Conheça as propostas para a economia dos candidatos à Presidência nestas eleições

Programas abordam temas como correção da tabela do IRPF, privatização da Petrobras, taxação de dividendos, abertura da economia e redistribuição de renda

Marcos Mortari | Anderson Figo

Candidatos à Presidência mais bem posicionados nas pesquisas Arte: Leonardo Albertino

Publicidade

Normalmente apontada como protagonista em processos eleitorais, a Economia pode ter papel ainda mais relevante no pleito de 2022.

Desde antes do início oficial do período de campanha, temas como inflação, emprego, renda, desigualdade, fome e programas sociais têm recebido atenção especial dos candidatos à Presidência da República em discursos, peças publicitárias e planos de governo.

Tais elementos também são apontados como fundamentais na decisão do voto por aqueles que de fato decidirão quem ocupará o Palácio do Planalto a partir do dia 1º de janeiro do ano que vem: os eleitores.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

Segundo o Datafolha, em maio, 53% dos brasileiros consideravam que a situação econômica teria “muita influência” na sua decisão de voto. Somados aos que acham que a economia teria “um pouco de influência” (24%) na escolha do candidato, o grupo chegava a 77% do eleitorado.

Algumas indicações sobre as ideias dos postulantes à Presidência da República para a Economia podem ser vistas nos respectivos programas de governo, apresentados junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no momento de registro das candidaturas, até 15 de agosto.

Embora palavras sobre o papel nunca sejam garantia de implementação das medidas em caso de vitória nas urnas – seja por mudança de posição do candidato, quebra de promessa ou mesmo ausência de ambiente e apoio político necessário ao longo do mandato –, os documentos servem de guia para que a sociedade possa conhecer melhor os nomes postos e as ideias consideradas.

Continua depois da publicidade

O InfoMoney analisou os planos de governo dos 6 candidatos mais bem posicionados nas pesquisas de intenção de voto e acompanhou discursos proferidos por cada um deles durante a campanha. Além disso, o InfoMoney realizou uma série de sabatinas com os representantes de campanha dos candidatos. A campanha de Jair Bolsonaro foi a única que recusou o convite e não designou nenhum representante.

Veja os principais pontos defendidos:

Jair Bolsonaro (PL)

Propostas econômicas Jair Bolsonaro eleições 2022
Arte: Leonardo Albertino

O programa do presidente Jair Bolsonaro, candidato à reeleição, defende uma agenda de incentivo ao empreendedorismo, desburocratização, desestatizações, simplificação tributária, manutenção da atual legislação trabalhista e garantia do processo de consolidação fiscal como pilares para o desenvolvimento do país.

O candidato indica que, caso conquiste mais um mandato, manterá o Auxílio Brasil no valor de R$ 600,00 mensais, implementará uma correção na tabela do IRPF e trabalhará pelo aumento na proporção de empregos formais na economia. Veja os destaques:

Leia mais: Bolsonaro promete reapresentar projeto da Carteira Verde e Amarela; entenda

Luiz Inácio Lula da Silva (PT)

propostas econômicas Lula eleições 2022
Arte: Leonardo Albertino

O programa do ex-presidente Lula promete “proteger o patrimônio do país e recompor o papel indutor e coordenador do Estado e das empresas estatais” no processo de desenvolvimento econômico, social, produtivo e ambiental do país.

O candidato sinalizou que, se eleito, revogaria o teto de gastos, trabalharia em uma nova legislação trabalhista, reforma tributária e promoveria revisão de regras previdenciárias recém-aprovadas. Seria implementada uma nova política de valorização do salário mínimo e correções na tabela do IRPF. O combate à fome e a redução das desigualdades são considerados pontos prioritários na agenda. Veja destaques:

Confira a sabatina do InfoMoney com o economista de Lula, Guilherme Mello:

Leia também: Taxar os mais ricos é promessa tributária de Lula e Bolsonaro

Ciro Gomes (PDT)

