5 assuntos

Payroll nos EUA, incorporadoras na China voltam para o radar e mais assuntos que vão movimentar o mercado hoje

Confira os 5 assuntos mais relevantes para ficar de olho nesta sexta-feira (5/11/2021)

Por  Equipe InfoMoney -

SÃO PAULO – A sessão da véspera foi de queda expressiva, de 2,09%, para o Ibovespa, em meio à preocupação sobre o andamento da PEC dos precatórios, cuja votação na Câmara dos Deputados em segundo turno deve ser retomada na terça-feira (9).

Nesta sessão, em dia de agenda doméstica esvaziada e com o noticiário político sem tantas novidades, os investidores devem monitorar a continuidade do leilão 5G e repercutir a temporada de balanços por aqui, com destaque para os números de Bradesco e Embraer, além de Minerva, JHSF, entre outras.

Paulo Guedes, ministro da Economia, participa às 10h15 (horário de Brasília) de conferência de comércio internacional e serviços do Mercosul, e às 13h junta-se ao ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, em painel da COP26.

No radar internacional, atenção para o relatório de emprego de outubro nos Estados Unidos enquanto que, na China e em Hong Kong, empresas imobiliárias recuaram depois de uma incorporadora dizer que sua unidade perdeu o pagamento de um produto de gestão de riqueza. Confira os destaques:

1. Bolsas mundiais

Estados Unidos

Os índices futuros americanos operam perto da estabilidade nesta sexta-feira (5).

Na quinta, o S&P avançou 0,4%, fechando em um patamar recorde pelo sexto dia consecutivo, com alta de 1,5% do setor de tecnologia e queda de 1,3% do setor financeiro; o Nasdaq registrou sua nona sessão positiva consecutiva, avançando 0,8% e fechando em um patamar recorde; e o Dow perdeu 33,35 pontos.

Na semana, o Dow acumula alta de 0,9%; o S&P ganha 1,6%; e o Nasdaq, 2,9%.

Na sessão de quinta, investidores digeriram o plano do Federal Reserve de iniciar a partir do final de novembro a redução do ritmo de compra de títulos, atualmente em US$ 120 bilhões mensais, levando ao fim do programa em meados de 2022.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Investidores aguardam pelo relatório de emprego relativo a outubro nos Estados Unidos. A expectativa é de que 450 mil empregos tenham sido adicionados, segundo analistas ouvidos pela Dow Jones. Em setembro haviam sido criados 194 mil empregos, abaixo da expectativa de 500 mil.

Ainda em destaque, após meses de negociação e mais de 11 horas de conversas ontem, a Câmara americana pode votar hoje o plano econômico de US$ 1,75 trilhão de Biden. O projeto de infraestrutura, já aprovado pelo Senado, será encaminhado diretamente para sanção presidencial .

Ásia

As bolsas asiáticas tiveram desempenhos variados entre si na sexta, com destaque negativo para ações listadas em Hong Kong, em especial aquelas de incorporadoras.

Na quinta, a incorporadora Kaisa Group anunciou que sua unidade financeira deixou de pagar por um produto de gestão de patrimônio. A empresa é a segunda maior no setor na China, atrás apenas do Evergrande Group, que está fortemente endividado.

Na China, mineradoras de carvão também tiveram baixa em meio a medidas intensivas no país para conter os preços e ampliar a produção. A agência estatal de planejamento publicou sete comunicados nos últimos dois dias mostrando a produção recente de carvão e seus esforços para conter os preços. A agência disse que a produção diária de carvão está próxima de uma máxima recorde este ano em meio a uma série de medidas.

Europa

As bolsas europeias também operam perto da estabilidade nesta sexta. O índice Stoxx 600, que reúne as ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 países europeus, avança 0,2%, com destaque negativo para empresas dos setores de petróleo e gás e positivo para empresas de tecnologia e bens domésticos.

Na quinta, o Banco da Inglaterra manteve as taxas de juros em patamares historicamente baixos, surpreendendo o mercado logo após o Fed anunciar a redução do ritmo de seu programa de compra de títulos.

