“Não vejo razão para crescermos menos de 2%”, diz Haddad

"Temos um horizonte para 2024 que pode surpreender positivamente", afirmou o ministro da Fazenda

Fábio Matos

Fernando Haddad, ministro da Fazenda (Diogo Zacarias/Ministério da Fazenda)

Publicidade

Apesar das projeções menos otimistas de grande parte do mercado, a economia brasileira deve se expandir pelo menos 2% em 2024. A estimativa é do ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), que reiterou seu otimismo em relação ao resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil para este ano.

Na manhã desta terça-feira (6), ao participar de evento em São Paulo, Haddad reconheceu que a economia brasileira vem desacelerando nos últimos meses, mas disse que a perda de fôlego do PIB já era esperada após um crescimento robusto no primeiro trimestre de 2023.

“Sempre fui otimista, desde o começo do ano passado. Eu não acreditava muito no que estava colocado em perspectiva. Achava que a economia cresceria mais de 2% e a inflação ficaria abaixo de 5%. A economia cresceu até mais do que nós prevíamos”, afirmou o ministro, ao comentar os resultados do ano passado.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

“Penso que temos um horizonte para 2024 que pode surpreender positivamente, inclusive combinado com a queda da taxa de juros. Ela (Selic) vindo para um patamar mais razoável e condizente com o comportamento dos preços, penso que nós poderemos ter um 2024 que supere as expectativas iniciais”, prosseguiu Haddad. “Não vejo razão para crescermos menos de 2%. Já tem gente séria do mercado falando em 2,5%, em 2,6%.

Desaceleração

No evento em São Paulo, Fernando Haddad afirmou ainda que não se surpreendeu com a desaceleração da economia na segunda metade de 2023. “O fato é que a economia desaqueceu muito no segundo semestre do ano passado, e isso foi alertado pelo Ministério da Fazenda. Eu não me surpreendi com a desaceleração, mas sempre mantive a ideia de que o PIB cresceria em 2023 porque veio com um carregamento forte, principalmente da agricultura”, disse.

Segundo o ministro, os indicadores iniciais de atividade econômica referentes ao fim do ano mostram um desempenho mais promissor. “Eu quase arriscaria dizer que o quarto trimestre do ano passado virá um pouco melhor do que as expectativas. Penso que o nosso piso foi o terceiro trimestre, que foi o mais difícil da nossa gestão até aqui, com uma desaceleração muito drástica.”

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Fábio Matos

Jornalista formado pela Cásper Líbero, é pós-graduado em marketing político e propaganda eleitoral pela USP. Trabalhou no site da ESPN, pelo qual foi à China para cobrir a Olimpíada de Pequim, em 2008. Além do InfoMoney, teve passagens por Metrópoles, O Antagonista, iG e Terra, cobrindo política e economia. Como assessor de imprensa, atuou na Câmara dos Deputados e no Ministério da Cultura. É autor dos livros “Dias: a Vida do Maior Jogador do São Paulo nos Anos 1960” e “20 Jogos Eternos do São Paulo”.