The new sensation!

O novo sucesso da Honda.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

Ultimamente temos usado o espaço aqui no blog para trazer noticias sobre o setor automotivo. Porém, devido ao atual cenário (até o final do ano que vem) elas – em geral – serão na sua maioria negativas…

Mas, excepcionalmente hoje, o texto será diferente.

O grande ponto positivo que teremos neste mês,  virá do lançamento do novo veículo da Honda: o HR-V. Pegando emprestado o slogan de uma campanha famosa da Toyota, o Honda HR-V está sendo o “The new sensation” do mercado.

Os números iniciais dele são absurdamente ótimos!

Somente nesta semana (segunda a quinta),  tivemos quase mil HR-V vendidos. Se pegarmos as vendas dos seus dois principais concorrentes (Ford Ecosport e Renault Duster), os dois juntos venderam um pouquinho mais de mil unidades!

Ou seja, apenas com o início das vendas, o HR-V vendeu o mesmo que o Ecosport e o Duster juntos. Ou, detalhando um pouco mais: o HR-V, nesta semana, vendeu 122% a mais que o Duster e 77% a mais que o Ecosport.

E, no meio do caos que será este ano, o novo veículo da Honda, nesta semana, já corresponde por 38% do volume da marca.

Além de todas as qualidades do produto, uma das vertentes que explica o sucesso do carro foi a imagem que a marca construiu ao longo dos últimos anos.

Tanto a Honda quanto algumas outras (Ex.: Toyota e Hyundai), focaram os seus produtos para aquilo que realmente importa: O CLIENTE

Em geral, os produtos do nosso trio filé mignon, possuem uma qualidade superior à dos demais; custo de reparabilidade e manutenção relativamente baixos, além  do carro possuir um valor de revenda superior à média do mercado, com desvalorização menor.

O trabalho ao longo dos anos da Honda – como das demais – gera ganhos adicionais.  Por exemplo, nos anos (2015 e 2016) difíceis para o setor automotivo, onde teremos uma quebradeira generalizada em concessionárias e o sufoco danado em muitas marcas, as três passarão pelo olho do furacão sem “muito sofrimento”… por outro lado, já o nosso “quarteto enferrujado”….

O que o trio filé mignon fez, foi ver o óbvio ululante! Se você tratar bem o seu cliente, ele tenderá a recompensá-lo no médio/longo prazo. É um trabalho de formiguinha, onde você planta uma semente a cada dia. O resultado tá ai! Veículo novo vendendo praticamente o dobro do que vende os seus concorrentes

Raphael Galante

Raphael Galante é economista, trabalha no setor automotivo há mais de 20 anos e atua como consultor na Oikonomia Consultoria Automotiva.