Dados divulgados na sexta indicam que a produção industrial recuou 1,1% em setembro em relação ao mês imediatamente anterior, em meio a falta de matéria-prima. A produção industrial francesa contraiu 1,3%.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Veja os principais indicadores às 7h30 (horário de Brasília):

Estados Unidos

Dow Jones Futuro (EUA), +0,05%
*S&P 500 Futuro (EUA), +0,24%
*Nasdaq Futuro (EUA), +0,54%

Europa

*FTSE 100 (Reino Unido), +0,45%
*Dax (Alemanha), +0,1%
*CAC 40 (França), +0,32%
*FTSE MIB (Itália), +0,39%

Ásia

*Shanghai SE (China), -1% (fechado)
*Hang Seng Index (Hong Kong), -1,41% (fechado)
*Kospi (Coreia do Sul), -0,47% (fechado)

Commodities e Bitcoin

*Petróleo WTI, +1,12%, a US$ 79,69 o barril
*Petróleo Brent, +0,65%, a US$ 81,05 o barril
*Bitcoin, -0,16% a US$ 61.665,87
*Sobre o minério de ferro: **O minério negociado na bolsa de Dalian teve queda de 3,2%, a 560,5 iuanes, o equivalente a US$ 87,57

 

2. Agenda

Brasil

Agenda de Paulo Guedes, ministro da Economia: Guedes participa às 10h15 de conferência de comércio internacional e serviços do Mercosul, e às 13h junta-se ao ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, em painel da COP26.

Estados Unidos

9h30: Relatório de Emprego (Payroll) de outubro, com projeção Refinitiv de criação de 450 mil vagas e taxa de desemprego de 4,7%

3. Covid e vacinação

Na quinta (4), a média móvel de mortes por Covid em 7 dias no Brasil ficou em 227, queda de 36% em comparação com o patamar de 14 dias antes, segundo informações do consórcio de veículos de imprensa, às 20h. Em apenas um dia, foram registradas 411 mortes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A média móvel de novos casos em sete dias foi de 9.443, o que representa queda de 22% em relação ao patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia foram registrados 11.902 casos.

No total, chegou a 155.177.415 o número de pessoas que receberam a primeira dose da vacina contra a Covid no Brasil, o equivalente a 72,74% da população.

A segunda dose ou a vacina de dose única foi aplicada em 117.805.832 pessoas, ou 55,23% da população. A dose de reforço foi aplicada em 9.179.134 pessoas, ou 4,3% da população.

Reportagem publicada nesta sexta pelo portal UOL ressalta que o Programa Nacional de Imunizações (PNI) está desde 7 de julho sem o titular da pasta, apesar da pandemia e da queda das coberturas vacinais no Brasil ao nível da década de 1980. As taxas de vacinação para doenças como meningite, hepatite B e paralisia infantil estavam próximas a 100% em 2015, diz o site. Mas caíram para menos de 80% em 2020.

A última titular do PNI, Francieli Fantinato, ingressou no cargo em outubro de 2019, mas o deixou em julho por conta da politização em torno das vacinas. Ela falou sobre sua saída em depoimento à CPI da Covid, quando disse que viu falhas na campanha de imunização.

Em outubro, o pediatra Ricardo Queiroz Gurgel, professor da UFS (Universidade Federal de Sergipe) foi nomeado como novo coordenador do PNI. Mas, depois de semanas sem ser contatado pelo Ministério da Saúde, foi a Brasília para buscar informações.

Ao site, ele afirmou: “Cheguei ao ministério e fiquei esperando a chegada do secretário [de vigilância e saúde, Arnaldo Correia de Medeiros]. Mas disseram que ele estava afastado, por motivo de saúde, e veio um substituto. E essa pessoa que o substituiu me comunicou que não ia ter posse. Mas não disse o motivo”.

