Bolsa

Ibovespa volta a subir mais de 1% com blue chips apesar da queda de IRB

Mercado novamente tem um dia de alta volatilidade

Gráfico de ações (Shutterstock)
Gráfico de ações (Shutterstock)
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O Ibovespa voltou a subir depois de zerar ganhos com a queda que chegou a 40% de IRB Brasil (IRBR3). Apesar da baixa participação na carteira teórica do índice, o desempenho muito negativo roubou até 500 pontos do benchmark. O noticiário macro, contudo, não mudou desde a manhã.

Desde cedo, as bolsas americanas sobem nesta quarta-feira (4) depois do candidato Joe Biden ser o grande vencedor da Super Terça das primárias do Partido Democrata, levando nove dos 14 estados em disputa. Seu perfil é mais moderado que o do senador Bernie Sanders, candidato mais à esquerda, o que agrada ao mercado.

Também no radar, o governo da Coreia do Sul anunciou estímulos econômicos para enfrentar o impacto do coronavírus. O pacote de Seul é de US$ 9,8 bilhões de dólares.

Aprenda a investir na bolsa

Por aqui, saiu o Produto Interno Bruto (PIB) do quarto trimestre do ano passado, mostrando um avanço de 1,1%, em linha com as estimativas. Na comparação com igual período de 2018, o PIB subiu 1,7%. A expectativa do mercado, segundo consenso Bloomberg, era de uma alta de 0,5% no comparativo trimestral e de 1,1% no acumulado de 4 trimestres.

Às 15h37 (horário de Brasília) o Ibovespa tinha alta de 1,21% a 106.814 pontos. O dólar comercial registra ganhos de 1,11% a R$ 4,5602 na compra e a R$ 4,561 na venda. Já o dólar futuro para abril avança 1,09% a R$ 4,574.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 tinha queda de 16 pontos-base a 4,13% e o DI para janeiro de 2023 recuava 18 pontos-base a 4,74%. O DI mais longo, para janeiro de 2025, operava com perdas de 16 pontos-base a 5,72%.

A precificação de um corte na taxa básica de juros brasileira, a Selic, atingiu 33 pontos esta manhã,
contra 20 pontos ontem e cerca de 10 pontos antes de o Fed reduzir sua taxa de juros. Na véspera, o Banco Central informou em comunicado que o impacto do coronavírus na economia global, com reflexos no Brasil “tende a dominar uma eventual deterioração nos preços de ativos financeiros”.

Contudo, a autoridade monetária descartou uma atuação emergencial como a que foi promovida pelo Fed, deixando apenas a porta aberta para um novo relaxamento monetário na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do próximo dia 18.

Os economistas do Asa Bank, liderados por Carlos Kawall, que na última segunda-feira revisaram as projeções para três cortes seguidos da Selic na magnitude de 0,25 ponto percentual a partir de maio, revisaram novamente os seus números nesta terça.

PUBLICIDADE

Agora, a casa prevê um corte de juros de 0,50 ponto percentual na próxima reunião do Copom, para 3,75% ao ano. Inclusive, não descartam a possibilidade de reunião extraordinária.

Pouco impacto teve o Índice Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) de serviços da China, que despencou de 51,8 pontos para 26,5 pontos em fevereiro, confirmando o péssimo dado da indústria divulgado no sábado. A atividade econômica está sofrendo com o baque do coronavírus e isso já estava no horizonte dos investidores.

Política brasileira

Em Brasília (DF), a votação no Congresso sobre o destino de R$ 30 bilhões das emendas parlamentares foi adiada para esta quarta-feira, informa o jornal O Estado de S. Paulo. Desconfianças entre Câmara, Senado e o Planalto adiaram mais uma vez um acordo político.

A manutenção do veto do presidente Jair Bolsonaro ao orçamento impositivo deve ser confirmada, já que houve amplo acordo entre Executivo e Legislativo nesse sentido, que contou com a apresentação, na tarde desta terça-feira, pela Presidência da República, de três projetos de lei (PLNs 2, 3 e 4) que regulamentam o orçamento impositivo na LDO e na Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2020.

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), avisou que os três projetos, que terão prazo para receber emendas, irão para análise da Comissão Mista de Orçamento (CMO) e, depois, poderão ser votados pelo Plenário do Congresso Nacional, o que deve ocorrer na semana que vem.

Também no radar, deputados estaduais paulistas aprovaram ontem a reforma da previdência dos servidores em voto de segundo turno na Assembleia Legislativa, em meio a protestos de funcionários públicos.

Super Terça

Os números finais ainda irão demorar para serem divulgados, mas a Super Terça das eleições americanas tem um claro vencedor: Joe Biden. O ex-vice-presidente, que saiu atrás no início das primárias, ganhou força nos últimos dias e comprovou seu bom momento na corrida pela vaga democrata para enfrentar Donald Trump em novembro.

Dos 14 estados que votaram na terça, Biden venceu em nove, incluindo Texas, Carolina do Norte e Virginia, três dos quatro maiores em números de delegados. Enquanto isso, o senador Bernie Sanders, que chegou como favorito neste dia, conquistou apenas três.

PUBLICIDADE

”Biden seria uma mudança menos severa para mercados que já têm o suficiente para se preocupar, com todos esses choques externos”, disse Jerry Braakman, diretor de investimentos da First American Trust

Noticiário corporativo

A Fundição Tupy e a Omega Geração publicaram balanços na noite de ontem. A Tupy, uma das maiores fabricantes de produtos usinados e blocos de motores do Brasil, teve queda de 6,9% no lucro líquido do quarto trimestre de 2019, para R$ 72,5 milhões; mas no ano fechado de 2019, o lucro líquido da empresa avançou 2,7% para R$ 278,9 milhões.

Já a Omega Geração teve queda de 33% no lucro do quarto trimestre de 2019, sobre igual período de 2018, para R$ 49,4 milhões. Em seu balanço de 2019, contudo, a empresa informou um grande aumento na capacidade de geração de energia.

(Com Agência Estado e Agência Senado)

Invista contando com a melhor assessoria do mercado: abra uma conta gratuita na XP.