Criptos hoje

Bitcoin tem maior queda em um mês, dificuldade de mineração aumenta e Ethereum pode perder dominância

Tensões geopolíticas na Ucrânia afetam apetite por ativos mais arriscados e afastam investidores de criptomoedas

Por  Paulo Alves, CoinDesk -

Em meio ao aumento das tensões na Ucrânia, investidores adotam cautela e deixam de lado ativos de risco como ações e criptomoedas, provocando nova queda do Bitcoin (BTC). A moeda digital tem maior recuo em quatro semanas e volta a ser negociada na região dos US$ 40 mil – às 7h15, operava em queda de 5,8% nas últimas 24 horas, a US$ 40.814.

A situação na Ucrânia se soma à divulgação da ata do Fomc na quarta-feira (16), que já havia minado o apetite por risco de investidores. O Federal Reserve (Fed) afirmou que está pronto para começar a subir a taxa de juros para enfrentar a inflação, o que afeta diretamente a atratividade de ativos considerados mais arriscados.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receba a Newsletter de criptoativos do InfoMoney

“Wall Street entrou no modo de risco total e o Bitcoin está pagando o preço. Os temores sobre as preocupações geopolíticas e o aperto potencialmente agressivo do banco central deixam as criptos em queda livre”, disse Edward Moya, analista de mercado sênior da Oanda.

O movimento tem impacto direto no ouro, cujo preço sobe para o maior patamar em oito meses, de US$ 1.902 a onça.

“Há um mês, ninguém queria tocar em ouro. Agora, o ouro de repente se tornou o preferido do mês, agora que os investidores estão lutando por refúgios seguros à medida que os riscos geopolíticos se intensificam e crescem os temores de que os bancos centrais possam exagerar no aperto da política monetária, “, acrescentou Moya.

  • Assista: O que as tensões na Ucrânia têm a ver com o Bitcoin? Analista da Ohm Research responde no Cripto+

“Bitcoin/cripto está agindo mais como ativo de tecnologia de alto crescimento. Assim como a Nasdaq está cheio de [ações de] Web 2, é quase como se a narrativa da Web 3 tivesse atrelado a criptomoeda a agir de maneira semelhante à Nasdaq em ambientes menos certos”, disse Ben Lilly, economista de cripto do Jarvis Labs, em mensagem ao CoinDesk.

Nem mesmo o aumento da concorrência entre mineradores pelas recompensas em Bitcoin, algo que já foi motivo de otimismo no mercado, vem tendo impacto positivo no preço da criptomoeda. A mineração da moeda digital atingiu nesta madrugada a maior taxa de dificuldade da história, mas fatores externos seguem segurando movimentos de alta.

“O BTC está preso em correntes cruzadas de mercado mais amplas agora por causa de sua maior propriedade institucional”, afirmou, via Twitter, a plataforma de análise cripto MacroScope, focada em negociação institucional e gerenciamento de ativos.

Analistas preveem mais quedas para o Bitcoin se as tensões geopolíticas aumentarem no Leste Europeu. “O Bitcoin é o principal ativo de risco e uma invasão na Ucrânia manteria a pressão de venda de criptomoedas em mais 10% a 15% no curto prazo”, disse Moya, da Oanda.

Segundo o analista técnico Vinícius Terranova, o Bitcoin rompeu uma resistência (preço com alto interesse de compra) chave ontem, o que indica que uma queda mais profunda é iminente. A criptomoeda também permanece abaixo da média móvel de 55 semanas, comportamento que costuma indicar fraqueza para o ativo.

O especialista alerta que a última vez que o BTC ficou abaixo dessa linha por muito tempo, o preço despencou mais de 50%. A queda de hoje, portanto, poderia ser só o começo de um recuo mais forte.

Por enquanto, as principais altcoins se seguram bem e registram quedas menores do que o Bitcoin, apoiadas pelo desempenho menos ruim do Ethereum (ETH), que cede 4,9%, para US$ 2.920, mesmo após comentários do Morgan Stanley de que a blockchain pode perder a dominância no setor de contratos inteligentes.

Binance Coin (BNB), Cardano (ADA) e Solana (SOL), por exemplo, recuam na casa dos 3% entre ontem e hoje.

Já entre os 100 maiores criptoativos por valor de mercado, o pior desempenho desta manhã é do BitTorrentOLD (BTTOLD), versão antiga do BitTorrent (BTT), que realiza uma migração de rede.

Na sequência aparecem os rivais do Ethereum Elrond (EGLD), que cai 9%, e Terra (LUNA), que recua 8,2% após a Terraform Labs e seu CEO, Do Kwon, que estão por trás do projeto, serem intimados pela Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) para colaborar com uma investigação em curso acerca de uma plataforma de finanças descentralizadas (DeFi).

Confira o desempenho das principais criptomoedas às 7h15:

CriptomoedaPreçoVariação nas últimas 24 horas
Bitcoin (BTC)US$ 43.292,81-5,8%
Ethereum (ETH)US$ 2.920,52-4,9%
Binance Coin (BNB)US$ 409,08-3,4%
XRP (XRP)US$ 0,790725-2,9%
Cardano (ADA)US$ 1,04-3,4%

As criptomoedas com as maiores altas nas últimas 24 horas:

CriptomoedaPreçoVariação nas últimas 24 horas
Neo (NEO)US$ 25,79+4,4%
Humans.ai (HEART)US$ 0,153492+3,5%
Klaytn (KLAY)US$ 1,29+1,2%
Helium (HNT)US$ 26,21+0,7%

As criptomoedas com as maiores quedas nas últimas 24 horas:

BitTorrentOLD (BTTOLD)US$ 0,00164663-22,5%
Elrond (EGLD)US$ 176,35-9%
Terra (LUNA)US$ 51,27-8,2%
Curve DAO Token (CRV)US$ 2,97-7,3%
Aave (SAND)US$ 152,36-7,2%

