5 assuntos

Inflação na Europa, novas projeções para o Brasil e mais assuntos que vão movimentar o mercado hoje

Confira os 5 assuntos mais relevantes para ficar de olho nesta quarta-feira (17/11/2021)

Por  Equipe InfoMoney -

SÃO PAULO – Os principais índices mundiais operam perto da estabilidade na sessão desta quarta-feira (17).

Conforme destaca análise da XP, após um dia de “reprecificações” por conta da divulgação de vendas no varejo mais fortes nos EUA e renovada percepção de que a inflação mais alta em âmbito mundial veio para ficar, os mercados amanhecem mais calmos, com poucos indicadores, à exceção feita à divulgação da inflação no Reino Unido, que também surpreendeu para cima. Além disso, estimativa da inflação do euro confirmou alta de 4,1% dos preços na região em outubro na base anual, em linha com estimativa anterior da Eurostat.

Por aqui, os investidores repercutem os últimos resultados da temporada de balanços do terceiro trimestre, com números como da Eletrobras e do Méliuz. Ainda no radar, a B3 terá vencimento de opções sobre Ibovespa.

Além disso, durante a manhã, a Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia divulga novas projeções de indicadores macroeconômicos com a edição de novembro do Boletim Macrofiscal e a versão atualizada do Panorama Macroeconômico. No noticiário político, as atenções seguem voltadas para as negociações em torno da PEC dos Precatórios no Senado Federal. Confira os destaques:

1. Bolsas mundiais

EUA

Os índices futuros americanos operam praticamente estáveis nesta quarta-feira.

Dados divulgados na terça pelo Departamento de Comércio dos Estados Unidos indicaram alta de 1,7% nas vendas no varejo em outubro, um ritmo mais acelerado do que a expectativa de economistas. Além disso, os varejistas Home Depot e Walmart divulgaram resultados fortes.

Na terça, o Dow avançou 0,15%; o S&P, 0,39%; e o Nasdaq, 0,76%. Segundo uma nota divulgada na quarta pelo Commonwealth Bank of Australia, a força da atividade econômica nos Estados Unidos, aliada à inflação acima da meta podem elevar a pressão para que o Comitê Federal do Mercado Aberto (Fomc na sigla em inglês) do Federal Reserve acelere a redução do ritmo de compra de títulos.

Ásia

Diversas bolsas asiáticas fecharam em queda na quarta-feira, após dados indicarem o ritmo mais lento de avanço das exportações do Japão em oito meses, com alta de 9,4% em outubro, segundo informações do Ministério das Finanças. No mês anterior, havia ocorrido alta de 13%. As exportações de automóveis caíram 36,7%, contribuindo para queda dos papéis de empresas do setor automotivo no país.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O índice Kospi da Coreia do Sul foi destaque negativo, e as bolsas da China continental foram o destaque positivo.

Europa

As bolsas europeias se mantêm estáveis nesta quarta. O índice Stoxx 600, que reúne as ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 países europeus, tem leve alta, com destaque positivo de ações do setor de tecnologia e negativo do setor de viagem e lazer.

O Índice de Preços ao Consumidor (CPI na sigla em inglês) do Reino Unido avançou 4,2% na comparação anual em outubro, com alta dos custos automotivos e com energia.

Já a inflação da zona do euro saltou para mais do que o dobro da meta do Banco Central Europeu em outubro, confirmou nesta quarta a agência de estatísticas da União Europeia, com mais da metade do avanço devendo-se ao aumento nos preços da energia. A Eurostat informou que a inflação nos 19 países que usam o euro foi de 0,8% em outubro sobre o mês anterior, alcançando 4,1% na base anual, em linha com estimativa anterior da Eurostat.

Os preços da Bitcoin recuaram abaixo da marca de US$ 60 mil na terça, e continuam em trajetória de queda nesta quarta. Os preços do barril de petróleo e do minério de ferro recuam.

