Frederico Trajano: terceira geração da família no comando do Magalu

Executivo é filho de Luiza Helena Trajano, face pública da empresa. Ele ocupa a presidência do grupo desde 2016 e é responsável pelo processo de digitalização.

Frederico Trajano
(Flávio Santana)
Nome completo:Frederico Trajano Inácio Rodrigues
Local de nascimento:Franca, SP
Data de nascimento:25 de março de 1976
Formação:Administração de Empresas
Ocupação:Diretor presidente do Magazine Luiza

Quem é Frederico Trajano?

Frederico Trajano é um executivo brasileiro, diretor presidente do Magazine Luiza (MGLU3), rede varejista fundada em 1957 por seus tios avós, Luiza Trajano Donato e Pelegrino José Donato. O negócio começou quando o casal comprou a loja de presentes A Cristaleira, em Franca, no interior de São Paulo, que viria se tornar o Magazine Luiza.

Frederico representa a terceira geração da família no comando da rede. Em sua gestão, o comércio eletrônico e outros negócios digitais tornaram-se prioridade, mas sem abrir mão de pontos de venda físicos. “O Magazine Luiza irá se tornar, sobretudo, uma empresa digital, mas com pontos físicos e calor humano”, disse ele quando assumiu o comando da varejista, segundo a revista Forbes.

O Magazine Luiza é o quinto maior grupo varejista do Brasil em faturamento, segundo ranking do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (Ibevar). Entre as plataformas de comércio eletrônico, a empresa está em quarto lugar em número de visitas e em quinto em pedidos, segundo o E-Commerce Brasil.

A companhia teve um desempenho impressionante durante a pandemia. Em 2020, as vendas cresceram 60% e somaram R$ 43,5 bilhões. A área de comércio eletrônico avançou 131%, para R$ 28,5 bilhões, o que representa 66% do total.

Logo no início de sua gestão, Frederico adotou uma serie de medidas que catapultaram o desempenho da empresa. Ele integrou as lojas físicas com a plataforma digital, lançou um “marketplace” para comercialização online de produtos de terceiros e reduziu o endividamento da companhia.

O Magazine Luiza abriu o capital em 2011, mas os papeis estavam em baixa quando Frederico tornou-se diretor presidente. Após o executivo assumir, o valor das ações foi multiplicado por mais de 30 vezes em menos de dois anos, o que transformou vários membros da família em bilionários. Em 2021, a empresa registrou uma capitalização de mercado superior a R$ 122 bilhões.

Família e carreira

Frederico Trajano Inácio Rodrigues nasceu no dia 25 de março de 1976, em Franca, no interior paulista. Ele é filho do casal de empresários Luiza Helena Trajano e Erasmo Fernandes Rodrigues (morto em 2009), irmão da chef Ana Luiza Trajano e de Luciana.

Luiza Helena é a face pública do Magazine Luiza. Ela assumiu o comando da empresa em 1991, no lugar da tia e fundadora, e permaneceu na posição até 2009, quando passou o bastão para o executivo Marcelo Silva. Luiza é hoje presidente do conselho de administração da empresa.

Quanto garoto, Frederico trabalhava na empresa da família durante as férias escolares, uma tradição entre os Trajano. Cursou a Faculdade de Administração de Empresas da Fundação Getulio Vargas (FGV), onde se formou em 1998, e fez especialização em Finanças na Universidade da Califórnia em Berkeley, nos Estados Unidos.

Trabalhou na área de varejo e bens de consumo na Deutsche Bank Securities, de 1998 a 1999, e nos setores de tecnologia, internet e telecomunicações da WestSphere Equity Investors, uma empresa norte-americana de private equity.

Fred, como é conhecido no Magazine Luiza, começou a trabalhar integralmente na empresa da família em 2000, como responsável pelo departamento de comércio eletrônico. Ele foi responsável pela criação do e-commerce da companhia.

Em 2002, assumiu a posição de diretor de Marketing; em 2005, passou a diretor comercial; e, em 2010, tornou-se diretor executivo de vendas e marketing. É presidente desde 2016, quando substituiu Marcelo Silva.

Antes de se tornar presidente, Frederico foi responsável por lançar algumas das iniciativas importantes para a transformação digital da empresa, como o Luiza Labs, laboratório de pesquisa e desenvolvimento do grupo; a Magazine Você, plataforma em que clientes criam páginas nas redes sociais para vender produtos do Magazine Luiza em troca de uma comissão; a vendedora virtual Lu, personagem hoje onipresente no material publicitário da companhia; e o aplicativo da empresa para celulares.

