Ao Vivo

AO VIVO – Acompanhe o que movimenta a Bolsa em tempo real

Ibovespa fecha na mínima em um ano, enquanto dólar avança; ações de siderúrgicas puxam baixa da bolsa brasileira, após minério recuar quase 5% na China

Por  Equipe InfoMoney -

Últimas atualizações

18h33 – Encerramos a cobertura de hoje. Confira os principais destaques do Ibovespa.


18h15 – Ibovespa fecha em queda de 0,51% aos 102.426 pontos

O dólar comercial voltou a subir forte na sessão de hoje e fechou em alta de 0,83% a R$ 5,569 na compra e R$ 5,570 na venda.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2023 avançou 14 pontos-base para 12,16%; DI para janeiro de 2025 subiu 10 pontos-base para 12,09%; e o DI para janeiro de 2027 teve alta de seis pontos-base, a 11,96%.


18h06 – Fechamento de Wall Street

  • Dow Jones fechou em queda de 0,17% a 35.871 pontos
  • S&P teve alta de 0,34% a 4.704 pontos
  • Nasdaq avançou 0,45% a 15.993 pontos

18h00 – Após Bank of América elevar recomendação de compra para Méliuz (CASH3), ações sobem 9,95%, a R$ 4,09


17h55 – Arthur Lira contraria Bolsonaro e nega que há espaço na PEC dos Precatórios para reajuste para funcionários públicos

Em entrevista, o presidente da Câmara dos Deputados afirmou que “absolutamente não vê espaço fiscal” para mudança de salários do setor público e que na proposta apresentada pelo Ministério da Economia não previa esse aumento.


17h15 – Em novo plano plurianual, Petrobras (PETR4) voltará a elevar investimentos para até US$ 70 bi, dizem fontes

Plano deve contar com foco no pré-sal, acelerando exploração frente a mudanças energéticas, mas também terá uma “pegada de preservação”.


16h59 – Ações da Alibaba (BABA34) despencam mais de 11% após balanço do terceiro trimestre frustrar expectativas

Companhia publicou resultados nesta terça, com lucro e receita vindo aquém do esperado pelo mercado – com números de julho a setembro, gigante do varejo mudou guidance para faturamento no ano, que deixou de ser de crescimento de quase 30% frente 2020 para algo entre 20% e 23%.


16h48 – Alliar (AALR3) segue em alta de 18%: conselho de administração tem até amanhã para convocar assembleia geral e analisar investida

De acordo com a Bloomberg, investidor, conhecido por investir em empresas de mídia e infraestrutura, tinha chegado a uma participação para 27,31%. Agora essa fatia sobe para 29,01%.

Segundo o jornal O Globo, Tanure chegou a um acordo preliminar com os acionistas controladores para assumir o controle da companhia, pagando R$ 20,50 por papel.


16h27 – Ibovespa cai 0,72%, a 102.190 pontos. Dólar sobe 0,84%, a R$ 5,569 na compra e R$ 5,570 na venda


16h11 – Para José Anibal, Planalto está “derrubando teto de gastos” para acomodar despesas para além do Auxílio Brasil

Um dos autores da emenda substitutiva à PEC dos Precatórios protocolada ontem no Senado Federal, o tucano vê pouca disposição do Governo Federal em aceitar uma solução dentro das atuais regras fiscais e que libere espaço fiscal exclusivamente para o pagamento do Auxílio Brasil em 2022.


16h06 – Tesouro Direto: juros de títulos prefixados sobem para até 12,1% ao ano; longo prazo opera em estabilidade

Os títulos públicos negociados no Tesouro Direto continuam com movimento misto agora à tarde. Os retornos oferecidos pela maioria dos papéis prefixados avançam, enquanto os juros pagos pelos títulos de inflação recuam ou operam perto da estabilidade.


