Como potencializar o aumento do salário mínimo

Aumento concedido por Bolsonaro será de R$ 44 por mês, o que representa R$ 528 em um ano, sem considerarmos o 13º salário e as férias
Por  Reinaldo Domingos
info_outline

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Com reajuste de 4,6%, o novo mínimo foi fixado em R$ 998 para 2019. O decreto assinado pelo presidente eleito, Jair Bolsonaro, nessa segunda-feira (01), foi publicado em edição extra do “Diário Oficial da União”.

O esperado era que esse valor chegasse a R$ 1.006, de acordo com as projeções, e deve recuperar as perdas inflacionárias, que deve ficar em 3,69% pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Por isso é hora de rever os gastos para que o novo valor se adeque ao orçamento familiar. Isso porque sabemos que a inflação real, ou seja, aquela que o trabalhador sente no bolso na hora de fazer compras no supermercado sempre é maior do que as observadas pelos institutos.

Para quem se encontra em situação difícil, essa pode ser a oportunidade de sair das dívidas e colocar as finanças em dia, mesmo que esse aumento não seja significativo. Lembrando que o fato de ganhar um pouco mais não é um sinal para gastar em supérfluos, mas sim uma grande oportunidade para poupar para os sonhos de curto, médio e longo prazo.

A grande saída é reduzir os gastos e reduzir o padrão de vida. Mesmo que esse valor seja baixo e possa parecer um pouco difícil pensar em mais economias nesse momento, podemos buscar realizações pessoais no futuro, iniciando uma poupança, por exemplo.

Por outro lado, sabemos que muitos aguardam esses aumentos ansiosamente para justamente cobrir desequilíbrios financeiros e é aí onde mora o perigo, já que eles não virão todos os meses.

Se fizermos uma conta rápida, esse novo aumento será de R$ 44, o que representa R$ 528 em um ano, sem considerarmos o 13º salário e as férias, portanto se há o foco de poupar essa deve ser a prioridade, já que os juros estarão contando a seu favor durante esses 12 meses.

Mesmo assim, a realidade é bem diferente. Ainda são mais de 60 milhões de inadimplentes, o que torna o hábito de poupar praticamente impossível, nesse caso é preciso traçar uma estratégia para que esses valores sejam prioridade dentro do orçamento.

É preciso saber exatamente o quanto entra e o quanto sai mensalmente do bolso, assim você saberá o quanto poderá gastar mensalmente sem ficar no vermelho, definindo também como irá utilizar esse dinheiro.

Em outro aspecto, alguns sonhos e objetivos demandam mais tempo e financiamentos nesses casos se fazem necessários, porém é importante avaliar se essas parcelas irão caber no orçamento de fato, sem esquecer também de todo o restante das despesas.

Portanto nunca é demais frisar que um diagnóstico da sua situação financeira é primordial, assim você evita utilizar esse “extra” com compras por impulso.

Para isso relacione todas as suas despesas, fixas e variáveis, assim descobre-se qual será o real comprometimento dos ganhos versus as dívidas. Em seguida, você poderá saber para onde está indo cada centavo do seu orçamento, verificando quais são os gastos supérfluos que podem ser eliminados.

Verifique se está endividado, ou seja, se já tem mais despesas do que seu bolso suporta e mesmo que esteja no azul certifique-se de que poderá pagar as compras pretendidas e some também os gastos extras como escola das crianças e outros valores que sempre aparecem ao longo do ano como  aniversários e datas comemorativas.

Por outro lado, há muitos também que não se encontram endividados. Para esses, que estão numa situação mais confortável financeiramente, mas que ainda não têm o hábito de poupar, pode aproveitar esse aumento para iniciar uma reserva e mantê-la.

Já para os investidores, essa é uma grande chance para potencializar esse investimento ou até mesmo planejar mais um passo em direção à independência financeira, podendo investir, por exemplo, numa previdência privada.

Invista a partir de R$ 100 e ganhe até 3,2 vezes mais do que a poupança: abra uma conta na Rico – é de graça!

Reinaldo Domingos Reinaldo Domingos é presidente da Abefin (Associação Brasileira de Educadores Financeiros), autor de vários livros e criador da Metodologia DSOP de Educação Financeira.

Compartilhe

Mais de Finanças em casa

Finanças em casa

Apenas 9% dos brasileiros conseguem pagar as despesas de início de ano

O ano já começou e para não comprometer as finanças logo em janeiro é preciso se planejar, mas diante da situação financeira atual do brasileiro, sabemos que não é simples. Prova disso é uma recente pesquisa divulgada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), apenas 9% dos brasileiros conseguem pagar as despesas de início de ano com o que recebem.
Finanças em casa

Mega-Sena da Virada ou investimento: o que é melhor?

Todo fim de ano a cena se repete: filas enormes para fazer aquela "fezinha" na Mega-Sena da Virada em todas as lotéricas do país. Neste ano, o prêmio é o maior da história, sendo R$ 280 milhões, e por isso muitos apostam também a esperança de resolver, de uma vez por todas, a vida financeira.
Finanças em casa

Saúde Física x Saúde Jurídica: a importância do equilíbrio

Sempre gosto de ponderar que é preciso haver um equilíbrio em tudo o que fazemos e com a nossa saúde não poderia ser diferente. Aprofundo mais essa questão em meu livro Empreender Vitorioso com Sonhos e Lucro em Primeiro Lugar, lançado no fim de Novembro. É imprescindível dar a mesma atenção à saúde física e jurídica. 
Finanças em casa

Planejamento é a chave para as contas de início de ano

Mesmo que a taxa de desemprego tenha diminuído para 11,9% no mês de setembro, ainda são 12,5 milhões de brasileiros sem trabalho de acordo com os últimos números divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A falta de renda também se reflete no grande número de inadimplentes – cerca de 63 milhões, segundo dados do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), divulgados neste mês de novembro. Diante deste cenário preocupante, as contas típicas de início de ano das famílias, se não forem analisadas com cautela, podem causar um grande desequilíbrio no orçamento.
Finanças em casa

Conheça os caminhos para empreender de forma vitoriosa

Sabemos que a palavra “empreendedorismo“ sempre esteve muito ligada ao campo empresarial, mas ao longo do tempo percebi que o ato de empreender não se restringe apenas a isso, mas permeia todo o nosso cotidiano. É partindo deste entendimento que o meu novo livro Empreender Vitorioso com Sonhos e Lucro em Primeiro Lugar se desenvolve.
Finanças em casa

Pesquisa comprova: brasileiros ainda dependem do INSS

Quase metade dos brasileiros esperam depender apenas com os recursos da Previdência Social (INSS) para se manter na aposentadoria. É o que atesta uma pesquisa recente do Datafolha, encomendada pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima)
Finanças em casa

13º dos aposentados: caminhos para a melhor utilização

Aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) começam a receber a partir do dia 27 deste mês a primeira parcela do 13º salário, que corresponde a 50% do valor. Com esse dinheiro extra em mãos, muitos beneficiários podem se perguntar qual o melhor destino: quitar dívidas, consumir ou investir?
Finanças em casa

Maioria dos colaboradores brasileiros enfrentam dificuldades financeiras

Em pesquisa divulgada recentemente pela Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), em parceria com a Unicamp e o Instituto Axxus, revelou-se que apenas 16% dos colaboradores brasileiros são capacitados financeiramente. Já 84% dos entrevistados enfrentam dificuldades para lidar com o dinheiro, sofrem prejuízos ou não entendem de finanças.
Finanças em casa

Não deixe os juros dominarem a sua vida financeira

Nesta semana, uma pesquisa divulgada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio), constatou que no ano passado as famílias brasileiras gastaram R$ 354,6 bilhões apenas com o pagamento de juros. Esse número corresponde a 10% da renda anual, superando os gastos com energia elétrica, planos de saúde e educação, por exemplo.