Posse de Lula: quando vai acontecer, qual o horário e como assistir

Presidente e vice-presidente eleitos vão à Catedral Metropolitana de Brasília, depois para solenidade no Congresso, seguida de cerimônia de honras militares

Anderson Figo

Lula vota em São Bernardo do Campo (SP), no segundo turno das Eleições 2022 (Foto: Ricardo Stuckert/Divulgação)

Neste domingo (1º), Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Geraldo Alckmin (PSB) tomam posse como presidente e vice-presidente da República, respectivamente. Além da solenidade no Congresso Nacional, haverá também um festival de música com mais de 40 atrações na Esplanada dos Ministérios — a organização do evento espera um público de 300 mil pessoas.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

Às 15h (de Brasília), está previsto o início da Sessão Solene de Posse Presidencial no Senado, para onde Lula e Alckmin irão depois de terem passado pela Catedral Metropolitana da capital federal. Na abertura da solenidade, haverá a execução do hino nacional, seguida pela leitura e assinatura do termo de posse do presidente e do vice-presidente da República eleitos.

Posse de Lula: acompanhe a cerimônia do novo Presidente da República Ao Vivo

Leia também:

Haverá também o primeiro pronunciamento oficial do novo presidente da República, seguido pelo pronunciamento do presidente do Congresso Nacional, Rodrigo Pacheco (PSD). É ali também onde Lula e Alckmin receberão os cumprimentos dos chefes de Estado e delegações de outros países que estarão presentes.

Na sequência, Lula e Alckmin seguem para a área externa do Congresso, onde ocorre a cerimônia de honras militares, com a esperada troca de faixa entre o presidente antecessor e o novo presidente da República, que pode ocorrer no pé da rampa ou no Parlatório.

O atual presidente, Jair Bolsonaro (PL), viajou nesta sexta-feira (30) para os Estados Unidos e não comparecerá à cerimônia de posse do Lula. Apesar de ser um símbolo da transferência de poder, o rito não está na Constituição Federal de 1988. Assim, Lula será reconhecido presidente mesmo se Bolsonaro não passar a faixa.

A vitória da chapa Lula-Alckmin, inclusive, já foi oficialmente reconhecida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), após o rito da diplomação, que aconteceu em 12 de dezembro, quando foi oficialmente encerrado o pleito de 2022 e reconhecido o resultado das urnas.

Tradicionalmente, o presidente eleito e a primeira-dama também fazem um desfile em carro aberto (Rolls Royce) pelo Planalto no dia da posse. Como as eleições foram bastante disputadas em 2022 e há uma preocupação em torno da segurança do novo presidente, ainda não foi decidido se Lula e a primeira-dama Rosângela Silva (Janja) farão o tradicional desfile em carro aberto ou em um modelo blindado — o presidente eleito dará a palavra final sobre isso no próprio domingo.

O cronograma da posse

A solenidade de posse começa oficialmente às 15h, mas os convidados, como chefes de Estado e governos, começam a chegar ao Anexo 1 do Senado Federal às 13h45. A solenidade no Congresso deve terminar por volta das 16h20. Veja abaixo o cronograma completo.

Onde assistir à solenidade de posse do Lula?

A cerimônia no Congresso Nacional será transmitida ao vivo no YouTube pela TV Brasil, TV Câmara e pela TV Senado. As principais emissoras de TV do país, com canais abertos e fechados, também deverão transmitir ao vivo a solenidade.

Como será o esquema de segurança no dia da posse?

Todo o efetivo das forças policiais da capital federal estará mobilizado para o esquema de segurança da posse presidencial. “Não temos mudança na programação da posse, do protocolo. Todo sistema de segurança estará integralmente mobilizado. Nós estamos no planejamento dinâmico. A cada situação nova que se coloca, fazemos uma análise”, disse nesta semana o futuro ministro da Justiça e Segurança Pública Flávio Dino.

A preocupação com a segurança no dia da posse de Lula aumentou principalmente depois dos atos de violência e vandalismo da noite do dia 12 de dezembro, quando bolsonaristas tentaram invadir a sede da Polícia Federal em Brasília e levou caos ao Setor Hoteleiro Norte. Carros e ônibus foram incendiados, um shopping foi evacuado e parte do Eixo Monumental, fechado.

