de custo.

O banco diz que, em comparação, a Direcional pressionou por ganhos de preço desde o início, e deve apresentar margens cerca de 12 pontos percentuais mais altas que aquelas da Tenda, que vem tomando medidas para alterar esse cenário e apresentando sinais de que o desempenho abaixo da média do mercado no trimestre não deve ser encarado como um novo nível base para sua lucratividade no futuro.

Tegma (TGMA3)

A Tegma (TGMA3) reportou lucro líquido no terceiro trimestre deste ano de R$ 34,2 milhões, cifra 14,2% maior do que os R$ 29,9 milhões reportados um ano antes.

O resultado reflete um crédito tributário extraordinário reconhecido no período e a “resiliência operacional da companhia”.

O Itaú BBA comentou que os resultados vieram fracos conforme o esperado.

Segundo o banco, a Tegma continuou sofrendo com a falta de peças na cadeia automotiva como um todo, causando diversas interrupções nas linhas de produção das montadoras, eventos que se intensificaram nos meses de julho e agosto. Isso levou a uma queda nos veículos transportados no trimestre, levando a participação de mercado da Tegma a um mínimo histórico consecutivo de 22,4%. O banco mantém avaliação outperform para ações, com preço-alvo de R$ 33,00.

Brasil Agro (AGRO3

A BrasilAgro reportou lucro líquido de R$ 107,8 milhões no primeiro trimestre da safra 2021/22. O resultado representa um crescimento de 43% em relação ao mesmo período da safra  2020/21.

A receita líquida somou R$ 378,1 milhões no período, alta de 65% em relação ao mesmo período do ano anterior.

O lucro antes do juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) cresceu 205% na comparação com igual etapa do ano anterior, totalizando R$ 190,6 milhões.

Já a margem Ebitda alcançou 50,4%, alta de 22 p.p. na mesma base de comparação.

O Caixa e Equivalente de Caixa somou R$ 1,2 bilhão.

Alper (APER3)

A Alper reportou lucro líquido ajustado de R$ 2,05 milhões no terceiro trimestre de 2021 (3T21), retração de 43,6% em relação ao mesmo período de 2020.

Segundo a empresa, o resultado foi impactado por despesas não recorrentes e o aumento na amortização, relacionado ao crescente número de aquisições realizadas.

A receita líquida somou R$ 35,9 milhões no 3T21, alta de 30,1% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Radar corporativo

Petrobras (PETR3;PETR4)

A Petrobras retornou ao quadro associativo do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), do qual havia saído em 2015, após aprimoramentos, medidas de governança e conformidades adotadas pela companhia, informou a empresa em comunicado na quinta-feira.

Para a petroleira, a associação ao instituto é uma forma de colaborar para o desenvolvimento da governança corporativa e participar ativamente das iniciativas do IBGC.

A companhia, que já foi alvo de escândalos de corrupção relevados pela operação Lava Jato, destacou que desde 2014 foram implementadas medidas preventivas e corretivas, incluindo novos procedimentos, atividades e melhorias de controles internos.

Dentre as ações houve a criação da Diretoria de Governança e Conformidade, com o objetivo de assegurar a conformidade processual e mitigar riscos nas atividades da companhia, como os de fraude e corrupção; criação de novos Comitês Estatutários de assessoramento ao Conselho de Administração; Código de Conduta Ética, entre outros, ressaltou a empresa no comunicado.

Itaú (ITUB4)

O Itaú Unibanco (ITUB4) informou que aumentou sua participação no capital votante do Itaú Corpbanca de 39,22% para 53,79%, por meio do exercício dos seus direitos de subscrição, bem como de direitos de subscrição adquiridos de outro acionista.

O Itaú Unibanco esclarece que este aumento de capital do Itaú Corpbanca ainda não foi finalizado e que pretende subscrever a totalidade das ações remanescentes a que terá direito na próxima etapa de subscrição deste aumento de capital.

Vivo (VIVT3), Claro e TIM (TIMS3)

As grandes teles do país, Vivo (VIVT3), Claro e TIM (TIMS3), encamparam uma disputa para arrematar os lotes de faixa de 3 GHz da tecnologia 5G, a mais cobiçada no certame realizado pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) nesta quinta-feira (4).

A Claro levou o lote B1, de 80 MHz, por R$ 338 milhões. A Telefônica, dona da marca Vivo, ganhou o lote B2 por R$ 420 milhões. E a TIM conseguiu o lote B3 por R$ 351 milhões.

A faixa 3 GHz é a mais utilizada no mundo para o 5G por levar rápida conexão de internet ao consumidor final.

Brisanet (BRIT3)

A Brisanet Serviços de Telecomunicações (BRIT3) tornou-se, nesta quinta-feira (4), mais uma operadora de telefonia móvel no país, após arrematar blocos da licitação de oferta da tecnologia 5G. O leilão do 5G é realizado pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações).

A empresa, considerada a maior operadora de internet do Nordeste, arrematou um primeiro lote de 80 MHz da faixa de 3GHz para levar o 5G à região Nordeste do país. Com a oferta de R$ 1,2 bilhão, a proposta da Brisanet obteve um ágio de 13.741%.

A companhia também arrematou outro lote, de 80 MHz da mesma faixa, para disponibilizar 5G na região Centro-Oeste, com oferta de R$ 105 milhões. Já o lote de 5G, da região Norte e do estado de São Paulo, foi obtido pela Sercomtel, do Paraná.

3R Petroleum (RRRP3)

A 3R Petroleum (RRRP3) movimentou R$ 2,41 bilhões em sua oferta subsequente de ações. As ações foram emitidas com preço unitário de R$ 33,00.

Em razão do aumento do capital social no âmbito da Oferta, o novo capital social da Companhia passou a ser de R$ 4,146 bilhões, dividido em 202.593.078 ações ordinárias.

Lojas Renner (LREN3)

A Lojas Renner (LREN3) anunciou aumento do capital social no valor de R$ 1,23 bilhão. A cifra contou com a incorporação de parte do saldo da conta de Reserva de Capitais e da conta de Reserva de Lucros.

Além disso, a companhia informou sobre a bonificação de ações em 10%, com distribuição gratuita aos acionistas. Com isso, a Renner fará a emissão de 89,85 milhões de novas ações ordinárias, sendo uma nova ação para cada dez possuídas, com um custo de R$ 13,35.

Os acionistas que terão direito a esse benefício devem adquirir as ações das Lojas Renner até o dia 08 novembro.

Iguatemi (IGTA3)

A Iguatemi informou que as ações da Iguatemi Empresa de Shoppings Centers (IGTA3) serão negociadas até 19 de novembro. Com isso, as units da empresa passarão a ser negociadas na B3 a partir do dia 22.

As mudanças devem-se à reorganização societária da Iguatemi, na qual será incorporada pela Jereissati Participações.

Segundo comunicado, o prazo final para os acionistas solicitarem a conversão das ações continua sendo 16 de novembro.

No dia 19, cairá o crédito das units aos acionistas que solicitaram a conversão. Já no dia 24, será feito o pagamento das units para os acionistas da Iguatemi Empresa de Shoppings Centers.

Orizon (ORVR3)

A Orizon (ORVR3) comprou a UPI Aterros pelo valor de R$ 840 milhões. Do montante total, R$ 75 milhões são dos termos da proposta vinculante original e os R$ 765 milhões restantes foram mediantes a utilização de créditos extraconcursais do Grupo Estre.

Mils (MILS3

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou a compra de 100% do capital social da SK Rental do Brasil pela Mils (MILS3).

A empresa de engenharia destaca que a consumação da transação será efetuada em até 15 dias.

Alliar (ALLR3)

Depois da sua proposta de compra de até 20% do bloco de controle da Alliar ter sido negada, o empresário Nelson Tanure, que detém 28,5% da empresa, partiu para a judicialização. As informações são do jornal Valor.

Na última terça-feira, Tanure entrou com uma ação contra os dois maiores acionistas da companhia, os médicos Sérgio Tufik e Roberto Kalil, que são presidente e membro do conselho de administração da empresa, respectivamente. O empresário alega conflito de interesse de ambos com transações de partes relacionadas.

Infracommerce (IFCM3)

A Infracommerce CXaa (IFCM3) aprovou, por unanimidade, os termos da incorporação de ações da Synapcom Comércio Eletrônico pela companhia.

O Contrato dispõe sobre a aquisição pela Infracommerce de 1.869.187 ações de emissão da Synapcom, simultaneamente à incorporação, pela Infracommerce, de 934.592 ações de emissão da Synapcom, com a consequente conversão da Synapcom em subsidiária integral da Infracommerce, e correspondente emissão de 25.268.472 novas ações ordinárias pela Infracommerce a serem subscritas pelos atuais acionistas da Synapcom.

(com Reuters)

Aprenda a transformar a Bolsa de Valores em fonte recorrente de ganhos. Assista a aula gratuita do Professor Su e descubra como.

Compartilhe