Central de FIIs

Fundos imobiliários fecham dia em queda de 0,12%; terceira sessão seguida de perdas

Ontem o Ifix, índice dos fundos imobiliários, já havia fechado em baixa de 0,20%

Por  Wellington Carvalho -

 

O IFIX – índice que reúne os fundos imobiliários mais negociados na Bolsa – fechou a sessão desta quinta-feira (3) em baixa de 0,12%, aos 2.767 pontos. Ontem o indicador também havia fechado em queda, de 0,20%. O destaque do dia ficou para o XP Properties (XPPR11), com alta de 1,77%. Mais destaques ao longo do Central de FIIs.

Dados da Economatica, plataforma de informações financeiras, sinalizam que 72 dos 104 fundos imobiliários que compõem o IFIX – índice dos FIIs mais negociados na Bolsa – estão sendo negociados atualmente abaixo do valor patrimonial das carteiras. O número representa quase 70% do indicador.

Pelo levantamento, a maioria dos fundos imobiliários presentes no Ifix apresenta P/VPA (preço da cota sobre o valor patrimonial) abaixo de 1, valor que representaria o preço justo do papel. O P/VPA acima de 1 indicaria que a cota está sendo negociada com ágio e, abaixo deste nível, com desconto.

Em tempos de juros elevados, que costumam reduzir a atratividade dos fundos imobiliários, a métrica pode ajudar na escolha dos FIIs. Em relatório, Rafaela Vitoria, economista-chefe da Inter Asset, destaca que fundos de “tijolo” estão negociando abaixo do valor patrimonial e ainda com elevadas taxas de vacância, o que pode representar uma oportunidade de valorização.

Entre os fundos de “tijolo”, que obtêm renda com a locação ou venda dos imóveis, os segmentos de lajes corporativa e shoppings são os que apresentam maior desconto, em média cerca de 20%.

SegmentoP/VPA
Títulos e Val. Mob.0,97
Outros0,93
Logística0,92
Híbrido0,88
Shoppings0,80
Lajes Corporativas0,79

Fonte: Economatica

Maiores altas desta quinta-feira (03):

TickerNomeSetorVariação (%)
XPPR11XP PropertiesOutros1,77
RZAK11Riza AkinTítulos e Val. Mob.1,44
VINO11Vinci OfficesLajes Corporativas1,34
HGBS11Hedge Brasil ShoppingShoppings1,26
BLMG11Bluemacaw LogísticaLogística1,24

 

Maiores baixas desta quinta-feira (03):

TickerNomeSetorVariação (%)
JSRE11JS Real EstateHíbrido-1,55
HSLG11HSI LogísticaLogística-1,54
BCRI11BEES CRITítulos e Val. Mob.-1,54
RCRB11Rio Bravo Renda CorporativaLajes Corporativas-1,52
HGFF11CSHG FoFTítulos e Val. Mob.-1,44

Fonte: B3

CSHG Logística pagará R$ 350 mil a mais por imóveis comprados em 2021 e RB Capital Renda I anuncia redução na distribuição de dividendos

Confira as últimas informações divulgadas por fundos imobiliários em fatos relevantes:

CSHG Logística (HGLG11) pagará R$ 350 mil a mais por imóveis adquiridos em 2021

O fundo CSHG Logística ajustou os valores referentes ao pagamento de dois imóveis adquiridos em julho de 2021. A revisão, de acordo com comunicado ao mercado, estava prevista no contrato.

No ano passado, o fundo comprou os imóveis HGLG Ribeirão Preto, em São Paulo, e HGLG Washington Luiz, no Rio de Janeiro. O valor total do negócio ficou em R$ 168 milhões.

Nesta quarta-feira (2), foi definido um acréscimo de quase R$ 350 mil ao valor inicial da transação. O cálculo foi feito em comum acordo com a parte vendedora e o CSHG tem dez dias para realizar o pagamento.

Em comunicado ao mercado, o fundo lembra que os demais termos do contrato permanecem inalterados e já foram detalhados em fatos relevantes anteriores e nos relatórios gerenciais da carteira.

RB Capital Renda I ( FIIP11B) prevê redução de R$ 0,04 por cota na distribuição de dividendos

O fundo RB Capital Renda I anunciou, em fato relevante nesta quarta-feira (2), redução na distribuição de dividendos em aproximadamente R$ 0,04 por cota.

