Rogério Ceni e a velha dúvida: todos podem ser líderes?

A primeira competência a ser desenvolvida por alguém que decide se transformar em líder é a coragem. Sem ela, nenhuma outra é necessária ou será suficiente.
Por  Silvio Celestino
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

A primeira competência a ser desenvolvida por alguém que decide se transformar em líder é a coragem. Sem ela, nenhuma outra é necessária ou será suficiente.

Rogério Ceni foi um dos maiores atletas de seu tempo e deixou sua marca na história como o maior goleiro-artilheiro de todos os tempos. Foi um ato de coragem escolher um grande time como o São Paulo para iniciar sua carreira de treinador.

Entretanto, ao ser promovido para o cargo, não conseguiu obter os resultados desejados. O que teria saído errado?

Ainda é muito cedo para dizer qualquer coisa a respeito da carreira de treinador de Rogério Ceni. Mas gostaria de usar sua história recente para refletir sobre um fato que ocorre com frequência nas empresas: às vezes, um profissional que é nota 10, ao ser promovido, torna-se um líder nota 1.

Isso é motivo de muita frustração, tristeza e incerteza quanto ao futuro do indivíduo.

A causa disso é que as competências necessárias para liderar não são as mesmas demandadas de uma pessoa em sua função operacional. Portanto, o indivíduo precisa ser transformado em líder, e isso requer método para ser feito.

A maioria das pessoas acredita que liderança é uma competência nata, e, por isso mesmo, ou alguém nasce líder ou não terá chances de sucesso como tal. Liderança, contudo, é um dos temas de que há mais livros, conhecimento, conceitos e práticas reconhecidas para ser aplicadas no desenvolvimento daqueles que desejam aprender a liderar. É claro que nem todos podem se tornar líderes, por conta de problemas comportamentais e, principalmente, psicológicos, mas, ao contrário da crença, é possível, sim, transformar pessoas em líderes.

Todavia, quando as pessoas, em um país ocidental como o Brasil, são indagadas sobre quem serão os líderes políticos ou empresariais, a resposta é rápida e errada: aqueles que se comunicam melhor e têm mais carisma. Somente em culturas em que há essa crença infeliz é que pessoas como Lula chegam à Presidência, ou empresários e executivos como os envolvidos na Operação Lava Jato se tornam dirigentes empresariais. Se houvesse um mínimo de reflexão consciente a respeito dessa pergunta, a resposta correta seria uma só: quem deve ser o líder é o indivíduo mais preparado para isso.
O preparo para a liderança requer conhecimento, conceitos, melhores práticas e experiência. Não há como exigir menos que isso daqueles que terão a responsabilidade por pessoas, operações e negócios. Sem nos esquecermos daqueles que serão responsáveis por decisões políticas, é claro.

Assim como Rogério Ceni treinava exaustivamente as melhores técnicas para cobrar falta e pênalti, o indivíduo que deseja aprender a liderar deve se aprimorar continuamente nos elementos mencionados.

Desse modo, as empresas e o País estarão em melhores condições quando aceitarem que liderança é um tema cuja complexidade somente pode ser compreendida pelo estudo constante, consistente e permanente por parte dos indivíduos. Querer liderar pelo carisma, intuição e experiência é a fórmula para o desastre no longo prazo, principalmente quando o indivíduo for de má índole. O mesmo desastre que vivemos hoje na liderança política e empresarial no Brasil.

Vamos em frente!

Silvio Celestino É coach de gerentes, diretores e CEOs desde 2002. Também atende a executivos que desejam assumir esses cargos. Possui certificação e experiência internacional em coaching. Foi executivo sênior de empresas nacionais e multinacionais na área de Tecnologia da Informação. Empreendedor desde 1994.

Compartilhe
Mais sobre

Mais de Sua carreira, seu maior investimento

Sua carreira, seu maior investimento

Quais profissões estarão em alta em 2018?

A principal recomendação para qualquer profissional em 2018 é: seja rápido.   As maiores oportunidades de prosperidade e sucesso de carreira ocorrem nas chamadas novas fronteiras, isto é, nos mercados que nunca existiram antes e surgem principalmente em decorrência de uma nova onda tecnológica. A dificuldade de reconhecê-las é enorme, pois o sucesso de algo novo não é visível para a maioria e representa riscos elevados para os iniciantes: assim, as décadas de 1920 e 30 foram momentos extraordinários para quem se envolveu com a indústria da aviação. Já os anos de 1950 e 60, o foram para quem trabalhou na indústria da computação de grande porte. A década de 1980 foi o início da era de ouro dos microcomputadores; já o fim dos anos 90 e início de 2000, para a internet, os celulares e, depois, as redes sociais. 
Sua carreira, seu maior investimento

Feedback não é para ser traumático

Já vi indivíduos traumatizados por conta de um feedback. No caso mais grave, conheci uma pessoa que teve uma hemorragia provocada pelo estresse de um feedback feito de maneira torturante: ela tinha de ficar de frente para uma parede e de costas para seu chefe e colegas de trabalho que lhe dariam os “feedbacks“, e ela só podia ouvir. Não sei quem foi o idealizador dessa prática infeliz, mas, para minha surpresa, foi aplicada até mesmo em empresas juniores no Brasil.
Sua carreira, seu maior investimento

Quem não delega não lidera

A dificuldade em delegar ocorre frequentemente no indivíduo que foi alçado há pouco a um cargo gerencial. Embora eu já tenha visto esse problema em diretores e até presidentes de empresas. Sempre que um líder não delega acaba por sobrecarregar-se, o que é motivo de muito estresse e cansaço para si mesmo. 
Sua carreira, seu maior investimento

Pare de odiar quem faz follow-up

Seria uma falta de sinceridade minha não iniciar este texto com uma confissão: eu odeio follow-up! Não gosto de fazê-lo e muito menos que façam sobre meu trabalho. Entretanto, são notórios os problemas, as falhas e os erros que ocorrem quando o follow-up não é realizado. E, portanto, apesar de meu sentimento a respeito dessa competência de liderança, a exerço e permito que outros a exerçam sobre meu trabalho, sem reclamar.
Sua carreira, seu maior investimento

O plano de vida precede o de carreira

Um grande problema que observo nos executivos é a ausência de um plano de vida que oriente seu plano de carreira. Quando isso ocorre, há um hiato entre o que ele atingirá profissionalmente e a vida que realizará. Esse hiato pode ser intransponível se ele deixar para preenchê-lo ao fim de sua carreira profissional. Essa possibilidade por si só deveria ser motivo de angústia, incerteza e preocupação, entretanto, a maioria dos indivíduos a ignora.