Guia do Day Trade: como comprar e vender ações no mesmo dia

Conteúdo completo do InfoMoney ensina o que é day trade, como lucrar com as operações de curto prazo e o que fazer para começar

Day Trade
(Crédito: Getty Images)

Sabe a cena clássica em que operadores do mercado, com os olhos fixos nas telas dos computadores e de telefones nas mãos, realizam uma sequência de negócios na bolsa de valores? Em alguns aspectos, ela lembra bastante o dia a dia de quem opera com day trade. Nesse tipo de negociação, toda a atenção é pouca, já que as compras e as vendas dos ativos acontecem em um só dia.

Para quem quer entender melhor sobre esse tipo de operação e pretende começar a fazer suas próprias negociações do tipo no futuro, o InfoMoney preparou esse guia completo. Com ele, você vai entender a diferença entre esses e outros negócios comuns na bolsa de valores e saber onde buscar mais informação para operar com segurança. Confira:

O que é Day Trade

O nome já indica: day trade é uma negociação, com os mesmos papéis, iniciada e encerrada no mesmo dia. Ela pode durar algumas horas ou até mesmo poucos minutos. Como são operações de curtíssimo prazo, exigem toda a atenção e muita dedicação do investidor.

É bastante comum, no mercado, que as operações de day trade sejam feitas com ações. Mas alguns investidores aplicam esse mesmo tipo de negociação com opções ou contratos futuros.

Quem realiza day trades não está interessado em acompanhar o crescimento de uma empresa ao longo do tempo, ao se tornar sócio dela por ter comprado ações. Pelo contrário. O objetivo, na verdade, é lucrar com as movimentações diárias de cada papel. A volatilidade, nesse caso, é uma característica do mercado que o investidor procura aproveitar para obter ganhos.

É diferente de um outro tipo de estratégia mais comum no mercado, conhecida como swing trade. Nesse caso, o objetivo do investidor é fazer operações de curto ou médio prazo na bolsa. Por vezes, análises baseadas nas mesmas técnicas são usadas tanto para embasar decisões de day trade quanto de swing trade. Nesse segundo caso, no entanto, cada operação dura, pelo menos, alguns dias ou semanas – ou até mesmo poucos meses.

Enquanto um day trader está de olho na volatilidade diária dos papéis, um swing trader está mais atento às tendências de mercado de modo geral.

Quem pode fazer Day Trade

Em tese, qualquer investidor pode fazer uma operação de day trade. Na prática, no entanto, é preciso saber que essa modalidade demanda certos conhecimentos, um perfil de risco específico e um alto nível de comprometimento.

Na visão de alguns especialistas do mercado, a dedicação de quem resolve operar como day trader precisa ser exclusiva porque é necessário ficar atento – ao longo de todo o pregão da bolsa de valores – aos menores movimentos das ações. É aproveitando as melhores oportunidades para comprar e para vender os papéis que o investidor pode obter ganhos acima da média do mercado.

Por causa disso, o day trade costuma ser indicado para investidores que já tenham alguma experiência no mercado e conhecimento sobre a dinâmica da renda variável. Como são operações muito rápidas, que podem envolver alavancagem (falaremos mais sobre isso abaixo) e com alto potencial de ganho – mas também chances de frustração de expectativas – elas podem acabar demandando demais de quem ainda está começando no mercado.

O day trade é um tipo de operação tão específica que tem, inclusive, custos diferentes de outras modalidades de negociação. Tanto as taxas cobradas pelas corretoras de valores quanto o Imposto de Renda sobre o lucro são distintos dos negócios que duram mais tempo (você terá mais informações sobre isso neste guia).

Vantagens e riscos

Operações de curtíssimo prazo e de caráter especulativo como são os day trades envolvem uma certa dose de risco. O principal deles é o de que eventos inesperados ocorridos no meio do pregão – notícias sobre empresas, mudanças no governo ou até mesmo desastres naturais – acabem levando o mercado a se movimentar em direções opostas ao que era esperado.

Se o investidor comprou ações de uma companhia na expectativa de que elas subissem, mas durante o pregão elas acabaram caindo, o resultado é só um: perda. Esse risco é real e frequente para quem faz day trade.

Outro risco é a possibilidade de o investidor se deixar levar pelas próprias emoções ou pela falta de disciplina – e, por conta disso, acabar não realizando a estratégia que havia planejado inicialmente. A determinação ao estabelecer metas de ganho e limites para prejuízos é necessária, e não pode ser deixada em segundo plano.

Embora os riscos existam, também há algumas vantagens em realizar day trades. Uma delas é a agilidade: todo o lucro ou prejuízo que você obtiver com uma operação será apurado no mesmo dia. É preciso “zerar as operações” – ou seja, encerrá-las – sempre até o fim do pregão. Isso significa que, se por acaso, um negócio que você imaginou que seria lucrativo acabou gerando um prejuízo, ele estará limitado à perda verificada naquele mesmo dia. E fim.