4. Precatórios e noticiário político

O líder do governo na Câmara dos Deputados, Ricardo Barros (PP-PR), disse na quinta-feira à CNN Brasil que a votação em segundo turno da Proposta de Emenda à Constituição dos Precatórios ocorrerá na próxima terça-feira, assim como a análise dos destaques apresentados após aprovação do texto-base da PEC em primeiro turno na madrugada de quinta.

Em entrevista coletiva após reunião de líderes, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), confirmou que a PEC volta ao plenário da Câmara às 9h da próxima terça-feira, começando com análise dos destaques, para a conclusão do primeiro turno, e depois com a segunda rodada de votação.

O texto-base da PEC foi aprovado com uma margem apertada, de 312 votos, somente um pouco acima dos 308 necessários para uma mudança constitucional.

A intenção inicial da base aliada ao governo do presidente Jair Bolsonaro era tentar votar o segundo turno ainda nesta quinta, mas os parlamentares já começam a ir embora de Brasília, o que dificulta o quórum necessário para votar uma PEC.
Lira disse que não vê a possibilidade de mudanças bruscas nos votos dados pelas bancadas dos partidos e que acredita na aprovação da proposta, na segunda e última etapa de votação.

Reportagem com chamada de capa do jornal Valor Econômico desta sexta afirma que a aprovação em 1º turno da PEC desagradou lideranças de PDT, PSB, Podemos e PSDB que intensificaram os esforços para convencer colegas a retirarem o apoio à medida no segundo turno. Ciro Gomes (PDT) chegou a “suspender” sua candidatura à Presidência após colegas de partido aderirem à PEC. No Senado a proposta também enfrenta resistência, diz o jornal.

Segundo reportagem de bastidores da agência internacional de notícias Reuters a partir de fontes no Ministério da Economia, a pasta segue apostando todas as fichas na PEC dos Precatórios para abertura de espaço orçamentário em 2022, apesar das dificuldades políticas enfrentadas pela proposta. Com essa folga o governo pretende bancar o programa de transferência de renda Auxílio Brasil em substituição ao Bolsa Família, com valor médio de R$ 400.

Segundo uma das fontes, a criação de uma regra de pagamento preferencial para os precatórios do Fundef, que beneficiam governadores, foi alinhavada pela ala política do governo para garantir mais apoio à PEC por partidos de oposição e parlamentares alinhados a governos estaduais.

Mesmo assim, não havia avaliação no Ministério da Economia de que esse avanço representasse garantia firme de sucesso para o segundo turno da PEC na Casa, em meio a fortes pressões, nos bastidores, por mais brecha para gastar com emendas parlamentares.

“Vão forçar a barra para enfiar tudo que puderem, depois que estourou a porteira aí já viu como que é”, disse uma das fontes, em referência ao drible na regra do teto de gastos que foi adotado na PEC com a instituição de uma nova janela de correção do crescimento dos gastos públicos pelo IPCA.

Depoimento de Bolsonaro à PF

Em depoimento à Polícia Federal na quarta-feira, o presidente Jair Bolsonaro negou que tenha tido interesse, com a mudança da direção da Polícia Federal, de obter informações privilegiadas de investigações sigilosas, de interferir no trabalho da corporação ou ainda de obter diretamente relatórios produzidos pela instituição.

Na íntegra do depoimento prestado no Palácio do Planalto, obtida pela agência Reuters, o presidente disse que, ao tentar indicar para o cargo de diretor-geral da PF Alexandre Ramagem no ano passado, o então ministro da Justiça, Sergio Moro, teria concordado com o “presidente desde que ocorresse após a indicação do ex-ministro da Justiça à vaga no Supremo Tribunal Federal (STF)“.

À PF, Bolsonaro procurou explicar o que quis dizer com “eu tenho a PF que não me dá informações”, durante reunião ministerial no Palácio do Planalto de 22 de abril do ano passado.

“O declarante quis dizer que não obtinha informações de forma ágil e eficiente dos órgãos do Poder Executivo, assim como da própria Polícia Federal; que quando disse ‘informações’ se referia a relatórios de inteligência sobre fatos que necessitava para a tomada de decisões e nunca informações sigilosas sobre investigações”, respondeu ele, segundo declarações transcritas do seu depoimento.