Veja os principais indicadores às 7h30 (horário de Brasília):

Estados Unidos

Dow Jones Futuro (EUA), -0,03%
*S&P 500 Futuro (EUA), -0,04%
*Nasdaq Futuro (EUA), +0,04%

Europa

*FTSE 100 (Reino Unido), -0,35%
*Dax (Alemanha), +0,11%
*CAC 40 (França), +0,04%
*FTSE MIB (Itália), +0,13%

Ásia

*Nikkei (Japão), -0,4% (fechado)
*Shanghai SE (China), +0,44% (fechado)
*Hang Seng Index (Hong Kong), -0,25% (fechado)
*Kospi (Coreia do Sul), -1,16% (fechado)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Commodities e Bitcoin

*Petróleo WTI, -1,2%, a US$ 79,79 o barril
*Petróleo Brent, -0,99%, a US$ 81,61 o barril
*Bitcoin, -0,9% a US$ 59.062,29 (em relação à cotação de 24 horas atrás)
*Sobre o minério de ferro: **O minério negociado na bolsa de Dalian teve queda de 1,01%, a 538,5 iuanes, o equivalente a US$ 84,39

2. Agenda

Estados Unidos

9h: Associação dos Banqueiros Hipotecários (MBA na sigla em inglês) divulga dados sobre juros de hipotecas
10h30: Licenças de construção e construção de novas casas em outubro
12h30: Energy Information Administration (EIA) divulga dados sobre estoques de petróleo bruto, importações de petróleo, produção e estoques de combustíveis e atividade das refinarias

Discursos
13h: Michelle Bowman, membro do Fomc do Fed
13h40: Loreta Mester, do Fomc
14h40: Christopher Waller, do Fed
14h40: Mary Daly, membro do Fomc
18h10: Raphael Bostic, membro do Fomc
19h05: Charles Evans, presidente do Fed de Chicago

Zona do Euro

Discursos
11h: Isabel Schnabel, do Banco Central Europeu (BCE)
15h30: Christine Lagarde, presidente do BCE

Brasil

9h30: Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia divulga novas projeções de indicadores macroeconômicos.
14h30: Fluxo cambial estrangeiro

3. Covid, vacinação e denúncia contra estudo

Na terça-feira (16), a média móvel de mortes por Covid em 7 dias no Brasil ficou em 244, queda de 8% em comparação com o patamar de 14 dias antes, segundo informações do consórcio de veículos de imprensa, às 20h. Em apenas um dia, foram registradas 140 mortes.

A média móvel de novos casos em sete dias foi de 9.744, o que representa queda de 2% em relação ao patamar de 14 dias antes. Em apenas um dia foram registrados 5.986 casos.

No total, chegou a 157.000.828 o número de pessoas que receberam a primeira dose da vacina contra a Covid no Brasil, o equivalente a 73,6% da população.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

A segunda dose ou a vacina de dose única foi aplicada em 125.512.839 pessoas, ou 58,84% da população. Estes dados estão menores do que os divulgados na segunda pelo consórcio de veículos de imprensa por conta de uma revisão para baixo dos dados de secretarias de Saúde do Paraná e de Santa Catarina.

A dose de reforço foi aplicada em 12.105.402 pessoas, ou 5,67% da população.

O Ministério da Saúde orientou a aplicação da dose de reforço contra a Covid em toda a população com mais de 18 anos completamente imunizada há pelo menos cinco meses. A medida depende do cronograma de cada estado e cidade. O ministério também determinou que quem tomou a dose única do imunizante da Janssen receberá uma segunda dose dois meses após a inicial, e também uma terceira dose.

Na terça-feira, a prefeitura de São Paulo anunciou que iniciará a vacinação com doses de reforço contra a Covid na quinta-feira. A terceira aplicação valerá para qualquer adulto com mais de 18 anos nos casos em que já tenham transcorrido ao menos cinco meses desde a vacinação com a segunda dose dos imunizantes CoronaVac, Astrazeneca e Pfizer. Na quinta, o calendário terá início com aqueles vacinados com a segunda dose até 27 de abril. Na sexta, poderão se vacinar aqueles que tomaram a segunda dose até o dia 17 de junho. As outras datas ainda não foram divulgadas.