15h01 – Radar Cripto: Bitcoin acentua queda e volta para os US$ 57 mil, na mínima em mais de um mês


14h53 – Analistas veem desafios para varejistas em 2022, com cenário de alta de juros, desaceleração econômica e risco fiscal

Após recuou de até 65% de ações, ainda pode haver espaço para mais: empresas como Magazine Luiza (MGLU3), Americanas (AMER3) e Via (VIIA3) devem ver concorrência se acentuar no próximo ano.

Confira mais sobre o tema assistindo ao Coffee & Stocks desta quinta-feira (18) com Carolina Ujikawa, gestora da Mauá Capital.


14h34 – Com queda de ações ligadas a commodities, bolsas europeias fecham em baixa e encerram sequência de altas históricas

  • FTSE 100 (Reino Unido), -0,48%
  • DAX (Alemanha), -0,18%
  • CAC 40 (França), -0,21%
  • FTSE MIB (Itália), -0,59%
  • STOXX 600 (toda a Europa), -0,46%

14h33 – Bolsas americanas apagam quedas e voltam a sinalizar tendência de alta

Dow Jones opera neutro, enquanto S&P 500 e Nasdaq avançam, respectivamente, 0,41% e 0,52%


14h20 – As maiores altas e baixas da bolsa


13h55 – Morgan Stanley reduz preço-alvo de Magazine Luiza (MGLU3) e Via (VIIA3)

Destacando o cenário desafiador para o setor, o Morgan Stanley aponta seguir bastante seletivo com as empresas de varejo. Com relação ao e-commerce, tem recomendação overweight (exposição acima da média do mercado) para Mercado Livre, negociada na Nasdaq, e para Magazine Luiza na B3.

Para Magalu, o destaque fica para a tese secular de digitalização, apesar dos ventos contrários no curto prazo. Contudo, o preço-alvo para o ativo foi reduzido, de R$ 19 para R$ 17, ainda um potencial de alta de 83% em relação ao fechamento da véspera.

Para a Via, cuja recomendação é equalweight (exposição em linha com a média do mercado), o preço-alvo foi cortado de R$ 9 para R$ 8, ainda um potencial de alta de 44% frente o último fechamento. Para AMER3, também com recomendação equalweight, o preço-alvo é de R$ 43, ou upside de 29%.

MLGU3 opera em baixa de 0,32% a R$ 9,24; VIIA3 sobe 0,18% a R$ 5,56.


13h12 – Positivo (POSI3) e CSN Mineração (CMIN3): conheça as principais candidatas para a nova carteira do Ibovespa, segundo analistas

Primeira prévia do Ibovespa será divulgada em 1º de dezembro; analistas esperam saída de Getnet do índice.


12h53 – S&P define default da Evergrande como “muito provável”, diz CNBC

Segundo a agência de risco, o governo chinês tenta controlar a crise e “desmontar” a Evergrande de maneira controlada, buscando entregar o máximo de residências possíveis antes do estouro do problema – hoje, por exemplo, a construtora vendeu uma fatia que possuía em uma companhia de streaming.

O S&P, entretanto, aponta acreditar que as autoridades chinesas devem ajustar suas medidas, a fim de gerenciar o risco de contágio e evitar estresse excessivo.


12h30 – Com queda do minério, siderúrgicas e mineradoras amargas as piores baixas do Ibovespa: Usiminas recua 5%

Após a tonelada da commodity fechar em queda de 4,18% no porto de Qingdao, negociada a US$ 87,27, e de 5,10% no porto de Dalian, negociada a US$ 80,13, as ações dos dois setores sangram no pregão brasileiro.

Em conferência sobre setor de aço, o presidente do braço de ferrosos da Vale (VALE3) falou que acredita que a demanda e a oferta devem se equilibrar em 2022, após esforços de autoridades chinesas. A australiana Mineral Resources foi no mesmo caminho, falando que cortou suas expectativas de produção em alguns dos seus polos até junho de 2022.

Bradespar (BRAP4), controladora da Vale, recua (-3,51%); CSN (CSNA3), 3,25%; e a Vale, 3,08%.


