Finanças

Como investir agora? As apostas das gestoras BlackRock, Kapitalo e Wellington

Ações de empresas voltadas para a economia real, commodities, títulos de mercados emergentes, China: o que está no radar de alguns dos maiores investidores e especialistas em finanças da atualidade

O que esperar para a economia mundial — e a brasileira — no próximo ano? Como o cenário externo pode influenciar o Brasil? Quais devem ser os impactos da eleição presidencial brasileira nos mercados? E — o que realmente importa para o investidor — onde vale a pena aplicar diante de tantas variáveis?

Para responder a essas e outras perguntas, o InfoMoney ouviu alguns dos maiores investidores e especialistas em finanças da atualidade, aqui e no exterior: Howard Marks, cofundador da Oaktree Capital Management; Luis Stuhlberger, fundador da Verde Asset; John Boselli, diretor e gestor sênior de ações da Wellington; Carlos Woelz, cofundador da Kapitalo; e Axel Christensen e Karina Saade, ambos da BlackRock, a maior gestora de recursos do mundo (ele é estrategista-chefe para investimentos na América Latina e ela é CEO da gestora no Brasil).

Leia também:

Howard Marks: faça o que os outros evitam

Luis Stuhlberger: é preciso olhar além da eleição


BlackRock: por que investir no exterior ganha importância

por Axel Christensen e Karina Saade

“Após uma forte recuperação econômica neste ano, os mercados emergentes se veem diante de desafios significativos em 2022. O crescimento mais lento e a inflação mais alta criam um panorama mais desafiador para investidores.

No entanto, títulos atraentes num ambiente global em que investidores continuam em busca de rendimento, além do panorama positivo para commodities, são um bom presságio para aqueles que buscam oportunidades.

Abordagens seletivas para certos setores em mercados emergentes também devem ajudar a oferecer chances de melhores retornos ajustados ao risco.

Axel Christensen, estrategista-chefe de Investimentos na América Latina da BlackRock, e Karina Saade, CEO da BlackRock no Brasil
Axel Christensen e Karina Saade: os títulos de mercados emergentes se destacam

A expectativa é que o reinício de 2021 após a crise da covid reflita uma forte recuperação do crescimento econômico em todos os mercados emergentes. O recente World Economic Outlook, do FMI, atualizado em outubro, prevê que as economias emergentes e em desenvolvimento vão crescer 6,4%, ante a expansão de 5,2% das economias avançadas, para uma projeção de crescimento global geral de 5,9%.

Espera-se que a América Latina veja sua atividade aumentar em até 6,3% neste ano, de acordo com a mesma fonte. O Brasil teria uma expansão de 5,2%.

No entanto, as previsões para 2022 são mais moderadas. A produção global deve desacelerar para 4,9%, com as economias emergentes crescendo 5,1%. O avanço econômico da América Latina deve cair para meros 3%, menos da metade do registrado em 2021. Para o Brasil, a previsão é de 1,5%.

As razões para a desaceleração são múltiplas. Em primeiro lugar, 2021 é uma base de comparação muito diferente de 2020. Mas, mais importante, a desaceleração vai refletir o impacto da retirada de políticas econômicas inéditas implementadas para mitigar os danos causados pela pandemia de covid.

Esse é certamente o caso dos mercados emergentes, em que um número crescente de bancos centrais — principalmente os da América Latina — já iniciou ciclos de aumento de taxas.

Isso foi desencadeado por uma alta significativa da inflação, estimulada por interrupções na cadeia de abastecimento, desvalorização cambial ou fatores não relacionados à pandemia, como secas ou inundações, que afetam os preços dos alimentos e da energia.

“Concentrar os investimentos localmente trará emoções adicionais ao investidor”

Vários mercados emergentes também vão enfrentar maior incerteza política em 2022. É o caso da América Latina, onde o Brasil e a Colômbia realizarão eleições presidenciais, e onde os efeitos da pandemia de covid se combinaram a outras fontes de inquietação social e polarização ideológica.

A situação política tem tornado mais difícil para os governos promoverem as mudanças que muitas economias emergentes precisam fazer para lidar com desequilíbrios estruturais, como gastos fiscais insustentáveis e desigualdade.

Embora 2022 possa ser um ano desafiador, investidores experientes em mercados emergentes podem não considerá-lo diferente do “business as usual”. Em muitos aspectos, as coisas podem parecer ainda melhores do que no passado.

