Quem é Simone Tebet? Conheça a candidata à Presidência da terceira via

Senadora ressalta ter sido primeira mulher a ocupar diferentes cargos políticos e aposta no voto feminino; em 2016, foi favorável ao impeachment de Dilma

Simone Tebet
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Nome completo:Simone Nassar Tebet
Data de nascimento:22 de fevereiro de 1970
Local de nascimento:Três Lagoas (MS)
Formação:Direito na UFRJ
Ocupação:Senadora da República
Partido:MDB
Estado civil:Casada, duas filhas
Patrimônio declarado:R$ 1,57 milhão*
*valores declarados em 2014

Quem é Simone Tebet

Simone Tebet, 52, é uma política brasileira. Pré-candidata à Presidência da República pelo MDB em 2022, ela é senadora pelo Mato Grosso do Sul. Antes, foi deputada estadual, duas vezes prefeita de Três Lagoas (MS), sua cidade natal, e vice-governadora do estado.

Tebet é a candidata da chamada “terceira via”, no âmbito das negociações realizadas por MDB, PSDB e Cidadania, após a saída do União Brasil das articulações (para lançar candidato próprio, Luciano Bivar) e da desistência do ex-governador João Doria (PSDB-SP) de sua pré-candidatura, anunciada em 23 de maio.

As tratativas entre MDB, PSDB e Cidadania têm por objetivo lançar uma alternativa capaz de fazer frente aos líderes nas pesquisas, o presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mas por enquanto não obtiveram sucesso.

Única mulher lançada pré-candidata pelos principais partidos, Tebet foi apontada como opção mais viável eleitoralmente por caciques das três legendas, em reunião realizada no dia 18 de maio. Embora sua pontuação nas pesquisas seja fraca até agora (junho de 2022), ela tem ao seu favor baixo índice de rejeição em comparação com o ex-governador.

“Doria nunca foi adversário. Sempre foi aliado. Sua contribuição com a luta pela vacina [contra covid-19] jamais será esquecida. Vamos conversar e receber suas sugestões para nosso programa de governo”, disse Tebet em nota, após a desistência do ex-governador. “O Brasil é maior do que qualquer projeto individual. Vamos trabalhar para unir todo o centro democrático”, acrescentou.

Pautas liberais

Um grupo de empresários e economistas lançou manifesto em prol da candidatura da senadora. O documento é assinado por Candido Bracher, ex-presidente do Itaú, Pedro Wongtschowski, presidente do Conselho de Administração do Grupo Ultra, Wolff Klabin, membro do conselho da Klabin, Armínio Fraga e Affonso Celso Pastore, ex-presidentes do Banco Central, a economista Elena Landau e outros.

Pastore antes assessorava a pré-candidatura do ex-juiz Sérgio Moro. Landau é a coordenadora do programa econômico da pré-candidatura de Tebet. O manifesto diz que a senadora é uma liderança “enérgica e pacificadora” e que é capaz de “unir o País”. A tese da “terceira via” agrada a setores significativos da elite econômica brasileira, mas ainda não se traduziu em intenções de votos.

Em 25 de maio, Tebet se disse comprometida com pautas liberais e lembrou que votou favoravelmente à Reforma Trabalhista, à Reforma da Previdência e ao teto de gastos. Ela declarou também que será a “adulta na sala” da disputa eleitoral. O Radar do Congresso, do site Congresso em Foco, atribui a ela um grau de 87% de “governismo”.

A senadora lançou sua pré-candidatura em 08 de dezembro de 2021 com apoio do presidente do MDB, deputado Baleia Rossi (SP). Isso não garante apoio maciço dentro do partido. O MDB é pródigo em lançar candidaturas próprias e depois não apoiá-las integralmente, como ocorreu com Ulysses Guimarães em 1989 e Orestes Quércia em 1994, duas de suas maiores lideranças.

A legenda só chegou ao poder até hoje de forma indireta, com Tancredo Neves, em 1985, que morreu sem tomar posse e foi substituído pelo vice José Sarney; e com Michel Temer, em 2016, vice que assumiu a Presidência com o impeachment da titular Dilma Rousseff (PT).

