Modernidade é tudo de bom?

No 20.º Congresso Mega Brasil de Comunicação, ocorrido em maio, em São Paulo, um dos conferencistas falava sobre os benefícios de ele possuir um chip em seu punho esquerdo.  Citou como exemplo a possibilidade de, no futuro, ser capaz de saber sobre sua saúde, de momento em momento, evitar e curar doenças precocemente. Mencionava também que uma mulher grávida poderia, com o auxílio desse dispositivo, acompanhar a gestação e prevenir problemas.
Por  Silvio Celestino
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

No 20.º Congresso Mega Brasil de Comunicação, ocorrido em maio, em São Paulo, um dos conferencistas falava sobre os benefícios de ele possuir um chip em seu punho esquerdo. Citou como exemplo a possibilidade de, no futuro, ser capaz de saber sobre sua saúde, de momento em momento, evitar e curar doenças precocemente. Mencionava também que uma mulher grávida poderia, com o auxílio desse dispositivo, acompanhar a gestação e prevenir problemas.

No decorrer do dia falou-se muito sobre inovação, sempre com esse tom otimista. O que chamou minha atenção, entretanto, foi a ausência dos problemas e da análise das implicações dessa modernidade em um contexto mais profundo.

Afinal, a mesma modernidade que nos trouxe o smartphone, a rede social e o medicamento com singularidade genética também estendeu o poder de governantes ao infinito, o culto exagerado ao corpo em detrimento do espírito e a visão de que o ser humano pode ser visto somente como uma máquina, sendo a consciência algo na prática inobservável e, portanto, não merecedora de uma atenção por assim dizer mais científica.

No entanto, onde está a solução tecnológica do grave problema moral que afeta os líderes políticos e empresariais neste momento? O povo saúda as escutas telefônicas que revelam ilicitudes, mas não parece muito preocupado se isso for feito de maneira descontrolada e por um governante autoritário. Se nós tivermos um chip seremos ainda mais rastreáveis? Para quê? Para quem?
Um homem da idade média provavelmente nos consideraria loucos com a vigilância que há sobre nossos atos e pensamentos. De satélites a espiões. De redes sociais a escutas telefônicas, o homem moderno parece ser visto como uma ameaça a governantes, uma máquina para cientistas e como um objeto de análise e crítica por parte de intelectuais – e fofoqueiros também.

Nisso tudo, quem está cuidando da ética, do espirito e da moralidade? Onde estão os limites que, quando desrespeitados, de fato fazem o ser humano parecer uma máquina e, como tal, precisar de chip, de controle, de rastreamento e de análise crítica ao infinito?

É evidente que o Uber é excelente para reduzir custos para o transporte de pessoas e como uma renda de emergência em um país destruído por décadas de ideias esquerdistas. Entretanto, regularmente, prefiro estar em um carro com privacidade. Quem é que deseja que suas conversas particulares sejam ouvidas? Outro aspecto ausente de análises é o fato de a dívida do Uber não parar de crescer. Até quando acionistas sustentarão a empresa?

Um chip no organismo, de maneira permanente ou temporária, pode ser um fator de prevenção e detecção de doenças, tanto quanto de controle e rastreabilidade das pessoas. Penso que norte-coreanos, venezuelanos e cubanos já têm problemas suficientes com seus governos sem essa tecnologia. Com ela, o inferno em que seus países se transformaram deverá descer a níveis mais profundos.

Considero extremamente louvável que sejamos interessados e conhecedores das tecnologias que se avizinham e de sua incorporação ao nosso cotidiano. Contudo, sua adoção requer um pensamento mais abrangente e profundo das consequências, e não apenas uma aceitação mecânica de que, “se é moderno, é bom”!

Silvio Celestino É coach de gerentes, diretores e CEOs desde 2002. Também atende a executivos que desejam assumir esses cargos. Possui certificação e experiência internacional em coaching. Foi executivo sênior de empresas nacionais e multinacionais na área de Tecnologia da Informação. Empreendedor desde 1994.

Compartilhe

Mais de Sua carreira, seu maior investimento

Sua carreira, seu maior investimento

Quais profissões estarão em alta em 2018?

A principal recomendação para qualquer profissional em 2018 é: seja rápido.   As maiores oportunidades de prosperidade e sucesso de carreira ocorrem nas chamadas novas fronteiras, isto é, nos mercados que nunca existiram antes e surgem principalmente em decorrência de uma nova onda tecnológica. A dificuldade de reconhecê-las é enorme, pois o sucesso de algo novo não é visível para a maioria e representa riscos elevados para os iniciantes: assim, as décadas de 1920 e 30 foram momentos extraordinários para quem se envolveu com a indústria da aviação. Já os anos de 1950 e 60, o foram para quem trabalhou na indústria da computação de grande porte. A década de 1980 foi o início da era de ouro dos microcomputadores; já o fim dos anos 90 e início de 2000, para a internet, os celulares e, depois, as redes sociais. 
Sua carreira, seu maior investimento

Feedback não é para ser traumático

Já vi indivíduos traumatizados por conta de um feedback. No caso mais grave, conheci uma pessoa que teve uma hemorragia provocada pelo estresse de um feedback feito de maneira torturante: ela tinha de ficar de frente para uma parede e de costas para seu chefe e colegas de trabalho que lhe dariam os “feedbacks“, e ela só podia ouvir. Não sei quem foi o idealizador dessa prática infeliz, mas, para minha surpresa, foi aplicada até mesmo em empresas juniores no Brasil.
Sua carreira, seu maior investimento

Quem não delega não lidera

A dificuldade em delegar ocorre frequentemente no indivíduo que foi alçado há pouco a um cargo gerencial. Embora eu já tenha visto esse problema em diretores e até presidentes de empresas. Sempre que um líder não delega acaba por sobrecarregar-se, o que é motivo de muito estresse e cansaço para si mesmo. 
Sua carreira, seu maior investimento

Pare de odiar quem faz follow-up

Seria uma falta de sinceridade minha não iniciar este texto com uma confissão: eu odeio follow-up! Não gosto de fazê-lo e muito menos que façam sobre meu trabalho. Entretanto, são notórios os problemas, as falhas e os erros que ocorrem quando o follow-up não é realizado. E, portanto, apesar de meu sentimento a respeito dessa competência de liderança, a exerço e permito que outros a exerçam sobre meu trabalho, sem reclamar.
Sua carreira, seu maior investimento

O plano de vida precede o de carreira

Um grande problema que observo nos executivos é a ausência de um plano de vida que oriente seu plano de carreira. Quando isso ocorre, há um hiato entre o que ele atingirá profissionalmente e a vida que realizará. Esse hiato pode ser intransponível se ele deixar para preenchê-lo ao fim de sua carreira profissional. Essa possibilidade por si só deveria ser motivo de angústia, incerteza e preocupação, entretanto, a maioria dos indivíduos a ignora.