Federal Reserve parece ter entendido o recado da inflação dos EUA

Recentemente pareceu que o Fed atinou para o risco que o mercado financeiro corria impondo perdas tanto em investidores em renda fixa quanto em renda variável
Por  Roberto Dumas Damas
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Caldo de galinha e cautela nunca fizeram mal, mas parece que o Federal Reserve exagerou na cautela até semana passada. Jerome Powell chair do Fed, ao afirmar que não aumentaria em mais de 0,5 ponto a taxa de juros (Federal Funds), fez com que os agentes econômicos aumentassem os rendimentos dos títulos do tesouro de 10 anos, ou os famosos 10Y US T.bonds. Mas o que isso significa?

Ao manter uma postura demasiadamente cautelosa em relação à política monetária, dada uma inflação teimosa de 8,1% (índice de preços ao consumidor – abril) e 11,1% (índice de preços ao produtor – abril) proveniente de choques de ofertas vindos da Rússia e da China (lockdown), além de pressões de demandas do mercado de trabalho americano, a curva de juros dos EUA mostrou que ainda não tinha noção de até onde o banco central dos EUA chegaria com sua política monetária contracionista.

Taxas longas de juros mais altas repercutem em perdas nas duas pontas de investimentos. Perdas para os investidores de renda fixa uma vez que, com o aumento do rendimento dos títulos de 10 anos, acabam sofrendo com a diminuição do valor dos títulos. Também para os investidores em renda variável, dado que a metodologia de precificação de ações utiliza essa mesma taxa de juros para trazer a valor presente os fluxos de caixa das empresas listadas e chegar em seus valores justos.

Recentemente, contudo, nos pareceu que o Fed atinou para o risco que o mercado financeiro corria impondo perdas tanto em investidores em renda fixa quanto em renda variável. Isso além de aparentemente se convencer de que o ritmo de aumento de preços mereceria um aumento de juros mais contundentes, como forma de diminuir as expectativas inflacionárias de longo prazo e diminuir os rendimentos dos títulos de longo prazo (10 anos).

Em relação aos investimentos em renda variável, o cenário ainda continua bastante desafiador em qualquer cenário. Se as taxas de juros de Federal Funds subirem  0,5 ponto, a bolsa continuará a sofrer. Se essa mesma taxa for elevada em 0,75 ponto, podendo chegar a um juro terminal a 4% ou 4,5%, a bolsa continuará a testemunhar novas perdas; neste caso, pelo menos, a ponta longa da curva, como observada essa semana, diminuirá, contribuindo para que os investidores logrem fazer seus hedges entre renda fixa e renda variável menos propensos a perdas em ambas classes de ativos.

Roberto Dumas Damas Roberto Dumas Damas é economista-chefe do Voiter e representou o Itaú BBA em Xangai de 2007 a 2011. Em 2017, atuou no banco dos BRICs em Xangai. Dumas é mestre em Economia pela Universidade de Birmingham na Inglaterra, mestre em Economia Chinesa pela Universidade de Fudan (China), além de professor de MBA e pós graduação do Insper e da FIA e professor convidado da China Europe International Business School (CEIBS) e Fudan University (China)

Compartilhe

Mais de Opinião - Especialistas convidados