Balanço energia

Eneva (ENEV3) tem lucro 6,5 vezes maior no 3º trimestre; crise hídrica impulsionou usinas a gás

Produção de gás aumentou 260% no período encerrado em 30 de setembro na comparação anual, para suprir o maior despacho das usinas a gás

Por  Equipe InfoMoney

SÃO PAULO – A Eneva (ENEV3) reportou um lucro líquido de R$ 362,6 milhões no balanço do terceiro trimestre, um desempenho 553% ou 6,5 vezes acima do registrado um ano antes.

O resultado foi impacto por melhor desempenho operacional e financeiro.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) também reflete a boa performance: terminou em R$ 547,4 milhões, 97,5% a mais do que os R$ 277,2 milhões do 3º trimestre do ano passado.

O resultado Ebitda sem os poços secos ficou em R$ 572,7 milhões, um avanço ainda maior, de 98,6%, em relação aos R$ 288,3 milhões de um ano atrás, acrescentou a empresa.

Assim, a margem Ebitda sem os poços secos caiu 13,8 pontos percentuais, indo para 37,5%.

O resultado foi impulsionado principalmente pelo segmento de Upstream (atividades de exploração e produção de óleo e gás).

Receitas do balanço da Eneva

A receita operacional líquida, da mesma forma, cresceu com força: 171,9%, passando a barreira do 1 bilhão de reais, com R$ 1,528 bilhão.

“O consumo de energia elétrica no país manteve a trajetória de crescimento na comparação anual, com a recuperação da atividade econômica após a retração ocorrida”, explicou a empresa, referindo-se ao primeiro semestre de 2020, quando a pandemia motivou as principais medidas de restrição de circulação de pessoas.

Risco hidrológico e produção de gás

A empresa acabou beneficiada pelo quadro hidrológico crítico: “como resultado, o despacho termelétrico no período foi bastante elevado, diferentemente do ocorrido no 3TRI20. Todas as usinas da Eneva permaneceram na ordem de mérito de despacho durante o trimestre, de forma que o despacho médio atingiu 98% versus 24%”, no mesmo período do ano passado.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A produção de gás aumentou 260% no período encerrado em 30 de setembro de 2021, comparado com um ano atrás, para suprir o maior despacho das usinas a gás.

Assim, a Eneva (ENEV3) encerrou o trimestre com um volume de reservas 2P (provadas e prováveis) de gás na Bacia do Parnaíba superior ao do 3TRI20 em 1 bilhão de metros cúbicos, e com reservas 2P totais, “incluindo aquelas do Campo de Azulão (Bacia do Amazonas), de 30,8 bilhões de m³, como resultado das incorporações de novas reservas nas duas bacias no período”.

Curso inédito “Os 7 Segredos da Prosperidade” reúne ensinamentos de qualidade de vida e saúde financeira. Faça sua pré-inscrição gratuita.

Compartilhe