Confira como fecharam os ETFs de criptomoedas no último pregão:

ETFPreçoVariação
Hashdex NCI (HASH11)R$ 38,00-7,56%
Hashdex BTCN (BITH11)R$ 52,24-3,97%
Hashdex Ethereum (ETHE11)R$ 43,95-8,43%
QR Bitcoin (QBTC11)R$ 13,31-6,06%
QR Ether (QETH11)R$ 10,94-6,49%
QR DeFi (QDFI11)R$ 8,17-7,68%
Hashdex DeFi Index Fundo de Índice (DEFI11)R$ 46,36

Veja as principais notícias do mercado cripto desta sexta-feira (18):

Morgan Stanley vê Ethereum perdendo dominância com crescimento da concorrência

O domínio do Ethereum (ETH) pode diminuir com o surgimento de um concorrente forte no mercado, afirmaram analistas do Morgan Stanley em relatório publicado ontem.

O banco de investimentos também apontou vantagens e desvantagens do ETH em relação ao Bitcoin.

“Devido em parte ao seu mercado endereçável mais ambicioso, o Ethereum enfrenta ameaças mais competitivas, problemas de escalabilidade e desafios de complexidade do que o Bitcoin. Além disso, o ETH é mais volátil que o BTC”, apontou o relatório.

Para o Morgan Stanley, o Ethereum pode perder a dianteira do setor de smart contracts para blockchains velozes e com custo de transação menor, questões que são o foco de atuação de plataformas concorrentes como Solana (SOL), Cardano (ADA) e BNB Chain, antiga Binance Smart Chain.

“O Ethereum enfrenta mais concorrência no mercado de contratos inteligentes do que o Bitcoin enfrenta no mercado de reserva de valor”, disse o Morgan Stanley

Dificuldade de mineração de Bitcoin atinge nova máxima histórica

A dificuldade de mineração do Bitcoin atingiu na madrugada de hoje seu maior nível de todos os tempos, apontam dados da ferramenta CoinWarz. É a segunda vez em três semanas que a blockchain do BTC registra um máximo histórico de dificuldade.

A dificuldade de mineração atingiu um novo recorde de 27,97 trilhões de hashes, superando o pico anterior de 26,7 trilhões de hashes.

O aumento da dificuldade implica na exigência de cálculos mais complexos aos supercomputadores de mineração. A medida é implementada automaticamente pelo algoritmo do Bitcoin para manter o ritmo de emissão da criptomoeda na casa dos 10 minutos.

A dificuldade aumenta sempre que há mais poder computacional dedicado à rede, o que, por sua vez, indica maior interesse de mineradores pela atividade. Além disso, um alto poder computacional significa maior segurança para os dados da blockchain.

EUA realizam maior apreensão de criptomoedas ligadas a ransomware

Autoridades dos EUA apreenderam quase US$ 30 milhões em criptomoedas relacionadas ao ransomware NetWalker no mês de janeiro, a maior relacionada a esse tipo de malware, afirmou a empresa de pesquisa blockchain Chainalysis.

Investigadores apreenderam pouco menos de 720 bitcoins e 15,7 Monero (XMR), o que equivale a mais de US$ 29,4 milhões a preços de hoje.

Os invasores do NetWalker extorquiram dezenas de milhões de dólares de empresas e governos em 2020, invadindo e criptografando as redes de computadores das vítimas. Seu modelo de ataque envolveu hackers individuais que realizavam ataques e depois compartilhavam os lucros com o NetWalker.

Apenas um desses hackers, apontou a Chainalysis, teria arrecadado mais de US$ 14 milhões em Bitcoin de vítimas.

Ransomware é um tipo de vírus que invade o computador e criptografa os arquivos da máquina, exigindo um resgate ao usuário, normalmente em criptomoedas.

Avenue vai oferecer negociação de criptomoedas para brasileiros que já investem nos EUA

A corretora Avenue Securities, especializada em atender brasileiros que investem nos Estados Unidos, vai começar a oferecer negociação de criptomoedas a partir do mês de março.

À Bloomberg, Roberto Lee, presidente e fundador da Avenue, disse que as criptomoedas têm muita demanda de clientes. Segundo o executivo, um levantamento apontou que 15% de seus quase 500 mil clientes começarão a negociar criptomoedas no dia de estreia do serviço.

A Avenue promete oferecer negociação de até 40 criptomoedas em dólar sem taxas de corretagem. A plataforma estará disponível 24 horas por dia e usará oito provedores de liquidez para garantir até 8% inferiores aos vistos em corretoras nacionais, afirmou a empresa.

Segundo Lee, também estão nos planos da Avenue a oferta de NFTs e de staking de criptomoedas, em que o investidor deposita criptos em um contrato inteligente para habilitar um validador de redes blockchain e receber ativos digitais como recompensa.

Campanha arrecada criptomoedas para ajudar vítimas em Petrópolis

Entusiastas de criptomoedas já podem ajudar as vítimas das chuvas em Petrópolis (RJ) por meio de doações. A campanha, chamada de OneDayFee, arrecada Bitcoin e outras criptos destinadas ao Centro Educacional Terra Santa, na cidade carioca.

“É uma oportunidade de mostrar a força da comunidade e a eficiência da blockchain, uma vez que é possível acompanhar o quanto foi arrecadado e para onde esse recurso está indo, de forma rápida e transparente”, explica Rocelo Lopes, criador do projeto OneDayFee, idealizado por Ana Paula Batti, procuradora da Fazenda Nacional.

A campanha aceita doações de qualquer valor em cripto para as carteiras da campanha. Mais informações no site www.onedayfee.com

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receba a Newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe