5 assuntos

Índices futuros dos EUA sobem após Dow Jones registrar pior sessão do ano: os assuntos que vão movimentar o mercado hoje

Pressão vendedora diminuiu depois que o secretário de Estado dos EUA concordou em reunião com o ministro das Relações Exteriores da Rússia na próxima semana

Por  Equipe InfoMoney -

Os mercados asiáticos fecharam a semana majoritariamente em baixa, enquanto os futuros em Wall Street operam em alta na sessão desta sexta-feira (18) após a forte queda da véspera. Mesmo com as baixas do continente asiático, a pressão vendedora sobre as ações da região parece ter diminuído depois que o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, concordou em uma reunião com o ministro das Relações Exteriores da Rússia na próxima semana, aumentando as esperanças de uma solução diplomática para o impasse sobre a Ucrânia.

O Dow Jones caiu ontem (17) mais de 600 pontos em sua maior queda diária desde o final de novembro. O S&P 500 caiu mais de 2% para quebrar uma sequência de ganhos de dois dias, enquanto o Nasdaq caiu 2,9%.

“Uma nova escalada de tensões no curto prazo pode perturbar os mercados devido ao impacto potencial em uma cadeia de suprimentos global tênue, principalmente quando o Fed se prepara para seu aumento de primeira linha em anos”, disse Peter Essele, chefe de gerenciamento de portfólio da Commonwealth, em entrevista à CNBC. “Uma tempestade perfeita pode estar no horizonte se as cabeças mais calmas não prevalecerem.”

Na véspera, a sessão foi de forte aversão ao risco pelo mundo. Depois que forças ucranianas e rebeldes pró-Moscou trocaram tiros no leste da Ucrânia, o presidente dos EUA, Joe Biden, disse haver todas as indicações de que a Rússia planeja uma invasão à Ucrânia nos próximos dias e prepara um pretexto para justificá-la.

Os acontecimentos na Ucrânia também aumentaram a incerteza sobre os planos de aperto monetário pelo banco central dos EUA para combater a inflação. 

Os investidores têm observado também as perspectivas para a política do Federal Reserve. O presidente do Fed de St. Louis, James Bullard, pediu uma ação agressiva, alertando reiteradamente que a inflação pode sair do controle sem aumentos de juros.

Do lado de indicadores, a agenda é vazia no Brasil, enquanto nos EUA mais quatro Fed boys com falas programadas podem esquentar o debate sobre o ritmo do aperto monetário, que se soma às tensões na Ucrânia para manter o investidor global na defensiva.

Confira os destaques:

1. Bolsas Mundiais

Estados Unidos

Os índices futuros dos EUA avançam nesta manhã de sexta-feira (18), após o pior dia de 2022 do Dow Jones na véspera, com investidores se desfazendo de ativos de risco em meio a preocupações geopolíticas.

Veja o desempenho dos mercados futuros:

  • Dow Jones Futuro (EUA), +0,52%
  • S&P 500 Futuro (EUA), +0,57%
  • Nasdaq Futuro (EUA), +0,62%

Ásia

Os mercados asiáticos fecharam mistos nesta sexta-feira, com os investidores da região continuando a avaliar o risco de tensões latentes entre a Ucrânia e a Rússia.

Em Hong Kong, mais uma intervenção no setor de tecnologia também afetou as bolsas. Dessa vez, foi o pedido do governo para os aplicativos diminuírem suas taxas. Já Hang Seng subiu com incorporadoras imobiliárias liderando os ganhos, depois que mais cidades afrouxaram as regras de hipoteca para compradores de casas, enquanto investidores esperavam mais políticas para impulsionar a economia.

  • Shanghai SE (China), +0,66%
  • Nikkei (Japão), -0,41% 
  • Hang Seng Index (Hong Kong), -1,88% 
  • Kospi (Coreia do Sul), +0,02%

Europa

Os mercados europeus operam em alta  à medida que a crise Ucrânia-Rússia atinge um momento crucial .

  • FTSE 100 (Reino Unido), +0,22%
  • DAX (Alemanha), +0,23%
  • CAC 40 (França), +0,62%
  • FTSE MIB (Itália), +0,29%

Commodities

Os preços do petróleo recuam e caminham para uma queda semanal, já que a perspectiva de uma oferta extra do Irã retornando ao mercado superou os temores de uma possível interrupção no fornecimento decorrente de uma invasão russa da Ucrânia.

Já o minério de ferro negociado em Dalian registrou nova queda, com os investidores monitorando o aumento das regulações da China para o setor.

  • Petróleo WTI, -1,08%, a US$ 90,77 o barril
  • Petróleo Brent, -0,93%, a US$ 92,11 o barril
  • Minério de ferro negociado na bolsa de Dalian teve queda de 1,37%, a 685 iuanes, o equivalente a US$ 108,26

Bitcoin

  • Bitcoin, -6,01% a US$ 40.873,33 (em relação à cotação de 24 horas atrás)

2. Agenda

Brasil

Vencimento de opções sobre ações na B3

Zona do Euro

12h: Confiança do consumidor mensal, expectativa é de -8,0, segundo analistas ouvidos pela Reuters.

