Blog InfoMoney

Economia e politica direto ao ponto

Em blogs / economia-e-politica / economia-e-politica-direto-ao-ponto

Pacote de Privatização: dólar cai e bolsa decola!

A agenda econômica tem avançado bastante, com reflexos bastante positivos sobre o mercado financeiro (em 1 mês dólar caiu -3,3% e a bolsa subiu 6,4%). Parte dessa  agenda ainda não foi precificada. Isso significa que há espaço para a bolsa decolar e o dólar cair ainda mais.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores.

Jair Bolsonaro e Paulo Guedes
(Alan Santos/PR)

Ao contrário do que se pensou, o vazamento do hackeamento das mensagens da Lava Jato não paralisou país. Pelo contrário, a agenda econômica tem avançado bastante, com reflexos bastante positivos sobre o mercado financeiro (em 1 mês dólar caiu -3,3% e a bolsa subiu 6,4%).

Esse otimismo não se verificou apenas na mudança de preço dos ativos, mas também na imprensa internacional. A revista Forbes, por exemplo, trouxe a seguinte manchete na semana passada: Brazil is back, Baby.

A volta do Brasil como um player importante aos olhos dos investidores tem lastro na realidade. Semana passada, a reforma da Previdência passou pela Câmara dos Deputados. Tudo indica que a votação no Senado não trará grandes surpresas, e o texto final deverá ficar parecido com o da Câmara. Isso significa uma economia projetada em torno de R$930 bilhões, de acordo com estimativas do próprio governo.

A melhora no humor do mercado não decorre apenas da reforma da previdência, fundamental para melhorar as contas públicas e trazer os investimentos de volta pelo canal das expectativas; mas também, de avanços importantes na agenda econômica.

Parte dessa agenda é a MP da liberdade econômica, que traz uma série de medidas para desburocratizar o processo produtivo, com impactos positivos para a atividade empresarial, conforme abordado no artigo MP da liberdade econômica é boa para o Brasil, pergunte ao Silvio Santos.

Outra medida importante foi o acordo histórico de comércio internacional entre União Europeia-Mercosul. Esse acordo deverá ao longo dos anos intensificar o comércio internacional entre os blocos, gerando crescimento econômico para os países envolvidos, conforme abordado no artigo Por que o acordo Mercosul - União Europeia é globalização, e não globalismo?

A liberação do FGTS também é outra medida que está no radar dos investidores. Conforme abordado no artigo Torça pela reforma da Previdência - e saque seu FGTS!, a medida poderá trazer reflexos positivos sobre o consumo, impulsionado a produção e a geração de empregos.

Soma-se a isso, a atuação primorosa do ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas. O ministro tem mostrado que o modelo de crescimento econômico não será aquele baseado apenas no consumo, mas também, no investimento, variável fundamental para gerar crescimento sustentável de longo prazo.

Por fim, o pacote de privatizações que está para ser lançado poderá trazer um choque de produtividade, melhorando o ambiente de negócios como um todo. Em geral, as privatizações trazem aumento de renda, geração de empregos e elevação da receita do governo (aqui e aqui).  

Diante de todo este cenário, é inegável uma perspectiva real de melhora para o ambiente de negócios. Isso significa que as empresas irão buscar mais lucros, produzindo mais e, consequentemente, gerarão mais empregos.

A queda recente do dólar e alta na bolsa já refletem esse movimento. Mas como sempre há um grau de incerteza, nem tudo está precificado. Em outras palavras, há espaço para a bolsa subir ainda mais.

Essa provável alta decorre de uma defasagem do preço dos ativos em termos reais. Em 2010, quando o Brasil cresceu 7,5% e foi capa da The Economist (o Cristo Redentor decolando), o Ibovespa estava em 69.304 pontos. De lá para cá, a bolsa atingiu 103.855 (dia 17.07.19), um crescimento de 49,85%, enquanto a inflação foi de 59,85% no mesmo período. Isso significa que, apenas repondo a inflação, era para a bolsa estar em 111.530 pontos. 

Enganam-se aqueles que acreditam que a alta da bolsa está ligada ao cenário externo. Conforme demonstrado no artigo 100 dias de Bolsonaro: alta da bolsa se deve mais a Guedes do que a cenário externo, apenas 10% da alta recente da bolsa é explicada pelo cenário externo.

Em resumo, parte de toda essa agenda ainda não foi precificada. Isso significa que há espaço para a bolsa decolar e o dólar cair ainda mais.

Siga Alan Ghani (@AlanGhani) no Twitter, Facebook e Youtube.

Alan Ghani é economista, PhD em Finanças e professor de pós graduação.

Quer investir melhor o seu dinheiro? Clique aqui e abra a sua conta na XP Investimentos

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores.

 

perfil do autor

InfoMoney Blogs

Alan Ghani

É economista, mestre e doutor em Finanças pela FEA-USP, com especialização na UTSA (University of Texas at San Antonio). Trabalhou como economista na MCM Consultores e hoje atua como consultor em finanças e economia e também como professor de pós-graduação, MBAs e treinamentos in company.

Quer dicas exclusivas?

Preencha os campos abaixo e receba dicas e conteúdos exclusivos do blog Economia e politica direto ao ponto

Contato