Em mercados

BC argentino eleva em 10 pp a taxa de juros, a 74% ao ano após derrota de Macri nas primárias

A chapa de Alberto Férnandez e Cristina Kirchner venceu a primeira rodada das eleições com uma margem que já é vista como incontornável 

Alberto Férnandez e Cristina Kirchner
(Flickr)

SÃO PAULO - O Banco Central da Argentina elevou a taxa básica de juros do país em 10 pontos percentuais nesta segunda-feira (12), para 74% ao ano. A atitude foi uma resposta à desvalorização de 30% que o peso sofreu pela manhã após a surpresa nas primárias das eleições argentinas. 

Ontem, o candidato Alberto Férnandez bateu o atual presidente argentino, Mauricio Macri, por 15 pontos percentuais. Férnandez tem como vice a ex-presidente Cristina Kirchner, cuja gestão foi duramente criticada pelo intervencionismo e populismo, que teriam levado o país à crise econômica aguda que vive hoje. 

Era esperada uma vantagem de dois a oito pontos percentuais para Férnandez, bem longe do 48% a 32% visto nas urnas. 

A votação definitiva ocorre só em outubro, mas a diferença já parece incontornável para os analistas políticos. 

O dólar atingiu a cotação de 61 pesos hoje, sendo que na sexta-feira, o teto tinha sido estabelecido em 46,55 pesos. A inflação da Argentina atualmente está em 55%. 

O índice Merval, da bolsa argentina, teve sua maior queda em 20 anos, em baixa de 30%, e entrou em circuit break, quando as operações são suspensas por uma volatilidade muito alta. As negociações devem ser retomadas somente amanhã. 

Quer investir nas melhores ações da Bolsa? Abra uma conta na Rico Investimentos.

 

Contato