Apesar do crescimento inferior a 3% esperado para 2022, a América Latina ainda ficará acima da expansão anual média de 2% da região entre 2010 e 2019. Após o aumento da inflação neste ano para esperados 9,7% na América Latina, a previsão é que haja um recuo para 5,5% em 2023, pouco abaixo da média anual de 5,6% para 2010-2019.

Assim, 2022 também oferece pontos de atração interessantes para os investidores. Os títulos de mercados emergentes se destacam num ambiente global em que os investidores de renda fixa buscam rendimentos mais altos (corrigidos pela inflação).

O cenário de preços mais positivo para commodities como petróleo ou metais industriais pode ajudar a fortalecer as finanças do governo e a estabilizar as moedas.

poços de petróleo em Talf, na Califórnia
Produção de petróleo: cenário positivo para commodities (Carolyn Cole / Getty Images)

Na América Latina, além das perspectivas ligadas à alta dos preços das commodities para produtoras de petróleo e mineradoras de capital aberto, existem consequências estruturais da jornada de zerar as emissões líquidas de carbono que dão suporte estrutural a um superciclo na demanda pelos chamados metais “verdes”, ligados à eletromobilidade, como o cobre e o lítio.

Bottom line: as perspectivas para os mercados emergentes no ano que vem apresentam novos desafios que tomarão o lugar que a covid desempenhou durante 2020 e 2021. Tal cenário indica que concentrar os investimentos localmente trará emoções adicionais ao investidor.

Acreditamos que 2022 trará oportunidades para o investidor brasileiro diversificar seu portfólio internacionalmente em diferentes classes de ativos e setores. Em mercados emergentes, é possível acessar o setor de tecnologia, que praticamente não é representado no Brasil (menos de 1% do MSCI Brazil).

Para o investidor que se interessa (e urge!) pela diversificação internacional, existem diversos instrumentos que possibilitam essa exposição, como ETFs, BDRs de ETFs ou de ações, e fundos mútuos, todos sem a necessidade de manter uma conta no exterior.”

Kapitalo: uma aposta na economia real

Um cenário nebuloso no Brasil e no exterior levou a Kapitalo, uma das principais gestoras de recursos do país, com 21 bilhões de reais de patrimônio, a reduzir o risco de seus fundos.

Nesta entrevista, Carlos Woelz, sócio-fundador da Kapitalo, explica suas perspectivas para 2022 e por que vê oportunidades em bolsas globais e em ações de empresas brasileiras voltadas para o mercado externo. Leia os principais trechos.

Brasil: os riscos que dificultam o investimento

“O tamanho do ajuste fiscal que precisa ser feito para equilibrar a dívida pública no médio prazo está se deteriorando: já foi algo entre 1,5% e 2% do PIB, e agora está migrando para algo mais próximo de 3% do PIB. Os juros subiram, o que eleva a necessidade de ajuste fiscal.

Ao mesmo tempo, os políticos estão piorando o problema ao afrouxarem as amarras fiscais. Um ajuste de 1,5% do PIB se resolve com a CPMF, mas, para chegar a 3%, são necessárias muitas outras medidas. Em algum momento, o Brasil vai ter de lidar com a realidade. Enquanto os políticos não fizerem isso, a tendência é as coisas piorarem.

Sabemos quais são os principais candidatos a presidente no Brasil, mas não o que eles representam. Durante o atual governo, tivemos uma contenção de gasto público bem significativa e uma gestão das estatais infinitamente superior à do período anterior.

Ou seja, o governo fez esforços. O problema é que não controlou a dívida pública nem criou um plano adequado para zerar seu crescimento no médio prazo.

Nossas carteiras têm pouca exposição ao Brasil. O investimento em ações brasileiras é até significativo, mas isso ocorre em função dos preços atrativos

Sou crítico do teto como único instrumento de coordenação. É necessário haver uma discus-são sobre a trajetória da dívida. O teto controla os gastos, mas não a arrecadação. Junto da estratégia de controle de gastos, é necessário haver uma de estabilização real da dívida, não maquiada.

O governo não cuidou disso e não parece ter um plano para essa questão nos próximos quatro anos. Talvez desenvolva um até a eleição, mas o que tem acontecido é o contrário. Fora isso, não temos ideia dos planos econômicos do ex-presidente Lula nem da terceira via.

