Tempo Real

Americanas (AMER3), Banco Inter e Eletrobras (ELET6) são destaques entre quedas da Bolsa

Confira o que movimentou os mercados

Por  Equipe InfoMoney -

18h07 – Encerramos nossa cobertura. Confira os destaques da Bolsa de hoje.



Acessa o tempo real do InfoMoney todos os dias? Adicione este link aos favoritos do seu navegador!



17h55 – Americanas (AMER3), Banco Inter (BIDI11) e Eletrobras (ELET3;ELET5) são destaques entre quedas da Bolsa

As altas do dólar e da curva de juros explicam, majoritariamente, parte das maiores quedas do Ibovespa de hoje.

Azul (AZUL4), Gol (GOLL4) e CVC (CVCB3) – com quedas de, respectivamente, 6,98%, 5,76% e 5,09% – são companhias diretamente impactadas pela alta da moeda americana, que encarece o preço do combustível no mercado nacional e diminui o poder de compra do brasileiro.

Positivo (POSI3) e Locaweb (LWSA3), que caíram 6,25% e 5,26%, são companhias de tecnologia diretamente impactadas pela perspectiva de juros mais altos.

Algo parecido acontece com o Banco Inter e com a Americanas , com baixas de, respectivamente, 6,87% e 10,63% – esta, além do impacto da curva de juros, segundo analistas, repercute também a recente “movimentação do setor”, que vem acumulando quedas.

A Eletrobras, que precificou ontem sua oferta de ações, também teve forte recuo, com suas ações preferenciais do tipo B caindo 6,59%. O mercado realiza parte dos lucros (os papéis, mesmo com a forte queda, ainda têm alta de quase 2% no último mês) e se posiciona com cautela, uma vez que o número de ações no free float deve aumentar.

Entre as altas, destaque para a Qualicorp (QUAL3), que vem se beneficiando da decisão do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), que decidiu, mais cedo nesta semana, que planos de saúde não precisam cobrir procedimentos fora da lista da ANS.



17h41 – Ifix fecha mais uma sessão no negativo e encerra semana com perdas de 0,58%



17h33 – Goldman Sachs vê possibilidade Copom aumentar Selic acima do esperado pelo mercado

“Considerando os recentes desenvolvimentos macrofinanceiros e as orientações fornecidas na reunião de quatro de maio, esperamos que o Copom eleve a taxa Selic em 50 pontos-base (moderando em relação à alta de 100pb em maio), levando a taxa Selic para 13,75%; ainda mais em território restritivo”, explica o Goldman Sachs.

Há uma outra possibilidade: “avaliamos alguma probabilidade de uma surpresa hawkish do Copom: alta de +75pb para 13,50% com orientação sugerindo que o Copom pretende manter a taxa básica em um nível significativamente restritivo no futuro próximo”.

Um aumento acima do esperado em junho combinado com um sinal de fim de ciclo também pode ser justificado pela expectativa de aprovação iminente de legislação que reduz significativamente a tributação federal e estadual de combustíveis.

“Esperamos que o Copom deixe a porta aberta para outra alta moderada da Selic na reunião de agosto, mas não descartamos a orientação de fim de ciclo na reunião de 15 de junho juntamente com uma alta da Selic acima dos 50bp esperados pelo mercado”, conclui.




17h20 – Ibovespa fecha em queda de 1,51%, aos 105.481 pontos



17h02 – Fechamento Wall Street

  • Dow Jones cai 2,72%, aos 31.392 pontos
  • S&P 500 recua 2,91%, aos 3.900 pontos
  • Nasdaq tem baixa de 3,52%, aos 11.340 pontos


16h58 – Divulgação do resultado primário do governo central continua suspensa por conta da greve

O Ministério da Economia ainda não definiu a data de divulgação do resultado primário do governo central (Tesouro, Banco Central e Previdência) do mês de abril. A publicação do documento foi suspensa quando os servidores da categoria decidiram entrar em greve.

Na última terça-feira (7), os servidores do Tesouro Nacional decidiram encerrar a greve, mas uma nova data para a publicação do Resultado do Tesouro ainda não foi definida.

A decisão de encerrar a greve, afirmou o presidente da Unacon Sindical, Bráulio Cerqueira, foi tomada após o anúncio do presidente Jair Bolsonaro (PL) de que não haverá reajustes para os servidores federais em 2022. (Estadão Conteúdo)



16h55 – Ibovespa fecha em queda preliminar de 1,55%, aos 105.432 pontos



16h35 – AGENDA DA PRÓXIMA SEMANA

A semana mais curta no Brasil, por conta do feriado de Corpus Christi, tem decisões de taxa de juros tanto do Banco Central quanto do Federal Reserve, além da divulgação da inflação ao produtor nos EUA e do PIB do Reino Unido. Confira a agenda:

• Segunda-feira (13)
Segunda-feira começa com dados do setor de construção, da indústria, da balança comercial e do PIB no Reino Unido (tudo 3:00h). No Brasil, o tradicional Boletim Focus, se tudo correr bem no Banco Central (8:25h). O Senado Federal deve começar a discutir o projeto que coloca um teto no ICMS (já aprovado na Câmara), mas analistas dão conta de que o resultado final, com a votação, deve ocorrer só após o feriado.

• Terça-feira (14)
Terça também começa no Reino Unido, com dados do emprego (3:00h). Depois, ainda de manhã, tem Percepção Econômica ZEW (6:00h). No Brasil, tem dados do setor de serviços (9:00h). Depois, atenção para a inflação ao produtor nos EUA (9:30h). À noite, na China, dados da indústria e do varejo, além da taxa de desemprego (tudo 23:00h).

• Quarta-feira (15)
A quarta-feira começa com a zona do euro divulgando dados da produção industrial de abril, além da balança comercial (ambos 6:00h). Nos EUA, tem dados do varejo e de bens exportados (tudo 9:30h), seguido do estoque de empresas (11:00h) e a variação de estoques de petróleo EIA (12:00h), e, mais importante, decisão do FOMC (15:00h). No Brasil, tem a decisão da taxa de juros no Brasil, com a reunião do Copom (18:00h).

• Quinta-feira (16)
É feriado no Brasil. A Bolsa de Valores não abre. Pelo mundo, tem dados dos salários na zona do euro (6:00h), a decisão da taxa de juros no Reino Unido (8:00h), e pedidos de seguro-desemprego e dados de construção (ambos 9:30h).

• Sexta-feira (17)
A semana se encerra com dados da inflação na zona do euro (6:00h) e da produção industrial nos EUA (10:15h). Neste dia, Jerome Powell, presidente do Fed, repercute a decisão do banco central (9:45h). A bolsa brasileira opera normalmente nesta sexta.



16h12 – OCDE adota formalmente documento que trilha processo de entrada do Brasil



15h58 – Ibovespa cai 1,08%, aos 105.941 pontos

O principal índice da Bolsa brasileira segue em queda, após a divulgação do dado de inflação ao consumidor nos Estados Unidos – o CPI de maio avançou 1% em relação a abril, acima do 0,7% aguardado pelo mercado.