De maneira geral, o MDB costuma aderir ao governo de plantão, mas sua fidelidade é questionável. Dilma que o diga. Em 2022, mesmo com Tebet no páreo, parte das lideranças é favorável a Lula, e parte a Bolsonaro. A senadora terá tarefa difícil para unir seu correligionários e ainda garantir o apoio integral dos demais partidos da “terceira via”.

A pré-candidata tem a simpatia de Temer. Após a desistência de Doria, o ex-presidente declarou que Tebet “tem demonstrado que está à altura do desafio que se apresenta a ela”.

CPI da Covid

A senadora lançou sua pré-candidatura depois da atuação de destaque na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 no Senado, em 2021. Foi ela, por exemplo, que conseguiu fazer com o que o deputado Luis Miranda (Republicanos-DF, então no DEM, atual União Brasil) citasse o líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), como responsável citado por Bolsonaro por suposta irregularidade na aquisição da vacina indiana Covaxin.

A senadora foi também defensora ativa de parlamentares mulheres na CPI e em comissões do Congresso de forma geral. Ao questionar o ministro da Controladoria Geral da União (CGU), Wagner Rosário, sobre suposta omissão na fiscalização da compra da Covaxin, foi chamada de “descontrolada” pelo depoente. O episódio rendeu acusações de machismo ao ministro.

Tebet estava muito bem informada sobre a atuação da CGU no caso e ao longo da CPI demonstrou ter estudado a fundo os temas dos depoimentos. “A CGU está fazendo o processo de advogado de defesa. E ela foi criada para ser um órgão de fiscalização. Agora temos um CGU que passa pano e deixa as coisas acontecerem. Fico imaginando se esse inquérito vai apurar quem foi omisso de fato”, afirmou a senadora. Esta foi a declaração gerou o comentário desrespeitoso do ministro.

“As pessoas ainda se recusam a acreditar que a mulher sofre misoginia, que a mulher que ousa sair para o mercado de trabalho, vai para um ambiente público, não só na política mas no dia a dia, ela recebe toda sorte de discriminação” afirmou Tebet ao site Brasil de Fato. A senadora foi a primeira líder da Bancada Feminina do Senado, criada em março de 2021.

Ela expôs ainda erros grosseiros em documento apresentado pelo então secretario-executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, hoje assessor especial da Casa Civil da Presidência, e o ex-ministro Onyx Lorenzoni, à época à frente da Secretaria-Geral da Presidência. A dupla havia divulgado o documento na tentativa de rebater suspeitas de irregularidades na compra da Covaxin.

Ao final da CPI que apurou ações e omissões do governo na pandemia, Tebet declarou que a comissão havia reunido elementos suficientes para um pedido de impeachment contra Bolsonaro.

No entanto, pouco tempo antes, no início de 2021, ela prometia “harmonia” entre o Senado e a Presidência da República, e dizia que não havia clima político para um processo de impeachment contra Bolsonaro, apesar do atraso no início da vacinação contra a covid-19.

A senadora deu estas declarações antes de concorrer à presidência do Senado, em fevereiro de 2021, em eleição vencida por Rodrigo Pacheco (PSD-MG, então no DEM). Ela foi a primeira mulher a disputar o cargo.

Voto feminino

Tebet aposta no eleitorado feminino para subir nas pesquisas e frequentemente lembra ter sido a primeira mulher prefeita de Três Lagoas, vice-governadora de Mato Grosso do Sul e presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, descrita por ela como a mais importante do Senado e do Congresso.

“Eu fui a primeira mulher em muitas coisas na minha vida”, disse a senadora em peça publicitária divulgada recentemente pelo MDB. No entanto, em 2016 ela votou a favor do impeachment da primeira mulher presidente do Brasil. “Não foram meras operações isoladas, fizeram parte de uma estratégia fiscal. Se vendeu um Brasil irreal aos brasileiros”, afirmou Tebet na época, referindo-se às supostas “pedaladas fiscais” realizadas pelo governo Dilma.

A parlamentar tem defendido também pautas ambientais, em contraponto ao governo Bolsonaro. “O agronegócio tem que entender que a floresta em pé é que vai garantir a produção”, declarou em 20 de março de 2022, segundo seu site oficial. “E o brasileiro tem de entender que é a floresta em pé que vai garantir o pão nosso de cada dia na mesa”, acrescentou.