Propostas econômicas Ciro Gomes eleições 2022
Arte: Leonardo Albertino

O programa do candidato do PDT à Presidência da República, Ciro Gomes propõe acabar com reeleição e teto de gastos, taxar grandes fortunas, mudar política de preços da Petrobras, criar programa de refinanciamento de dívidas e “Complexo Industrial de Defesa”. Ciro também pretende taxar dividendos e promover uma reforma tributária, com junção de impostos federais. Veja destaques:

Confira a sabatina do InfoMoney com Mauro Benevides, economista de Ciro Gomes:

Simone Tebet (MDB)

Propostas econômicas Simone Tebet para as eleições 2022
Arte: Leonardo Albertino

O programa de Simone Tebet à Presidência da República diz estar pautado em quatro eixos: combate às desigualdades sociais; compromisso com a economia verde; construção de um governo parceiro da iniciativa privada; transparência, inclusão e combate a todas as formas de preconceito e discriminação.

Na economia, Simone promete andar com as reformas tributária e administrativa, promover maior eficácia, competitividade e produtividade, além de estimular parcerias público-privadas e tornar regras fiscais executáveis. Ela é contra a privatização da Petrobras e diz que é preciso acabar com a regressividade do Imposto de Renda. Veja destaques:

Confira a sabatina do InfoMoney com Elena Lendau, assessora de Tebet:

Soraya Thronicke (União Brasil)

Propostas econômicas Soraya Thronicke eleições 2022
Arte: Leonardo Albertino

O programa da candidata do União Brasil à Presidência da República tem a reforma tributária como prioridade número um. Soraya diz que seu plano tem no liberalismo econômico o alicerce para superar desigualdades regionais e proporcionar dignidade e qualidade de vida a todos os cidadãos brasileiros. Além de mudanças no sistema tributário, com a implementação do Imposto Único Federal, ela defende maior controle dos gastos públicos, incentivo aos empreendedores (micro e pequenas empresas), redução de burocracias e adoção de Parcerias Público-Privadas (PPP’s) no SUS. Veja destaques:

Confira a sabatina do InfoMoney com Marcos Cintra, vice de Soraya Thronicke:

–  Obras públicas não poderão parar. A candidata do União Brasil promete incluir uma cláusula de performance bond nas licitações de obras públicas para garantir que, se o contratado não cumprir com suas obrigações, de acordo com os termos e condições previstos em contrato, a seguradora será responsável por contratar terceiros para dar continuidade ao projeto ou efetuar o pagamento de indenização ao segurado, até o valor limite da garantia.

Felipe d’Avila (Novo)

Propostas econômicas Felipe D'Avila eleições 2022
Arte: Leonardo Albertino

O programa do candidato do Novo à Presidência da República promete transformar o país na “maior potência mundial da nova economia”, com propostas que foram pensadas por três vetores: economia verde, abertura comercial e gestão pública dedicada a servir o cidadão. D’Ávila espera promover a abertura unilateral da economia brasileira e erradicar a pobreza. O candidato é a favor da privatização da Petrobras, da adesão do Brasil à Organização para a Cooperação do Desenvolvimento Econômico (OCDE) e das reformas administrativa e tributária. Veja destaques:

Abertura unilateral da economia brasileira. D’Ávila diz em seu plano de governo que a integração competitiva da economia brasileira ao mundo será um dos pilares de sua agenda econômica. A intenção é reduzir o atraso tecnológico da indústria nacional e abrir caminho para que as companhias brasileiras se tornem mais eficientes e produtivas, a par com a dinâmica do sistema econômico internacional. Com isso, o candidato quer aumentar a participação brasileira no comércio internacional e integrar as empresas brasileiras nas cadeias globais de valor, aumentando a competitividade da economia e reduzindo preços para o consumidor final.

Confira a sabatina do InfoMoney com Marina Helena Santos, economista de Felipe d’Ávila:

Marcos Mortari

Responsável pela cobertura de política do InfoMoney, coordena o levantamento Barômetro do Poder, apresenta o programa Conexão Brasília e o podcast Frequência Política.