Procurados pela Reuters, o Palácio do Planalto e a Advocacia-Geral da União (AGU) não responderam de imediato a pedidos de comentários.

Em nota, a defesa de Moro disse ter sido surpreendida com o depoimento de Bolsonaro, porque havia pedido para ser intimada a comparecer para fazer questionamentos, procedimento que foi adotado quando o ex-ministro depôs em maio do ano passado.

No depoimento, em linha com declarações anteriores, o presidente confirmou que necessitava da mudança na direção da PF, para ter uma “maior interação”. Ele destacou que nunca obteve de forma direta relatórios de inteligência produzidos pela corporação, que não tem acesso ao sistema de inteligência brasileiro, o Sisbin, e que muitas informações relevantes para sua gestão chegavam “primeiro através da imprensa”.

 

5. Radar corporativo

Embraer (EMBR3)

A Embraer (EMBR3) reportou prejuízo líquido ajustado de R$ 179,7 milhões no terceiro trimestre de 2021 (3T21), ante prejuízo de R$ 797,5 milhões em igual período de 2020, uma queda de 77,47%.

A receita líquida somou R$ 5,010 bilhões no trimestre, alta de 22,5% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando lucrou R$ 4,0905 bilhões.

Bradesco (BBDC3;BBDC4)

O Bradesco (BBDC3; BBDC4) teve lucro líquido recorrente de R$ 6,767 bilhões no terceiro trimestre deste ano, um desempenho 34,5% maior na comparação com o mesmo período do ano passado e 7,1% acima do reportado no segundo trimestre deste ano.

O desempenho veio um pouco acima das projeção dos analistas consultados pela Refinitiv, que era de um lucro de R$ 6,469 bilhões no terceiro trimestre.

Já o lucro contábil foi de R$ 6,648 bilhões, o que representa um crescimento de 58,5% na base anual e alta de 11,3% frente o 2º trimestre.

Minerva (BEEF3)

A Minerva (BEEF3) registrou um lucro líquido de R$ 72,4 milhões no terceiro trimestre de 2021, número 24% maior do que os R$ 58,3 milhões registrados no mesmo período de 2020.

O avanço acompanha, em grande parte, a receita líquida da companhia alimentícia, que cresceu 43,4% na mesma base, saindo de R$ 5,1 bilhões para R$ 7,3 bilhões.

A Minerva ainda aprovou o pagamento de R$ 200 milhões em dividendos, sendo R$ 0,3488435008 por ação ordinária. Para receber a remuneração, o acionista deve ter adquirido a ação até o dia 10 de novembro de 2021.

JHSF (JHSF3)

A JHSF (JHSF3) divulgou seu balanço no terceiro trimestre de 2021 (3TRI21), registrando lucro líquido de R$ 213,8 milhões, alta de 23,1% na comparação com o terceiro trimestre de 2020, quando lucrou R$ 173,7 milhões.

O lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado ficou em R$ 265,6 milhões, o que representa 17,2% a mais do que os R$ 226,6 milhões apurados no 3TRI20.

BR Properties (BRPR3)

A BR Properties (BRPR3) registrou lucro líquido de R$ 38,3 milhões no 3T21, alta de 135% na comparação anual. O Ebitda ajustado somou R$ 58,3 milhões, queda de 0,8% em relação ao mesmo período de 2020.

Engie Brasil (EGIE3)

A Engie Brasil (EGIE3) registrou lucro líquido de R$ 639 milhões, alta de 30,4% na comparação anual.

O Ebitda ajustado somou R$ 1,698 bilhões, crescimento de 18,5% ante mesmo período de 2020.

Eneva (ENEV3)

A Eneva (ENEV3) reportou um lucro líquido de R$ 362,6 milhões no balanço do terceiro trimestre, um desempenho 553% ou 6,5 vezes acima do registrado um ano antes.

O resultado foi impactado por melhor desempenho operacional e financeiro.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) também reflete a boa performance: terminou em R$ 547,4 milhões, 97,5% a mais do que os R$ 277,2 milhões do 3º trimestre do ano passado.