Para assumir o comando do Magazine Luiza, Frederico começou a ser preparado em 2014 por Silva e, dizem, pela mãe. “Criou-se um mito no mercado de que eu preparei o Frederico para assumir a presidência. Quem fez isso, na verdade, foi o Marcelo”, afirmou Luiza Helena, segundo o jornal O Estado de S. Paulo.

Online

De acordo com a mãe, Frederico cavou sua própria ascensão na empresa. “Nunca criei filho para ver a banda passar, mas para tocar junto na banda”, disse ela ao Estado. “Quando Frederico decidiu entrar no Magazine Luiza, ele se dedicou a criar uma plataforma digital para o negócio e foi para Franca. Ele apostou na integração das lojas físicas e digital quando todo mundo fazia exatamente o contrário”, afirmou Luiza.

“Afirmo que nós somos hoje a única operação de varejo do Brasil, e uma das únicas do planeta, que merece a designação de omnichannel. Ou seja, somos uma empresa dona de vários canais de venda que usam todos a mesma infraestrutura – mesmos centros de distribuição, mesma contabilidade, mesmo marketing… Com isso diminuímos brutalmente nossos custos e repassamos tal economia, via preços, aos consumidores”, disse Fred à Forbes em 2016.

O pulo do gato, porém, veio com o lançamento do “marketplace” da empresa em 2016, pelo qual terceiros podem vender seus produtos no site do Magazine Luiza, como faz a norte-americana Amazon e a chinesa Alibaba. Esse serviço teve papel importante no crescimento do grupo nos últimos anos, principalmente em meio à pandemia de Covid-19.

Há muitos anos, o Magazine Luiza tem uma estratégia agressiva de aquisições que contribuiu muito para o crescimento do grupo. Até o final da primeira década do século 21, sob o comando de Luiza Helena, a empresa comprou outras redes varejistas para entrar ou fortalecer sua presença física em diferentes regiões do país. Apostou também na inauguração de novas lojas. Em 2008, por exemplo, a companhia abriu 46 novos pontos de venda em São Paulo em um único dia.

Com Frederico na chefia, a estratégia mudou para a aquisição de empresas digitais. Alguns exemplos são Netshoes, Estante Virtual, a empresa de entregas Logbee, a fintech Hub e a InLoco Midia, de publicidade digital. Com isso, o Magazine Luiza passou a contar com uma ampla gama de ferramentas para explorar o mercado online para si e seus parceiros, envolvendo produtos, pagamentos, logística e marketing.

“Não vou esperar uma empresa estrangeira ser protagonista digital no Brasil, seja ela chinesa, argentina ou americana”, declarou Frederico em dezembro de 2020, após o anúncio da compra da Hub, referindo-se às gigantes do e-commerce Alibaba, Mercado Livre e Amazon. Foram 11 aquisições só em 2020.

Pandemia

Os canais digitais cimentaram sua importância durante a pandemia de Covid-19. Com o fechamento de lojas físicas e o isolamento social, o comércio online se tornou essencial para os consumidores — e tábua de salvação para varejistas.

Segundo o jornal Valor Econômico, com o agravamento da pandemia, Frederico se mudou de São Paulo para uma fazenda da família nas proximidades de Franca. Foram fechadas temporariamente as mais de 1,1 mil lojas do grupo ao redor do país.

“Meu primeiro papel foi evitar o negacionismo e assumir que a gente estava lidando com uma situação seríssima, que poderia representar um risco grande, não só para a sustentabilidade do negócio, mas para a vida das pessoas”, contou Frederico ao Valor em setembro de 2020, quando já havia retornado à capital. “Cerca de metade do nosso faturamento era em loja física e a decisão de fechá-las foi muito dura. Mas, de fato, a empresa estava muito bem preparada para esse momento. Vínhamos investindo na digitalização e tivemos facilidade em migrar”, destacou o executivo, de acordo com o InfoMoney.

Um dos destaques durante a pandemia, segundo Frederico, foi o programa Parceiro Magalu, que possibilita vendas de produtos da rede por empresas que não têm comércio eletrônico e pessoas físicas, a exemplo do Magazine Você. “Com isso, 300 mil pessoas passaram a vender produtos do Magalu e ganhar renda extra”, disse ele ao Valor.

Outra novidade, de acordo com o executivo, foi a venda de insumos agrícolas no “marketplace” da empresa. A ideia surgiu em seu período de isolamento na fazenda. “Fora da bolha da Faria Lima e olhando para fora, você tem insights, como o que tivemos ao colocar o agro na plataforma. A inovação surge daí, você vive a realidade e tem insights a partir dela”, declarou ele ao Valor.

frederico trajano
A rede Magazine Luiza foi a vencedora do ranking Melhores Empresas da Bolsa de 2019.