12h25 – Senador defende alternativa para pagar Auxílio Brasil em 2022: “nova pandemia no Brasil é a fome”

Ao InfoMoney, Oriovisto Guimarães explicou a proposta que retira precatórios do teto de gastos em 2022 para pagar benefício de R$ 400 a 21 milhões de famílias


12h11 – As 5 maiores altas agora entre as ações que compõem o Ibovespa são

  • Méliuz – CASH3 (+4,57%)
  • Alpargatas – ALPA4 (+4,46%)
  • Natura – NTCO3 (+3,77%)
  • Notre Dame Intermedica – GNDI3 (+3,61%)
  • Hapvida- HAPV3 (+3,57%)

12h11 – As 5 maiores baixas agora entre as ações que compõem o Ibovespa são

  • Usiminas – USIM5 (-5,23%)
  • Bradespar – BRAP4 (-3,51%)
  • CSN – CSNA3 (-3,25%)
  • Vale – VALE3 (-3,08%)
  • Bradesco – BBDC4 (-2,31%)


12h05 – Sem gatilhos, Ibovespa opera entre perdas e ganhos, acompanhando mercados externos

O Ibovespa abriu entre perdas e ganhos nos negócios desta quinta-feira (18) e ensaia uma leve recuperação. Sem balanços e sem divulgação de dados na agenda de hoje, todas as atenções no mercado interno estão voltadas a Brasília, com a PEC dos Precatórios sendo, mais uma vez, fruto de especulações.

Lá fora, os índices americanos também estão sem um sentindo claro, com o Dow Jones caindo e a S&P e a Nasdaq avançando – a bolsa de tecnologia, que tem seu desempenho muito atrelado ao juros, respira no pregão desta quinta com a perspectiva de um arrefecimento da inflação após as quedas do minério e do petróleo.

As preocupações com a possibilidade de uma nova onda de infecções da Covid-19, principalmente na Europa, voltaram a repercutir nos mercados. Por outro lado, dados que indicam uma recuperação mais consistente da economia americana tem mantido os índices próximos de patamares históricos.


11h50 – Alliar (AALR3) reduz alta para 14,5% [Veja mais na nota das 10h15]


11h36 – EUA: Bolsas americanas abrem próximas à estabilidade, sem grandes altas ou baixas

  • Dow Jones cai 0,12%, a 35.888 pontos
  • S&P 500 sobe 0,16%, a 4.696 pontos
  • Nasdaq sobe 0,19%, a 15.952 pontos

11h00 – Itaú reduz projeção do PIB, aumenta expectativa para inflação e vê fim de ciclo de alta da Selic em março

O banco vê agora a economia brasileira crescendo 4,7% em 2021, sendo que antes a projeção era de 5%. Para 2022 a expectativa continua a mesma: uma queda de 0,5% do PIB.

Para a inflação, os analistas da instituição agora veem o IPCA acumulando alta de 10,1% nos 12 meses deste ano, avançando frente a projeção antiga, que era de 9%. Em 2022, o IPCA deve avançar 5%, ante projeção anterior de 4,3%.

Quanto a taxa de juros, o Itaú vê o ciclo de altas se encerrando em março de 2022, com a Selic estacionando nos 11,75%, sendo duas altas de 150 pontos-base e uma de 100. A última projeção era de que a trava viria nos 11,25%.


10h50 – Alliar (AALR3) dispara quase 25% após Tanure assumir controle, segundo coluna

Segundo informações da coluna Lauro Jardim, do jornal O Globo, os controladores da rede de laboratórios aceitaram a proposta de R$ 20,50 por ação.

Em agosto, Tanure, que é conhecido por liderar grandes projetos de reestruturação, já havia adquirido 29% das ações da companhia da Pátria Investimentos.


10h43 – Tesouro Direto: taxas dos títulos prefixados operam em estabilidade, mas seguem acima de 12% ao ano

Os títulos públicos negociados no Tesouro Direto apresentam movimento misto na manhã de hoje. Os retornos oferecidos pelos papéis prefixados operam em estabilidade, enquanto os juros pagos pelos títulos atrelados à inflação recuam.


