Quem não delega não lidera

A dificuldade em delegar ocorre frequentemente no indivíduo que foi alçado há pouco a um cargo gerencial. Embora eu já tenha visto esse problema em diretores e até presidentes de empresas. Sempre que um líder não delega acaba por sobrecarregar-se, o que é motivo de muito estresse e cansaço para si mesmo. 
Por  Silvio Celestino
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

A dificuldade em delegar ocorre frequentemente no indivíduo que foi alçado há pouco a um cargo gerencial. Embora eu já tenha visto esse problema em diretores e até presidentes de empresas. Sempre que um líder não delega acaba por sobrecarregar-se, o que é motivo de muito estresse e cansaço para si mesmo.

A equipe sob uma liderança centralizadora sente-se inferiorizada, sem poder e, com o passar do tempo, desmotivada.

A causa disso é que delegar requer método.

Por essa razão é que, desde o início de sua carreira gerencial, o líder deve ser preparado com o conhecimento, os conceitos e principalmente, as melhores práticas para delegar.

Um ponto importante é que delegação é um processo, e não um evento. É comum um novo gestor simplesmente abandonar uma tarefa nas mãos de seu subordinado sem dar-lhe nenhuma instrução. O resultado, por vezes, é um verdadeiro desastre. Portanto, iniciar o processo com muitas instruções e paulatinamente ir dando autonomia ao seu liderado é a maneira mais apropriada de fazê-lo.

Também não adianta muito você delegar sem passar o modelo mental requerido para fazer a tarefa. O modelo mental significa o que você, que está delegando, pensa quando faz a tarefa.

Nosso pensamento em geral é extremamente complexo, e nunca paramos para destrinchá-lo em uma sequência de instruções compreensíveis aos nossos subordinados. Portanto, antes de delegar, você deve refletir a respeito dos macetes e manhas que aprendeu ao longo de sua experiência com a tarefa. Quando não passa isso ao seu subordinado, você terá uma vivência de que está cercado de pessoas pouco inteligentes. Porque quando você faz a tarefa, tudo funciona, mas quando elas fazem nada dá certo. Mas é você quem não foi abrangente o bastante para passar tudo o que sabe. Logo, seja generoso e transfira seu conhecimento completamente.

Por último, delegar sem fazer acompanhamento é o mesmo que abandonar a tarefa. Portanto, uma vez que você delegou, estabeleça pontos de controle ou reuniões periódicas nas quais seu time o informe sobre o andamento das atividades.

Afinal, você como líder é responsável pela qualidade da tarefa. E o prazo de entrega faz parte da qualidade.

Uma boa delegação é uma garantia para a paz de espírito de todo bom líder. E uma competência fundamental para que você cresça cada vez mais em sua carreira, com segurança e capacidade para gerir times cada vez maiores.

Vamos em frente!

Silvio Celestino É coach de gerentes, diretores e CEOs desde 2002. Também atende a executivos que desejam assumir esses cargos. Possui certificação e experiência internacional em coaching. Foi executivo sênior de empresas nacionais e multinacionais na área de Tecnologia da Informação. Empreendedor desde 1994.

Compartilhe
Mais sobre

Mais de Sua carreira, seu maior investimento

Sua carreira, seu maior investimento

Quais profissões estarão em alta em 2018?

A principal recomendação para qualquer profissional em 2018 é: seja rápido.   As maiores oportunidades de prosperidade e sucesso de carreira ocorrem nas chamadas novas fronteiras, isto é, nos mercados que nunca existiram antes e surgem principalmente em decorrência de uma nova onda tecnológica. A dificuldade de reconhecê-las é enorme, pois o sucesso de algo novo não é visível para a maioria e representa riscos elevados para os iniciantes: assim, as décadas de 1920 e 30 foram momentos extraordinários para quem se envolveu com a indústria da aviação. Já os anos de 1950 e 60, o foram para quem trabalhou na indústria da computação de grande porte. A década de 1980 foi o início da era de ouro dos microcomputadores; já o fim dos anos 90 e início de 2000, para a internet, os celulares e, depois, as redes sociais. 
Sua carreira, seu maior investimento

Feedback não é para ser traumático

Já vi indivíduos traumatizados por conta de um feedback. No caso mais grave, conheci uma pessoa que teve uma hemorragia provocada pelo estresse de um feedback feito de maneira torturante: ela tinha de ficar de frente para uma parede e de costas para seu chefe e colegas de trabalho que lhe dariam os “feedbacks“, e ela só podia ouvir. Não sei quem foi o idealizador dessa prática infeliz, mas, para minha surpresa, foi aplicada até mesmo em empresas juniores no Brasil.
Sua carreira, seu maior investimento

Pare de odiar quem faz follow-up

Seria uma falta de sinceridade minha não iniciar este texto com uma confissão: eu odeio follow-up! Não gosto de fazê-lo e muito menos que façam sobre meu trabalho. Entretanto, são notórios os problemas, as falhas e os erros que ocorrem quando o follow-up não é realizado. E, portanto, apesar de meu sentimento a respeito dessa competência de liderança, a exerço e permito que outros a exerçam sobre meu trabalho, sem reclamar.
Sua carreira, seu maior investimento

O plano de vida precede o de carreira

Um grande problema que observo nos executivos é a ausência de um plano de vida que oriente seu plano de carreira. Quando isso ocorre, há um hiato entre o que ele atingirá profissionalmente e a vida que realizará. Esse hiato pode ser intransponível se ele deixar para preenchê-lo ao fim de sua carreira profissional. Essa possibilidade por si só deveria ser motivo de angústia, incerteza e preocupação, entretanto, a maioria dos indivíduos a ignora.