Pré-mercado

Ibovespa futuro tem ganhos moderados à espera de decisão do Fed; mercado opera de lado no exterior

Autoridade monetária dos Estados Unidos pode acelerar retirada de estímulos à economia americana

Por  Mitchel Diniz

O Ibovespa futuro opera em alta moderada nos negócios desta quarta-feira (15), dia em que as atenções estarão voltadas às declarações do Federal Reserve, o Banco Central dos Estados Unidos. Termina hoje a reunião do Comitê de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) da autoridade monetária e, ainda que os juros americanos sejam mantidos em níveis historicamente baixos, o mercado acredita que o Fed vai acelerar a retirada de estímulos (tapering) à economia do país.

Desde que a pandemia começou, o BC americano tem desembolsado bilhões de dólares para compras de Títulos públicos, para injetar liquidez na economia. O ritmo das compras já diminuiu no último mês de novembro e pode ser reduzido de forma ainda mais rápida. Essa percepção vem do fato de que o Fed lida hoje com os maiores níveis de inflação nos EUA em 39 anos.

Por aqui, o Banco Central divulgou hoje o IBC-Br, sobre o desempenho da economia no último mês de outubro. Conhecido popularmente como “prévia do PIB”, o índice registrou queda de 0,4% na comparação com setembro, refletindo dados mais fracos da economia, como indicadores recentes de varejo e serviços, que vieram piores do que o esperado.

O cenário doméstico também traz a votação em segundo turno dos ajustes da PEC dos Precatórios na Câmara. As modificações feitas sobre o texto no Senado foram aprovadas em primeiro turno em votação ontem à noite.

Os investidores continuam cautelosos também com o avanço da variante ômicron do coronavírus, após declarações da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre o alto grau de transmissibilidade da nova cepa. Nos Estados Unidos, a variante já responde por 3% dos casos totais de Covid-19 atualmente.

Leia mais: Estudos mostram baixa proteção da CoronaVac contra ômicron

Às 9h18 (horário de Brasília), o Ibovespa futuro para dezembro de 2021 avançava 0,42% aos 107.020 pontos.

O dólar comercial operava em queda de 0,29%, a R$ 5,677 na compra e R$ 5,677 na venda. O dólar futuro para janeiro de 2022 caía 0,2% a R$ 5,690.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2023 cai um ponto-base para 11,48%; DI para janeiro de 2025 sobe um ponto-base, a 10,46%; e o DI para janeiro de 2027 cai dois pontos-base a 10,35%.

As Bolsas no exterior operam em compasso de espera pelo comunicado do Federal Reserve após o término da reunião do Fomc, o que está previsto para as 16h (horário de Brasília) de hoje. Em Nova York, as Bolsas vêm de dois seguidos de baixo e, agora pela manhã, os índices futuros operam com tendências distintas.

O Dow Jones futuro tem ligeira queda de 0,01%, os futuros do S&P 500 caem 0,03%; e os futuros da Nasdaq recuam 0,19%.

Leia mais: Congresso dos EUA aprova aumento do teto da dívida em US$ 2,5 trilhões

Na Europa, dados de inflação têm destaque na agenda do dia. Os preços ao consumidor no Reino Unido subiram 5,1% no acumulado de 12 meses até novembro, a alta mais acentuada da década, acima da meta do Banco Central Inglês. A autoridade monetária britânica também se reúne esta semana para discutir estímulos à economia.

As Bolsas europeias, que vêm de uma sequência de cinco dias em queda, ensaiam uma recuperação nos negócios de hoje. O índice Stoxx 600, que reúne ações de empresas de 17 países europeus, avançava 0,41%.

Na China, a produção industrial avançou 3,8% em novembro na comparação anual, superando expectativas. Porém o dado de varejo veio bem abaixo do esperado, refletindo restrições com o aumento no número de casos de Covid-19. Enquanto as Bolsas chinesas fecharam em baixa, os índices na Coreia do Sul e Japão terminaram a sessão com ganhos moderados.

O preço do minério de ferro na Bolsa chinesa de Dalian volta a cair forte hoje e as cotações do petróleo vão pelo mesmo caminho, recuando pelo terceiro dia seguido, com a expectativa de que os estoques podem superar a demanda no ano que vem. O barril do Brent recuava 1,03% a US$ 79,24 e o do WTI caía 1,16% a US$ 69,91.

Radar corporativo

Distribuição de proventos por diversas companhias e discussão sobre a privatização da Eletrobras estão entre os principais destaques do dia.

Eletrobras (ELET3;ELET6)

A privatização da Eletrobras (ELET3;ELET6) voltou a entrar na pauta do Tribunal de Contas da União (TCU).

De acordo com documento divulgado na última sexta-feira (10) pelo Tribunal, a desestatização da estatal será analisada em sessão extraordinária hoje (15), às 10 horas.

A privatização seria analisada na última quarta-feira (8), mas o relator, Aroldo Cedraz, tirou o processo de pauta.

Petrobras (PETR3;PETR4)

A Petrobras realiza nesta quarta pagamento bilionário de dividendos aos acionistas. A estatal paga R$ 2,195126 por ação ordinária e preferencial a título de dividendos e R$ 1,055361 bruto por ação ordinária e preferencial de juros sobre capital próprio (JCP).

