Apocalipse

Dia de risk off, medo e cotas negativas.
Por  Alexandre Aagesen
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Caos, tristeza, medo, fim do mundo. Vejo a poeira levantada pelos cascos dos cavaleiros do apocalipse. Ouço as pragas do Egito coaxando e chirriando. Sinto as primeiras gotas do dilúvio. Se Sansão tinha seu cabelo, Aquiles o calcanhar e Clark a criptonita, o mercado tem Powell. Nosso amigo Jay inverteu completamente sua visão de dezembro. Ele mudou de “iríamos querer reduzir (os juros) bem antes de a inflação atingir 2%” para “não sei SE o Fed vai cortar juros esse ano” em apenas quatro meses. Não vou discutir política monetária aqui, mas vai ser bem difícil argumentar que a comunicação ali está indo bem.

E esse discurso de ontem do Powell teve seu efeito no mercado. Não foi a primeira vez e não será a última que o nosso amigo Jay vai nos surpreender: Gogó de banqueiro central tem poder. O objetivo não é surpreender o mercado, mas surpreendeu. O mercado que sofra. E sofreu. Juros foram para lua. Treasury de 2 anos chegou acima de 5%. Por aqui foram 30 bps, isso depois da puxada que já tivemos ontem. Se você tem dúvida do que é uma curva steepada, é só olhar a de hoje. Cara, o mercado está precificando alta na SELIC na reunião de Setembro! Acho que a Gleisi invade o BC! Bom, como eu diria para meu amigo Nico: que semana, heim Capitão? E ainda é quarta-feira.

Mas mudando de assunto, está chegando o dia. Dia do hodler. Dia do “when lambo?”. Dia do DeFi. Estamos há horas de distância do halving, quando a oferta de bitcoins minerados cairá pela metade – depois, só daqui uns quatro anos. Momento auspicioso para a B3 decidir lançar seu futuro de Bitcoin para negociação (hoje!). Historicamente os halvings marcaram momentos importantes de valorização do token. Nos 12 meses que seguiram o primeiro, a cripto subiu quase 8000%. No segundo, mais de 270%. No terceiro quase 540%. Este que estaremos vivendo essa semana, é o quarto. Sabe o que isso significa, né? Exatamente! Nada. Isso não é uma recomendação de investimentos. Ou, como a comunidade prefere, DYOR.

Ficou com alguma dúvida ou comentário? Me manda um e-mail aqui.

Alexandre Aagesen Com mais de 15 anos de mercado financeiro, é CFA Charterholder, autor do livro "Formação para Bancários", host do podcast "Mercado Aberto" e Investor na XP Investimentos

Compartilhe

Mais de One Page

One Page

Concordar em discordar

E chegou a tão esperada ata. Nada foi dito sobre política, claro, e o que foi avaliado foi apenas se vale a ou não quebrar a expectativa do mercado. Quatro membros achavam que o ritmo de corte impacta menos que a taxa terminal nas expectativas, e que valia mais manter o guidance da última ata. […]
One Page

1984

“O que tem no quarto 101?” A expressão do rosto de O’Brien não de modificou. Respondeu secamente: “Você sabe o que tem no quarto 101, Winston. Todo mundo sabe o que tem no quarto 101”.Assim escreveu George, em 1948, sobre um futuro distante que já passou há exatos 40 anos, e mesmo assim segue tão […]