AO VIVO CEO da Marisa detalha impactos do coronavírus na empresa em live; assista

CEO da Marisa detalha impactos do coronavírus na empresa em live; assista

Qual é o tamanho do caos no setor automotivo?

Mesmo no cenário mais otimista, a retração nas vendas de automóveis no Brasil será a maior de toda a história

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Caros leitores, digníssimas leitoras: em momentos de COVID-19, acho que a “teoria do caos” é a melhor definição para o que estamos vivendo nos dias de hoje.

Qual é o cerne central da “teoria do caos”?

Uma minúscula alteração no início de qualquer evento gerará mudanças enormes, abrutas e desconhecidas no futuro (também conhecido como o “efeito borboleta”).

PUBLICIDADE

E aí nos perguntamos: por que raios o chinês tinha que comer morcego??

Como Inês é morta…. segue o jogo!

Voltando para o nosso foco central – o setor automotivo – podemos falar sem meias palavras que: a porca torceu o rabo.

Se, no começo do ano, todos estavam otimistas para o horizonte que se abria ao setor, com a retomada gradual do crescimento (depois de um período duro entre 2013 e 2016), onde projetávamos um volume de vendas de veículos novos na ordem de 2,9 milhões de unidades, ou um crescimento de quase 9% sobre o ano de 2019; agora tudo isso virou pó!

A nova perspectiva que temos para o mercado (numa visão Poliana de ser) é um volume próximo a 1,9 milhão de unidades vendidas, o que representa uma queda de 750 mil carros sobre o ano passado ou 1 milhão de veículos sobre a projeção do início do ano.

A retração nas vendas deverá ficar entre 28% a 30%.

PUBLICIDADE

Numa visão “não tão Poliana”, o pessoal da Fiat fala em uma retração de 40%.

E, aproveitando o clássico bordão “nunca antes na história desse país”, o setor nunca sofreu um tombo tão forte como o que ocorrerá este ano.

Em 1998, quando a economia sofreu com os tigres asiáticos, a queda foi de 20,6%. Na maxidesvalorização do Real em 1999, a queda foi de 22,2%. Até quando a “marolinha” chegou nas praias tupiniquins, o tombo foi de expressivos 25,6% em 2015.

variação nas vendas de veículos sobre o ano anterior

O que percebemos: nem chegamos no dia 10, e o mês de abril já acabou. O que as montadoras fizeram foi dar férias coletivas. Algumas marcas, como o grupo FCA, pararam as suas operações por 30 dias – até o dia 20 deste mês. Já a VW, por exemplo, foi um pouco mais audaciosa. Ela parou a suas operações por quase 40 dias. Desde o dia 23/03 até 30/04.

Ou seja, a produção de veículos praticamente não irá acontecer neste mês de abril.

E as vendas de veículos, como estão?

Bem… antes da quarentena, o nosso volume de vendas era por volta de 9.574 carros novos/dia. Depois da quarentena, e com o fechamento das lojas/concessionárias, esse volume caiu para uma média de 1.724 carros novos/dia, uma singela retração de 82%.

PUBLICIDADE

média diária de vendas de veículos

O grande “caos automotivo” é que esta paralisação pegou todos de calças curtas. Em outros ciclos, quando tivemos quedas nas vendas, a retração era diluída no ano. Além disso, as concessionárias não fechavam… eles continuavam operando o pós-venda (oficina). Ou seja, havia um certo tempo, para poderem assimilar o seu sofrimento e tomarem as melhores medidas possíveis.

Dessa vez, não! Como houve o fechamento das lojas via caneta, foi como se eu quebrasse as duas pernas do pessoal e falasse: “Aguenta aí, que daqui a pouco você vai competir com o Usain Bolt”.

Ou seja: não tem como ter um final feliz.

O consenso que existe é que dificilmente o mercado irá abrir as suas portas este mês (esperamos estar enganados). Existe uma “grande probabilidade” de que o mercado reabra em maio.

Mas, o ponto aqui não é apenas o mercado reabrir, mas qual será a reação dos consumidores. O impacto geral é que, com a quarentena, houve a perda real da renda das famílias. E a pergunta de 1 milhão de dólares é: o consumidor será mais racional e se adequará ao novo padrão de vida/renda, ou irá às compras?

Uma boa leva deve tentar aproveitar as promoções quando as lojas reabrirem… mas a grande maioria tenderá a postergar a sua compra para os próximos meses. Como já falamos, a bomba relógio do setor automotivo está montada. O grande ponto aqui é a necessidade de geração de caixa para manter o funcionamento da empresa.

Além disso, uma possível desvalorização de certos ativos (carros usados, entre outros) é mais do que certa.

PUBLICIDADE

Diferentemente do Ned Stark, sabemos que:

via GIPHY

E, infelizmente, não estamos preparados para ele…

 

E aí, o que achou? Dúvidas, me manda um e-mail aqui. Ou me segue lá no Facebook, Instagram, Linkedin e Twitter.

Raphael Galante

É economista, trabalha no setor automotivo há 14 anos e atua como consultor na Oikonomia Consultoria Automotiva.