5 criptomoedas ‘escondidas’ para acompanhar em 2024, na visão da Fund Research

Conheça as sugestões do analista Vinícius Terranova para ir além de Bitcoin e Ethereum

Lucas Gabriel Marins

Publicidade

Quando o assunto é criptomoeda, Bitcoin (BTC) e Ethereum (ETH) normalmente são citados. Algo compreensível, já que as duas moedas digitais são as maiores do mercado e têm grandes chances de valorização em 2024, especialmente por causa do possível lançamento de ETFs (fundos de índice) à vista dos ativos nos Estados Unidos.

BTC e ETH, no entanto, não são as únicas criptos existentes. De acordo o FCA, equivalente à Comissão de Valores Mobiliários no Reino Unido, há cerca de 20 mil criptoativos disponíveis, com propostas e tamanhos diferentes. E entre eles, diz Vinícius Terranova, fundador da Fund Research, há alguns tokens desconhecidos com potencial de crescimento.

“A vinda dos ETFs em janeiro promete gerar o maior ciclo de alta da história das criptomoedas e a facilidade de aquisição dos ativos deve finalmente trazer o mainstream para dentro da indústria”, diz, indicando cinco opções de criptos para colocar no radar neste ano.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

Mas atenção: antes de fazer qualquer investimento no mercado de criptomoedas, é importante ter em conta que o setor é extremamente volátil e repleto de golpes. Por isso, a recomendação de especialistas é pesquisar bem os projetos de interesse e investir apenas o dinheiro que não faria falta se fosse perdido.

Veja cinco criptomoedas escondidas para ficar de olho em 2024:

Spool (SPOOL)

O SPOOL é o token nativo de uma middleware (plataforma intermediária que conecta tecnologias) homônima do setor de finanças descentralizadas (DeFi). O projeto permite aos usuários participar de diversos protocolos de geração de rendimento de forma automática.

Continua depois da publicidade

“Pouco conhecido, é um dos mais completos produtos de DeFi do mercado. Considero forte candidato a sair da categoria low cap (com baixa capitalização), pois ele vem para proporcionar toda uma gama de produtos de finanças descentralizadas”, disse Terranova.

Nesta quinta, uma unidade do ativo é negociada a US$ 0,29. Ele pode ser encontrado em exchanges como Uniswap (UNI) e Bitget.

Bware (INFRA)

É um projeto que ajuda programadores da Web3 a criar projetos em blockchain, desde o desenvolvimento até o lançamento. “Ter uma empresa que conecta interfaces em uma indústria cada vez mais interoperável é mandatório”, diz Terranova.

O INFRA, token nativo do ecossistema, é trocado de mãos a US$ 0,98 hoje, e está listado em corretoras como CommEX, Gate.io e MEXC.

Polkastarter (POLS)

É uma plataforma cripto que capacita projetos de Web3 a lançar e arrecadar fundos. Permite acesso antecipado a ofertas iniciais de tokens de exchanges descentralizadas.

“O POLS, token da Polkastarter, alcançou altas incríveis em 2023 após atingir preços muito baixos”, fala Terranova. Uma unidade do ativo, que pode ser achado em exchanges como Binance e Coinbase, vale US$ 0,90.

Cartesi (CTSI)

Criado por brasileiros, é um projeto que pode ser usado como blockchain de segunda e terceira camadas. A plataforma permite que desenvolvedores criem smart contracts (contratos inteligentes) em aplicativos descentralizados.

A Cartesi, segundo o especialista, está com um valor de mercado baixo se comparado aos novos concorrentes. Seu token nativo, o CTSI, é negociado a US$ 0,21 nesta quinta. Exchanges como MB, Binance e Coinbase oferecem o ativo.

Celestia (TIA)

Lançada no final de 2023, a Celestia é uma blockchain modular – ou seja, ela permite que os usuários criem redes próprias em cima de sua plataforma. Seu token nativo, o TIA, subiu mais de 70% no acumulado de 30 dias, e vale US$ 14,39 nesta quinta.

“É um dos promissores projetos de blockchain modular, entregando escalabilidade apenas onde é necessário e reduzindo custos sem perder velocidade”, diz Terranova.

O ativo digital pode ser comprado em exchanges como Binance, MB, Coinbase e Kraken.

Lucas Gabriel Marins

Jornalista colaborador do InfoMoney