Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Ibovespa cai 0,74%, seguindo exterior, com investidores aguardando inflação americana; Dólar sobe

Investidores, lá fora, estão cautelosos, levando os índices ao vermelho, enquanto aguardam o CPI (inflação ao consumidor) dos EUA

Fernando Lopes

Publicidade

O Ibovespa terminou a sessão desta terça-feira (9) com queda de 0,74%, aos 131.446 pontos. O movimento, em parte, se deveu à cautela vista em Nova York, com os investidores levando os índices ao vermelho, enquanto aguardam o CPI (inflação ao consumidor) de dezembro, que será divulgado na quinta (11) e vai orientar o Federal Reserve em sua decisão de taxa de juros no final de janeiro.

Dow Jones e S&P 500 caíram, respectivamente, 0,42% e 0,15%, enquanto o Nasdaq subiu 0,09%. Já o dólar comercial subiu frente ao real, com alta de 0,69%, a R$ 4,904 na compra e na venda.

No campo político, Brasília ainda em recesso já se articula para resolver o impasse da MP da reoneração da folha de pagamento, enviada pelo governo de surpresa ao Congresso, segundo os líderes do Senado. É férias, é recesso, mas o ano já começou quente.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O Goldman Sachs afirmou hoje cedo que segue otimista com os bancos brasileiros em 2024, dadas as tendências operacionais saudáveis e as avaliações ainda atrativas. Mas, nessa conta, rebaixou Bradesco (BBDC4) de neutro para venda e as ações caíram 2,69%. Foi o ativo mais negociado do dia.

A análise positiva não foi suficiente para animar os investidores dos outros nomes do setor. Banco do Brasil (BBAS3) terminou em queda de 1,50% e o Itaú Unibanco (ITUB4) até ensaiou uma virada durante a tarde, mas acabou perdendo 0,06%.

Outros nomes de peso contribuíram para a queda do Ibovespa nesta terça. A Vale (VALE3) emendou a sétima derrota seguida, com 1,27% dessa vez, e segue sem fechar no azul em 2024. O minério de ferro em queda lá na China, mais uma vez, ajudou a derrubar a ação.

petróleo até subiu com amplitude, com a tensão no Oriente Médio continuando a escalar e a Arábia Saudita se preocupando com a estabilidade dos preços, mas as ações de Petrobras (PETR3;PETR4) foram no caminho contrário, caindo 0,55% e 0,86%, respectivamente.

As petro juniores, porém, aproveitaram o impulso e subiram, especialmente 3R Petroleum (RRRP3), com mais 4,20%, após a forte alta de ontem (4,67%). PRIO (PRIO3) ganhou 1,16%.

Varejo encerra dia de forma mista

Casas Bahia (BHIA3) perdeu 1,35%, com analistas revisando suas projeções, de forma a incorporar o resultado do 3T23 e o grupamento de ações realizado em dezembro de 2023. Lojas Renner (LREN3) também caiu, com 2,72%; enquanto Magazine Luiza (MGLU3) acelerou 2,39%. O varejo fechou misto em um dia que os DIs (juros futuros) acabaram subindo por toda a curva.

Em outro canto da B3, Tenda (TEND3) desabou 8,17%: guidance sinaliza empresa no caminho certo, mas ainda com pressões de curto prazo.

Hapvida (HAPV3) teve alta de 0,23%, consolidada como “top pick” de dois bancos.

Já Aeris (AERI3) subiu 5,88%, após anunciar a extensão de seu contrato de fornecimento de pás eólicas com a Vestas para até o final de 2028, podendo gerar receitas adicionais de até R$ 7,6 bilhões ao longo do contrato.