Balanço da Expert Talks Floripa

O Brasil pode dar certo, e isso deve mudar a maneira de você investir

Juros baixos e expectativa de alta do PIB com reformas podem levar Brasil a outro patamar, destacaram economistas e gestores durante a Expert Talks Floripa

bolsa mercado brasil índices indicadores
(Shutterstock)

SÃO PAULO – O Brasil está nos trilhos para finalmente “dar certo”. Os fatores que levam a tal ambiente positivo são a chance de aprovação de mais reformas além da da Previdência, os dados mostrando recuperação do crescimento (ainda que de forma lenta) e a queda de juros “sem canetadas”, possibilitada pela baixa inflação.

Essa foi a mensagem principal passada na Expert XP Talks Floripa, evento realizado na última semana que contou com a participação de grandes nomes da política, economia e investimentos.

Mas, é claro, existem desafios. Os fatores que ainda geram pé atrás são os gargalos de infraestrutura e produtividade, além do ambiente de crescimento baixo no exterior.

PUBLICIDADE

O cenário de juros baixos barateia os investimentos e, após um período difícil para as companhias – fazendo com que elas aumentassem a sua eficiência e reduzissem a alavancagem -, uma pequena melhora na demanda melhora e muito os resultados, conforme destacou Luiz Fernando Figueiredo, fundador e CEO da Mauá Capital.

O painel com Figueiredo também contou com a participação com Rodrigo Azevedo, sócio e gestor da Ibiúna, que destacou que, “se conseguirmos viver com juros reais entre 2% e 3% durante dois anos, o Brasil terá uma cara totalmente diferente”.

Os juros baixos também podem representar uma virada por estimular o empreendedorismo, conforme ressaltou Guilherme Benchimol, CEO da XP. “As pessoas ficam incomodadas com o CDI baixo e começam a tomar riscos, o que é transformador”, avalia.

Esta tendência de maior otimismo não deve ser revertida nem em um cenário em que as perspectivas de crescimento para 2020, atualmente na ordem de 2,20% (segundo o último relatório Focus, do Banco Central), sejam mais uma vez frustradas, como aconteceu entre 2014 e 2019 (este ano deve terminar com um crescimento de cerca de 1%).

Afinal, como ressalta Figueiredo, a qualidade do crescimento está melhorando. Na mesma linha, Pedro Jobim, economista-chefe da Legacy Capital, destacou que a frustração com o crescimento ocorreu justamente porque o capital privado não substituiu a falta do setor estatal nos últimos anos. Mas, com a maior confiança, as perspectivas voltam a melhorar, baseados no aumento do crédito e também na dinâmica mais positiva do mercado de trabalho.

Os investidores, porém, terão de mudar de postura. “Investidores que se habituaram com os sonhados rendimentos de 1% ao mês vão levar três vezes mais tempo para dobrar o seu patrimônio caso não se readaptem ao mercado”, destacou Gabriel Leal, diretor comercial e sócio da XP, logo na abertura do evento.

PUBLICIDADE

O mundo está hostil, mas o Brasil pode se beneficiar 

Uma das discussões da Expert Floripa foi o fato de o mundo viver o fim da era da globalização (tendo como exemplos episódios como o Brexit e o aumento das tensões comerciais), conforme ressaltou Marcos Troyjo, secretário especial de comércio exterior e assuntos internacionais do governo federal.

A nova fase, chamada “desglobalização”, é marcada, entre outras características, pela rivalidade entre Estados Unidos e China, pela reconfiguração das cadeias globais (uma vez que o gigante asiático não é mais um país de baixo custo) e pelo fato de as empresas estarem usando mais tecnologia (a chamada “Economia 4.0”).

É um ambiente mais hostil, mas, se fizer a lição de casa, o Brasil pode se beneficiar, segundo Troyjo, uma vez que a renda per capita da China vem aumentando, o que deverá refletir em maior consumo de alimentos e infraestrutura.