Segundo analistas, o número mostra que a inflação americana não chegou ao pico e aparece justamente às vésperas da reunião de política monetária do Federal Reserve, que ocorre nas próximas terça e quarta-feira (dias de decisão sobre juros aqui no Brasil também).

Analistas passaram a elevar as suas apostas para o avanço nas taxas além da reunião de julho, o que leva a um movimento de forte aversão ao risco no mercado, com queda generalizada para os mercados emergentes. Os juros mais elevados nos EUA podem afetar o fluxo de recursos externos para as ações brasileiras, uma vez que a renda fixa da principal economia do mundo fica mais atrativa.

Por volta das 15h20, o título do tesouro americano com vencimento em dois anos chegou a ser negociado a uma taxa de 3,04%, maior nível desde junho de 2008.

Neste cenário, o dólar comercial avança 1,26%, a R$ 4,977 na compra e R$ 4,978 na venda. Lá fora, o DXY, que compara a performance da moeda americana frente a outras divisas, tem alta de 0,93%.

A Azul (AZUL4) é a maior queda do índice, seguida pela Embraer (EMBR3), com baixas de, respectivamente, 5,77% e 5,30%. A Gol, por sua vez, recua 4,80%. O setor aéreo e de turismo é fortemente impactado pelo avanço do dólar.

Companhias de tecnologia como a Yduqs (YDUQ3) e a Locaweb (LWSA3) também são destaques negativos, com baixas de, na sequência, 4,20¨% e 3,61%.

Essas empresas são pressionadas pela alta da curva de juros, que sobe após o dado de inflação nos EUA, assim como os dados de venda no varejo por aqui acima do esperado: DIF23, +0,02 pp , a 13,38%; DIF25, +0,03 pp, a 12,52%; DIF27, + 0,03 pp, a 12,50%; e DIF29, + 0,01 pp, a 12,62%.

A Qualicorp é a maior alta do Ibovespa, subindo 8,45%.

Em Nova York, o Dow Jones recua 1,85%, enquanto S&P500 e Nasdaq operam em baixa de 2,04% e 2,70%, respectivamente.



15h41 – Infracommerce (IFCM3) é a maior perda entre as Small Caps na semana, com 27,63%; enquanto Blau (BLAU3) subiu 9,14%

No total, apenas sete ações acumularam ganhos até aqui nesta semana. Todas as outras 130 perderam nas cinco sessões entre segunda e hoje

Entre as maiores quedas da semana estão também a Recrusul (RCSL3), com menos 22,22%; Enjoei (ENJU3), baixa de 20,10%; Positivo (POSI3), baixa de 19,79%; e Oceanpact (OPCT3), com baixa de 19,46%.

Entre as maiores altas da semana também estão Qualicorp (QUAL3), com mais 5,71%; Camil (CAML3), com mais 5,59%; Alliar (AALR3), que ganha 1,82%; e Dommo (DMMO3), com alta de 1,34%.

Índice de Small Caps (SMLL) perde 1,90% neste instante e acumula até aqui na semana queda de 6,68.



15h34 – BC alemão prevê alta de 7,1% da inflação e avanço de 1,9% do PIB em 2022

O Banco Central da Alemanha (Bundesbank) projeta, em relatório mensal publicado hoje, que o índice de preços ao consumidor do país deve crescer 7,1% em 2022, desacelerando para uma alta de 4,5% em 2023. Já o PIB deve registrar avanço de 1,9% neste ano e de 2,4% em 2023.

O Bundesbank diz que a recuperação econômica deve continuar, “mas em ritmo consideravelmente mais contido que o projetado em dezembro”. O chamado núcleo da inflação ao consumidor, que exclui energia e alimentos, deve subir 3,6% neste ano e 3,2% em 2023, projeta a instituição.

O relatório contém ainda um “cenário de risco alternativo”, que incluiria a paralisação nos envios do setor de energia na Rússia. Nesse caso, a atividade poderia ter um “declínio pronunciado” no próximo ano. Nesse cenário mais adverso, o CPI subiria 7,6% neste ano e 6,1% em 2023, enquanto o PIB teria avanço de 0,5% no ano atual e contração de 3,2% em 2023. (Estadão Conteúdo)



15h22 – Núcleo de índice CPI não cai tão forte e rápido como desejado, diz Biden

O Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden disse, em nota, ser bom ver o núcleo do índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) moderando, mas que este “não está caindo tão profunda e rapidamente quanto devemos ver”.

“Mesmo enquanto continuamos nosso trabalho para defender a liberdade na Ucrânia, devemos fazer mais e rapidamente para baixar os preços aqui nos Estados Unidos”, afirmou.

Biden disse que os EUA e o mundo foram duramente atingidos pela “alta de preços de Putin”, o presidente da Rússia, e que sua administração continuará fazendo “tudo o que puder” para controlar os preços para sua população. (Estadão Conteúdo)



15h20 – Título do tesouro americano com vencimento em dois anos avança para 3,04%, maior nível desde junho de 2008



15h09 – EUA: Balanço orçamentário fica negativo em US$ 66 bilhões em maio, ante consenso de número negativo em US$ 120 bilhões



15h08 – Diretor da Petrobras (PETR4) defende prática de preços de mercado para os combustíveis



14h58 – Bradesco BBI sobre varejo brasileiro em abril: “bom, mas perdendo fôlego”

“Esse foi mais um bom desempenho das vendas do varejo em abril – quarto mês consecutivo de crescimento”, lembra o BBI. “Embora o resultado esteja em linha com nossa visão de atividade econômica ainda positiva no 2T22, a composição também corrobora nossa expectativa de que a atividade está perdendo fôlego”.

Medidas como saques do FGTS e redução do ICMS provavelmente darão um último suspiro ao consumo, mas como o aperto monetário continua impactando cada vez mais a economia, a atividade provavelmente continuará perdendo força no segundo semestre, alerta do BBI.

Nossa expectativa atual do PIB é de alta de 1,5% para 2022, com quedas esperadas tanto para o 3T22 quanto para o 4T22.



14h56 – Bolsonaro defende compromisso com a “integração das Américas”

“Atualmente, vemos no Brasil e em parte do mundo, um ataque claro às liberdades individuais, por opinar de forma diferente. Deixo aqui um compromisso do Brasil com a integração das Américas, como continente próspero e democrático”, afirmou.

“Ao longo do meu mandato, o Brasil se manteve presente nos fóruns, trabalhando pela democracia, pela liberdade e pela prosperidade econômica e social”, garantiu.

Foto: Reprodução YouTube


14h53 – Eleven tem preferência por JSL (JSLG3) no setor de logística

Avaliando a performance das ações da JSL, com queda de 34%, Tegma (TGMA3), com menos 38% e Sequoia (SEQL3), com baixa de 58%, a Eleven vê um impacto significativo oriundo dos aumentos de insumos e juros desde 2021.