Diante de tudo isso, nossas carteiras têm pouca exposição ao Brasil. O investimento em ações brasileiras é até significativo, mas isso ocorre em função dos preços, que se mostraram atrativos em alguns casos. Além disso, investimos em empresas exportadoras e em outras ligadas à economia global, não à brasileira.”

As perspectivas para a inflação e o PIB americano

“Há alguns meses estávamos com medo de uma aceleração da inflação nos Estados Unidos e de um retorno rápido demais do emprego, o que poderia ocasionar um salto grande e pontual dos juros no curto prazo.

A inflação veio, mas o mercado de trabalho está se recuperando de forma mais lenta, porque as pessoas estão demorando mais para voltar à ativa. Isso reduziu o espaço para o crescimento da economia americana. Projetamos expansão, mas ela pode ser mais fraca.

Acreditamos que a inflação nos EUA poderá ficar alta em 2022, em razão principalmente da escassez de energia, que pressiona ainda mais os custos de produção. Mas poderá cair em dois anos porque os gargalos de produção tendem a diminuir com a normalização da oferta e do consumo.

Carlos Woelz, sócio-fundador da Kapitalo
Carlos Woelz: presença limitada no Brasil (Germano Lüders)

Além disso, com a melhora da pandemia, esperamos uma migração de consumo de bens para serviços. É um cenário incerto e, por isso, nossas carteiras continuam com níveis reduzidos de risco.

Como parte das ações de empresas da economia global estão baratas, ou seja, com uma gordura grande para enfrentar uma possível desaceleração, acreditamos que essas companhias poderão se beneficiar muito da continuidade do cenário de crescimento. Por isso, temos esses papéis na carteira.

Também aumentamos nossas posições compradas em juros nominais nos Estados Unidos.”

Por que não invisto no Real

“O real está com um valor excepcional em relação ao dólar. Mas não estamos comprando real nem outras moedas na mesma situação porque, se houver um cenário de fim de ciclo, com uma piora da economia global, que seria o único em que se perderia dinheiro estando investindo em ações de empresas ligadas à economia real, perderíamos também nessas moedas. Então não faz sentido fazermos uma alocação com potencial de retorno pior e risco parecido.”

Cuidados ao investir no exterior

“Os brasileiros estão investindo mais em ações no exterior, que não estão caras quando se levam em conta os juros baixíssimos lá fora, mas estão caras em relação ao padrão histórico.

Não sou contra o investimento no exterior, claro, mas é preciso saber que há riscos. Quem decidir investir no exterior precisa tomar alguns cuidados — primeiro, com os Estados Unidos, que vêm construindo fragilidades.

O déficit americano não para de subir e o país está enfrentando uma redução de competitividade, porque houve uma diminuição das importações de componentes da China, em razão da decisão do governo de aumentar tarifas. Não vejo grandes riscos no curto prazo, mas começo a enxergar a construção de um problema futuro.

Exagerando um pouco, todo mundo acha que a bolsa americana sempre sobe, mas há desafios grandes nos Estados Unidos. A Kapitalo ficou comprada no índice S&P 500 durante sete anos, desde 2011, mas hoje não vejo vantagem de preço significativa em relação a outras bolsas.

Para quem estiver pensando em alocação no médio prazo, recomendo diversificar — por exemplo, nas bolsas asiáticas e nas europeias.

Na renda fixa, o brasileiro vai comparar um rendimento de IPCA mais 5% oferecido por um título público aqui com um retorno de CPI (índice de inflação) menos 1,5% nos EUA, o que dá um diferencial de cerca de 7% ao ano, em termos reais, muito significativo.

Quem estiver com uma cabeça de curto prazo pode se arrepender porque o dinheiro lá fora pode não render bem. Essa estratégia vai funcionar bem no curto prazo se houver um candidato à Presidência no Brasil com políticas ruins, e não vai funcionar se houver um conjunto de políticas boas.”

John Boselli: oportunidades na China e em ações de saúde, software e finanças

Para o americano John Boselli, diretor e gestor sênior de ações da Wellington, com sede nos Estados Unidos, e responsável pela gestão de mais de US$ 1 trilhão, as pressões inflacionárias globais devem se manter ao longo de 2022.

A expectativa é que as taxas de juro comecem a subir nos próximos meses para conter esses índices, numa virada na atuação do Federal Reserve (Fed), o banco central americano. Diversificar, de acordo com Boselli, passa a ser mais importante do que nunca. “Reduzir o peso de setores e regiões nas decisões de investimento também tem sido uma constante”, afirma o gestor.

