Investidores também têm dívidas

Você sabe o real significado de estar endividado?

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
“Tenho muitas dívidas, nem consigo me imaginar sendo um investidor”. Escutei muito essa afirmação das pessoas que procuram meus serviços de educador e terapeuta financeiro.  Com isso, comecei a perceber que, na verdade, a maioria das pessoas não sabe o real significado de estar endividado e acabam tirando conclusões precipitadas e se desanimando.
 
Ter dívidas não significa que sua vida financeira esteja descontrolada e, muito menos, que você não consiga poupar um dinheirinho para realizar seus sonhos. Se você pensa assim, saiba que está com uma visão equivocada sobre o assunto. Investidores também possuem dívidas, com a diferença que elas são controladas, ou seja, já constavam em seu planejamento antes de existirem.
 
Um bom exemplo é quando alguém quer investir em educação – seja própria ou de filhos. Ela estará assumindo um compromisso de pagar mensalmente, até finalizar o curso, escola, faculdade ou seja lá o que for. Outra situação em que se tem uma dívida que não representa necessariamente um problema, é quando se compra algo – já programado – parcelado no cartão de crédito.
 
Muitas pessoas acreditam na ideia de que o cartão de crédito é um vilão, quando, na verdade, ele é uma ótima ferramenta de compra que só precisa ser usada com consciência. Como? Por exemplo: se for comprar algo que não possui desconto se comprado à vista, é melhor deixar o seu dinheiro rendendo em alguma aplicação e comprar o produto ou serviço a prazo – sem juros, claro. 
 
Essas questões fazem parte da vida e, quando controladas, não são um perigo para a saúde financeira e muito menos significam que a pessoa não possa – e não deva – ter um dinheiro já guardado e aplicado. O verdadeiro problema está quando as dívidas são adquiridas de forma desregrada; quando se chega no final do mês e se descobre que não sabe onde foi parar o dinheiro, e pior, que será necessário um empréstimo para pagar as compras já realizadas e, muitas vezes, já desfrutadas. Essa situação pode levar a outra ainda pior: a inadimplência.
 
E é por isso que insisto na importância da educação financeira como meio para mudar o comportamento da população com relação ao uso e à administração de seus recursos financeiros, objetivando sempre a realização dos sonhos. Portanto, a lição de hoje é: ter dívidas não significa que está tudo perdido. Eduque-se financeiramente, planeje-se mais e veja como a vida é muito mais simples do que se pensa.

Reinaldo Domingos

Reinaldo Domingos é presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros), autor de vários livros e criador da Metodologia DSOP de Educação Financeira.