O consagrado Buy and Hold é mesmo uma boa estratégia?

Vamos desmistificar o termo "carteira de longo prazo" ?

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

Imagine que você tem a missão de preservar a integridade de uma obra de arte por longos e incertos anos. Para protegê-la, você tem duas opções:

  1. Mantê-la sob sua supervisão todos os dias durante 24h;
  2. Deixá-la consigo nos momentos em que achar mais apropriado e transferir os cuidados a terceiros quando assim achar que deve. Leve em conta que eles têm plenas condições de prover a segurança necessária.

Caso siga a primeira alternativa você se sentirá seguro por saber que ela está sempre onde seus olhos podem ver. Porém, também deve considerar que a estrada é longa e acidentes acontecem. Ou seja, mantê-la consigo é uma alternativa conservadora ao mesmo tempo em que apresenta riscos difíceis de serem mensurados previamente.

Se partir para a segunda alternativa, ficará com o objeto quando achar que deve e delegará a custódia quando assim achar melhor. Assim, ficará livre da pressão de ser o protetor em tempo integral. Mas será capaz o guardião de devolver a preciosidade intacta?

O que você faria? De forma genérica podemos dizer que sua resposta tem o poder de dizer se você se é um adepto do Buy and Hold ou não.

Proposto por Benjamin Graham – mentor de Warren Buffett – o B&H sugere que você monte uma carteira e a mantenha intacta por anos – até mesmo durante colapsos financeiros que provavelmente farão suas ações se desvalorizarem drasticamente.

Quem é “buy and holder” acredita nos fundamentos da empresa e na eficiência do mercado no longuíssimo prazo. Em função disso o B&h se torna imbatível!

A história realmente nos prova que em um longo período de tempo os rendimentos do Ibovespa e de muitas empresas que dele fazem parte impressionam. Por outro lado, poderia o investidor ganhar mais se tivesse uma postura mais ativa, revendo suas posições regularmente? Ou mesmo apenas nos momentos mais conturbados?

Você tem minha palavra que sim!

A essas alturas você pode estar torcendo o nariz e pensando: “lá vem mais um desses traders malucos e alucinados que querem ganhar a todo instante”.

Não te crucificaria por pensar dessa fprma, até porque concordo que existe uma infinidade de “investidores” que agem dessa forma.

O que proponho não são estratégias suicidas pra ganhar ou perder a qualquer custo, mas sim uma simples reflexão. A partir dela você pode, quem sabe, rever alguns paradigmas e se abrir a novas oportunidades. Convido-lhe a se perguntar:

  • O rendimento de sua carteira tem atingido o que você espera?
  • Você venderia um ativo estagnado há muito tempo?
  • Você conhece estratégias para operar quando o mercado está em baixa ou lateralizado?

Se respondeu “não” para pelo menos uma das perguntas sugiro que dê mais atenção a sua carteira de ações e procure se aperfeiçoar.

Seus investimentos são iguais a sua carreira profissional

Você se contentaria com um bom cargo em uma boa empresa ou procuraria estudar continuamente para crescer ainda mais? Acomodação nunca fez bem a ninguém. Os que chegam mais longe são sempre os inquietos – os que estão sempre em busca daquele algo a mais.

É justamente por isso que você precisa tratar seus investimentos com o mesmo respeito e atenção que trata sua carreira. Aprenda novas técnicas, estratégias, conceitos mesmo quando o retorno estiver sendo bom.

Com o perdão da redudância, a renda varíável varia. E você precisa saber como aproveitar as oscilações para lucrar e, mais do que isso, para não ficar refém de uma estratégia que não é tão eficiente como se diz.

A partir do momento em que aprender a tirar proveito do sobe e desce do curto e médio prazo, saberá como o Buy and Hold tradicional pode ser otimizado. Os riscos podem ser pequenos e mensuráveis se a estratégia for planejada corretamente.

A visão do investidor precisa ser sempre de longo prazo, mas as estratégias e atitudes precisam estar conectadas ao que o mercado vive em cada momento. Deixo no ar a pergunta: vale mesmo a pena nunca abrir mão de sua obra de arte?

Eu dei meu voto de confiança ao guardião. E você?

Contato: mcoutinho@youtrade.pro.br

Marcelo Coutinho