BK Brasil (BKBR3)

A BK Brasil (BKBR3) registrou prejuízo líquido de R$ 37,9 milhões no 3T21, melhora de R$ 68 milhões em relação ao mesmo período de 2020.

O Ebitda somou R$ 76,6 milhões ante Ebitda negativo de R$ 16,9 milhões de um ano antes.

Tenda (TEND3)

A Tenda (TEND3) registrou um lucro líquido de R$ 6 milhões no terceiro trimestre de 2021, o que representou uma retração de 81% na comparação com o mesmo período do ano passado, quando somou R$ 33,8 milhões.

Dessa forma, a companhia viu seu lucro cair apesar de sua receita líquida ter avançado 10,2% na mesma base, chegando a R$ 721,2 milhões, uma vez que os custos e gastos também cresceram, limitando o desempenho.

Tegma (TGMA3)

A Tegma (TGMA3) reportou lucro líquido no terceiro trimestre deste ano de R$ 34,2 milhões, cifra 14,2% maior do que os R$ 29,9 milhões reportados um ano antes.

O resultado reflete um crédito tributário extraordinário reconhecido no período e a “resiliência operacional da companhia”.

Vivo (VIVT3), Claro e TIM (TIMS3)

As grandes teles do país, Vivo (VIVT3), Claro e TIM (TIMS3), encamparam uma disputa para arrematar os lotes de faixa de 3 GHz da tecnologia 5G, a mais cobiçada no certame realizado pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) nesta quinta-feira (4).

A Claro levou o lote B1, de 80 MHz, por R$ 338 milhões. A Telefônica, dona da marca Vivo, ganhou o lote B2 por R$ 420 milhões. E a TIM conseguiu o lote B3 por R$ 351 milhões.

A faixa 3 GHz é a mais utilizada no mundo para o 5G por levar rápida conexão de internet ao consumidor final.

Brisanet (BRIT3)

A Brisanet Serviços de Telecomunicações (BRIT3) tornou-se, nesta quinta-feira (4), mais uma operadora de telefonia móvel no país, após arrematar blocos da licitação de oferta da tecnologia 5G. O leilão do 5G é realizado pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações).

A empresa, considerada a maior operadora de internet do Nordeste, arrematou um primeiro lote de 80 MHz da faixa de 3GHz para levar o 5G à região Nordeste do país. Com a oferta de R$ 1,2 bilhão, a proposta da Brisanet obteve um ágio de 13.741%.

A companhia também arrematou outro lote, de 80 MHz da mesma faixa, para disponibilizar 5G na região Centro-Oeste, com oferta de R$ 105 milhões. Já o lote de 5G, da região Norte e do estado de São Paulo, foi obtido pela Sercomtel, do Paraná.

3R Petroleum (RRRP3)

A 3R Petroleum (RRRP3) movimentou R$ 2,41 bilhões em sua oferta subsequente de ações. As ações foram emitidas com preço unitário de R$ 33,00.

Em razão do aumento do capital social no âmbito da Oferta, o novo capital social da Companhia passou a ser de R$ 4,146 bilhões, dividido em 202.593.078 ações ordinárias.

Lojas Renner (LREN3)

A Lojas Renner (LREN3) anunciou aumento do capital social no valor de R$ 1,23 bilhão. A cifra contou com a incorporação de parte do saldo da conta de Reserva de Capitais e da conta de Reserva de Lucros.

Além disso, a companhia informou sobre a bonificação de ações em 10%, com distribuição gratuita aos acionistas. Com isso, a Renner fará a emissão de 89,85 milhões de novas ações ordinárias, sendo uma nova ação para cada dez possuídas, com um custo de R$ 13,35.

Os acionistas que terão direito a esse benefício devem adquirir as ações das Lojas Renner até o dia 08 novembro.

(com Reuters)

Aprenda a transformar a Bolsa de Valores em fonte recorrente de ganhos. Assista a aula gratuita do Professor Su e descubra como.

Compartilhe