Ao mesmo tempo, o conjunto de reformas, se de fato sair do papel, melhora a visão do Brasil perante o mundo, enquanto o acordo entre Mercosul e União Europeia se mostra um marco. “As condições, assim, são favoráveis para que o Brasil se torne o grande vencedor da próxima década”, afirmou.

Na mesma linha, Ricardo Amorim apontou que, caso não haja nenhum solavanco na economia americana, que segue como ponto de atenção com a guerra comercial, há uma oportunidade gigante no Brasil.

Leia também
Ricardo Amorim: investidores têm oportunidade gigante no Brasil, mas exterior é um fator de risco
“Só impedimos a explosão”: por que não podemos parar a agenda de reformas na Previdência

Porém, como a tecnologia aparece cada vez mais como um diferencial para o desenvolvimento dos países, o Brasil precisa correr atrás de recuperar o tempo perdido, aponta Zeina Latif, economista-chefe da XP.

“Uma coisa é crédito e o consumo crescerem, outra diferente é a nossa indústria defasada, com um parque defasado em 30 anos. Isso está fazendo com que a nossa importação esteja aumentando mesmo com a desvalorização do dólar”, avalia. Assim, aponta, o Brasil não pode se acomodar e começar logo a ajustar o fiscal para ir então para uma agenda mais estruturante, de forma a reduzir o custo-Brasil.

Afinal, conforme destacou no mesmo painel Paulo Tafner, economista e colunista do InfoMoney, com a Previdência, o Brasil só “impediu a explosão”. Mais ainda precisa ser feito.

Por que o estrangeiro ainda não veio?

Enquanto o otimismo é grande entre os investidores locais, o mistério segue sendo a falta do estrangeiro no País, o que foi destacado durante painéis de gestores durante os dois dias do evento.

João Braga, da XP Asset, apontou que, por enquanto, os estrangeiros não entraram porque não há crescimento (PIB ainda anda a passos lentos) nem retorno (por conta dos juros baixos). Porém, com a perspectiva de aceleração, o investidor deve voltar a entrar.

Já Luis Felipe Amaral, da Equitas, lembra que o investidor estrangeiro sofreu algumas reviravoltas nos emergentes, incluindo no Brasil há 5 anos, o que diminui o espaço para errar no País. Porém, isso pode ser positivo para os investidores locais, pessoas físicas e institucionais, conseguirem entrar na renda variável a preços ainda baixos.

Enquanto isso, Carlos Eduardo Rocha, da Occam, reforça que o fenômeno acontece não por questões internas propriamente, e sim porque o cenário dos países de origem destes investidores também está bastante complicado, o que reduz o apetite por emergentes. Assim, mesmo que de forma a princípio contraditória, “o cenário de incerteza nos desenvolvidos gera a migração [de volta aos desenvolvidos]”.

Leia também
Juros na mínima e estrangeiro ainda de fora na bolsa: em quais ações investir neste cenário?

Porém, o gestor da Occam também aponta que o estrangeiro está entrando no País via oferta de ações, o que ajudará a B3 a se tornar mais robusta.

Neste cenário, os gestores apontam quais ações e/ou setores podem se beneficiar. Braga vê as estatais como uma grande oportunidade, Amaral aponta varejistas com a recuperação doméstica, enquanto Rocha destaca a B3 (B3SA3), por conta das ofertas públicas e busca das companhias por financiamento no mercado de capitais, além de teses de investimentos em tecnologia, como do Magazine Luiza (MGLU3).

Já Cassio Bruno, da Moat, apontou no painel do podcast Stock Pickers que o setor de concessões deve ter bastante correlação com o aumento do PIB nos próximos anos.

Rocha, da Occam, ainda reitera: o momento atual é único e vai favorecer o mercado de ações com os juros na mínima. “A salvação se dará pelo risco”.

Se o investidor terá que se arriscar mais, o Brasil não pode mais se arriscar em não fazer reformas. Mas, com o avanço delas, o campo de oportunidades é grande e pode levar o País a outro patamar.

Seja sócio das melhores empresas da Bolsa: abra uma conta de investimentos na XP