Têm direito a receber o proventos os investidores que detinham ações no dia 1º de dezembro, a data base para contabilização.

A estatal ainda informou na véspera que a partir de hoje o preço médio de venda da gasolina A para as distribuidoras passará de R$ 3,19 para R$ 3,09 por litro, uma redução média de R$ 0,10 por litro.

Localiza (RENT3)

A Localiza (RENT3) aprovou o pagamento de juros sobre o capital próprio (JCP) no valor bruto de R$ 97,15 milhões, equivalente a R$ 0,129163564 por ação.

Farão jus aos proventos os acionistas constantes da posição acionária da companhia em 17 de dezembro. O pagamento ocorrerá no dia 11 de fevereiro de 2022.

Ainda no radar, Tribunal do Cade deve chegar a uma decisão sobre a proposta de incorporação da Unidas pela Localiza.

WEG (WEGE3)

A WEG (WEGE3) aprovou o pagamento de JCP no valor total de R$ 134,27 milhões, correspondente a R$ 0,032 por ação.
O pagamento será destinado aos titulares de ações em 17 de dezembro. O pagamento de JCP ocorrerá em 16 de março de 2022.

Vibra (VBBR3)

A Vibra aprovou o pagamento de JCP no valor de R$ 148,5 milhões ou R$ 0,13148245401 por ação, no dia 23 de dezembro de 2021.

Rede D’Or (RDOR3)

A Rede D’Or (RDOR3) pagará Juros sobre o Capital Próprio no valor bruto de R$ 186,083 milhões, correspondentes a R$ 0,09438900266 por ação ordinária.

O pagamento dos proventos será efetuado em 29 de dezembro e tomará como base a posição acionária final do dia 17 de dezembro de 2021.

Além disso, a Rede D’Or (RDOR3) retirou proposta de incorporação do Hospital Santa Helena da AGE de hoje (15).

Odontoprev (ODPV3)

A Odontoprev (ODPV3) aprovou a distribuição de JCP no valor bruto de R$ 12,27 milhões, correspondentes a R$ 0,023678950 por ação.

Farão jus aos proventos os detentores de ações da companhia em 17 de dezembro. O pagamento está previsto para 30 de dezembro.

Syn Prop Tech (SYNE3)

A Syn Prop Tech (SYNE3), ex-Cyrela Commercial Properties, anunciou que distribuirá R$ 1,25 bilhão em dividendos, equivalentes a R$ 8,1889 por ação.

Os proventos serão pagos no dia 28 de dezembro, com base na posição acionária existente em 17 de dezembro.

CSU CardSystem (CARD3)

A CardSystem (CARD3) aprovou o pagamento de JCP no valor bruto de R$ 4,0 milhões, equivalentes a R$ 0,972 por ação. O pagamento acontecerá em 14 de janeiro de 2021.

Raia Drogasil (RADL3)

A RD pagará R$ 41 milhões em dividendos nesta quarta-feira (15). Terão direito aos proventos o acionista que tinham o papel em 8 de dezembro.

Eternit (ETER3)

A Eternit aprovou pagamento de juros sobre capital próprio (JCP) no valor total de R$ 14,9 milhões, equivalentes ao valor líquido de R$ 0,20529681 por ação.

O pagamento será realizado em 28 de dezembro de 2021 e tomará como base de cálculo a posição acionária de 21 de dezembro de 2021; as ações serão negociadas na condição “ex” juros sobre capital próprio a partir do dia 22 de dezembro de 2021.

Ouro Fino (OFSA3)

A Ouro Fino (OFSA3) aprovou o pagamento de JCP no valor bruto de R$ 16,1 milhões, correspondentes a R$ 0,30043 por ação.

Terão direito ao recebimento do JCP todos os detentores de ações da companhia na data base de 17 de dezembro de 2021. O pagamento ocorrerá em 29 de dezembro de 2021.

Yduqs (YDUQ3)

A Yduqs (YDUQ3) contratou empréstimo externo junto ao Citibank, no valor de US$ 80 milhões (R$ 447,6 milhões).

O custo do empréstimo será de 100% do CDI acrescido de 1,30% ao ano, pelo prazo de dois anos.

Ambipar (AMBP3)

O Conselho de Administração da Ambipar (AMBP3) aprovou a 3ª emissão de debêntures, no valor de R$ 750 milhões.

Gafisa (GFSA3

A Gafisa aprovou a emissão de debêntures conversíveis, no valor de R$ 245 milhões. A companhia ainda emitiu certificados de recebíveis imobiliários (CRI), lastreados por debêntures simples, também de emissão da companhia, no valor de R$ 85 milhões.

Segundo comunicado, os recursos serão usados para pagar quotas de empreendimentos.

Gerdau (GGBR4) e a Gerdau Metalúrgica (GOAU4)

Os Conselhos de Administração da Gerdau (GGBR4) e da Gerdau Metalúrgica (GOAU4) elegeram Rafael Dorneles Japur para cargos de vice-presidente e diretor de RI das duas empresas.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui.

Compartilhe