Boselli está à frente da gestão do fundo Wellington Global Quality Growth, que valorizou acima de 20% entre novembro de 2020 e novembro de 2021, segundo dados do Financial Times. No mundo, ele vê instabilidade em mercados emergentes e oportunidades na China.

A seguir, os principais trechos da entrevista que Boselli concedeu ao InfoMoney:

De que forma o cenário macroeconômico esperado para os Estados Unidos deverá afetar o mercado acionário americano?

As taxas de juro possivelmente vão aumentar em resposta a pressões inflacionárias globais. Nos Estados Unidos, até agora o Fed tem focado nos níveis de desemprego em vez de controlar riscos inflacionários. Esperamos que essa lógica mude e as taxas de juro comecem a aumentar, resultando numa curva ascendente mais intensa em 2022.

John Boselli, diretor e gestor sênior de ações da Wellington
Boselli: pressões inflacionárias devem se manter ao longo de 2022

O mercado já começou a precificar uma inflação mais persistente, e ações com múltiplos mais altos podem ser mais afetadas num cenário com juros mais altos. Empresas capazes de repassar aumento de custos — como as de saúde, software e serviços financeiros — deveriam se dar bem num ambiente inflacionário, enquanto empresas de consumo que não possuem a mesma capacidade devem apresentar um desempenho pior.

Alguns especialistas chegaram a questionar se não estávamos diante da ameaça de um período de alta inflação, como nos anos 1970. O senhor vê um risco nesse sentido?

Esperamos que a taxa de inflação suba para 2,5% ou 3% ao ano, o que é bem menos do que se viu no ambiente inflacionário nos anos 1970.

Nesse ambiente, a diversificação está se tornando mais importante do que nunca?

Sim, e por isso mantemos o portfólio balanceado entre os quatro aspectos que usamos para analisar ações: qualidade, crescimento, retorno de capital e potencial de valorização. Reduzir o peso de setores e regiões também tem sido uma constante.

Muitos analistas preveem o potencial fim de uma valorização recorde no mercado acionário americano. Esse momento pode estar se aproximando?

Não projetamos retornos no mercado acionário, mas sabemos que o mercado de capitais no longo prazo tem uma forte correlação com o crescimento econômico global. Acreditamos que os governos usarão estímulos fiscais e monetários para manter a estabilidade econômica.

Por outro lado, existem oportunidades em vista, ações que estejam baratas?

O mercado de ações chinês caiu bastante em 2021, com o índice MSCI China registrando queda de 17% até 30 de setembro, significativamente abaixo de outros mercados tanto emergentes como desenvolvidos. Esperamos que o Banco Central passe a oferecer mais estímulos à economia pensando na troca de comando do país em 2022.

O mercado de ações chinês está barato e, na nossa visão, os fundamentos vão melhorar, permitindo que os mercados da Ásia apresentem bons resultados.

Os problemas com a incorporadora endividada Evergrande, que ganharam notoriedade em 2021, estão controlados?

Evergrande é a maior incorporadora chinesa. Acreditamos que o governo chinês vai conseguir organizar uma reestruturação da companhia, e por isso avaliamos como improvável que o caso gere um risco sistêmico para a economia chinesa.

Quais são as principais forças geopolíticas que podem afetar os mercados em 2022?

A maior questão continua a ser a relação econômica e de segurança entre os Estados Unidos e a China, incluindo as relações comerciais, a atividade cibernética e a concordância entre membros de vertentes políticas diferentes nos Estados Unidos de que deveriam ser tomadas medidas mais duras perante a China.

E o cenário no restante dos países emergentes?

Vemos riscos de mais inflação com dívidas crescentes e instabilidade política, o que pode afetar o crescimento do PIB. Em muitos países em desenvolvimento tem sido difícil conter surtos de covid-19 e o cronograma de vacinação não está tão adiantado.

O que os investidores deveriam esperar do mercado de ações brasileiro?

As eleições devem provocar instabilidade. Pressões inflacionárias e no valor da moeda também podem ser desafios para o mercado. Mas nossa exposição a regiões e setores é direcionada por seleção de ações individualmente e não por escolhas tomadas de cima para baixo, do ponto de vista macroeconômico

Cadastre-se na IMpulso e receba semanalmente um resumo das notícias que mexem com o seu bolso — de um jeito fácil de entender:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.