À espera de um milagre…

Analise das vendas de veículos no primeiro quadrimestre deste ano

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

O belo filme estrelado por Tom Hanks (1999) é a síntese perfeita do que está acontecendo no setor automotivo. E, se você não viu o filme (ATENÇÃO PARA SPOILERS), o final será o mesmo! Infelizmente o mocinho morre no final, assim como o setor automotivo que vai sofrer um tombo violento neste ano…

O milagre não virá –  não adianta pedirmos uma intervenção divina (seja Deus, Buda, Alá, Maomé, Shiva ou Google); o que estamos verificando atualmente é: qual marca irá sofrer mais ou menos este ano.

Mas, encerrado o primeiro quadrimestre deste ano, o que aconteceu?

O mês de abril terminou com 211,6 mil carros vendidos. Queda de 6,2% sobre o mês de março (225,7 mil) e retração de 24,3% sobre o mês de abril de 2014 (279,7 mil).

Foi ruim? Não; foi péssimo! Esse foi o pior resultado (para o mês de abril) desde 2007!

No acumulado do ano, temos 859 mil carros vendidos contra 1,053 milhão sobre o primeiro quadrimestre do ano passado. Retração de 18,4%.

O quão ruim é isso? Bom… praticamente o setor automotivo está com o mesmo volume de vendas do ano de 2009, quando naquele quadrimestre tivemos 857,3 mil carros vendidos.

Resumo da ópera: Imagine você vendendo a mesma quantidade de seis anos atrás (ou ganhando o mesmo salário de 2009) com um custo – mínimo –  de 40% maior?

Antes de voltarmos a falar sobre carros, vou fazer um breve resumo do que acontece com os outros setores da indústria automotiva.

O que é mais preocupante para nós, é a venda de caminhões. Em abril, foram 5,086 caminhões vendidos, pior resultado (para o mês de abril) dos últimos 11 anos. No acumulado do ano, estamos com 24,4 mil veículos vendidos, retração de 41,2% sobre o mesmo período do ano passado (41,5 mil) ou praticamente a metade do que vendíamos nos anos de 2014 e 2013 (média de 48,2 mil). Percebam que o tombo para o pessoal de caminhões é terrível! A situação é tão grave que esse é o pior resultado desde 2006; basicamente as vendas voltaram ao patamar de uma década atrás (se bem que, em 2005, vendia-se mais: 26,6 mil caminhões).

A travada no setor de construção (grandes obras) junto com a falta de repasses do governo federal, asfixia o setor de caminhões de tal maneira que, ultimamente, o que estão presenciando é dia após dia o fechamento de diversas concessionárias. Algumas marcas com foco maior no “varejinho” (caminhões de 3 a 5 toneladas), estão sofrendo menos (Ex.: Ford).  Outras, focadas nos caminhões pesados e extrapesados (Volvo e Scania), sofrem barbaridade. Esse mês, as duas marcas venderam 61% a menos do que o mesmo período do ano passado!

O lado perverso do setor de caminhões é que eles puxam para baixo todos os demais como, por exemplo, o setor de implementos rodoviários. Da mesma forma, o setor de máquinas agrícolas está com o pior resultado desde 2007; assim como o pessoal de duas rodas (que vendeu apenas 435 mil motos neste ano), quarto ano consecutivo de queda e o seu pior resultado desde 2006.

Sei que a maioria aponta/comenta sobre a “fictícia” margem de lucro de alguns elos das cadeias automotivas, mas nem todos são assim. O pessoal de autopeças está numa pindaíba, assim como as concessionárias de veículos. Em geral as duas pontas estão indo de mal a pior, e uma ajudando a segurar a alça do caixão do outro.

Mas, voltando ao ponto do interesse de todos, que é o carro.  No sofrimento que está sendo o ano de 2015, com um mercado retraindo-se mais de 18%; o que percebemos é: quem fez a lição de casa está se saindo bem! E aí, o velho slogan da SEMP TOSHIBA é extremamente válido para cá: “os nossos japoneses são melhores que os outros”.

Tirando o mercado TOP, e considerando apenas as marcas de volume, só duas marcas estão crescendo em volume de vendas: Honda e Toyota. Crescendo 15% e 7%, respectivamente.

Mas não é só isso… eles estão com o seu melhor resultado de vendas FOREVER AND EVER. Ou seja: ELES ESTÃO BOMBANDO. No caso da Toyota, mesmo trabalhando com produtos de alto valor agregado, está a apenas 0,3 pontos percentuais da Renault; e ainda podem roubar a sexta posição de marca que mais vende este ano. No caso da Honda, o HR-V é um sucesso de “arregalar os olhos”!

Para finalizar, as explicativas para a queda do setor são várias:

Falta de crédito:

Segundo o BC, em fevereiro tínhamos um saldo de carteira para financiamento de veículos na ordem de R$ 205 bilhões. Esse volume é -7,3% sobre o mesmo período do ano passado ou -13% sobre o saldo de 24 meses atrás ou -16% sobre o saldo das carteiras de 36 meses atrás.

Perceberam? O crédito automotivo está numa descendente faz três anos… e, para variar, a inadimplência das carteiras voltou a aumentar no começo deste ano, fazendo com que haja mais dificuldade em obtenção de crédito.

Expectativa do consumidor:

Segundo o FECOMERCIO, em abril o índice dele que vai de 0 a 200 bateu a casa de 101,56. É só o índice mais baixo dos últimos 149 meses… coisa boba! Este índice só não é pior ao resultado de novembro de 2002, período em que o Brasil vivia turbulência político-econômica com a mudança de presidente e o empréstimo ponte do FMI.

E o lado positivo?

Bom… tirando os nossos japas, sinceramente, quem sobrar no final do ano já é um vencedor.