“Tendo em vista o persistente conflito externo entre regiões produtoras de combustíveis e componentes e a inflação crescente trazendo perspectivas de novos aumentos de juros, vemos um cenário mais difícil para que as ações iniciem uma reação mais significativa no curto prazo”, analisa.

“Em nossa visão, a JSL se apresenta como a melhor alternativa entre as empresas de logística rodoviária, devido ao seu modelo de negócio diversificado demonstrar ser uma vantagem competitiva em cenários inflacionários. A companhia é a que demonstra maior potencial de crescimento inorgânico ainda em 2022, considerando a pulverização do mercado de logística rodoviária, e que tende a apresentar maior consolidação nesses cenários mais desafiadores para players menores”, conclui.

A Eleven subiu o preço-alvo da JSLG3 para R$ 12,00, vindo de R$ 10,00. No momento, o ativo é negociado a R$ 5,84, queda de 2,99%.



14h47 – Bolsonaro se diz “maravilhado” com Joe Biden

“Senti no presidente Biden muita sinceridade e muita vontade em resolver certos problemas que fogem da responsabilidade de cada um de nós, mas juntos poderemos resolver”, afirmou o presidente da República referindo-se à crime mundial.

“Estou realmente maravilhado e acreditando em suas palavras sobre aquilo que foi tratado reservadamente entre nós”, concluiu. “A experiência de ontem, com Biden, foi simplesmente fantástica”.



14h41 – Bolsonaro defende que Brasil é uma “potência agrícola sustentável”

“Somos um dos países que mais preservam o meio ambiente e suas florestas. Temos a matriz energética mais limpa e diversificada do mundo. Mesmo preservando 66% de nossa vegetação nativa, e usando apenas 27% de nosso território para pecuária e agricultura, somos uma potência agrícola sustentável”, afirmou.

“Não necessitamos da região amazônica para expandir nosso agronegócio”, garantiu o presidente, na Cúpula das Américas, em Los Angeles. “Somente no bioma amazônica, 84% da floresta está intacta, abrigando a maior biodiversidade do planeta”.

“Nossos desafios são proporcionais ao nosso tamanho”, disse. “Nenhum país do mundo tem uma legislação tão completa e restritiva. Nosso código florestal deve servir de exemplo para outros países, afinal somos responsáveis pela emissão de menos de 3% de carbono do planeta, mesmo sendo a décima economia do mundo”, disse.



14h36 – Brasil tem papel fundamental coimo “fornecedor de energia limpa”, diz Bolsonaro

“Neste momento em que países desenvolvidos recorrem a combustíveis fósseis, o Brasil assume papel fundamental como fornecedor de energia totalmente limpa, rumo a uma nova economia neutra e emissões”, afirmou.



14h33 – Presidente Jair Bolsonaro afirma que Brasil é “pioneiro” na transição energética

“Com o lançamento do programa Metano Zero, fomos o primeiro país a implementar compromissos assumidos durante a COP-26, com financiamento específico para estruturar projetos de tratamento de resíduos orgânicos, para reduzir 30% das emissões totais de metano no Brasil”, defendeu Bolsonaro, da Cúpula das Américas.

“Somos pioneiros na transição energética, tendo iniciado a descarbonização há quase meio século, com biocombustíveis e outras fontes”, seguiu.



14h23 – Bolsonaro afirma que Brasil “evitou uma crise alimentar” global

“O Brasil não apenas evitou uma crise alimentar, ao garantir acesso a fertilizantes, mas também desempenhou um papel de liderança na busca de soluções internacionais em favor da segurança alimentar”, afirmou o presidente da República, na Cúpula das Américas, em Los Angeles.



14h20 – Bolsonaro diz que Brasil alimenta um sexto da população mundial

“o Brasil alimenta 1 bilhão de pessoas. Garantimos a segurança alimentar de um sexto da população mundial. Uma realidade: sem o nosso agronegócio, parte do mundo passaria fome”, disse, na Cúpula das Américas.



14h11 – Principais índices europeus fecham semana com amplas perdas, com piora da inflação e acenos dos bancos centrais

Desde ontem, os investidores reagiram ao movimento do Banco Central Europeu, que decidiu manter sua taxa de refinanciamento em 0%, a de depósitos em -0,50% e a de empréstimo em 0,25%, deixando claro o compromisso de elevar as taxas em julho e também em setembro, sinalizando que depois disso um ritmo “gradual, mas sustentado de altas de juros, será apropriado”.

Já a inflação dos EUA veio acima do esperado e azedou a percepção dos investidores de que o índice ainda não atingiu o pico e deve fazer o Fed ser mais duro nas próximas reuniões.

  • Stoxx 600: -2,69% (semana = -3,95%);
  • DAX (Frankfurt): -3,08% (semana = -4,83%);
  • FTSE 100 (Londres): -2,12% (semana = -2,86%);
  • CAC 40 (Paris): -2,69% (semana = -4,60%);
  • IBEX 35 (Madri): -3,68% (semana = -3,83%);
  • FTSE MIB (Milão): -5,17% (semana = -6,70%);
  • MOEX (Moscou): -0,37% (semana = -0,98%)


13h57 – Barômetros globais ficam estáveis em junho ante maio, mostra FGV

Os Barômetros Globais Coincidente e Antecedente da Economia ficaram praticamente estáveis em junho ante maio, pós duas quedas seguidas, informou nesta sexta-feira, 10, a Fundação Getulio Vargas (FGV). O Barômetro Global Coincidente subiu 0,9 ponto em junho, para 94,1 pontos, após acumular uma queda de 11,4 pontos em abril e maio.

O Barômetro Global Antecedente teve variação nula, em 82,2 pontos, o menor nível desde abril de 2009, com exceção de quatro meses de 2020, no auge da pandemia.

Em nota, a FGV destacou que “os resultados dos dois indicadores são influenciados pela melhora das avaliações correntes e para os próximos meses da região da Ásia, Pacífico & África, paralelamente à piora das percepções nas demais regiões”. (Estadão Conteúdo)



13h43 – Sentimento do consumidor nos EUA cai para a mínima histórica, mostra preliminar

O índice de sentimento ao consumidor caiu de 58,4 em maio a 50,2 na preliminar de junho, atingindo o menor valor já registrado, de acordo com pesquisa elaborada pela Universidade de Michigan, divulgada nesta sexta-feira, 10. O resultado contrariou a expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que esperavam leve avanço a 58,5.

As expectativas para a inflação em 12 meses nos EUA subiu levemente de 5,3% a 5,4% no período. Já para o horizonte de 5 anos, as expectativas para o avanço dos preços se elevaram de 3,0% a 3,3%. (Estadão Conteúdo)



13h29 – Associação de investidores busca Justiça para suspender capitalização da Eletrobras (ELET3; ELET6)

A Abradin, Associação Brasileira de Investidores, entrou com liminar na 6ª Vara Empresarial do RJ, entendendo que a Eletrobras está coordenando o processo de forma contrária aos interesses dos acionistas minoritários, de acordo com matéria do Valor.

“O prosseguimento do processo de privatização causará graves prejuízos à companhia e aos investidores da Eletrobras. Os prejuízos aos acionistas minoritários da Eletrobras serão severos e irreversíveis”, diz o documento, obtido pelo Valor.

A Abradin entende que erros contábeis levaram a uma subavaliação da Eletrobras e que em ano eleitoral o processo está sendo acelerado.



13h25 – Eleven sobe preço-alvo da Tegma (TGMA3) para R$ 18,00

“Alteramos o preço-alvo da Tegma para R$18,00 (vs. R$ 17,00 anterior) ao estabelecer o target para o final de 2023 (vs. final de 2022 do anterior), mantendo a taxa de crescimento na perpetuidade em 3,5% e aplicando uma leve redução WACC atingindo 12,6% (vs. 12,8% anterior)”, explica.

Segundo a análise, a Tegma vem sendo bastante pressionada pela queda nas vendas de veículos novos, uma vez que mais de 80% da receita líquida da companhia advém da logística automotiva. “Em nossa visão, a falta de componentes eletrônicos e os atrasos na cadeia logística mundial deverão persistir durante o ano de 2022 e 2023, o que tende a seguir dificultando as operações da companhia”, que vem buscando alternativas para contornar o cenário.

No momento, o ativo recua 4,72%, a R$ 14,34.



HORA DO MERCADO

13h10- Ibovespa cai 1,43%, a 105.560 pontos; dólar sobe e ronda os R$ 5

O índice de referência da Bolsa brasileira segue com o movimento de forte queda após a divulgação do dado de inflação ao consumidor nos Estados Unidos, indicador mais aguardado desta sexta-feira. O CPI de maio avançou 1% em relação a abril, acima do que os analistas projetavam (alta de 0,7%).

Segundo analistas, o número mostra que a inflação americana não chegou ao pico e aparece justamente às vésperas da reunião de política monetário do Federal Reserve, que ocorre na terça e quarta-feira da semana que vem (dia de decisão sobre juros aqui no Brasil também).

Analistas passaram a elevar as suas apostas para o avanço nas taxas além da reunião de julho (ver nota das 12h42), o que leva a um movimento de forte aversão ao risco no mercado, com queda generalizada para os mercados emergentes. Os juros mais elevados nos EUA podem afetar o fluxo de recursos externos para as ações brasileiras, uma vez que a renda fixa da principal economia do mundo fica mais atrativa.

Neste cenário, o dólar ronda os R$ 5 após chegar o superar o patamar no intraday: o avanço da divisa comercial é de 1,67%, a R$ 4,997 na compra e R$ 4,998 na venda, chegando a uma máxima de R$ 5,012.

As ações da Eletrobras (ELET3;ELET6) estão entre as maiores baixas do Ibovespa após a conclusão da precificação da oferta para privatização. Os papéis ELET6 caem 5,62% enquanto ELET3 recuam 3,69%. A maior queda porcentual, por sua vez, fica com Americanas (AMER3) recuando 7,34% para R$ 15,78.

Apenas a Qualicorp (QUAL3) avança mais de 1% entre as ações que compõem o Ibovespa, com avanço de 2,64%, a R$ 11,66. Iguatemi (IGTI11) tem alta de 0,92% e JBS (JBSS3) sobe 0,66%.

A curva de juros sobe após o dado de inflação nos EUA, assim como os dados de venda no varejo por aqui acima do esperado: DIF23, +0,05 pp , a 13,41%; DIF25, +0,08 pp, a 12,57%; DIF27, + 0,03 pp, a 12,50%; e DIF29, + 0,03 pp, a 12,64%.

Em Nova York, o Dow Jones recua 2,51%, enquanto S&P500 e Nasdaq operam em baixa de 2,78% e 3,46%, respectivamente.





13h06 – Eleven mantém classificação neutra para M. Dias Branco (MDIA3), com preço-alvo de 25,00

A manutenção veio após a compra da Jasmine pela M. Dias Branco, em função dos desafios de curto prazo, diante de um cenário de demanda doméstica fragilizada e preços de commodities em alta.

A Eleven enxerga potenciais ganhos de escala dos novos segmentos através da utilização da já consolidada estrutura de distribuição e comercialização da M. Dias, que ainda tem desenvolvido outros canais de venda através de parcerias com as plataformas BEES e Zé Delivery, da Ambev (ABEV3).

“Outra potencial sinergia da operação é o fortalecimento da presença da M. Dias nas regiões do Sul e Sudeste, seu principal alvo de expansão, já que conta com um market share de apenas 20% em comparação com mais de 60% de média no Norte e Nordeste”, destaca a Eleven.

No momento, MDIA3 cai 0,88%, a R$ 25,77.



12h48 – EUA não exigem mais teste negativo de Covid-19 a estrangeiros que chegam ao país

Segundo a Bloomberg, o recuo do governo norte-americano veio com pressão das companhias aéreas, que consideram as regras atuais excessivas, motivo que afastaria os viajantes e justificaria a queda na venda de passagens.

A mudança entra em vigor a partir da meia-noite do dia 12 de junho e será reavaliada em 90 dias.



12h42 – Inflação nos EUA atinge maior nível em quase 41 anos, intensifica apostas de Fed agressivo e eleva aversão ao risco no mercado



12h33 – Índices setoriais operam em queda ampla neste momento

Com apenas quatro ações subindo neste momento no Ibovespa, os índices setoriais caem com consistência.

Utilidade Pública (UTIL) lidera, com menos 1,92%; seguido por Energia Elétrica (IEE), com perdas de 1,83%; Financeiro (IFNC), que perde 1,65%; Consumo (ICON), com menos 1,45%; Imobiliário (IMOB), com baixa de 1,33%; Materiais Básicos (IMAT), que perde 1,10%; e Industrial (INDX), com menos 0,88%.



12h15 – Lançamentos no programa Casa Verde e Amarela diminuem 10% no 1T22, base anual

Os dados são da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), que sublinha que o segmento de baixa renda lançou cerca de 17 mil unidades no primeiro trimestre do ano, na comparação com o mesmo período de 2021, enquanto os lançamentos de média-alta tiveram alta de 36%. Além disso, as vendas totais (renda baixa + média-alta) cresceram 6,2% na base anual.

Para o Bradesco BBI, “mesmo depois de o governo ter mudado duas vezes as regras do programa nos últimos seis meses – o que deve ajudar, embora os efeitos ainda não devam ser vistos no 2T22 -, a viabilidade de novos projetos agora está mais apertada (e inviável para alguns players menores), o que tem permitido que players estruturados ganhem share ao custo de enfrentar margens cada vez mais pressionadas”.

“Acima de tudo, a Casa Verde e Amarela é um dos programas sociais de maior sucesso na história do Brasil, portanto, uma redução em seu tamanho envia uma mensagem política negativa em ano eleitoral – o que nos leva a acreditar que o governo está quase certamente trabalhando em estímulos adicionais para permitir que o segmento de baixa renda retome os empreendimentos imobiliários”, pondera.



12h03 – BofA: inflação dos EUA não é mais uma questão da ruptura da cadeia de suprimentos

“Os dados são consistentes com nossa visão de que a inflação não é mais apenas uma função de rupturas na cadeia de suprimentos de bens. A inflação também está sendo impulsionada pela forte demanda do consumidor por causa de um mercado de trabalho em brasa e forte inflação salarial”, resume.

O Fed telegrafou aumentos de 50 pontos-base em junho e julho. Seu próximo ponto de decisão é em setembro. “Embora nosso cenário base continue sendo um aumento de 25pb, a impressão de hoje aumenta o risco de outro aumento de 50bp”, pondera o BofA, com alguma probabilidade de um aumento de 75bp em julho.



11h48 – Índice do dólar norte-americano chega ao maior patamar em quase um mês

O índice do dólar americano, que acompanha a moeda em relação a uma cesta de outras moedas fortes – euro, iene (Japão), libra (Reino Unido), dólar canadense, coroa sueca, e o franco suíço – subiu para 103,939, seu nível mais alto desde meados de maio, quando foi a 103,523.

O dólar subiu depois que os dados de inflação dos EUA de maio superaram as expectativas do mercado, segundo o Wall Street Journal, na espera de uma ação mais efetiva do Fed nas próximas reuniões.



11h29 – Petrobras (PETR3; PETR4) confirma que Justiça determinou paralisação das negociações do Polo Bahia Terra

A Petrobras foi intimada nesta quinta (9) em decisão liminar proferida pelo TJ-RJ, determinando a paralisação das negociações contratuais com a Petrorecôncavo (RECV3) e a Eneva (ENEV3) referentes ao processo de venda dos campos do Polo Bahia Terra.

“A companhia adotará todas as medidas jurídicas cabíveis em prol dos seus interesses e de seus investidores”, assegurou, em nota.

“A Petrobras reforça a aderência do processo competitivo do Polo Bahia Terra às suas normas internas e disposições do procedimento especial de cessão de direitos de exploração, desenvolvimento e produção, bem como a importância dos desinvestimentos em sua gestão de portfólio”, conclui.



11h27 – Bradesco BBI vê sentido compra da Jasmine na estratégia da M. Dias Branco (MDIA3)

“A aquisição faz sentido dada a estratégia da M. Dias de crescer mais nas regiões Sul e Sudeste do Brasil. É dessa área que vem 50% das vendas da Jasmine, e onde a M. Dias tem uma participação de mercado de 20% contra cerca de 60% no Nordeste do Brasil”, explica.

Além disso, o BBI diz que a M. Dias pode alavancar sua robusta distribuição no Brasil para também expandir a Jasmine.

O BBI mantém classificação outperform (decisão acima da média de mercado) de MDIA3, com preço-alvo de R$ 40,00. No momento, a ação cai 1,96%, a R$ 25,49.



11h24 – Chega ao fim a novela da terceira via, destaca a Levante Investimentos

A busca por um acerto durou mais de um ano e contou com uma série de reviravoltas. Ainda que possa haver mudanças na composição da chapa, fica definido que PSDB e MDB estarão juntos nas eleições de 2022 (com a adição do Cidadania). Já o União Brasil deve seguir com candidatura própria, de Luciano Bivar, e Ciro Gomes (PDT) também não deve desistir da corrida.

“Ao cabo, a tentativa de unificação em torno de um nome sai frustrada, assim como as intenções de desbancar o favoritismo de Lula (PT) e Bolsonaro (PL) para o segundo turno da disputa. O projeto de Tebet deve seguir em frente, a princípio, apenas porque a senadora teve destaque na CPI da Covid. Na prática, porém, está quase enterrada a chance de uma terceira via prosperar”, resume.

Mesmo assim, a Levante pondera que “é possível, também, que a chapa seja reformulada caso a pré-candidata Simone Tebet não consiga reagir positivamente nas pesquisas eleitorais”. Ela tem hoje cerca de 2% das intenções de voto. A aposta na senadora foi feita justamente porque ela teria a menor rejeição entre os nomes anteriormente ventilados.



11h18 – Secretária do Tesouro dos EUA diz que empresários não são culpados pela inflação

Janet Yellen fez a afirmação para contrapor a “acusação” de membros do Partido Democrata, que é o partido do presidente dos EUA, Joe Biden, de que os empresários atendem uma suposta ganância neste momento de crise.

Segundo a Bloomberg, Yellen, entende que a demanda e a oferta é que colocam peso na balança, cada a seu modo. A secretaria deixou claro que o combate à inflação cabe apenas ao Fed e não aos próprios empresários.

A afirmação destoa do pedido, aqui no Brasil, do ministro Paulo Guedes e do presidente Jair Bolsonaro para que os empresários supermercadistas segurem os preços por alguns meses.



11h17 – Economista diz que há uma “tempestade perfeita” que privilegia a alta dos preços nos EUA

Segundo Sarah House, economista sênior da Wells Fargo Securities, consultada pelo Wall Street Journal, “o quadro geral é que a inflação continua muito teimosa e seguirá muito lenta para recuar”. Ela reforça que, “com o que vimos nos mercados de energia nas últimas semanas, é improvável que tenhamos visto o pico da inflação neste ciclo”.

Para ela, há uma “tempestade perfeita” que privilegia a alta dos preços: “desde as implicações da invasão russa da Ucrânia, os bloqueios chineses e apenas o puro apetite por viagens… o que vimos é a tempestade perfeita desses fatores”, disse ela.

A inflação ao consumidor nos EUA atingiu uma taxa anual de 8,6% em maio, seu nível mais alto em mais de quatro décadas (desde dezembro de 1981), especialmente por conta de energia e alimentos. Também foi superior à leitura de abril, que estava ligeiramente abaixo desse recorde de 40 anos.



HORA DO MERCADO

11h11- Ibovespa cai 1,86%, aos 105.106 pontos; dólar  volta aos R$ 5

O índice de referência da Bolsa brasileira opera em forte queda após a divulgação do dado de inflação ao consumidor nos Estados Unidos, indicador mais aguardado desta sexta-feira. O CPI de maio avançou 1% em relação a abril, acima do que os analistas projetavam (alta de 0,7%). Segundo analistas, o número mostra que a inflação americana não chegou ao pico e aparece justamente às vésperas da reunião de política monetário do Federal Reserve, que ocorre na terça e quarta-feira da semana que vem (dia de decisão sobre juros aqui no Brasil também). Já o dólar volta aos R$ 5: o avanço é de 1,81%, a R$ 5,004 na compra e R$ 5,005 na venda.

As ações da Eletrobras (ELET3;ELET6) lideram as baixas do Ibovespa após a conclusão da precificação da oferta. Os papéis ELET6 caem 4,99% enquanto ELET3 recuam 4,97%. A lista segue com Americanas (AMER3) recuando 4,87% para R$ 16,20.

Apenas três ações do Ibovespa operam no terreno positivo, mas praticamente estáveis. Marfrig (MRFG3) sobe 0,2%, enquanto Multiplan (MULT3) avança 0,18% e Braskem (BRKM5) tem alta de 0,11%.

Em Nova York, o Dow Jones recua 1,72%, enquanto S&P500 e Nasdaq operam em baixa de 1,75% e 1,94%, respectivamente.

A curva de juros também passou a subir após o dado de inflação nos EUA: DIF23, +0,05 pp , a 13,41%; DIF25, +0,05 pp, a 12,54%; DIF27, + 0,03 pp, a 12,50%; e DIF29, + 0,02 pp, a 12,63%.



11h05 – Morgan Stanley prevê tom mais “hawkish” do Fed na próxima reunião

“As pressões inflacionárias permaneceram extremamente amplas, com os preços dos principais bens reacelerando, devido aos contínuos aumentos nos preços dos carros novos e usados, juntamente com um salto nos preços do vestuário”, ressalta o Morgan Stanley, ao analisar a inflação divulgada hoje nos EUA (veja nota das 9h30).

“Ficou claro que a inflação continua alta e pelo menos em algumas áreas pode de fato ainda estar acelerando um pouco, definindo um tom hawkish para a reunião do FOMC da próxima semana”, lembra.



10h51 – Segundo Goldman Sachs, varejo brasileiro ainda deve encontrar “ventos contrários nos próximos meses”

As vendas no varejo brasileiro do núcleo registraram um aumento de 0,9% em abril, mais forte do que o esperado de crescimento de 0,3%. “O bom desempenho das vendas no varejo no início de 2022 reflete o aumento da mobilidade e da atividade na retaguarda da ômicron, a redução dos gargalos de oferta que afetam o setor automobilístico e a renovação do apoio fiscal”, explica a análise.

A transferência estatística principal de vendas no varejo para o 2T22 é de 2,3% na base trimestral.

O Goldman Sachs segue entendendo que a inflação de dois dígitos, condições financeiras domésticas mais apertadas, confiança fraca do consumidor e das empresas, incerteza política persistente, níveis recordes de endividamento das famílias e condições de crédito cada vez mais exigentes “devem gerar ventos contrários para a atividade de varejo nos próximos meses”.



10h46 – Levante destaca volume da desestatização da Eletrobras (ELET3; ELET6), a segunda maior da história

O processo fica atrás apenas da Telebras (TELB4), ocorrido em 1998, com o volume levantado sendo aproximadamente o dobro da privatização da Vale, em 1997.

“Com a realização da oferta de ações e, consequentemente, com o governo deixando de ser controlador da companhia, a expectativa é que sua estrutura interna altere bastante, o que deverá se refletir em uma maior eficiência de sua operação e maior competitividade em seu negócio”, sublinha a Levante.

Uma das implicações da privatização é o da Eletrobras extinguir modelo de cotas migrando para o de produção independente, em que usinas podem vender energia a preço de mercado, o que irá gerar mais valor para a companhia. “Ademais, a companhia capitalizada poderá ainda realizar os investimentos necessários para a modernização de seus ativos, impulsionando, assim, o bom desempenho de sua operação e a sustentabilidade de seu negócio”, explica.

No momento, ELET3 cai 6,88% e ELET6 recua 6,14%.



10h44 – Todos os índices setoriais operam no vermelho, com destaque negativo para materiais básicos, pela terceira sessão seguida

O índice de materiais básicos (IMAT) recua 2,19%, a 5.739 pontos.



10h42 – Dólar comercial renova máxima e sobe 1,5%, a R$ 4,989 na compra e a venda



10h39 – Curva de juros passa a subir após dado de inflação nos EUA

DIF23, +0,05 pp , a 13,41%; DIF25, +0,04 pp, a 12,53%; DIF27, + 0,03 pp, a 12,50%; e DIF29, + 0,03 pp, a 12,64%.



10h37 – Nenhuma ação do Ibovespa opera em alta neste momento



10h30 – Bolsas em Nova York abrem em forte baixa após inflação maior que o esperado

  • Dow Jones cai 1,52%
  • S&P 500 recua 1,61%
  • Nasdaq opera em baixa de 1,81%


10h28 – M. Dias Branco (MDIA3) recua 1,15%, a R$ 25,70, com aquisição da marca Jasmine



10h26 – Ibovespa aprofunda perdas e cai 1,9%, aos 105.064 pontos



10h23 – Oi (OIBR3) despenca 5%, a R$ 0,57, após fechamento da alienação parcial da UPI InfraCo (V.tal)



10h19 – ON e PNB da Eletrobras (ELET3;ELET6) recuam, respectivamente, 5,18%, a R$ 42,0,81, e 5,04%, a R$ 40,36, com precificação da oferta



10h16 – Bradesco (BBDC4) cai 0,98%, a R$ 19,21, após anúncio de distribuição de R$ 2 bi em JCP



10h12 – Vale (VALE3) abre em baixa de 1,56%, a R$ 83,22, acompanhando recuo do minério na China



10h07 – Ações ON e PN da Petrobras (PETR3;PETR4) caem, respectivamente, 0,69%, a R$ 33,10, e 0,86%, a R$ 29,81

  • Petróleo WTI (julho): -0,11%, a US$ 121,37
  • Petróleo Brent (agosto): -0,14%, a US$ 122,90


10h06 – CPI de maio nos EUA mostra que inflação ainda não chegou ao pico, diz economista

Segundo Étore Sanchez, a surpresa mais proeminente foi no headline que voltou a se acelerar, de 8,3% para 8,6%, acima do mais pessimista dos agentes, cuja projeção encontrava-se em 8,5%.

O avanço foi concentrado em alimentos e energia, mas o efeito sob os núcleos também não foram desprezíveis. Ainda que tenha se mostrado em desaceleração, de 6,2% para 6,0% na base anual, a velocidade da queda foi inferior ao que boa parte do mercado esperava, visto que a mediana das expectativas estava em 5,9%.

“A teoria de que a inflação já tinha atingido seu pico perde força com o headline voltando a se acelerar”, destaca. Mesmo assistindo os núcleos em declínio, a pressão sobre o Fed se amplia novamente, principalmente no tocante a taxa terminal, visto que o ritmo parece pavimentado em +50bps por reunião.



10h04 – Ibovespa cai 0,31%, aos 106.671 pontos, com papéis ainda em leilão



9h59 – Dólar comercial passa a operar em alta de 0,53%, a R$ 4,941 na compra e R$ 4,942 na venda



9h52 – Ibovespa futuro acompanha NY e amplia perdas, caindo 1,36%, aos 106.225 pontos



9h51 – Rendimento de curto prazo dos títulos do Tesouro dos EUA dispararam, após o CPI, para 2,908%, alta de 0,091 pp



9h47 – Futuros em Nova York se firmam em terreno negativo após inflação subir mais que o esperado

  • Dow Jones futuro, -0,85%
  • S&P 500 futuro, -1,06%
  • Nasdaq futurom, -1,48%


9h39 – Watts, da Multilaser (MLAS3), e E-moving fecham acordo para locação de motos elétricas

A Multilaser (MLAS3) anunciou que a Watts, empresa do grupo Multilaser focada na fabricação de veículos elétricos, e a E-moving, startup líder em assinaturas mensais de bicicletas elétricas e investida da Companhia, anunciaram uma parceria que oferecerá locação de motos elétricas.

Com assinaturas a partir de R$699 mensais e contrato mínimo de 12 meses, os locatários poderão customizar o veículo para diferentes aplicações.

Segundo Rodrigo Gomes, fundador da Watts, a parceria chega em um momento de expansão do mercado de mobilidade elétrica no país. “Impulsionada pelo aumento do preço do combustível e, também, pelo desejo do brasileiro de reduzir os impactos ambientais, acreditamos que a utilização de veículos elétricos só tende a crescer”, explica.

O modelo que estará disponível para as empresas interessadas é a moto elétrica W125, o mais recente lançamento da Watts, que possui autonomia de até 150km com duas baterias, motor de 3000W, com desempenho semelhante às motos de combustão de 125cc.



9h31 – Ibovespa futuro amplia perdas e recua 0,72%, aos 106.920 pontos



9h30 – EUA: Índice de Preços ao Consumidor (CPI) de maio avança 1%, acima do esperado



9h25 – Ibovespa futuro opera entre perdas e ganhos; expectativa de alta de juros volta a pressionar



9h22 – Weg (WEGE3) divulga planejamento sucessório

O Conselho de Administração da Weg (WEG3) aprovou a sequência do plano de sucessão de seus Administradores. Reinaldo Richter, atualmente Diretor Superintendente da WEG Tintas (Paumar), deixará a posição de executivo da companhia em 30 de junho de 2022. A partir de 01 de julho de 2022, a direção do negócio de Tintas passará a ser ocupada pelo Rafael Guerreiro Torezan.

Já Hilton José da Veiga Faria, atualmente Diretor de Recursos Humanos e Sustentabilidade iniciará, a partir de 01 de julho de 2022, o processo de transição de suas funções na Companhia para Juliano Saldanha Vargas.

O processo de transição terá duração de seis meses, período no qual Hilton seguirá com suas funções focadas nas iniciativas de sustentabilidade, enquanto que Juliano assumirá as funções de recursos humanos.



9h20 – IGP-M acelera a 0,39% na 1ª prévia de junho ante 0,23% em igual leitura de maio

O IGP-M acelerou a 0,39% na primeira prévia de junho, após registrar alta de 0,23% na mesma leitura de maio, informou nesta sexta-feira, 10, a Fundação Getulio Vargas (FGV). Dois dos três índices componentes do indicador avançaram no período.

A maior alta foi contabilizada no Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M), que avançou de 0,67% no primeiro decêndio do mês passado para 3,05% na mesma leitura de junho. O Índice de Preços ao Consumidor (IPC-M) também acelerou, de 0,30% para 0,56%.

Em contrapartida, o Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA-M) arrefeceu de 0,17% na primeira prévia de maio para 0,05% nesta leitura, informou a FGV. (Estadão Conteúdo)



9h17 – Juros mais altos podem impactar negativamente volumes de financiamento de veículos novos, afirma BBI

A equipe de análise do banco diz que a queda no financiamento de carros novos deve levar as montadoras a aumentar as vendas diretas para clientes corporativos, beneficiando as locadoras de automóveis.

BBI mantém classificação outperform para Movida (MOVI3) e preço-alvo de R$ 28. Também mantém avaliação outperform para Localiza (RENT3) e Unidas (LCAM3), com preço-alvo de R$ 67 e R$ 29, nesta ordem.



9h14 – Juros Futuros operam majoritariamente em queda: DIF23, +0,02pp, a 13,38%; DIF25, -0,02pp, a 12,48%; DIF27, -0,03pp, a 12,44%; DIF29, -0,04pp, a 12,57%; e DIF31, -0,03pp, a 12,65%.



9h12 – Novos casos de Covid-19 em Xangai podem agravar os gargalos logísticos globais, aponta BBI

Xangai anunciou ontem medidas de isolamento para sete distritos neste fim de semana para testes em massa para Covid-19 em meio a novos casos do vírus, enquanto as autoridades de Pequim também estão endurecendo as restrições à mobilidade.

Como resultado da política de zero COVID da China, novos bloqueios podem ser impostos se novos casos forem identificados nos testes em massa, o que seria uma notícia negativa para as locadoras, Iochpe (outperform, R$ 22,00), Mahle Metal Leve (underperform, R$ 21,00). A Santos Brasil (outperform, R$ 13,00) também pode ser impactada por volumes menores.



9h08 – Alpargatas (ALPA4) informa que Conselho de Administração da Rothy’s passa a ter 9 membros após investimento estratégico realizado pela companhia

Os membros do Conselho da Rothy ‘s são seus co-fundadores, Stephen Hawthornthwaite e Roth Martin, a Chief Financial Officer, Dayna Quanbeck e Jeremy Liew da Lightspeed Venture Partners.

Quatro novos membros da Alpargatas farão parte desse Conselho: o CEO, Roberto Funari, a Conselheira, Stacey Brown, o Conselheiro, Marcelo Pereira Lopes de Medeiros e o CFO do Mercado Internacional, Pablo Sande.

Além disso, Jenny Ming, ex-presidente da Old Navy e CEO da Charlotte Russe, atuará como Conselheira Independente.



9h06 – Dólar comercial cai 0,3%, a R$ 4,900 na compra e R$ 4,901 na venda

O dólar futuro para julho opera em queda de 0,17% a R$ 4,925.



9h04 – Ibovespa futuro vira e cai 0,11%, aos 107.575 pontos



9h02 – Ibovespa futuro abre em alta e sobe 0,27%, aos 107.985 pontos



9h – Vendas do varejo em abril crescem 0,9% em abril na comparação com março, acima do esperado





8h56 – Futuros em Nova York operam sem direção definida, à espera de inflação ao consumidor

O índice pode ajustar as apostas para o Fomc de setembro, que ainda divide Wall Street. Para as reuniões da semana que vem e de julho, o consenso é de dois aumentos de 50 pontos-base do juro.

Veja o desempenho dos índices futuros em Nova York:

  • Dow Jones Futuro (EUA), -0,03%
  • S&P 500 Futuro (EUA), +0,13%
  • Nasdaq Futuro (EUA), +0,34%


8h54 – Preços dos combustíveis devem permanecer altos, diz BBI

A proposta do governo de eliminar os impostos PIS/Cofins sobre etanol e diesel deve valer até junho de 2027, enquanto a isenção de PIS/Cofins sobre gasolina só deve valer em 2022.

Apesar das isenções fiscais, o time de research do banco espera que os preços dos combustíveis no Brasil permaneçam altos, refletindo também os preços internacionais mais altos.



8h44 – Eneva (ENEV3) adquire Termelétrica Fortaleza por R$ 431,5 milhões

A Eneva (ENEV3) celebrou, no dia 09 de junho de 2022, contrato para compra de das ações emitidas pela CGTF – Central Geradora Termelétrica Fortaleza (Termofortaleza) de propriedade da Enel Brasil.