Como uma consequência dessa característica, quem realiza operações de day trade normalmente não movimenta todo o valor nominal envolvido no negócio. Se no início do pregão comprou um lote de ações por R$ 1.000 e as vendeu, no fim do dia, por R$ 1.100, efetivamente receberá a diferença – no caso, um ganho – de R$ 100 na sua conta. Se, por outro lado, as cotações tiverem caído e a venda no final do dia tiver sido feita por R$ 900, precisará pagar R$ 100. Apenas os saldos são realmente movimentados.

Isso permite que sejam feitas operações com alavancagem. Trata-se de um limite oferecido pela corretora de valores para que o investidor negocie um valor superior ao que ele realmente possui. Mal comparando, lembra o funcionamento de um “cheque especial” para investir, mas sem a cobrança de juros.

Dessa forma, o investidor pode realizar operações maiores – com mais papéis – no mercado. Assim, tem chance de obter um lucro nominalmente maior do que teria sem a alavancagem.

Imagine que um day trade rendeu ganhos de 0,5% para um investidor. Se os valores operados tiverem sido de R$ 1.000, o lucro em reais totalizaria R$ 5. Mas se, em vez disso, tiver negociado o equivalente a R$ 100.000, o ganho saltaria para R$ 500. Com a alavancagem, isso seria possível, ainda que o investidor não tivesse tanto dinheiro disponível no momento da negociação.

Para ter direito a usar o limite de alavancagem, o investidor precisa ter uma margem de garantia depositada na corretora. Ela representa um percentual do valor que poderá ser usado para fazer operações no mercado. Se houve um prejuízo que o investidor não consiga cobrir, a margem de garantia será usada para fazer frente a ele.

A margem de garantia tanto pode ser mantida em dinheiro na corretora como também em outros ativos financeiros – como títulos públicos, papéis bancários e, em alguns casos, até mesmo em ações compradas na B3.

Tantos detalhes podem parecer confusos em um primeiro momento, mas quem se dedica passa a navegar com mais tranquilidade no ambiente de negociação. Ser um day trader, aliás, pode inclusive se tornar uma profissão – e uma das mais demandadas atualmente.

O Linkedin listou day trader entre as 15 funções detalhadas no relatório Profissões Emergentes 2020. Em cinco anos, a procura por esses profissionais na rede social profissional cresceu a uma taxa de 69% ao ano.

Na prática, o que tem acontecido é que profissionais de outros setores – sem uma formação específica na área financeira – aprendem as estratégias de day trade para investir seu próprio dinheiro. Com o tempo e o aprofundamento dos conhecimentos, passam a ter no day trade uma fonte de renda extra. E por vezes, tornam-se day traders profissionais.

Estratégias de Day Trade

Para desenvolver estratégias lucrativas de day trade, os investidores devem conhecer dois temas essenciais. Um é a análise técnica, indicada para operações de curto prazo. O outro são técnicas de gerenciamento de risco, indispensáveis para limitar as perdas com os negócios. Entenda os detalhes:

Análise técnica

Com a análise técnica, o investidor busca analisar os movimentos históricos das cotações e o volume de negociação dos ativos em busca de padrões, que permitam inferir sobre como será o comportamento deles no futuro.

A análise técnica existe há pelo menos três séculos, tendo como origem a negociação de arroz por famílias japonesas. O método se baseia no princípio de que os preços dos ativos no futuro são dependentes dos preços nas negociações passadas. Por isso, a análise do que já aconteceu, a partir de gráficos, dá indicações sobre como será o amanhã.

Esse tipo de análise não leva em consideração fatores como participação de mercado, receita, endividamento ou lucro das empresas emissoras de ações, por exemplo. Esses são temas importantes para quem faz análise fundamentalista, normalmente utilizada por quem tem intenção de investir no longo prazo.

A premissa da análise técnica é de que todas as características de um ativo em um determinado mercado estão refletidas no preço, que se move em tendências – de alta ou de baixa. Justamente por apontar para esses movimentos e sugerir os caminhos que devem ser seguidos pelos papéis nos próximos pregões esse tipo de análise é o mais utilizado pelos day traders.

Stop Loss

Uma ferramenta de gerenciamento de riscos importante para quem opera com day trade é o stop loss. Na prática, ela representa uma ordem de venda automática, programada pelo investidor para um determinado valor. No momento em que o ativo negociado atingir aquele valor, a venda é realizada.

Imagine que em um day trade você comprou uma determinada ação por R$ 10, esperando que ela subiria durante o pregão. Por alguma razão, no entanto, ocorreu o contrário – e o papel, em vez de subir, passou a cair. Não era o resultado que você esperava, mas não significa que sua perda vá necessariamente ser enorme. Se sua tolerância é de um prejuízo de até 10% na operação, você poderia ter estabelecido um stop loss a R$ 9. Assim, no momento em que a ação chegasse a essa cotação, seria automaticamente vendida – e seu prejuízo, controlado.

