Felicidade e riqueza (1) | As sensações positivas necessárias a uma vida feliz

Qual é a relação entre o dinheiro e os sentimentos necessários a uma vida feliz?

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

O planeta terra tem 7 bilhões de pessoas. Cada um tem um conceito diferente de felicidade. Uns adoram ir no cinema, outros gostam de parques, outros detestam os dois. Uns gostam de viajar, outros de ficar em casa, uns buscam fama, outros preferem o anonimato. Mas todos temos 2 coisas em comum:

1)      Vivemos em um mundo que tem o dinheiro como base de trocas e comunicação entre pessoas.

2)      Temos uma natureza humana comum, o que faz com que os sentimentos que nos trazem felicidades sejam iguais para todos nós, mesmo que a forma de obter tais sentimentos (cinema ou parque, por exemplo) possam variar.

A moderna psicologia positiva, que tem como expoente o psicólogo Martin Seligman, auxiliou a ciência a compreender as sensações positivas que causam o sentimento de felicidade. Quando falamos de felicidade, tocamos em um termo vagamente definido, mas que vulgarmente podemos associar à sensações temporárias de satisfação espalhadas em um longo estado de paz de espírito. Isso seria felicidade.

Quais são, afinal, as sensações positivas que causam essa felicidade? Aqui vamos usar termos nossos, que reproduzem a visão de Martin Seligman de uma maneira simples, embora outros autores utilizem outras terminologias.

A primeira sensação positiva é o prazer. O prazer é uma comida que gostamos, um sofá confortável, uma sessão de cinema. O prazer é satisfazer uma pulsão, ou seja, uma necessidade momentânea.

A segunda sensação positiva é o pertencimento. Pertencimento é ser querido por um grupo de amigos, reconhecido no trabalho, correspondido no amor, e, o mais importante, auto-estima, ou seja, pertencer a si mesmo com satisfação.

A terceira sensação positiva é o significado. Significado é ter a visão de que nossa vida faz parte de algo maior, que temos um propósito. Alguns encontrarão essa visão na religião, outros nos filhos, outros no trabalho ou fazendo a diferença na vida de outras pessoas.

Você concorda que todas essas sensações reforçam o estado de felicidade? Se sim, qual é a relação dessas sensações com o dinheiro? O que devo fazer para garantir que tais sensações estarão presentes na minha vida?

É o que vamos responder nos próximos 4 posts.

Wilson Marchionatti