Motivos para otimismo com o Brasil – ou como disse Guedes: “vão trabalhar”

O ministro Paulo Guedes foi certeiro ao dizer que a todo instante tentam desestabilizar o governo com invasão de privacidade mas, apesar de todo este bombardeio, a agenda econômica avança

arrow_forwardMais sobre
Jair Bolsonaro e Paulo Guedes
(Alan Santos/PR)

O ministro Paulo Guedes foi certeiro ao dizer que a todo instante tentam desestabilizar o governo com invasão de privacidade. Chegamos ao cúmulo de vermos setores do jornalismo tratando as mensagens hackeadas de membros da Lava Jato como fontes irrefutáveis para derrubar Sergio Moro e desestabilizar o governo.

Mas apesar de todo este bombardeio contra o governo, a agenda econômica avança. Reforma da Previdência, projetos de infraestrutura, iniciativas para desburocratizar e facilitar o empreendedorismo, acordos comerciais com a União Europeia, estreitamento de relações com os EUA são exemplos de algumas importantes medidas que poderão colocar novamente o Brasil na rota de crescimento sustentável.

É claro que os resultados dessas medidas não ocorrem da noite para o dia.  Mas, mesmo assim, já é possível ver alguma melhora numa análise marginal.

PUBLICIDADE

Desde março, o desemprego recuou de 12,7% para 12,3%, e a produção industrial avançou 11,9%. Os números ainda são tímidos, mas mostram algum sinal de recuperação e apontam na direção correta, conforme gráficos abaixo.

desemprego

 

prod_industrial

Já as variáveis de mercado financeiro, utilizadas como “lead indicators” (antecipadoras de expectativas), têm reagido positivamente aos avanços da agenda econômica. Desde março, a bolsa subiu de 8,7% (veja gráfico abaixo), e ainda há espaço para subir mais conforme mencionado no artigo da semana passada Pacote de Privatização: dólar cai e bolsa decola!

ibovespa

PUBLICIDADE

O movimento da bolsa de valores reflete um otimismo em relação a possibilidade da consolidação de uma agenda  liberal, com diminuição do tamanho do Estado na economia.

A redução do peso estatal é essencial para o crescimento econômico, na medida em que o governo consegue reduzir a carga tributária para o setor privado, estimulando empresários a investirem, produzirem e empregarem mais.

Infelizmente, apesar de toda essa agenda econômica positiva, alguns setores da academia e do jornalismo insistem em se apegarem mais aos ruídos do debate político como forma de avaliar o governo.

É claro que Bolsonaro pode e deve ser criticado quando erra (este blog já fez isso algumas vezes); no entanto, deve-se haver senso de proporções nas críticas ao presidente.

Até agora, naquilo que realmente é importante – medidas para economia, segurança pública e não envolvimento com corrupção, o governo Bolsonaro vai bem.  

É verdade que Bolsonaro não tem um estilo de político convencional. Algumas horas lhe faltam certas formalidades – no melhor sentido da palavra – que o cargo exige e carece de jogo de cintura para lidar com perguntas mais delicadas, oferecendo muitas vezes de bandeja munição para a oposição.

Por outro lado, não se envolveu em nenhum caso de corrupção e montou uma equipe de governo de primeira linha, que vem fazendo um ótimo trabalho no campo da economia (Guedes e Tarcísio Freitas) e do combate à corrupção e ao crime organizado (Sérgio Moro).

Propostas, que se vingarem, trarão consequências concretas, melhorando o bem-estar da população, muito além das abstrações ideológicas. Não se trata de idolatrar o “mito”, mas apenas trazer o senso de proporções novamente a realidade. Ou como disse Paulo Guedes: “vão trabalhar”.

Siga Alan Ghani (@AlanGhani) no Twitter, Facebook e Youtube e Instagram e Linkedin

Alan Ghani é economista, PhD em Finanças e professor de pós graduação

Invista com segurança: abra uma conta gratuita na XP!

 

Alan Ghani

É economista, mestre e doutor em Finanças pela FEA-USP, com especialização na UTSA (University of Texas at San Antonio). Trabalhou como economista na MCM Consultores e hoje atua como consultor em finanças e economia e também como professor de pós-graduação, MBAs e treinamentos in company.

Leia também