Relatório sobre ETF derruba Bitcoin e leva analistas a ‘guerra’ na Fintwit

Matrixport diz que pedidos de ETFs de Bitcoin dos EUA não serão aprovados em janeiro, na contramão de outros analistas

Lucas Gabriel Marins

Publicidade

Até o início da semana, a expectativa no mercado cripto era de que a SEC, equivalente à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos, aprovaria um lote de ETFs (fundos de índice) à vista de Bitcoin (BTC) ainda em janeiro. Analistas da Bloomberg chegaram a fixar em mensagem no X (antigo Twitter) indicando chances de aprovação de 90%.

Mas tudo mudou na manhã desta quarta-feira (3).

Em relatório, o analista Markus Thielen, da casa de análise Matrixport, disse que os pedidos de ETFs sob análise não devem sair neste mês porque não estariam de acordo com as exigências do regulador americano. Além disso, o presidente da SEC, Garry Gensler, ainda teria um pé atrás com as criptos, afirmou.

Oferta Exclusiva

CDB 150% do CDI

Invista no CDB 150% do CDI da XP e ganhe um presente exclusivo do InfoMoney

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

O estrago foi feio.

O Bitcoin, que chegou a subir 170% em 12 meses, despencou 10% em poucas horas, caindo de US$ 45.500 para US$ 40.813 nesta manhã. O mercado cripto inteiro perdeu mais de US$ 100 bilhões de valor de mercado em meio ao burburinho, segundo a CoinMarketcap.

A análise também foi o estopim para uma guerra entre os especialistas do mercado.

Continua depois da publicidade

Eric Balchunas e James Seyffart, analistas de ETFs da Bloomberg Intelligence, saíram em defesa de suas previsões. No X, Balchunas disse que não apurou nada indicando uma possível recusa da SEC, e perguntou para Thielen qual era sua fonte para tal afirmação.

“Pessoas estão me marcando loucamente em reportagem sobre a ‘rejeição’. Não ouvimos nada que indicasse algo além da aprovação, mas quero dar ao cara [Thielen] o benefício da dúvida, então estou perguntando se ele tem alguma fonte ou se está apenas especulando”, escreveu.

Já Seyffart compartilhou um post do perfil “Bitcoin Archive”, que costuma publicar textos favoráveis ao BTC. No material, há duas análises divulgadas pela Matrixport nesta semana – uma afirma que a aprovação do ETF Bitcoin é iminente e que a cripto pode chegar a US$ 50 mil; a outra diz justamente o oposto.

“Eles não podem estar errados agora. Inteligente”, escreveu o analista.

Até agora, nenhuma resposta veio de Thielen, que costuma ser “bullish” (otimista) nos relatórios publicados sobre a criptomoeda.

Previsões otimistas

Além da Bloomberg, casas de análises, especialistas e agências de notícias apostam as fichas na aprovação do ETF em janeiro. Os traders da plataforma Polymarket dizem que as chances são de 89%, ante 50% registrados no mês passado. Já a Reuters divulgou recentemente que a SEC poderia notificar os atuais 14 requerentes do produto na semana que vem.

Parte das previsões otimistas se devem aos prazos legais da SEC e aos recentes movimentos das gestoras. O xerife do mercado de capitais tem até o dia 10 de janeiro para aceitar ou recusar o pedido da gestora Ark Invest, da “guru da inovação” Cathie Wood, por exemplo. Já a BlackRock, que também tenta colocar o produto no mercado, tem feito reuniões com o regulador para tratar do assunto.

Além disso, vários emissores registraram nomes de “participantes autorizados” para seus potenciais ETFs de Bitcoin nos últimos dias, um sinal de que os fundos podem estar próximos da aprovação. Entre os nomeados estão pesos-pesados ​​de Wall Street, como a Jane Street Capital e o JPMorgan.

Lucas Gabriel Marins

Jornalista colaborador do InfoMoney