Congresso pode restringir espaços do governo e segurar “agenda bolsonarista” para blindar reformas

Caberá a Rodrigo Maia convencer os deputados de que o caminho da moderação e da continuidade das reformas continua sendo o mais positivo

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

As repercussões políticas da série de falas do presidente Jair Bolsonaro (PSL) turvam o ambiente às vésperas da volta do recesso, mas, no nível em que estão hoje, deixam como alternativa mais clara a Rodrigo Maia (DEM-RJ) reafirmar o papel da Câmara dos Deputados de ser o lado moderado da história e o condutor das reformas.

A estratégia é efetiva, mas tem suas lacunas: é difícil disputar com o Poder Executivo o protagonismo do sucesso da agenda política para colher seus frutos, e, entre as várias razões que levaram Bolsonaro a disparar ataques recentemente, não se pode descartar que esteja o conforto causado pelo avanço de agendas positivas para o país, entre elas a reforma da Previdência.

Caberá a Maia convencer seus pares de que o caminho da moderação e da continuidade das reformas continua sendo o mais positivo para os deputados.

PUBLICIDADE

Maia continua trabalhando nessa linha. Tem evitado compromissos que poderiam tirá-lo de Brasília no início da semana que vem e pediu a aliados que deixem para depois do segundo turno da reforma da Previdência a discussão sobre outros assuntos.

Quer receber as próximas edições do Barômetro do Poder antecipadamente? Insira seu e-mail abaixo e receba com exclusividade o relatório com as projeções das principais casas de análise política do país:

Isso porque há ainda pendências nos acordos feitos pelo governo com partidos de centro, e a turbulência dos acontecimentos recentes pode ser inflada por conta disso. Há destaques perigosos que exigem coesão para serem derrubados e são alvo fácil de pressão, caso dos que tratam do abono e de pensões.

Se ajustadas essas questões dos acordos pré-recesso e Rodrigo conseguir convencer os deputados da necessidade do avanço dessa agenda, o impacto na votação do segundo turno da reforma da Previdência tende a não ser grande. Mas levará o Congresso a reforçar a agenda de restringir espaços do Executivo e segurar temas caros à agenda bolsonarista propriamente dita.

XP Política

Leia também