10h37 – Ingresso da JBS no mercado de proteína cultivida não muda leitura do Bradesco BBI sobre companhia

Segundo o banco, a movimentação tem um tamanho relativamente pequeno, com o preço pago sendo inferior a 1% do market share da JBS (JBSS3). No entanto, para o BBI, o mercado deve dar as boas-vindas ao fato da JBS estar investindo em uma nova tecnologia que parece estar alinhada com as tendências mundiais.

Dessa forma, o banco mantém avaliação outperform para ações da JBS e preço-alvo de R$ 45,00. As ações tem alta de 1,66%, negociadas a R$ 37,05.


10h32 – EUA: Índice de atividade industrial do Fed da Filadélfia tem leitura de 39 em novembro, ante consenso de 22


10h31 – EUA: Novos pedidos por seguro desemprego atingem 268 mil na semana, ante consenso de 260 mil

Os pedidos contínuos pelo auxílio vieram em 2,08 milhões, número menor do que o consenso de 2,12 milhões traçado pelos economistas da Dow Jones.


10h26 – Vale (VALE3) cai 2,75%, negociada a R$ 63,20, após queda do minério de ferro

No porto de Qingdao, a tonelada da commodity registrou queda de 4,18%, para US$ 87,27. Em Dalian, a baixa foi de 5,10%, com a tonelada negociada a US$ 80,13.


10h15 – Morgan Stanley eleva preço-alvo da Ambev após resultados do terceiro trimestre, mas aponta ações caras

O banco justificou a alta do preço-alvo pela crença de que o volume de vendas deve continuar crescendo, bem como o faturamento, com projeção de crescimento de 5% do volume na base anual.

Apesar disso, a instituição aponta que as margens de lucros com cerveja continuam pressionadas no Brasil, que investidores acompanham a sustentabilidade da companhia.

O banco mantém avaliação underweight (perspectiva de valorização abaixo da média do mercado) para a Ambev (ABEV3), e elevou o preço-alvo de R$ 13 para R$ 13,5


10h11Ibovespa abre próximo da estabilidade e agora avança 0,29% aos 103.245


9h55 – Queda de produção de veículos na Europa é notícia negativa para Iochpe Maxion e para Mahle, diz Bradesco BBI

A queda de produção por conta da falta de semicondutores afeta as duas companhias por conta das suas exposições ao mercado europeu.

O banco mantém avaliação outperform para a Iochpe (MYPK3), com preço-alvo de R$ 20, e de undeperform (perspectiva de valorização abaixo da média do mercado) para a Mahle Metal Leve (LEVE3), com preço-alvo também de R$ 20.


9h38 – Economistas do JPMorgan apostam que Fed subirá juros em setembro de 2022

A mudança virá após os Estados Unidos atingirem a meta de pleno emprego, o que para os analistas do banco americano deve se dar em meados do ano que vem.

Isso levará o Comitê de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês) a elevar em setembro a taxa de referência, agora perto de zero, com outro aumento previsto em dezembro e um a cada trimestre subsequente, disseram os economistas.


9h30 – Localiza  aprova distribuição de juros sobre capital próprio (JCP)

Os proventos serão no valor de R$ 0,109 por ação, totalizando R$ 82,1 milhões e o pagamento aos acionistas será realizado na próxima segunda-feira (22) e terá como data-base a posição acionária de 29 de setembro de 2021. As ações da Localiza (RENT3) são negociadas “ex” juros a partir do dia 30 de setembro.


9h12 – JSL, Santos Brasil e Rumo devem ser as maiores beneficiadas da privatização dos Correios e do Porto de Santos

Para o Bradesco BBI, as falas do ministro da Economia Paulo Guedes sobre o tema em evento são positivas para a JSL (JSLG3), que poderá analisar a privatização do serviço postal, para a Santos Brasil (STBP3) e para a Rumo (RAIL3), que se beneficiarão da desestatização do maior porto brasileiro, resultando em mais eficiência.

