A forma mais fácil de ficar milionário

Sim, queremos ser milionários, mas em uma moeda que nos permita ter o poder de compra referente à idealização do que chamamos de ser milionário. E aí entra o conceito de poder de compra de cada moeda.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores
arrow_forwardMais sobre

Não são muitos que se lembram das longínquas décadas de 1980 e 1990. Mas, naquela época, a coisa mais fácil do mundo era achar um milionário no Brasil. Lembro que um dos primeiros salários que tive foi de 100.000 e aumentava (e muito! Todos os meses!). Em pouco mais de 10 meses trabalhando, eu já era milionário.

Dependendo do período, isso era bem mais rápido: o salário-mínimo em janeiro de 1986 era de 600.000. Em menos de dois meses trabalhando você já se tornaria um milionário.

Mas é realmente um milionário que queremos nos tornar?

Sim, queremos ser milionários, mas em uma moeda que nos permita ter o poder de compra referente à idealização do que chamamos de ser milionário. E aí entra o conceito de poder de compra de cada moeda.

Esse conceito está relacionado ao que cada moeda nos permite comprar com ela. Como estagiário na década de 1990, eu até era milionário, mas não conseguia comprar nada do que queria, já que tudo valia alguns milhões.

O que idealizamos como ser um milionário é o ser em uma moeda que nos permita realizar o que queremos, seja uma casa própria, um carro, uma viagem, a liberdade de ser um nômade digital ou qualquer outro desejo que tenhamos.

Poder de compra está relacionado com dois fatores: o quanto se consegue comprar hoje com essa moeda e o quanto se conseguirá comprar no futuro.

O primeiro tem a ver com o ponto de partida e é fácil analisarmos. Um milionário em dólares tem uma capacidade maior de suprir os seus desejos que um milionário em reais, a própria taxa de câmbio reflete isso (R$ 5,00 / US$ 1,00).

A razão não é exatamente igual à taxa de câmbio, porque poder de compra envolve não somente bens, mas também serviços, e o preço dos serviços tem variações consideráveis entre países. Mas ela já dá um bom guia.

PUBLICIDADE

Com real e dólar fica mais fácil de descobri qual milionário tem maior poder de compra. Mas e quando comparamos reais e ienes (moeda do Japão)?

Aqui, a resposta é um pouco mais complexa, já que precisamos de aproximadamente 100 ienes para comprar US$ 1. ou, pelo ponto de vista do real, com R$ 1,00 conseguimos comprar 21 ienes.

Isso quer dizer que é melhor ser milionário em reais do que em ienes? Hoje, a resposta é sim.

O que se compra com R$ 100,00 precisamos de 2.100,00 ienes. Então, o poder de compra de R$ 1 milhão é maior do que o poder de compra de 1 milhão de ienes.

Quando alongamos um pouco mais o período de análise, e como a pretensão de todo milionário é permanecer como tal, entra a questão da alteração do poder de compra dessa moeda com o passar dos anos. Um fenômeno que todos conhecem como inflação.

Quando maior a inflação, mais o poder de compra de uma determinada moeda é corroído com o tempo. Até moedas fortes como o dólar tem seu poder de compra alterado com o tempo.

O poder de compra do dólar em 1940 era, aproximadamente, 15 vezes maior do que seu poder de compra atual. O que se compra hoje um café no McDonalds comprava 20 garrafas de Coca-Cola em 1944, por exemplo. Esse poder de compra foi corroído durante décadas pela inflação.

No Brasil esse fenômeno é ainda expressivo, dado que a inflação foi muito superior à dos EUA. Para se ter uma ideia, o que se compra hoje com R$ 1,00 comprava mais de 6 vezes mais há 27 anos, que foi o ano em que a moeda criada.

PUBLICIDADE

Aqui vale colocar também o efeito exponencial que a inflação tem quando falamos de períodos mais longos, já que a inflação de um ano recai sobre a base inflacionada do ano anterior. Portanto, quanto maior a base, maior o efeito da inflação sobre o poder de compra.

Devido à inflação e o passar dos anos e décadas, cada vez fica mais fácil nos tornarmos milionários. Não os milionários que imaginamos ser, mas milionário por um fator monetário de redução do poder de compra das moedas. Esse fenômeno é tão mais rápido quanto mais veloz for a inflação e o Brasil, infelizmente, tem uma propensão enorme a querer ganhar essa corrida.

A pergunta que fica é: se essa é a forma mais fácil de nos tornamos milionários, sem o poder de compra de milionários que idealizamos, qual a forma mais difícil, mas ainda muito factível? Isso envolve um misto de ganho com seu trabalho e investimentos que mantenham seu poder de compra.

Os investimentos usualmente utilizados são imóveis (fundo imobiliário incluído), títulos que rendam inflação, ouro e ações, mas temos também toda a gama de investimentos alternativos que passam por Bitcoin, metais, tokens, projetos de energia (solares e eólicos), plantação de florestas e por aí vai. Mas isso tudo requer uma postura ativa da sua parte.

Com o tempo tenho confiança de que você se tornara milionário. A dúvida é que tipo de milionário você vai querer ser.

Referências utilizadas nesse artigo:

Salário Mínimo – histórico completo | Debit
Visualizing the Purchasing Power of the U.S. Dollar Over Time (visualcapitalist.com)
Purchasing power parity by country, 2020 – knoema.com
27 anos de Real: 85% de perda no poder de compra | Sindifisco

Onde continuamos…
Instagram: @Fintrender
Twitter: @Fintrender
Site: www.fintrender.com
Facebook: @Fintrender
YouTube: @GustavoCunhaVideo
Podcast: Fintechs e novos investimentos

PUBLICIDADE

Gustavo Cunha

Profissional com mais de 20 anos de atuação no mercado financeiro brasileiro e ex-diretor do Rabobank Brasil, escreve sobre inovação e os impactos dela no mercado financeiro (essencialmente Blockchain, criptomoedas e Fintechs). É experiente palestrante que concilia prática e teoria nos seus estudos para o doutorado (PHD) na Universidade do Porto (Portugal).