Reportagem publicada nesta quarta-feira no portal UOL afirma que a Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep) do Ministério da Saúde obteve o termo de consentimento assinado por pacientes submetidos ao estudo que usou proxalutamida contra a Covid-19 em pacientes do Amazonas, e concluiu que foram omitidas informações importantes do documento original, que havia sido aprovado pela instituição.

A falta de informações motivou denúncia da Conep à Procuradoria Geral da República (PGR) e ao Ministério Público Federal do Amazonas (MPF-AM). Segundo a reportagem, o documento original tinha oito páginas, e o assinado pelos pacientes, apenas três. Foram retiradas referências sobre riscos, direitos e mesmo contatos para urgências relativas ao medicamento experimental.

O estudo terminou com 200 mortos e denúncias de irregularidades que a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) apontou como entre as mais graves da história.

A pesquisa foi comandada pelo endocrinologista Flavio Cadegini, que foi um dos indiciados pela CPI da Covid do Senado por “crime contra a humanidade”, por conta de suspeita de falhas no experimento. Ele está sendo investigado.

Cadegini afirmou à reportagem do portal UOL que o “”formulário elaborado está de acordo com todas as normas aplicáveis, e o treinamento dado aos pesquisadores destacava todos os riscos e cuidados a serem tomados”. Além disso, o Hospital Samel, envolvido no estudo, negou ter alterado o documento.

4. Reajuste a servidores e emendas de relator

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou na terça-feira que a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) dos Precatórios pelo Congresso irá abrir espaço para se conceder reajuste aos servidores públicos federais, justificando o eventual aumento como resposta a um congelamento dos salários e à inflação.

“Há possibilidade, porque a inflação… estão há dois anos sem reajuste. A questão da pandemia até se justifica, porque muita gente perdeu emprego ou teve seu salário reduzido. Agora a inflação chegou a dois dígitos. Então conversei com Paulo Guedes, em passando a PEC dos Precatórios, tem que ter um pequeno espaço para dar algum reajuste. Não é o que eles merecem, mas é o que podemos dar”, disse Bolsonaro em entrevista a jornalistas no Barein, onde está em viagem oficial.

Segundo o presidente, o aumento, se vier a ser concedido, seria dado a todos os servidores públicos federais, sem exceção.

Bolsonaro disse ainda que concursos públicos só vão ocorrer para o que for essencial, citando o que foi feito para a Polícia Federal e para a Polícia Rodoviária Federal.

Na véspera, Bolsonaro já havia dito que a folga no teto de gastos a ser criada pela PEC dos Precatórios poderia ser usada para reajuste dos servidores federais, além de seu propósito principal, que é financiar o novo programa de transferência de renda Auxílio Brasil.

Até o momento, entre as várias intenções do governo para aproveitar a folga no Orçamento aberta pela PEC, o reajuste de servidores mal visto pela equipe econômica dado o efeito cascata que causa não tinha sido aventada.

O salário dos servidores federais está congelado desde 2019 e concursos públicos estão suspensos, medidas que foram cruciais para conter as despesas públicas este ano.

Atualmente, o governo gasta cerca de R$ 300 bilhões ao ano com salários. Por isso, um aumento de apenas 1% implica, por cima, custo de R$ 3 bilhões, indicou uma fonte do Ministério da Economia à agência internacional de notícias Reuters.

Segundo cálculos da Instituição Fiscal Independente (IFI) reproduzidos pelo jornal Valor Econômico, cada 1 ponto de reajuste custa entre R$ 3 bilhões e R$ 4 bilhões. O diretor-executivo da instituição, Felipe Salto, afirmou que o governo estaria contratando um aumento permanente das despesas com o “estouro” do teto de gastos.

Se aprovada, a PEC dos Precatórios abrirá um espaço para gastos de R$ 91,6 bilhões em 2022, segundo estimativa do Ministério da Economia, mas desse total apenas cerca de R$ 10 bilhões estariam livres, já que a maior parte dos recursos já estaria comprometida com o Auxílio Brasil de R$ 400 e com atualização dos gastos previdenciários em meio à inflação mais alta.

​​Assim, qualquer aumento superior a cerca de 3% dependeria de outros cortes para ser acomodado, mesmo com a aprovação da PEC dos Precatórios, disseram fontes da equipe econômica à Reuters.