Guedes também comentou que investidores internacionais pretendem investir US$ 10 bilhões em projetos de infraestrutura no Brasil.

O banco mantém avaliação outperform (perspectiva de valorização acima da média do mercado) para as três empresas, com preço-alvo de R$ 16 para a JSL; de R$ 13 para a Santos Brasil; e de R$ 27 para a Rumo.


 


9h09 – Ibovespa futuro abre entre perdas e ganhos e tem ligeira alta de 0,05% aos 103,765 pontos

Dólar comercial abre em alta e sobe 0,26% a R$ 5,538 na compra e na venda. O dólar futuro com vencimento em dezembro de 2021 sobe 0,14% a R$ 5,548

Na abertura do mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2023 subia quatro pontos-base a 12,06%; DI para janeiro de 2025 operava em alta de três pontos-base a 11,98%; e o DI para janeiro de 2027 subia dois pontos-base, a 11,9%


8h55 – Credit Suisse vê acordo da Hypera de revenda do portfólio aliviando a alavancagem da empresa

A venda de marcas adquiridas da Sanofi no México e na Colômbia para Eurofarma, visto como geografias não essenciais, já era esperada e ajudar a diminuir os gastos da companhia farmacêutica.

O banco também destaca que a Hypera recuperará 27% do valor a ser pago à Sanofi, contra uma representatividade de 33% na receita líquida.


8h46 – Perspectiva de mercado equilibrado pesa sobre minério de ferro

Após a indústria siderúrgica da China ter reduzido a produção e as emissões neste ano, depois de as autoridades se comprometerem a manter o volume abaixo do recorde do ano passado, a Vale (VALE3) vê a oferta e a demanda se equilibrando em 2021.

Marcello Spinelli, presidente executivo de Ferrosos da mineradora, afirmou em teleconferência que prevê a desaceleração da demanda e por isso cortou as estimativas para o próximo ano. A Mineral Resources foi no mesmo caminho e afirmou que deixará de produzir toneladas de minério de alto custo devido ao ambiente de preços baixos.


8h30 – Após ter tocado os US$ 86, Brent recua com China iniciando liberação de reservas estratégicas de petróleo

O país asiático decidiu liberar parte de suas reservas estratégicas de petróleo dias depois de um convite do governo dos Estados Unidos para que o país asiático participasse de uma venda conjunta.

Há comentários ainda de que o governo de Washington tem feito lobby em outras nações do continente, como Índia, Japão e Coreia do Sul, com o objetivo de unir esforços e aumentar a oferta. A iniciativa segue a recusa da Opep+ de bombear mais barris.

O contrato do petróleo Brent é negociado a US$ 80,26 nesta quinta.


8h20 – Para Credit Suisse, Mercado Livre está na “pole position” na disputa pelo e-commerce brasileiro

Após os resultados do terceiro trimestre e os recentes anúncios de ofertas de ações, o Credit Suisse atualizou o cenário competitivo para empresas de e-commerce no Brasil. Com a captação de US$ 1,55 bilhão, o Mercado Libre assumiu o primeiro lugar e agora tem o maior poder de fogo para continuar investindo no crescimento das operações.

O banco acredita, porém, que a competição continuará forte, mesmo com alguns prejuízos recentes às brasileiras Magazine Luiza (MGLU3) e Via (VIIA3), que gastaram poder de fogo (a primeira com aquisições e a segunda com provisões).


8h13 – Itaú BBA avalia como assertiva compra da BioTech Foods pela JBS

Segundo o banco, o frigorífico está dando mais um passo à frente para expandir sua exposição à indústria de proteínas alternativas, que tem gerado um crescimento atraente em comparação com a dinâmica convencional de proteínas.

De acordo com o relatório, a indústria de carne cultivada atualmente é incipiente e suas vendas globais são insignificantes. Dessa forma, o Itaú acredita que a aquisição pode abrir uma avenida de crescimento que até agora não foi explorada, proporcionando à JBS um mercado totalmente novo e acessível.