InfoMoney revelou que um projétil atingiu um quarto de hotel com um hóspede dentro, durante o vandalismo bolsonaristas. O tiro atravessou o vidro e acabou na parede da acomodação do Grand Mercure Eixo enquanto o hóspede dormia. Dona da marca Grand Mercure, a Accor confirmou que a acomodação foi atingida, mas disse que o quarto estava desocupado “e nenhum cliente ficou ferido”.

Ontem, a Polícia Federal e a Polícia Civil do Distrito Federal deflagraram uma operação contra bolsonaristas suspeitos de envolvimento na tentativa de invasão ao edifício-sede da PF em Brasília e em atos de vandalismo na capital federal em 12 de dezembro. Os policiais federais e civis cumpriram 11 mandados de prisão e 21 de busca e apreensão em 7 estados (Ceará, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Rio de Janeiro, São Paulo e Tocantins) e no Distrito Federal.

As ordens judiciais foram expedidas pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O ministro Alexandre de Moraes, do STF, também determinou a suspensão do porte de armas de fogo no Distrito Federal até a próxima segunda-feira, 2 de janeiro, depois da posse de Lula. A decisão do magistrado atende a um pedido feito pela equipe do presidente eleito, após episódios recentes de violência cometidos por apoiadores do presidente Bolsonaro.

Será a última cerimônia de posse no dia 1º de janeiro?

Esta será a última vez que a cerimônia de posse acontecerá em 1º de janeiro. A partir de 2027, o presidente da República assumirá o cargo no dia 5 de janeiro, enquanto os governadores eleitos assumirão o posto no dia 6 de janeiro.

Já as posses de prefeitos e seus vices vão continuar a acontecer no dia 1º de janeiro do ano após as eleições, mas os deputados e senadores só serão empossados no dia 1º de fevereiro do próximo ano.

As datas foram alteradas por meio de uma emenda constitucional que entra em vigor em 2026, e a justificativa foi a falta de praticidade das posses em 1º de janeiro, quando é celebrado o Ano Novo e feriado em quase todo o mundo, o que dificulta, inclusive, a presença de autoridades internacionais no evento.

Que horas começa o Festival do Futuro?

Os shows dos artistas que apoiaram a campanha de Lula começarão às 11h de 1º de janeiro de 2023, na Esplanada dos Ministérios. O festival terá 2 palcos (um chamado Gal Costa e o outro, Elza Soares), que ficarão na altura dos ministérios da Previdência e do Turismo (no começo do Eixo Monumental, perto do Congresso Nacional e dos ministérios da Justiça e da Saúde).

Entre os artistas já confirmados estão Pablo Vittar, Martinho da Vila, Gaby Amarantos, Baiana System, Zélia Duncan e Paulo Miklos, entre outros (veja aqui a lista completa). Ainda não está definido o horário que as apresentações vão acabar — no momento, a estimativa é que seja por volta da meia-noite.

O setor hoteleiro da cidade já está se preparando desde setembro para o Réveillon (antes mesmo da eleição). Segundo a Decolar, Brasília é o 8º destino mais procurado para o Réveillon no site, à frente de cidades turísticas e com praia como João Pessoa (PB) e Florianópolis (SC). No Booking.com foi o 7º destino mais buscado por brasileiros em novembro, para estadias entre o Natal e o Ano Novo, à frente de capitais nordestinas cobiçadas como Fortaleza (CE) e Salvador (BA).

Precisa pagar para ver os shows da posse de Lula?

Os shows do Festival do Futuro serão gratuitos e abertos ao público que estiver em Brasília no dia 1º de janeiro de 2023. Em resposta ao InfoMoney, a organização do evento afirmou que apesar de o festival e todos os shows serem gratuitos, o acesso do público será controlado, o local será “fechado” e haverá revista do público na entrada.

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Anderson Figo

Editor de Minhas Finanças do InfoMoney, cobre temas como consumo, tecnologia, negócios e investimentos.