Planejamento é a chave para as contas de início de ano

Mesmo que a taxa de desemprego tenha diminuído para 11,9% no mês de setembro, ainda são 12,5 milhões de brasileiros sem trabalho de acordo com os últimos números divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A falta de renda também se reflete no grande número de inadimplentes – cerca de 63 milhões, segundo dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), divulgados neste mês de novembro. Diante deste cenário preocupante, as contas típicas de início de ano das famílias, se não forem analisadas com cautela, podem causar um grande desequilíbrio no orçamento.
Por  Reinaldo Domingos
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

 

 

Mesmo que a taxa de desemprego tenha diminuído para 11,9% no mês de setembro, ainda são 12,5 milhões de brasileiros sem trabalho de acordo com os últimos números divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A falta de renda também se reflete no grande número de inadimplentes – cerca de 63 milhões, segundo dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), divulgados neste mês de novembro. Diante deste cenário preocupante, as contas típicas de início de ano das famílias (IPVA, IPTU, material e rematrícula escolar), se não forem analisadas com cautela, podem causar um grande desequilíbrio no orçamento.

Sabemos que quase todo mundo pode ser tecnicamente considerado um endividado, já que financiamentos de casa ou carro, compras no cartão de crédito são dívidas. Sempre gosto de dizer que ter dívidas é bom, mas desde que se tenha a capacidade de honrar com esse compromisso, para justamente não correr o risco de se tornar mais um inadimplente.

Financeiramente falando, terminar o ano bem já é um grande passo para iniciar 2019 bem, já que a grande parte das despesas fixas, como IPVA e IPTU, aparecem logo nos primeiros meses. Estando ciente disto, é possível inseri-las no orçamento financeiro anual e se programar, evitando ser pego de surpresa; isso é ser educado financeiramente, mudar o seu comportamento e hábitos a fim de ter uma vida financeira mais sustentável.

Para quem já está no estágio de ser um investidor, ou seja, criou um planejamento prevendo todas as despesas de cada período do ano, pode pensar em fazer uma reserva estratégica, fazendo assim o caminho inverso da maioria das pessoas, que gastam antes de guardar.

Já para aqueles que não conseguiram se organizar durante o ano, não é motivo para desespero, já que sempre é tempo para se educar financeiramente. Aliás, por que não começar hoje mesmo? Faça um diagnóstico para descobrir em qual situação financeira você se encontra, anotando os gastos e vendo onde pode economizar. Feito isso é possível atingir a raíz do problema e não apenas a consequência, assim no segundo semestre será possível colocar em prática o que não foi possível agora. Lembrando que a mudança de costumes não acontece da forma rápida que imaginamos, portanto é preciso ter disciplina e força de vontade para fazer alguns sacrifícios em prol de um bem maior.

Recomendo que se evite ao máximo recorrer a limites de cheque especial, empréstimos e qualquer outra linha de crédito oferecida pelo mercado financeiro, isso porque sabemos que os juros são exorbitantes, o que pode tornar a dívida ainda maior. Tendo esse pensamento é possível dispor de recursos suficientes para poder pagar as despesas à vista e, é claro, negociar ótimos descontos. Eduque-se financeiramente e comece 2019 com mais tranquilidade.

Reinaldo Domingos Reinaldo Domingos é presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros), autor de vários livros e criador da Metodologia DSOP de Educação Financeira.

Compartilhe

Mais de Finanças em casa

Finanças em casa

Apenas 9% dos brasileiros conseguem pagar as despesas de início de ano

O ano já começou e para não comprometer as finanças logo em janeiro é preciso se planejar, mas diante da situação financeira atual do brasileiro, sabemos que não é simples. Prova disso é uma recente pesquisa divulgada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), apenas 9% dos brasileiros conseguem pagar as despesas de início de ano com o que recebem.
Finanças em casa

Mega-Sena da Virada ou investimento: o que é melhor?

Todo fim de ano a cena se repete: filas enormes para fazer aquela "fezinha" na Mega-Sena da Virada em todas as lotéricas do país. Neste ano, o prêmio é o maior da história, sendo R$ 280 milhões, e por isso muitos apostam também a esperança de resolver, de uma vez por todas, a vida financeira.
Finanças em casa

Saúde Física x Saúde Jurídica: a importância do equilíbrio

Sempre gosto de ponderar que é preciso haver um equilíbrio em tudo o que fazemos e com a nossa saúde não poderia ser diferente. Aprofundo mais essa questão em meu livro Empreender Vitorioso com Sonhos e Lucro em Primeiro Lugar, lançado no fim de Novembro. É imprescindível dar a mesma atenção à saúde física e jurídica. 
Finanças em casa

Conheça os caminhos para empreender de forma vitoriosa

Sabemos que a palavra “empreendedorismo“ sempre esteve muito ligada ao campo empresarial, mas ao longo do tempo percebi que o ato de empreender não se restringe apenas a isso, mas permeia todo o nosso cotidiano. É partindo deste entendimento que o meu novo livro Empreender Vitorioso com Sonhos e Lucro em Primeiro Lugar se desenvolve.
Finanças em casa

Pesquisa comprova: brasileiros ainda dependem do INSS

Quase metade dos brasileiros esperam depender apenas com os recursos da Previdência Social (INSS) para se manter na aposentadoria. É o que atesta uma pesquisa recente do Datafolha, encomendada pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima)
Finanças em casa

13º dos aposentados: caminhos para a melhor utilização

Aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) começam a receber a partir do dia 27 deste mês a primeira parcela do 13º salário, que corresponde a 50% do valor. Com esse dinheiro extra em mãos, muitos beneficiários podem se perguntar qual o melhor destino: quitar dívidas, consumir ou investir?
Finanças em casa

Maioria dos colaboradores brasileiros enfrentam dificuldades financeiras

Em pesquisa divulgada recentemente pela Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), em parceria com a Unicamp e o Instituto Axxus, revelou-se que apenas 16% dos colaboradores brasileiros são capacitados financeiramente. Já 84% dos entrevistados enfrentam dificuldades para lidar com o dinheiro, sofrem prejuízos ou não entendem de finanças.
Finanças em casa

Não deixe os juros dominarem a sua vida financeira

Nesta semana, uma pesquisa divulgada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio), constatou que no ano passado as famílias brasileiras gastaram R$ 354,6 bilhões apenas com o pagamento de juros. Esse número corresponde a 10% da renda anual, superando os gastos com energia elétrica, planos de saúde e educação, por exemplo.