Para Campos Neto, Brasil pode surpreender e crescer um pouco mais de 2% neste ano

Última estimativa oficial do BC para o PIB, divulgada em dezembro, projeta um crescimento menor, de 1,7% em 2024

Equipe InfoMoney

Publicidade

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse nesta quarta-feira (7) que o crescimento econômico do Brasil pode surpreender neste ano e ficar um pouco acima de 2% – patamar que tem sido defendido pelo governo federal.

Campos Neto afirmou que, olhando os dados de pagamentos em tempo real, o primeiro trimestre parece estar com um desempenho melhor do que o projetado, o que pode dar sustentação para um Produto Interno Bruto (PIB) um pouco mais alto (a última estimativa oficial do BC, divulgada em dezembro, aponta para um crescimento de 1,7%).

Ele ponderou, no entanto, que há ainda pontos de atenção, como as eleições municipais em outubro e o processo de desinflação global. Mas disse que, se houver um processo benigno de desinflação global, um crescimento americano relativamente controlado e uma desaceleração comportada na China, o desempenho da atividade econômica brasileira pode ser um pouco melhor do que o mercado está vendo agora.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Apesar das projeções menos otimistas de grande parte do mercado, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT) também tem dito que a economia brasileira deve crescer pelo menos 2% neste ano. “Penso que temos um horizonte para 2024 que pode surpreender positivamente, inclusive combinado com a queda da taxa de juros. Ela [Selic] vindo para um patamar mais razoável e condizente com o comportamento dos preços, penso que nós poderemos ter um 2024 que supere as expectativas iniciais”, disse Haddad ontem. “Não vejo razão para crescermos menos de 2%. Já tem gente séria do mercado falando em 2,5%, em 2,6%”.

Campos Neto disse também na sua palestra, no evento Blue Connections, que a balança comercial do país deve seguir acima da média em 2024, mas ser um pouco pior do que 2023, devido a uma base de comparação muito alta causada pela super safra do agro. Disse ainda que, para além da atividade de curto prazo, o país precisa trabalhar em direção a um crescimento estrutural maior no longo prazo.

Ele também afirmou que é preciso pôr em perspectiva as mudanças entre o cenário econômico em 2023 e 2024. “Parte do crescimento do ano passado foi uma supersafra. É curioso como a gente se acostuma com melhoras. Esse ano teremos uma safra menor, que na verdade é a segunda maior da história”.

Continua depois da publicidade

Déficit zero
O presidente do BC salientou o esforço fiscal que o governo tem feito e as reformas aprovadas recentemente e disse estar otimista com o crescimento do Brasil. Também afirmou que é importante que governo tente perseguir sua meta fiscal, mesmo que seja difícil, pois a “saúde” das contas públicas tem relação direta com o processo de afrouxamento monetário. Ele reconheceu que o governo está “fazendo uma força” para alcançar o objetivo, que estipula um déficit primário zero para 2024.

Ontem ele havia dito que a confirmação da meta fiscal de déficit zero em 2024, prevista na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) aprovada pelo Congresso, ajudou a ancorar expectativas do mercado e nortear decisões de política monetária. O mercado financeiro, no entanto, tem duvidado da capacidade do governo de alcançar a meta, devido à resistência no Congresso a algumas medidas que buscam aumentar a arrecadação, como a reoneração gradual da folha de pagamentos, e à piora na relação com parlamentares, principalmente o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

(Com Reuters e Estadão Conteúdo)