A medida, válida a partir do resultado apurado em fevereiro, é resultado da revisão no contrato de locação com a Danfos do Brasil, empresa da área de engenharia.

Segundo o fundo, o ajuste estava previsto no contrato e tem como objetivo adequar o valor do aluguel aos preços atuais de mercado.

A Danfos do Brasil ocupa galpão logístico de 10 mil metros quadrados de área bruta locável (ABL) na cidade de Osasco (SP). O vencimento do contrato está previsto para dezembro de 2023.

Além do espaço em Osasco, o RB Capital Renda I tem na carteira outros seis imóveis localizados em Ilhéus (BA), Contagem (MG), Nova Iguaçu (RJ), São José dos Pinhais (PR), Ibiporã (PR) e em São Paulo (SP). A ABL total do fundo é de 70 mil metros quadrados.

 

Dividendos de hoje

Confira os fundos imobiliários que distribuem rendimentos nesta quinta-feira (03):

TickerFundoRendimento
ELDO11BEldoradoR$ 3,04

Fonte: InfoMoney

Giro imobiliário: Taxa Selic chega a 10,75 ao ano e as “dores do crescimento” dos fundos imobiliários

BC eleva a Selic em 1,5 ponto, para 10,75% ao ano, mas projeta redução do ritmo de altas dos juros

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central elevou nesta quarta-feira (2) a taxa Selic em 1,50 ponto percentual, para 10,75% ao ano, dentro do esperado pela maior parte do mercado.

Com o aumento, é a primeira vez desde 2017 que a taxa Selic está acima dos dois dígitos, sendo a maior taxa desde maio do mesmo ano, quando o juro básico era de 11,25%.

Trata-se da oitava reunião consecutiva com aumento de taxa, em um ciclo iniciado em março do ano passado, e também o processo de aperto monetário mais forte desde 1999, quando, em meio à crise cambial, cambial, o BC elevou a taxa Selic em 20 pontos percentuais em uma única vez.

Apesar de mais uma alta agressiva, o Banco Central sinalizou, em um comunicado, para uma redução no ritmo dos ajustes já na próxima reunião, que será realizada em março.

A movimentação do Banco Central começou após a taxa Selic chegar a um piso histórico de 2% em meio a sucessivas baixas iniciadas no governo do presidente Michel Temer, com as quedas sendo aceleradas durante o auge da crise da pandemia da covid-19, com o fim de estimular a economia.

Caso Maxi Renda é uma das “dores do crescimento” dos fundos imobiliários, diz analista; saiba os possíveis próximos passos da polêmica

O setor dos fundos imobiliários respira um pouco mais aliviada após comunicado da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que suspendeu temporariamente a decisão que questionava a distribuição de dividendos do Maxi Renda (MXRF11). A expectativa agora é para os próximos passos da discussão.

O tema foi o destaque do Liga de FIIs desta terça-feira (1), que teve apresentação de Maria Fernanda Violatti, analista da XP, Thiago Otuki, economista do Clube FII, e Wellington Carvalho, repórter do InfoMoney. A edição também contou com a participação de Ricardo Figueiredo, especialista em fundos imobiliários da Spiti.

Figueiredo prefere manter a tranquilidade diante da discussão sobre a interpretação da lei que trata dos fundos imobiliários. Ele lembra que a legislação foi escrita com base em experiências externas, que não refletem necessariamente a dinâmica dos fundos imobiliários.

“Tem vários ajustes que foram feitos para a nossa realidade e essas coisas agora vão sofrendo adaptações necessárias para um produto que cresce e ganha popularidade”, afirma o analista. “São as dores do crescimento”, compara.

Ricardo Figueiredo, especialista em FIIs da Spiti, lembra que o efeito suspensivo perderá a validade caso os administradores do Maxi Renda não apresentem, no prazo de 15 dias úteis, o pedido de reconsideração da decisão.

Depois da apresentação do recurso, Figueiredo explica que o colegiado terá pelo menos 25 dias para se manifestar. “Teremos então cerca de 40 dias com o assunto rolando de acordo com os prazos do rito processual”, pontua.

 

Como viver de renda com FIIs
Receba um ebook gratuito que explica como montar uma carteira de Fundos Imobiliários para obter renda periódica:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe