Índice do dólar atinge maior patamar desde novembro após CPI acima do esperado

Índice DXY, usado para medir a força (ou fraqueza) da moeda americana, subiu em meio à aversão a risco do mercado

Lucas Sampaio

Publicidade

O dólar atingiu o maior patamar desde novembro de 2023 frente a uma cesta de seis moedas de países e regiões desenvolvidas, segundo medido pelo DXY, índice usado para medir a força (ou fraqueza) da divisa americana.

O índice DXY sobe 0,7% por volta das 18h desta terça-feira (13), para quase 105 pontos, o maior nível desde 12 de novembro do ano passado. Os preços do ouro também recuaram frente ao dólar, abaixo dos US$ 2 mil por onça, o menor nível em exatos dois meses.

Leia também:
DXY: o que é e como funciona o índice do dólar americano

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A valorização da moeda americana ocorre no mesmo dia em que foi divulgado o CPI dos Estados Unidos. O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) subiu 0,3% em janeiro no país, mesma variação de dezembro de 2023, segundo dados com ajuste sazonal divulgados pela manhã pelo Departamento do Trabalho americano.

A alta de preços desacelerou de 3,4% em dezembro para 3,1% no mês passado, no acumulado em 12 meses, mas a expectativa era que o indicador cairia abaixo dos 3% pela primeira vez desde março de 2021 – o que jogou um balde de água fria nas chances já pequenas de o Fedederal Reserve (Fed, o banco central americano) cortar os juros americanos já em março.

Uma inflação mais persistente pode fazer com que os juros demorem mais a cair nos EUA (e no restante do mundo), o que levou a um movimento de aversão a risco nos mercados. As bolsas recuaram globalmente, e os rendimentos dos títulos do Tesouro americano (Treasuries) dispararam.

Continua depois da publicidade

Neste contexto, investidores buscam ativos de menor risco e o dólar acaba se valorizando. Juros mais altos por mais tempo também tornam a moeda americana mais “atrativa” frente às concorrentes, o que também reforça o movimento de fortalecimento da divisa.

Não houve negociação do dólar à vista na B3 nem hoje nem na segunda-feira (12), devido ao feriado de Carnaval. A moeda americana fechou a sexta-feira (9) em baixa de 0,72% frente ao real, cotado a R$ 4,9595, devido a menores temores com a inflação americana.

Índice DXY

Também conhecido como US Dollar Index, o DXY foi desenvolvido pelo próprio Federal Reserve em 1973, para ser um parâmetro sobre o valor do dólar frente a outras divisas. O índice é composto por 6 moedas: euro, iene, libra esterlina, dólar canadense, coroa sueca e franco suíço.

Um DXY em alta significa que o dólar está se fortalecendo em relação às moedas da cesta, o que pode ser interpretado como um sinal de demanda por dólares (e, por consequência, uma aversão a risco).

(Com Reuters)

Lucas Sampaio

Jornalista com 12 anos de experiência nos principais grupos de comunicação do Brasil (TV Globo, Folha, Estadão e Grupo Abril), em diversas funções (editor, repórter, produtor e redator) e editorias (economia, internacional, tecnologia, política e cidades). Graduado pela UFSC com intercâmbio na Universidade Nova de Lisboa.