Resultado da Berkshire Hathaway acende o alerta: o que fazer quando o maior value investor do mundo não consegue encontrar barganhas?

O caixa da empresa, que continua engordando, já consegue comprar Vale, Itaú e Ambev à vista

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

A Berkshire Hathaway, empresa do bilionário e lendário investidor Warren Buffett, divulgou seus resultados nesse final de semana e muita gente está falando sobre o impressionante lucro operacional da empresa, que subiu de US$ 14 bilhões no segundo trimestre de 2019 para mais de US$ 26 bilhões nesse trimestre.

Como o próprio Buffett já havia explicado e antecipado, esses números ficariam bem mais voláteis com as novas regras de contabilidade – só para se ter uma ideia, os ganhos ainda não realizados (unrealized gains) foram responsáveis por um resultado de mais de US$ 34 bilhões. Então, vamos ao que realmente interessa nos resultados.

A primeira observação, que tampouco é novidade, é o caixa da empresa, que continua engordando, e agora totaliza mais de US$ 146 bilhões. Para se ter uma dimensão desse valor, com esse caixa seria possível comprar a Vale, o Itáu e a Ambev à vista.

PUBLICIDADE

No comunicado ao mercado, Buffettt diz que as operações do grupo estão preparadas para uma redução nas receitas e na atividade econômica como consequência da pandemia, mas, ainda assim, julgo o nível de caixa mantido alto demais para unicamente esse propósito.

Deve haver outra razão para isso e sabemos disso por um comunicado anterior, no qual Buffett fala claramente que não está conseguindo encontrar bons negócios a bons preços.

Aliás, o sábio de Omaha, como é conhecido, fez poucas aquisições no trimestre, mas vendeu bastante. Isso sim é importante de se notar, já que, segundo o próprio Warren, seu prazo para venda de ações é, normalmente, nunca, ou como ele gosta de dizer “Our favorite holding period is forever“.

A Berkshire se desfez de sua posição nas empresas aéreas, como já era sabido, e também em algumas empresas financeiras, num total de quase US$ 13 bilhões em alienações. Vamos saber mais sobre isso no próximo dia 14, quando a composição do portfólio da empresa será reportada ao mercado.

Dentre as aquisições, a linha de transmissão de gás natural e as ações do Bank of America foram os destaques. A grande surpresa foi o investimento de mais de US$ 5 bilhões em ações da própria Berkshire o que, na nossa opinião, vai ajudar a aumentar o lucro por ação da empresa.

Independente do que está escrito no comunicado ao público, temos que nos ater ao que realmente interessa: as ações e reações, não ao discurso.

PUBLICIDADE

E as ações que Buffett e Munger estão tomando falam mais alto que palavras. Se um dos maiores investidores de todos os tempos e, provavelmente o investidor em valor (value investor) mais famoso do mundo, não está conseguindo encontrar barganhas, a mensagem é muito clara: tomem cuidado.

Marcelo López

Marcelo López tem certificação CFA, é gestor de recursos na L2 Capital Partners, com MBA pelo Instituto de Empresa (Madrid, Espanha) e especialização em finanças pela principal escola de negócios da Finlândia (Helsinki School of Economics and Business Administration). Atuou como Gestor de Carteiras e de Fundos em grandes gestoras internacionais, tais como London & Capital e Gartmore Investment Management.

Leia também