No âmbito da operação, a companhia considera um enterprise value de R$ 431,5 milhões, sujeito à correção pela variação do CDI e a ajustes positivos ou negativos. A operação também prevê pagamentos contingentes à recontratação futura da planta, que podem alcançar até R$ 97 milhões.

A Termofortaleza tem como principal ativo operacional a UTE Fortaleza, uma usina termelétrica a gás, com capacidade instalada de 327 MW, localizada no município de Caucaia, Estado do Ceará.



8h38 – Volumes de cimento no Brasil estão “perdendo vapor”, diz BBA

Segundo o Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC), os embarques de cimento no Brasil caíram 1% na base anual, levando a uma queda de 2% A/A nos 5M22. O fraco desempenho do setor foi impulsionado pelo agravamento das condições macro que incluíram taxas de juros crescentes, inflação alta e crescente endividamento das famílias.

O SNIC também observou que o aumento dos custos globais de insumos continua prejudicando as margens do setor. Para controlar os custos, alguns produtores nacionais investiram em tecnologias que utilizam combustíveis alternativos para substituir petróleo, gás e coque.



8h35 – Membro do BCE fala em inflação da zona do euro ‘muito disseminada’



8h31 – Credit Suisse segue cauteloso com construtoras, embora reconheça que avaliações parecem descontadas

Em maio, as construtoras sob a cobertura do banco suíço tiveram desempenho inferior ao Ibovespa em 6%, o que pode ser explicado pelas condições macro (as taxas de longo prazo subiram 30 pontos base) e pela deterioração da microdinâmica do setor.

A EZTec foi o destaque positivo (+4%), enquanto a Tenda teve o desempenho mais negativo (-14%). Em síntese, analistas do banco continuam cautelosos com o setor, embora reconheçam que as avaliações podem parecer descontadas (P/BV de 0,8x) e que pode haver uma boa oportunidade de entrada se o cenário macro mostrar sinais de inflexão.



8h24 – BBI vê deterioração pior do que o esperado na qualidade dos ativos de crédito

Apesar das melhorias marginais durante maio no número de famílias endividadas, ainda está bem acima dos níveis históricos. O menor percentual de famílias endividadas não se traduziu em uma inadimplência mais controlada, que analistas enxergam como resultado de condições macroeconômicas desafiadoras, com inflação ainda elevada levando as famílias a utilizar linhas de crédito de curto prazo para financiar seu consumo.

Enquanto isso, a renda disponível está sendo pressionada não apenas pelo alto nível de inflação no período, mas também por menores reajustes salariais, o que leva a conjecturar por quanto tempo a capacidade de parcelamento/empréstimos poderá continuar pressionada e, portanto, deterioração pior do que o esperado na qualidade dos ativos.



8h14 – Hypera (HYPE3): BBA reitera avaliação outperform e eleva preço-alvo de R$ 39 para R$ 48

Após a eliminação da pendência relacionada ao acordo de leniência, a visão construtiva do BBA sobre o Hypera é sustentada por fortes perspectivas de crescimento e um modelo de negócios defensivo.

O time de análise do banco espera que a Hypera continue apresentando um sólido crescimento orgânico de receita, que, juntamente com a integração bem-sucedida dos portfólios Buscopan e Takeda, deve aumentar a alavancagem operacional e a lucratividade.



8h04 – CCR (CCRO3) vem registrando consistentemente tráfego de pedágio acima dos níveis de 2019, destaca BBI

Segundo analistas, o desempenho foi alavancado principalmente por veículos pesados ​​com +17% em relação a 2019, enquanto os veículos leves ainda estão -2% abaixo dos níveis pré-pandemia.

O banco mantém classificação outperform para CCR, e preço-alvo de R$ 16 frente a cotação de quinta-feira (9) de R$ 13,23.



7h54 – Radar InfoMoney: Vale (VALE3) divulga resultado de oferta de compra de títulos; M.Dias Branco (MDIA3) compra Jasmine e mais



7h50 – Bolsas europeias operam em baixa com perspectiva de alta de juros na zona do euro

Ontem, o Banco Central Europeu afirmou que vai iniciar o ciclo de aperto monetário em julho, elevando a taxa de juros em 25 pontos base na próxima reunião de política monetária e provavelmente em agosto. De setembro em diante, os ajustes podem ser mais agressivos.

O BCE quer colocar a inflação, que hoje supera os 8%, próxima à meta de 2% no curto prazo. Essa postura reforça os temores de uma recessão, impulsionando os índices para baixo.

Confira o desempenho das Bolsas europeias:

  • FTSE 100 (Reino Unido), -1,25%
  • DAX (Alemanha), -1,57%
  • CAC 40 (França), -1,68%
  • FTSE MIB (Itália), -3,61%
  • Stoxx 600, -1,52%


7h40 – BC: Relatório de Inflação será publicado dia 30 em razão da greve de servidores



7h30 – Banco Central da Rússia corta taxa de juros para 9,5%

A taxa estava em 11%. O BC russo afirmou que, com a atual política monetária, a inflação no país deve fechar entre 14% e 17%. Disse ainda que a redução de juros deve aumentar a disponibilidade de crédito e diminuir a intensidade do declínio econômico. Porém, o BC diz que a deterioração da economia no ano é menos intensa do que a prevista pelo banco em abril, após as tropas russas invadirem a Ucrânia, dando início aos embargos contra o país.

O Banco Central da Rússia reconhece que o ambiente externo continua desafiador para a economia russa.



7h24 – Criptos hoje: Bitcoin mantém os US$ 30 mil antes de inflação nos EUA; altcoins recuam e tokens Luna ficam voláteis



7h22 – Bolsas asiáticas fecham mistas, mas têm melhor semana em 16 meses

O índice Shanghai SE, da Bolsa de Xangai, fechou em forte alta, mesmo com a notícia de novos bloqueios na cidade em função da pandemia. Segundo o Financial Times, metade dos distritos da capital financeira chinesa serão novamente isolados para uma testagem em massa após o registro de novos casos de Covid-19. As restrições foram retomadas menos de uma semana depois do início das flexibilizações. Xangai passou dois meses em lockdown.

Ainda na China, a inflação oficial recuou 0,2% em maio na comparação com abril, mas avançou 2,1%, comparado com o mesmo período do ano passado. A inflação ao produtor subiu 6,4% em maio, na comparação anual.

No Japão, a inflação ao produtor de maio ficou estagnada em relação a abril, enquanto o mercado aguardava por uma ligeira alta de 0,5%. Em 12 meses, contudo, o indicador acumula alta de 9,1%. O Nikkei, da Bolsa japonesa, fechou em forte baixa.

Confira o fechamento das principais Bolsas asiáticas hoje:

  • Shanghai SE (China), +1,42%
  • Nikkei (Japão), -1,49%
  • Hang Seng Index (Hong Kong), -0,29%
  • Kospi (Coreia do Sul), -1,13%


Acessa o tempo real do InfoMoney todos os dias? Adicione este link aos favoritos do seu navegador!



Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Compartilhe