De acordo com informações da CNN Brasil, propostas econômicas da equipe da pré-candidata incluem um “revogaço ambiental”, a revogação de todos os decretos, portarias e outros atos do governo Bolsonaro na área. Sob o atual presidente, a fiscalização ambiental foi fragilizada e o desmatamento aumentou.

Terras indígenas

A senadora se confessa ligada ao agronegócio e afirma que os estados do Centro-Oeste estão sofrendo com a falta de chuvas por causa do desmatamento. Mas no que diz respeito a questões indígenas, em 2015 ela defendeu proposta de emenda constitucional que prevê indenização a proprietários de terras que forem consideradas indígenas. A PEC foi aprovada no Senado e tramita na Câmara.

Tebet é autora também de projeto de lei que suspende de dois a quatro anos o processo de demarcação de terra como indígena se o imóvel tiver sido ocupado e sobre ele não houver estudo antropológico de identificação. Ou seja, se indígenas ocuparem área “particular” que reivindicam, eventual processo de demarcação pode ser suspenso ou sequer iniciado. A proposição foi apresentada em 2015 e retirada pela própria parlamentar em 2018.

A iniciativa arquivada lembra medida do governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) que suspendia por dois anos a vistoria de terras para fins de reforma agrária, caso a área fosse ocupada por militantes sem terra.

Segundo a CNN, as propostas em análise pela equipe da senadora incluem a recriação do Ministério do Planejamento e o retorno do Programa Nacional de Desestatização à esfera do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Landau foi diretora de Desestatização do BNDES no governo FHC. Outra iniciativa é a extinção do “Orçamento Secreto”, hoje sob comando de políticos do chamado Centrão em troca de apoio a Bolsonaro.

Descendente de libaneses

Simone Nassar Tebet nasceu no dia 22 de fevereiro de 1970, em Três Lagoas, no então estado de Mato Grosso, hoje Mato Grosso do Sul. De uma família de origem libanesa, a senadora é a primogênita dos quatro filhos do casal Ramez Tebet e Fairte Nassar Tebet.

O pai foi prefeito de Três Lagoas, deputado estadual, vice-governador e governador de MS, senador, ministro da Integração Nacional e presidente do Senado, sempre pelo MDB. Ramez era senador quando morreu, em 2006.

O político ocupava a presidência do Conselho de Ética do Senado, em 2001, quando o órgão analisou processo de quebra de decoro contra o então senador Antônio Carlos Magalhães no caso da quebra de sigilo do painel eletrônico de votações da Casa. ACM acabou renunciando para não ser cassado, mas caiu atirando. Apelidou Ramez, que era advogado, de “rábula do Pantanal”.

Formação acadêmica

Simone estudou Direito na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), onde se formou em 1992, e fez mestrado em Direito do Estado na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), concluído em 1998.

Deu aulas de Direito Público e Administrativo em diferentes instituições ao longo de 12 anos. Trabalhou como consultora jurídica na Assembleia Legislativa de MS, onde ocupou também o cargo de diretora técnica legislativa.

Mandatos

Foi eleita deputada estadual pelo PMDB em 2002. Em 2004, elegeu-se prefeita de Três Lagoas, tendo sido reeleita em 2008. Em 2010, formou chapa com André Puccinelli (MDB) e tornou-se vice-governadora de MS. Na gestão estadual, ocupou a Secretaria de Governo.

Em 2014, venceu a corrida para o Senado, tornando-se a primeira mulher a ocupar tal vaga pelo estado. Em 2019, ela tentou ser a indicada de seu partido para disputar a presidência do Senado, mas foi derrotada por Renan Calheiros (MDB-AL), que acabou perdendo a eleição para Davi Alcolumbre (União-AP).

MandatoInícioFim
Deputada Estadual – MS20032004
Prefeita – MS20052008
Prefeita – MS20092010
Vice-governadora – MS20112011
Senadora – MS20152023

Tebet é casada com o deputado estadual Eduardo Rocha (MDB-MS), atualmente secretário de Governo e Gestão Estratégica do estado. Ela tem duas filhas: Maria Eduarda e Maria Fernanda.

Em 2014, quando foi eleita senadora, ela declarou ter um patrimônio de R$ 1,57 milhão, segundo a Justiça Eleitoral.

OUTROS PERFIS