EUA

12h: Variação de vendas de casas usadas mensal

Discursos do Fed

12h15: Charles Evans; 12h45: Christopher Waller; 13h: John Willians; 15h30: Lael Brainard

3. Covid

O Brasil registrou nesta quinta-feira (17) 1.129 mortes e 129.266 novos casos pela Covid-19  em 24 horas, segundo informações do consórcio de veículos de imprensa, às 20h. 

A média móvel de mortes por Covid em 7 dias no Brasil ficou em 841, elevação de 15% em comparação com o patamar de 14 dias antes.

A média móvel de novos casos em sete dias foi de 116.566, o que representa queda de 36% em relação ao patamar de 14 dias antes. 

Chegou a 153.442.549 de pessoas totalmente imunizadas contra a Covid no Brasil, o equivalente a 71,43% da população.

O número de pessoas que tomaram ao menos a primeira dose de vacinas atingiu 170.609.984 pessoas, o que representa 79,42% da população.

A dose de reforço foi aplicada em 58.593.781 pessoas, ou 27,27% da população.

4. PEC da reforma tributária 

O parecer sobre a Proposta de Emenda à Constituição da reforma tributária (PEC 110/2019) será lido na Comissão de Comissão e Justiça (CCJ), na próxima quarta-feira (23), garantiu o relator da matéria, senador Roberto Rocha (PSDB-MA). Após reunião, nesta quinta-feira (17), com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, e representantes do setor varejista, o parlamentar concedeu entrevista coletiva em que salientou a necessidade da modernização do sistema tributário diante do avanço tecnológico.

Rocha explicou que a proposta sob sua relatoria prevê o estabelecimento do imposto sobre valor agregado (IVA) dual com sistema eletrônico de cobrança, que, conforme ressaltou, não deve ser confundido com a extinta CPMF. O senador lembrou que o mecanismo do IVA já é adotado em 170 países e que o objetivo da reforma é tributar não o dinheiro, mas produtos e serviços.

PGR pede arquivamento de inquérito 

Em despacho enviado ao ministro Alexandre de Moraes (STF), o procurador-geral da República, Augusto Aras, contrariou a Polícia Federal e se posicionou pelo arquivamento da investigação sobre vazamento de dados do inquérito da Polícia Federal sobre o ataque hacker contra o TSE.

Governo pede extra para gastos com servidores e manutenção dos vetos ao Orçamento

O governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) enviou um projeto de lei ao Congresso para recompor R$ 1,7 bilhão em gastos com o pagamento de salários e encargos sociais de servidores neste ano, atendendo principalmente militares, além de funcionários da Receita Federal.

Na justificativa da proposta, o governo alertou que a recomposição é para pagamento da folha já contratada e depende da manutenção dos vetos de Bolsonaro no Orçamento. O Executivo deve enfrentar um impasse para aprovar esses novos gastos. Parlamentares pressionam pela derrubada dos vetos, que atingiram verbas de interesse de comissões e de bancadas estaduais.

EUA dizem que momento para Presidente do Brasil ‘se solidarizar’ com a Rússia ‘não poderia ser pior’

O governo americano também se mostrou irritado com a declaração de solidariedade do presidente Jair Bolsonaro à Rússia, apurou a jornalista Raquel Krähenbühl, correspondente da TV Globo em Washington, com um porta-voz do Departamento de Estado. “O momento em que o presidente do Brasil se solidarizou com a Rússia, enquanto as forças russas estão se preparando para potencialmente lançar ataques a cidades ucranianas, não poderia ter sido pior. Isso mina a diplomacia internacional destinada a evitar um desastre estratégico e humanitário, bem como os próprios apelos do Brasil por uma solução pacífica para a crise”.

5. Radar Corporativo

Taesa (TAEE11

A Taesa (TAEE11) registrou lucro líquido IFRS de R$ 423,1 milhões no quarto trimestre de 2021, queda de 43,6% contra um ano antes

Rumo ([ativo=RAIL3) 

A Rumo (RAIL3) reverteu lucro e teve prejuízo de R$ 384 milhões no quarto trimestre de 2021.

O Ebitda teve queda de 44,6%, a R$ 419 milhões.

NeoEnergia (NEOE3)

A NeoEnergia (NEOE3) reportou um lucro de R$ 635 milhões no quarto trimestre de 2021, um desempenho 36% inferior na comparação com mesmo período de 2020.

Segundo a empresa, o desempenho foi impactado pela reclassificação de Belo Monte para “Ativo mantido para venda”, com ajuste não caixa negativo de R$ 482 milhões.

BR Properties (BRPR3

A BR Properties (BRPR3) reportou prejuízo líquido de R$ 47,4 milhões no quarto trimestre de 2021 (4T21), revertendo o lucro do mesmo período de 2020.

Aeris (AERI3)

A Aeris (AERI3) reportou lucro líquido de R$ 18,1 milhões no quarto trimestre de 2021 (4T21), montante 15,9% superior ao registrado em igual etapa de 2020.

Energisa ([ativo=ENGI11])

A Energisa (ENGI11) celebrou contrato para aquisição de 2.330.105.717 das ações de emissão da Gemini Energy, ao preço de R$ 0,353037 por ação, considerando a assunção do endividamento líquido de R$ 1,734 bilhão detido pela Gemini.

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Compartilhe