Em 2020, Trajano foi escolhido o executivo mais inovador do Brasil pelo anuário Valor Inovação Brasil e eleito Executivo de Valor – premiação do jornal – nas categorias Comércio (pela terceira vez consecutiva) e Transformação Digital. Ele ganhou ainda o Prêmio E-Commerce Brasil na categoria Gestão e Operações. Frederico havia recebido em 2019 o Prêmio Administrador Emérito do CRA-SP (Conselho Regional de Administração de São Paulo) e, em 2017, foi escolhido Empreendedor do Ano pela revista IstoÉ Dinheiro.

Em março de 2021, Frederico criticou a gestão da Covid no Brasil. Segundo O Estado de S. Paulo, ele disse que o país não decola “por incompetência no controle da pandemia” e afirmou não enxergar uma retomada plena sem a vacinação em massa. “O erro na questão sanitária foi grave”, disse. O governo federal não implementou uma estratégia nacional de combate à Covid-19 e tardou a encomendar imunizantes. Desde o início da pandemia, o presidente Jair Bolsonaro se manifesta contra o isolamento social e o uso de máscaras.

“Por mais que as pessoas protestem contra as medidas de isolamento social, ela é a única coisa que funciona, além da vacina”, destacou o executivo, de acordo com o Estadão. Ele avalia que os anos de 2020 e 2021 poderiam ter sido bons para a economia se não fosse a pandemia, em função da Selic em baixa, das reformas da Previdência e Trabalhista e do teto de gastos. Frederico acrescentou que eventos como a troca de presidente da Petrobras reduziram a confiança dos investidores no país.

Para o executivo, o próximo “boom” do comércio eletrônico no Brasil vai ocorrer nos setores de beleza, moda e supermercados, além de restaurantes e no setor financeiro.

Inclusão

A gestão de Luiza Trajano à frente do Magazine Luiza foi marcada pelo fortalecimento feminino. A executiva segue como uma das principais lideranças empresariais nacionais, sendo fundadora do grupo Mulheres do Brasil. Frederico segue a linha de estímulo à inclusão social: entre o final de 2020 e início de 2021, a empresa selecionou apenas pessoas negras para seu programa de trainees.

“O objetivo final é que eles (os trainees) virem gerentes, diretores e presidentes da companhia ou de subsidiárias. É aí que queremos chegar. Mas o que eu posso dizer é que temos uma safra de grande potencial e probabilidade de sucesso no plano de carreira no Magalu”, declarou o empresário à Folha de S. Paulo, após a seleção dos candidatos. “A grande maioria estava desempregada ou em um emprego aquém do talento deles”, acrescentou.

Antes, ao defender a iniciativa, ele disse que era inaceitável a companhia ter apenas 16% de negros em cargos de liderança. “Claramente, se temos 53% da equipe negra e parda e só 16% de negros e pardos em cargos de liderança, há um problema para resolver com uma ação concreta”, afirmou Frederico ao Broadcast do Estadão em setembro de 2020.

Vendas em alta

O bom desempenho do Magazine Luiza em 2020 começa a se repetir em 2021. As vendas totais somaram R$ 12,5 bilhões no primeiro trimestre, um aumento de 63% sobre o mesmo período de 2020. O comércio eletrônico respondeu por R$ 8,8 bilhões, um crescimento de 114% na mesma comparação, e respondeu por 70% do total.

Sobre o tema, o InfoMoney publicou que “os números continuaram a mostrar a força do modelo omnichannel (integração de canais) do Magalu, com vendas em lojas físicas estagnadas, mas crescimento do comércio eletrônico acima de 100%”.

“Temos a força do nosso e-commerce junto com todas as outras empresas que adquirimos para oferecer produtos e serviços de modo a ser um sistema operacional completo do varejo brasileiro aos moldes do que vemos no exterior com empresas como o Alibaba”, declarou o empresário quando da divulgação os resultados, segundo a revista Exame.

Em abril de 2021, Frederico Trajano anunciou a compra de 25% do site de notícias Poder360, do jornalista Fernando Rodrigues. Foi um investimento pessoal. O valor não foi divulgado, mas o site informou que será aplicado na expansão do negócio.

“Acredito no jornalismo profissional como um dos pilares da democracia e do aperfeiçoamento das instituições e tenho total afinidade com os princípios editoriais do veículo: isenção, apartidarismo, independência, qualidade e credibilidade das informações publicadas e foco no interesse público”, declarou o empresário em comunicado.

Frederico Trajano é casado com Karen Ruiz Rodrigues e tem três filhos, Rafaela, Enrico e Maya. Ele é torcedor do Corinthians e gosta de música eletrônica.

Saiba mais