Campos Neto: Confirmação da meta de déficit zero foi um “marco” para expectativas de inflação

Presidente do Banco Central destaca queda nas expectativas para o IPCA em 2024, de 4,14% para 3,81% em um intervalo de dez meses, e aponta importância de compromisso fiscal

Marcos Mortari

Publicidade

A confirmação da meta fiscal de déficit zero em 2024, prevista na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional, ajudou a ancorar expectativas do mercado e nortear decisões de política monetária, segundo o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

Durante evento em São Paulo, ele mostrou dois gráficos (veja abaixo) que mostram como os agentes econômicos mudaram suas projeções para o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) desde que o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) encaminhou a meta de equilíbrio fiscal ao Poder Legislativo, conforme já havia sinalizado durante as discussões do novo marco fiscal.

Em abril do ano passado, o Relatório Focus (pesquisa semanal feita pelo BC para capturar as projeções de economistas do mercado para os principais indicadores do país) apontava para uma mediana de expectativas de 4,14% para o IPCA em 2024 e 4% nos dois anos seguintes. Hoje, ela está em 3,81% e 3,50%, respectivamente.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

“Em termos de expectativas de inflação, vemos um marco que foi a confirmação da meta”, afirmou Campos Neto.

“Sempre dizíamos que era muito difícil ter uma visibilidade do que fazer em política monetária sem ter certeza de qual era a meta. Vimos, depois da confirmação da meta, [que] as inflações caíram muito”, disse.

Durante o evento, Campos Neto também chamou atenção para uma queda e estabilização da inflação implícita longa, que, segundo ele, reforça uma percepção dos agentes econômicos de estabilidade institucional − inclusive para além do seu mandato à frente do Banco Central, que encerra em dezembro deste ano.

Continua depois da publicidade

“Curiosamente, vemos a inflação implícita longa caindo e estabilizando − então, acho que derruba também aquele argumento de que existe um risco de mudança de equipe do Banco Central. O mercado está nos dizendo que isso está mais comportado”, disse.

Comportamento da inflação

Campos Neto também fez menção à recente queda nos preços no Brasil, em linha com as expectativas de convergência pela autoridade monetária, que tem adotado uma política de afrouxamento − de junho para cá, o Comitê de Política Monetária (Copom) realizou 5 cortes consecutivos de 0,5 ponto percentual na taxa básica de juros (Selic).

Por outro lado, o presidente da autoridade monetária também indicou alguma piora em dados específicos de preços. Mas nada que, na sua avaliação, até o momento não tenha comprometido o comportamento geral da inflação.

“Temos uma inflação que vem caindo. Temos dito que a inflação tem sido mais ou menos de acordo com o que esperamos em termos de convergência. Os últimos números mostraram uma inflação cheia um pouco melhor. [Mas] Uma inflação, quando olhamos por dentro, marginalmente pior. Quando olhamos núcleos de serviços, ela está marginalmente pior. Tivemos um efeito grande de passagem aérea e de emplacamento [de carros novos] nesse último dado, mas continuamos entendendo que está dentro do que a gente tinha programado em termos de trajetória de inflação”, observou.

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Marcos Mortari

Responsável pela cobertura de política do InfoMoney, coordena o levantamento Barômetro do Poder, apresenta o programa Conexão Brasília e o podcast Frequência Política.