Projeções dos analistas

Varejistas: o que esperar para os resultados das companhias do setor no 4º trimestre de 2021?

Projeção é de uma temporada de resultados mistos para o setor, com a maioria das empresas já sentindo o impacto do menor poder aquisitivo dos consumidores

Por  Lara Rizério -

A temporada de resultados para o setor de consumo e varejo, com diversos segmentos, ganha força nesta terça-feira (15), após o fechamento dos mercados com os números do Carrefour (CRFB3), depois dos números de Alpargatas (ALPA4) serem divulgados na semana passada. As semanas de 21 de fevereiro e 7 de março (pós-Carnaval) se configurarão como os períodos mais movimentados.

A XP destaca esperar uma temporada de resultados mistos para o setor, com a maioria das empresas já sentindo o impacto do menor poder aquisitivo dos consumidores.

Além disso, a pressão de custos e impacto da inflação nas despesas são desafios para o setor, com quase toda a cobertura da casa apresentando queda de margens Ebitda (ou Ebitda – lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações – sobre receita líquida).

“No entanto, algumas companhias devem apresentar resultados sólidos, principalmente varejistas de alta renda, enquanto o 4º trimestre é sazonalmente um trimestre forte e conta com uma base de comparação fácil, o que deve contribuir para o crescimento da receita”, apontam os analistas.

Na mesma linha, os analistas do Bradesco BBI esperam ver o impulso mais forte e a demanda mais consistente entre os nomes de vestuário e moda, com as maiores taxas de crescimento da receita sendo da Arezzo & Co. (ARZZ3), com taxa de 30% versus 2019 excluindo as aquisições, Grupo SBF (SBFG3), com avanço de 26% versus 2019 excluindo aquisições e Lojas Renner (LREN3), com alta de 23% na mesma base de comparação.

O BBI também ressalta que a pressão de margem provavelmente será um tema em todo o setor de varejo, impulsionada pela inflação de preços de matérias-primas, com Natura & Co. (NTCO3) provavelmente sofrendo impacto. Investimentos em crescimento (SBF, Renner e C&A CEAB3, por exemplo) e/ou inflação de custos (aumento salarial de 10% para os trabalhadores das lojas) também serão temas a serem acompanhados de perto pelos investidores.

Em destaque, a XP espera que o Grupo Soma (SOMA3) entregue outro trimestre de resultados sólidos, embora poluídos pela consolidação da Hering no trimestre. “Estimamos que as vendas líquidas proforma apresentem um crescimento de 33% na base anual (ex-Hering em alta de 36%) com a operação da Hering registrando um trimestre recorde em termos nominais (alta de 29%)”, apontam. Já em termos de rentabilidade, estimam uma contração de 2,2 pontos percentuais na margem Ebitda em relação ao ano anterior, impactada principalmente pela queda de margem bruta de Hering.

Já sobre a Renner, a projeção é de mais um trimestre misto, uma vez que o crescimento de receita deve seguir sólido, com um fluxo de cliente ainda menor do que o esperado nas lojas, embora parcialmente compensado por um ticket médio mais alto, enquanto a rentabilidade deve seguir pressionada pela continuidade dos investimentos estratégicos da companhia.

“Estimamos que a receita líquida cresça 21% na base anua,  enquanto a margem Ebitda deve continuar pressionada, em 18,1% (queda de 2 pontos percentuais na base anual), devido aos investimentos da companhia na construção de seu ecossistema. Por fim, esperamos um lucro líquido de R$ 414 milhões, alta de 17% na base anual”, projetam.

Americanas: destaque do e-commerce

Por outro lado, as categorias de grande porte, como móveis e eletroeletrônicos, devem seguir apresentando crescimento fraco, embora não vejam sinais de deterioração material em relação ao fraco terceiro trimestre de 2021.

Entre os nomes de comércio eletrônico, a expectativa é de que a Americanas (AMER3) tenha um desempenho superior, enquanto os negócios de lojas de Magazine Luiza (MGLU3) e Via (VIIA3) continuarão puxando para baixo o crescimento e a lucratividade devido à sua alta exposição aos eletrônicos, aponta o BBI.

A XP também espera uma dinâmica desafiadora em termos de crescimento de receita  no e-commerce, por conta da menor renda disponível para a compra de produtos de categorias como linha branca/eletrônicos, enquanto a rentabilidade deve continuar pressionada devido às pressões de custos e competição mais agressiva. Os analistas da casa também esperam que a Americanas deva se destacar frente a seus pares devido a sua menor exposição às categorias mencionadas e uma base de comparação “mais fácil”.

“Esperamos um trimestre de resultados mistos para o Magalu, principalmente explicado pela performance do varejo físico e do 1P (estoque próprio, que devem continuar apresentando resultados mais fracos, enquanto o crescimento do 3P (estoque de terceiros) segue sólido. Estimamos um crescimento do GMV [volume bruto de mercadorias] total em alta de 6% na base anual, impulsionado pelo crescimento do GMV online de 17% (1P em alta 3%, positivamente impactado consolidação do KaBum! a partir de dezembro de 2021, e 3P em alta de 55%)”, avaliam.