O stop loss dá mais segurança e flexibilidade ao investidor. Assim, pode ficar tranquilo se por alguma razão precisar se ausentar do computador por algumas horas, já que suas eventuais perdas serão limitadas.

Assim como o stop loss, existem também ordens automáticas chamadas de stop gain, que disparam uma venda quando o papel atingiu o valor esperado de ganho pelo investidor. É uma maneira de assegurar que o lucro pretendido seja realizado – e de não dar margem para que uma reviravolta do mercado acabe estragando tudo.

Quanto custa

Operações de day trade estão sujeitas a custos semelhantes aos cobrados em negociações comuns, com duração maior que um dia. No entanto, o que muda são os valores.

A começar pelo Imposto de Renda. Nas operações comuns com ações, a alíquota que incide sobre o ganho de capital é de 15%. Mas se forem operações de day trade, esse percentual sobe para 20% sobre os ganhos – ou seja, o imposto é maior.

E um detalhe: operações de day trade não contam com a isenção de Imposto de Renda que existe para vendas de até R$ 20 mil por mês no mercado regular.

Já com a taxa de corretagem, que é cobrada pelas corretoras de valores por intermediarem as operações no pregão, a lógica costuma ser inversa.

Normalmente, ela é mais barata nas operações de day trade. É uma forma que as instituições financeiras encontraram para beneficiar os investidores. Como normalmente os day trades são frequentes e os ganhos em cada operação, pequenos, custos muito elevados acabam minando o lucro.

Lembrando que a forma de recolher o Imposto de Renda nas operações de day trade é a mesma das outras realizadas na bolsa. Mensalmente, com base nas suas notas de corretagem, o investidor precisa calcular qual foi o ganho apurado no período, o imposto devido sobre ele e emitir um DARF (Documento de Arrecadação de Receitas Federais). Essa guia deve ser paga até o último dia útil do mês seguinte.

Horários para operar

As operações de day trade são realizadas na B3 durante o horário de funcionamento do pregão, assim como as negociações regulares com tempo maior de duração. Assim, a abertura acontece às 10 horas e o mercado segue aberto até as 16h55 – nos últimos 5 minutos até as 17 horas acontece o chamado call de fechamento.

Como começar a operar com Day Trade

A possibilidade de obter ganhos em algumas horas chamou a sua atenção? Se você está com vontade de se arriscar no mundo do day trade, deve estar atento às contrapartidas que precisará oferecer para conseguir bons resultados com essa estratégia.

Você tem tempo para acompanhar o mercado e o noticiário? Como esse guia já pontuou antes, a dedicação é fundamental para ser um day trader bem-sucedido. Comprar e vender ativos no mesmo dia demanda um nível de atenção elevado aos movimentos da bolsa, e se você não tiver disposição para fazer isso, pode acabar tendo resultados negativos ou perdendo oportunidades de ganho.

Você entende de análise técnica? Essa é uma das ferramentas mais importantes para quem quer fazer day trades, já que ajuda a prever os movimentos de curto prazo dos ativos. Se ainda não conhece muito sobre esse assunto, dá tempo de aprender. Existem vários cursos disponíveis de análise técnica, e muitos deles podem ser feitos a distância, pela internet.

Você tem recursos para oferecer como margem de garantia? Lembre-se que esses valores, mantidos depositados na corretora, permitirão a você alavancar suas operações de day trade, movimentando valores superiores aos que efetivamente possui. Se você tiver reservas guardadas em outras instituições financeiras, talvez valha a pena migrá-las para a corretora por meio da qual pretende realizar seus negócios.

Aliás, você já tem conta em corretora e acesso ao home broker? Se não tem, para negociar na bolsa – seja day trade ou não – precisará abrir uma.

Normalmente, o processo é simples e envolve o preenchimento de formulários e o envio de documentos. O mais importante é qual instituição escolher. Se seu objetivo é operar com day trade, lembre-se de que o tamanho das taxas é um aspecto relevante. Não deixe de pesquisar.

Você tem estrutura financeira e preparo emocional? Não, não é uma pergunta retórica. Para fazer day trade, você realmente precisa estar preparado. O esforço necessário para obter ganhos é grande – e até eles começarem a chegar, é provável que você registre alguns prejuízos. Portanto, esteja com o bolso e a cabeça prontos para isso.

Cursos e livros para estudar Day Trade

Antes de começar a fazer operações de day trade, nada melhor do que dedicar algum tempo ao estudo. Prepare-se bastante antes de iniciar.

Há uma série de materiais disponíveis para isso, e muitos deles de graça ou a um custo acessível.

Aqui vão algumas dicas preparadas pelo InfoMoney para você:

  • Os Pregões que fizeram história – Conheça o podcast que conta os bastidores de pregões marcantes para a Bolsa brasileira, seja por uma queda drástica ou por uma disparada.
Listen to “Os Pregões que fizeram história” on Spreaker.