Disputam espaço, por exemplo, os gastos com auxílio a caminhoneiros e a concessão de um vale-gás acenos também já feitos por Bolsonaro. Por isso, mesmo que nenhuma das medidas acima fosse adotada, um aumento aos servidores superior a apenas 3,33% já demandaria que outros remanejamentos fossem feitos no Orçamento.

Emendas de relator

Em entrevista à CNN Brasil em Lisboa na terça, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou que o Congresso vai recorrer da liminar do Supremo Tribunal Federal (STF) que suspendeu o pagamento das chamadas emendas de relator ao Orçamento.

As emendas de relator vêm sendo usadas pelo governo e pelos líderes do Congresso para beneficiar parlamentares que votem a favor dos interesses do Executivo, e se tornou uma importante ferramenta de negociação.

Lira disse que os parlamentares irão esperar a publicação do acórdão da corte para entrar com os chamados embargos de declaração, em que são pedidos esclarecimentos sobre os pontos da decisão, e, eventualmente, modificá-la.

Lira disse ainda que o Congresso já decidiu que o relator do Orçamento irá incluir, na colocação das emendas, de qual parlamentar foi o pedido que está sendo atendido.

Segundo o presidente da Casa, existe uma preocupação de resolver em breve a situação porque, com a virada do ano, diversas emendas ficarão sem atendimento e prejudicarão vários municípios.

5. Radar corporativo

Eletrobras (ELET6;ELET3)

A Eletrobras (ELET3; ELET6) registrou lucro líquido de R$ 964,561 milhões no balanço do 3º trimestre, cifra 65,7% abaixo do lucro de R$ 2,814 bilhões de um ano antes. Essa queda ocorreu por ajustes na contabilização de provisões para contingências no montante de R$ 9,434 bilhões.

Conforme a empresa, a revisão das estimativas de provisionamento de empréstimo compulsório, que somaram aproximadamente R$ 8,926 bilhões no 3º trimestre, vieram após julgamento pelo STJ de Agravo Interno no Recurso Especial nº 1.734.115/PR e às recentes homologações de laudos desfavoráveis no exercício de 2021.

Além disso, a estatal informou que, ontem (16), realizou o primeiro pagamento, no valor de R$ 256,5 milhões, referente a  acordo  judicial realizado após  procedimento  de  mediação,visando  extinguir  as  ações  judiciais que tratam de discussões acerca  de contratos de compra e venda de energia, propostas pela ElPaso Rio Negro em face da Eletrobras e da Amazonas Geração e Transmissão, cujo valor total é de R$ 567 milhões.

O valor pago pela  Eletrobras será posteriormente  ressarcido pela Eletronorte, que adquiriu a AmGT em 2020. O valor das ações judiciais estava provisionado pela Eletronorte. 

O acordo permitiu a reversão, nos resultados do terceiro trimestre de 2021, do montante de R$ 101,4 milhões, de  forma  a  refletir a  expectativa mais atualizada de desembolso financeiro.

Hidrovias do Brasil (HBSA3

A Hidrovias do Brasil (HBSA3) registrou prejuízo consolidado de R$ 66,8 milhões no 3T21, valor sete vezes acima do prejuízo de R$ 8,5 milhões reportado no mesmo período de 2020.

Méliuz (CASH3)

A Méliuz (CASH3) registrou prejuízo líquido consolidado de R$ 2,950 milhões, revertendo lucro de R$ 4,733 milhões de um ano antes.

Já o prejuízo da controladora foi ainda maior, de R$ 4,539 milhões, revertendo lucro de R$ 4,733 milhões.

Gafisa (GFSA3)

A Gafisa (GFSA3) reportou lucro líquido de R$ 6,1 milhões no trimestre e reverte prejuízo do mesmo trimestre de 2020.

Terra Santa Agro (TESA3

A Terra Santa Agro (TESA3) tem prejuízo líquido de R$ 354 mil no 3TRI, ante lucro líquido de R$ 4,44 milhões no mesmo trimestre de 2020.