O banco mantém avaliação outperform para ações da JBS, com preço-alvo em R$ 47,00, frente à cotação de quarta-feira (17) de R$ 36,35.


8h00 – Hypera faz acordo para venda de ativos, JBS investe US$ 100 mi em novo mercado, Ser aprova dividendos e mais notícias

Confira os destaques do noticiário corporativo na sessão desta quinta-feira (18).


7h55 – Confira o desempenho das commodities

  • Petróleo WTI, -1%, a US$ 79,96 o barril
  • Petróleo Brent, -0,15%, a US$ 80,15 o barril
  • Minério de ferro: O minério negociado na bolsa de Dalian teve queda de

7h40 – Dados do emprego e da indústria nos Estados Unidos, 

A agenda desta quarta tem como destaque os dados do emprego e da indústria nos Estados Unidos, com divulgação de novos pedidos por auxílio desemprego e do índice de atividade industrial às 10h30. No Brasil, não há publicação de dados macroeconômicos.

Na política, destaque para a participação do ministro da Economia Paulo Guedes em evento com jornalistas do The Economist, às 10h, e à sua presença em evento do Ministério da Economia, as 17h30.

Como destaque corporativo, essa quinta-feira conta com a precificação do follow on da Petz (PETZ3): a companhia irá ofertar cerca de 41 milhões de ações e pode levantar até R$ 1 bilhão.


7h35 – Radar Cripto: Bitcoin estabiliza com vencimento de opções no radar e mais assuntos que vão movimentar o mercado 


7h30 – Futuros americanos operam estáveis, com leve tendência de alta

Investidores continuam de olho na inflação nos Estados Unidos e no mundo, o que faz os índices ficarem estacionados, com leve tendência de queda nesta quinta, apesar de vários indicadores econômicos apontarem uma aceleração econômica no país. O Dow está 1,7% de distância de seu recorde; o S&P, a 0,6%; e o Nasdaq, a 0,8%. Hoje, os EUA divulgam dados do emprego.

Na Ásia, a maioria das bolsas fecharam em queda. Na China, a Evergrande voltou a registrar forte queda, de mais de 5%, após divulgar comunicado de que venderá US$ 237 milhões em ações de uma produtora de filme, em mais um esforço para levantar capital e acertar suas contas.

Os índices da Europa, por sua vez, operam estáveis. Nos últimos dias, índices como os da Alemanha, da França e da Inglaterra andam estacionados próximos a suas máximas históricas, com o mercado de olho na inflação do continente – que ontem derrubou, por exemplo, o FTSE de Londres – e também o avanço de uma nova quarta onda da Covid-19. Alemanha e Holanda registraram, nesta quarta, novos recorde de números de casos.

O petróleo Brent e o minério recuam, após pressão de governos sobre os preços. No primeiro caso, os contratos operam com queda de 0,20% nesta manhã, com o barril negociado a US$ 80,17, já um pouco longe da máxima dos últimos dias, após os EUA afirmarem que queimarão reservas para abaixar a pressão inflacionária. Na China, em Dalian, o minério caiu mais de 5%, em mais um resultado da pressão do governo sobre siderúrgicas do país.


7h20 – Veja o desempenho dos mercados 

  • Dow Jones Futuro (EUA), +0,11%
  • S&P 500 Futuro (EUA), +0,26%
  • Nasdaq Futuro (EUA), +0,47%
  • FTSE 100 (Reino Unido), -0,10%
  • DAX (Alemanha), -0,10%
  • Nikkei (Japão), -0,30% (fechado)
  • Shanghai SE (China), -0,47% (fechado)
  • Hang Seng Index (Hong Kong), -0,47% (fechado)

CDB com 300% do CDI? XP antecipa Black Friday com rentabilidade diferenciada para novos clientes. Clique aqui para investir agora!

Compartilhe