Enquanto isso, as lojas físicas devem registrar vendas mesmas lojas (SSS) negativo de 22% na base anual, impactado pelo ambiente macro difícil e pela demanda ainda fraca por bens duráveis. Em termos de rentabilidade, a margem bruta deve apresentar queda de 1,8 ponto na mesma base de comparação, dada a época de vendas mais promocional e custos mais elevados, o que se traduz numa margem EBITDA de 2,8% (queda de 2,1 pontos). Por fim, esperam um prejuízo líquido de R$ 58 milhões.

Para a Via, a XP projeta uma dinâmica parecida, mais um pouco mais fraca do que a do Magalu, dado que o 3P não é tão
representativo para compensar o desempenho mais fraco do varejo físico e do 1P. A projeção é de que o GMV total caia 5% na base anual frente ao fraco desempenho das lojas físicas, uma vez que a deterioração macro impactou o tráfego de clientes em loja e a demanda por eletrodomésticos. Por outro lado, o canal online deve apresentar um crescimento de GMV de 21%, com 1P crescendo 8% e 3P crescendo 70%. Em termos de rentabilidade, espera que a margem bruta apresente uma contração sequencial no comparativo trimestral (queda de 1,5 ponto) enquanto a margem Ebitda deve cair 1,3 ponto, pressionada pelas despesas gerais e administrativas.

Farmácias: fortes resultados

As farmácias devem reportar fortes resultados, avalia a XP, uma vez que as companhias devem se beneficiar da demanda mais forte por medicamentos e testes de Covid durante o trimestre, devido à disseminação da variante Ômicron e do surto de influenza.

Entretanto, estimam que as margens sejam pressionadas pelo impacto da inflação e abertura de lojas nas despesas operacionais. Os analistas da XP esperam que a Panvel (PNVL3) seja o destaque positivo do trimestre, enquanto a d1000 (DMVF3) deve ser o negativo.

Leia também: O que esperar da temporada de resultados do quarto trimestre de 2021? 

Já a RD (RADL3) deve reportar resultados mistos, com sólido crescimento de receita mas margens pressionadas.

“Estimamos que a receita bruta cresça 17% na base anual, com vendas mesmas lojas (SSS) em alta de 12% (lojas maduras em alta de 7% no ano) devido a forte demanda por medicamentos OTC e testes de Covid e pelo avanço dos canais digitais. Quanto à rentabilidade, esperamos que a margem bruta permaneça em 27,8%, enquanto a pressão inflacionária combinada com os contínuos investimentos da empresa na digitalização devem impactar as despesas gerais e administrativas, levando a margem Ebitda a cair 0,4 ponto na base anual. Por fim, estimamos um lucro líquido de R$ 182 milhões”, apontam.

Inflação elevada impacta varejo alimentar

Já para as de varejo alimentar, a projeção é de números fracos,  uma vez que a inflação elevada continua a reduzir o poder de compra dos consumidores, enquanto a recuperação do canal B2B (business do business) foi impactada pela disseminação da variante da Covid-19.

“Esperamos que os hipermercados continuem a reportar resultados fracos devido à perspectiva desafiadora para as categorias não-alimentares, enquanto o Extra realizou uma forte queima de estoques para transferir suas lojas ao Assaí (ASAI3). Finalmente, o atacarejo deve permanecer como o formato mais resiliente, apesar de também ser impactado pelo cenário macro”, avalia a XP.

Para a XP, o Assaí deve ser o destaque positivo e Carrefour Brasil como o negativo, principalmente na operação de varejo. E, embora os resultados do GPA (PCAR3) devam ser pressionados pela liquidação do Extra, acreditam que os investidores focarão no desempenho do negócio remanescente, que avaliam que será mais resiliente.

Leia também:

Como se posicionar?

Com atenção aos resultados e após traçarem perspectivas para os segmentos do varejo, os analistas da XP destacaram que estão expostos a segmentos resilientes diante do cenário macro/político desafiador, com o varejo farmacêutico sendo a preferência da casa no curto prazo e o Assaí como uma escolha de médio-longo prazo.

“Quanto a segmentos mais expostos à dinâmica macro, reiteramos nossa preferência pelas varejistas de alta renda, enquanto permanecemos cautelosos com as empresas de e-commerce, diante da alta das taxas de juros, inflação elevada e volatilidade política”, avaliam os analistas.

Entre as farmacêuticas, ressaltaram RADL3 como preferência, enquanto a PNVL3 deve contar com resultados de curto prazo melhores em relação a seus pares. Já sobre alta renda, a XP vê SOMA3 como uma opção interessante e enxerga a recente queda das ações como exagerada.

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Compartilhe