Abaixo, breve resumo do acumulado das vendas nos últimos nove anos.

 

VENDAS DE AUTOS E COMERCIAIS LEVES – ACUMULADO ATÉ ABRIL
FABRICANTE200720082009201020112012201320142015
FIAT160.057205.961209.129226.145232.131227.083248.464235.044163.758
GM136.453177.301162.353206.480194.019178.101196.059186.889145.865
VW149.558182.457202.423206.941218.987210.733215.609181.686136.351
FORD74.30475.31296.383109.300101.77196.68998.29796.73890.346
HYUNDAI3.07012.62313.40334.53834.37028.23864.35170.30765.412
RENAULT20.46834.84631.25746.41853.13868.88263.88370.85759.561
TOYOTA21.71719.42825.49730.53429.82526.67351.38252.96356.754
HONDA21.04033.83838.60539.13836.80031.75540.80340.46246.507
NISSAN2.2626.2537.38210.39116.93135.79025.17720.10019.819
MITSUBISHI7.33911.15111.66613.47215.61216.17717.87318.61914.985
CITROEN11.37820.57419.05824.78830.07921.83422.29020.54110.799
PEUGEOT20.78925.74224.36627.28326.05420.67816.98915.9528.456
KIA1.2765.3634.64115.04624.97813.8729.9578.0165.904
CHINESES21744832.51013.10619.37610.6129.6057.069
OUTROS5.8728.63310.65016.62921.20920.34521.91524.81727.380
TOTAL635.585819.656857.2961.009.6131.049.0101.016.2261.103.6611.052.596858.966
MARKET SHARE DE AUTOS E COMERCIAIS LEVES – ACUMULADO ATÉ ABRIL
FABRICANTE200720082009201020112012201320142015
FIAT25,18%25,13%24,39%22,40%22,13%22,35%22,51%22,33%19,06%
GM21,47%21,63%18,94%20,45%18,50%17,53%17,76%17,76%16,98%
VW23,53%22,26%23,61%20,50%20,88%20,74%19,54%17,26%15,87%
FORD11,69%9,19%11,24%10,83%9,70%9,51%8,91%9,19%10,52%
HYUNDAI0,48%1,54%1,56%3,42%3,28%2,78%5,83%6,68%7,62%
RENAULT3,22%4,25%3,65%4,60%5,07%6,78%5,79%6,73%6,93%
TOYOTA3,42%2,37%2,97%3,02%2,84%2,62%4,66%5,03%6,61%
HONDA3,31%4,13%4,50%3,88%3,51%3,12%3,70%3,84%5,41%
NISSAN0,36%0,76%0,86%1,03%1,61%3,52%2,28%1,91%2,31%
MITSUBISHI1,15%1,36%1,36%1,33%1,49%1,59%1,62%1,77%1,74%
CITROEN1,79%2,51%2,22%2,46%2,87%2,15%2,02%1,95%1,26%
PEUGEOT3,27%3,14%2,84%2,70%2,48%2,03%1,54%1,52%0,98%
KIA0,20%0,65%0,54%1,49%2,38%1,37%0,90%0,76%0,69%
CHINESES0,00%0,02%0,06%0,25%1,25%1,91%0,96%0,91%0,82%
OUTROS0,92%1,05%1,24%1,65%2,02%2,00%1,99%2,36%3,19%
TOTAL100,00%100,00%100,00%100,00%100,00%100,00%100,00%100,00%100,00%

 

VARIAÇÃO NAS VENDAS DE AUTOS E COMERCIAIS LEVES – ACUMULADO ATÉ ABRIL
FABRICANTE2008 / 20072009 / 20082010 / 20092011 / 20102012 / 20112013 / 20122014 / 20132015 / 20142015 / 2007
FIAT28,68%1,54%8,14%2,65%-2,17%9,42%-5,40%-30,33%2,31%
GM29,94%-8,43%27,18%-6,03%-8,20%10,08%-4,68%-21,95%6,90%
VW22,00%10,94%2,23%5,82%-3,77%2,31%-15,73%-24,95%-8,83%
FORD1,36%27,98%13,40%-6,89%-4,99%1,66%-1,59%-6,61%21,59%
HYUNDAI311,17%6,18%157,69%-0,49%-17,84%127,89%9,26%-6,96%2030,68%
RENAULT70,25%-10,30%48,50%14,48%29,63%-7,26%10,92%-15,94%191,00%
TOYOTA-10,54%31,24%19,76%-2,32%-10,57%92,64%3,08%7,16%161,33%
HONDA60,83%14,09%1,38%-5,97%-13,71%28,49%-0,84%14,94%121,04%
NISSAN176,44%18,06%40,76%62,94%111,39%-29,65%-20,17%-1,40%776,17%
MITSUBISHI51,94%4,62%15,48%15,88%3,62%10,48%4,17%-19,52%104,18%
CITROEN80,82%-7,37%30,07%21,35%-27,41%2,09%-7,85%-47,43%-5,09%
PEUGEOT23,83%-5,35%11,97%-4,50%-20,63%-17,84%-6,10%-46,99%-59,32%
KIA320,30%-13,46%224,20%66,01%-44,46%-28,22%-19,49%-26,35%362,70%
CHINESES8600,00%177,59%419,67%422,15%47,84%-45,23%-9,49%-26,40%353350,00%
OUTROS47,02%23,36%56,14%27,54%-4,07%7,72%13,24%10,33%366,28%
TOTAL28,96%4,59%17,77%3,90%-3,13%8,60%-4,63%-18,40%35,15%

Raphael Galante

Raphael Galante é economista, trabalha no setor automotivo há mais de 20 anos e atua como consultor na Oikonomia Consultoria Automotiva.