Iochpe Maxion (MYPK3)

A Iochpe Maxion (MYPK3) reverteu o prejuízo apresentado há um ano e divulgou lucro líquido de R$ 177,016 milhões no terceiro trimestre de 2021 (3TRI21). No mesmo trimestre de 2020, o prejuízo foi de R$ 18,877 milhões.

BR Advisory Partners (BRBI11)

A BR Advisory Partners (BRBI11) apresentou um lucro líquido de R$ 41,761 milhões no terceiro trimestre de 2021 (3TRI21), o que representa 102,1% a mais do que os R$ 20,659 milhões de um ano atrás.

Boa Safra Sementes (SOJA3

A Boa Safra Sementes (SOJA3) apresentou lucro líquido de R$ 88,087 milhões no terceiro trimestre de 2021 (3TRI21), alta de 227,7%, ou mais de três vezes o aferido no mesmo período de um ano atrás, quando teve R$ 26,884 milhões.

Viveo (VVEO3)

A Viveo (VVEO3) reportou lucro líquido de R$ 61,255 milhões no terceiro trimestre de 2021 (3TRI21), o que representa uma alta de 140,6% em relação ao mesmo período de um ano atrás, quando ficou com R$ 25,456 milhões.

Oncoclinicas (ONCO3

A Oncoclínicas (ONCO3) reportou lucro líquido contábil de R$ 150,8 milhões no 3TRI21. Excluído o ajuste positivo sem efeito caixa, o lucro líquido ajustado do período foi de R$ 47,3 milhões, frente a 37,0 milhões no comparativo anual, alta de 27,7%.

Petrobras (PETR3;PETR4) e PetroRecôncavo (RECV3)

A Petrobras (PETR4) assinou ontem (16) com a Potiguar E&P, subsidiária da PetroReconcavo, contratos para escoamento e processamento do gás natural produzido em terra pela Potiguar E&P no estado do Rio Grande do Norte. 

Os  contratos  incluem  a  cessão  de  uso  do  Sistema  de  Escoamento  de  Gás  Natural  de  Guamaré  (SEG  Guamaré), a utilização de planta de processamento de gás natural na unidade de processamento de gás natural – UPGN Guamaré, bem como a venda, pela Potiguar E&P, de condensado de gás natural (C5+).

Conforme nota, o  acordo  viabiliza  o  atendimento  direto  ao  mercado  pela  Potiguar  E&P,  que  foi  vencedora  na  chamada pública para fornecimento de gás realizada pela Companhia Potiguar de Gás (Potigás) e assinou contrato de dois anos, com venda de 236 mil m³/d de gás natural a partir de janeiro de 2022.

TIM (TIMS3)

A operadora de infraestrutura compartilhada IHS Holding concluiu a compra do controle da unidade de redes ópticas da TIM. Antes chamada de Fiberco, a unidade já foi rebatizada de I-Systems.

A IHS possui agora 51% de participação na I-Systems e a TIM os 49% restantes.  

A operadora recebeu R$ 1,09 bilhão pela venda fatia.

JBS (JBSS3)

A JBS (JBSS3) confirmou a emissão de US$ 2 bilhões em notas seniores de cinco e dez anos, sendo US$1,0 bilhão, por meio da sua subsidiária JBS Finance Luxembourg, e  US$ 1,0 bilhão, por meio de suas subsidiárias JBS USA.

A JBS pretende utilizar os recursos das Notas 2027 para refinanciar compromissos de curto  prazo,  além  de  cobrir  outros  propósitos  corporativos  gerais. 

Já as  Notas  2032 serão usadas para o resgate do saldo das Notas Sêniores com remuneração de 7,000% e vencimento em 2026 emitidos pela JBS USA Food Company.

Segundo comunicado, essa é a primeira emissão da JBS após a conquista de Full Investment Grade, alcançado depois que as agências Fitch e Moody’s a colocaram nessa classificação.

Braskem (BRKM5)

A Braskem aprovou 5ª emissão de debêntures da Companhia em 2 séries, no valor total de até R$ 840 milhões.

(com Estadão Conteúdo e Reuters)

CDB com 300% do CDI? XP antecipa Black Friday com rentabilidade diferenciada para novos clientes. Clique aqui para investir agora!

Compartilhe